browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Impeachment de Trump, o “tiro vai sair pela culatra” e explodir na face democrata

Posted by on 27/09/2019

A transcrição da ligação telefônica do presidente Donald Trump com seu colega ucraniano não mostra pressão ou ameaças para reter ajuda militar em troca de favores. Por que os democratas e a mídia mainstream ainda a usam dessa maneira e a invocam como motivos para o impeachment de Trump? Por mais de dois anos, os insanos democratas depositaram suas esperanças no advogado especial Robert Mueller, que estava investigando as alegações de “conluio russo” e obstrução da justiça em relação a ele – apenas para ficar de mãos vazias em maio, com o fim do “Russiagate”, provadamente um caso “fabricado”, para desespero dos democratas.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Processo de impeachment de Trump com base em telefonema ao presidente da Ucrânia não tem “nada” para derrubá-lo, mas suas consequências prejudicarão a América a longo prazo

Fonte:  https://www.rt.com/usa/469626-trump-impeachement-transctript-democrats/

Sem se deter, o partido Democrata pressionou para o impeachment de qualquer maneira, argumentando que o relatório de alguma forma mostrava obstrução da justiça em algum lugar nas entrelinhas e provou algo que disse explicitamente o contrário.

Mesmo esse raciocínio foi abandonado nesta semana quando a presidente da Câmara a democrata Nancy Pelosi finalmente anunciou a abertura do processo de impeachment de Trump.

Os Democratas descobriram mais “um apito” para assoprar contra Trump e parece que este também não vai funcionar como eles esperam, mesmo usando a mídia mainstream comprometida …

Em vez disso, todo o caso foi pautado na alegação de que Trump de alguma forma “se envolveu em um comportamento que compromete a integridade de nossas eleições, a dignidade do cargo que ocupa e nossa segurança nacional”, como Pelosi disse sobre a conversa por telefone com o presidente Volodymyr Zelensky, da Ucrânia, que ocorreu em 25 de julho

Mas a transcrição da conversa real entre Trump e Zelensky não revela tal coisa. Além disso, o próprio Zelensky disse que não estava sendo “pressionado” em nada, em uma aparição conjunta com Trump na quarta-feira na ONU. Isso não intimidou Pelosi, que disse que “não viu” a transcrição antes de iniciar a investigação, ou o resto de seu partido – e a mídia também não viu a conversa – e se ataram lançaram ao ataque para interpretar a conversa como ameaçadora, e até criminosa.

Por exemplo, o presidente do Comitê de Inteligência da Câmara, Adam Schiff (D-Califórnia), um dos principais vendedores ambulantes do falso escândalo ‘Russiagate’, descreveu-o como “um clássico trabalho da máfia”.
Os candidatos à nomeação presidencial democrata para as eleições de 2020 também se destacaram, com o senador Cory Booker (D-Nova Jersey) dizendo que a transcrição era “prova aparente de que Trump pressionou uma nação estrangeira a se intrometer em nossa democracia novamente”. A senadora Elizabeth Warren Massachusetts), atualmente liderando o grupo nas pesquisas para ser candidata dos Democratas, chamou a transcrição de “smoking gun”.

Exceto literalmente, que nada disso é verdade. Não há sequer um sinal de impropriedade na conversa – além da demonstração clara de que a Ucrânia não é um país independente, mas um vassalo dos EUA em todos os sentidos, mas isso não é algo que democratas ou republicanos se sentiriam confortáveis ​​em contemplar. Parece que, embora reivindicações extraordinárias exijam evidências extraordinárias, reivindicações verdadeiramente estranhas não exigem nenhuma evidência – como mostra o caso “Russiagate”, a tentativa de descarrilhar a confirmação do juiz Brett Kavanaugh para o Supremo e agora mais um negócio fabricado, a Ucrânia.

O que é fascinante é que existem muitas perguntas reais no que diz respeito ao relacionamento EUA-Ucrânia, anterior ao governo Trump, desde o período que antecedeu o golpe de 2014 até as origens das reivindicações do pseudo escândalo “Russiagate” em 2016, e Trump parece ter pedido a Zelensky que investigasse alguns daqueles que tentam erradicar a corrupção em seu país.

Especificamente, o presidente dos EUA perguntou sobre a Crowdstrike, um empresa contratada do DNC (partido democrata) que originou a alegação de que a Rússia invadiu os e-mails do partido em junho de 2016. Ele perguntou sobre os servidores do DNC que a Crowdstrike nunca permitiu que as autoridades dos EUA inspecionassem, e um boato que ela poderia ser propriedade de um oligarca na Ucrânia.

Ele também perguntou sobre a demissão de um promotor e se estava investigando uma empresa de gás que pagava ao filho do vice-presidente Joe Biden US$ 600.000 por ano para ele participar do conselho de administração da empresa, simplesmente por causa de seu sobrenome e conexões familiares. O próprio Biden se gabou publicamente, em um evento em 2018, de ameaçar reter ajuda militar da Ucrânia se o promotor não fosse demitido. Com efeito, os democratas estão dizendo com esse impulso de impeachment que o público americano não precisa ou merece saber as respostas para essas perguntas que tem importância real. Simplesmente perguntar a eles é de alguma forma ser um mau traidor.

Os críticos de Trump parecem estar apostando que o impeachment mobilizará sua base para as eleições de 2020. No entanto, isso equivale a uma admissão tácita de que eles não têm uma plataforma ou candidato forte o suficiente para vencê-lo nas urnas. A tática provavelmente será o clássico caso do “tiro que saiu pela culatra”, mobilizando a base do Partido Republicano da mesma forma que nas eleições para o Senado de 2018, após o circo montado para impedir a indicação do juiz Kavanaugh à suprema corte. Os republicanos já veem o caso “denuncia ucraniana” como mais um ataque partidário dos desesperados democratas a Trump.

Então, o que virá a seguir? Se o impeachment de Bill Clinton em 1998 for algo semelhante para Trump, haverá meses de audiências e drama do congresso – exceto que desta vez, em vez de um comitê e um conselho especial, há seis comitês do congresso competindo entre si por atenção e recursos. O impeachment de Clinton durou quase seis meses, mas o processo pode demorar mais tempo e se sobrepor às primárias da campanha de 2020.

Lembre-se de que nenhum presidente americano foi impedido com sucesso. Nixon renunciou antes que isso pudesse acontecer. Andrew Johnson, em 1868, e Clinton, em 1998, permaneceram no cargo depois de terem sido acusados na Câmara, mas não foram condenados no Senado. Também é provável que isso aconteça com Trump, já que os democratas precisariam dos votos de 13 senadores republicanos para condenar Trump no Senado onde o partido do presidente tem ampla maioria.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL):  “A Matrix é um  sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. “Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse  sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Leitura Adicional

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

One Response to Impeachment de Trump, o “tiro vai sair pela culatra” e explodir na face democrata

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.