browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Innovation B.I.S. 2025: um trampolim para uma ‘Nova Ordem Mundial’ econômica

Posted by on 28/10/2019

Sediado na Basiléia Suíça, o Bank for International Settlements (BIS) é o banco dos bancos centrais. Fundado em 1930, o BIS é a instituição financeira global mais antiga e opera sob os auspícios do direito internacional. O Bank for International Settlements (BIS) é uma instituição financeira internacional, de propriedade de bancos centrais, que promove a cooperação monetária e financeira internacional entre bancos centrais. O BIS realiza seu trabalho através de seus programas de reuniões e através do Processo de Basileia – hospedando grupos internacionais que buscam estabilidade financeira global e facilitando sua interação. Também fornece serviços bancários, mas apenas para os bancos centrais e outras organizações internacionais. Está sediado em Basileia Suíça, com escritórios de representação em Hong Kong e Cidade do México.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Inovação BIS 2025: um trampolim para uma ‘Nova Ordem Mundial’ econômica

Fonte:  https://stevenguinness2.wordpress.com/

As reuniões anuais do FMI, realizadas em Washington D.C. na semana passada, demonstraram que, quando a instituição emite novas projeções econômicas ou avisos de desaceleração, a grande imprensa não se opõe a oferecer cobertura proeminente. Depois que o FMI foi fundado em 1944 (após a Segunda Guerra Mundial), tornou-se parte do que os “internacionalistas” chamam de “ordem global baseada em regras“. Por 75 anos, o FMI tem sido considerado pelo establishment político e pelas elites bancárias como um pino central do sistema financeiro mundial.

Ao contrário do que alguns podem acreditar, o FMI não foi a primeira instituição monetária global. Esse elogio pertence ao Banco Suíço de Compensações Internacionais (BIS), que antecede o FMI em catorze anos. Sua criação em 1930 foi, de acordo com o BIS , principalmente para liquidar pagamentos de reparação de guerra ‘impostos à Alemanha após a Primeira Guerra Mundial ‘ no Tratado de Versalhes. Sem a Primeira Guerra Mundial – um grande evento (provocado intencionalmente) de crise – não haveria mandato para o BIS existir. Por mais que não houvesse mandato para o FMI existir, também não fosse o fantasma da Segunda Guerra Mundial (outro “evento programado”).

Além de liquidar os pagamentos de reparação de guerra alemães, o BIS também foi reconhecido desde o início como um fórum para os banqueiros centrais – o primeiro de seu tipo – onde eles podiam falar abertamente e dirigir o curso da política monetária global através da unificação da política monetária em cada país em que houvesse o modelo de “banco central”.

O conselho de administração do BIS é ocupado predominantemente pelos diretores dos principais bancos centrais dos principais países do mundo. Neste momento, o governador do Bundesbank (Banco Central) alemão, Jens Weidmann, é o presidente do conselho do BIS. Como funcionários públicos, eles se reúnem em Basileia a cada oito semanas, mais ou menos, para uma série de reuniões bimestrais, as discussões das quais os cidadãos comuns não têm nenhum acesso ou qualquer representatividade.

Em 2013, o autor Adam Labor publicou um livro chamado “Tower of Basel: The Shadowy History of the Secret Bank That Runs the World” (Torre de Basileia: A história sombria do banco secreto que CONTROLA o mundo)”, que analisou algumas figuras importantes por trás dos primeiros anos do BIS. O que Labour descobriu e detalhou e que não é ensinado em nenhum meio acadêmico, é quantos deles eram membros integrais do regime nazista.

Hjalmar Schacht, que através de seu cargo de presidente do Reichsbank de 1933 a 1939 foi ministro das Finanças de Hitler, foi diretor do BIS. Schacht foi julgado e absolvido de crimes de guerra após a Segunda Guerra Mundial.

Walther Funk, ex-ministro de economia nazista e presidente do Reichsbank de 1939 a 1945, também foi diretor do BIS. Funk foi inicialmente condenado à prisão por crimes de guerra antes de ser libertado em 1957. Conforme documentado por Labor, Funk trabalhou em estreita colaboração com Heinrich Himmler, que era chefe da SS (Schutzstaffel). Funk também foi pioneiro em um artigo de 1940 chamado “Reorganização econômica da Europa“, que foi endossado pela liderança nazista e está armazenado nos arquivos do BIS.

Emil Puhl, vice do Funk, foi vice-presidente do Reichsbank durante a Segunda Guerra Mundial e diretor do BIS. Como Funk, Puhl foi condenado como criminoso de guerra.

Kurt (Barão) Freiherr von Schröder, condenado por crimes contra a humanidade após a Segunda Guerra Mundial, era diretor do BIS.

Há também Karl Blessing, apelidado de protegido de Hjalmar Schacht, que trabalhou no BIS na década de 1930 e acabou se tornando presidente do Bundesbank e diretor do BIS em 1958. Blessing foi preso após a Segunda Guerra Mundial, mas não foi acusado de crimes de guerra.

Labour observou que ” os paralelos entre os planos da liderança nazista para uma economia européia do pós-guerra e o subsequente processo de integração monetária e econômica européia eram reais “. Em outras palavras, os objetivos dos internacionalistas pós-Segunda Guerra Mundial refletiam os mesmos objetivos do regime nazista.

E, como Labour destacou, o BIS ”corre como um fio ligando ambos’‘.

Adam Labor também declarara com razão que, depois de 1945, foram os ex-nazistas que assumiram muitas das principais posições de poder na “nova Alemanha”. Os industriais da época viam isso como um preço que valia a pena pagar para reconstruir a economia da Alemanha.

Estude a história da integração monetária européia e você descobrirá que o BIS se destacou para realizá-la. Um exemplo é o Relatório Delors de 1989. Elaborado no BIS, traçou planos para uma União Monetária Européia. Um dos principais responsáveis ​​por esse relatório, em virtude de sua posição no Comitê Delors, foi o então gerente geral do BIS, Alexandre Lamfalussy.

Com as evidências em mãos, é inegável que o BIS está no centro do projeto de integração europeia. O fato de terem sido expostos a aceitar saques de ouro nazista antes da Segunda Guerra Mundial e de que suas ações serviram para financiar a máquina de guerra de Hitler foi ampla e intencionalmente ignorado.

Até hoje, o BIS recebe pouca cobertura na mídia mainstream. A mais recente iniciativa do banco central dos bancos centrais, a ‘Innovation BIS 2025 ‘, é um exemplo. Descrito pela primeira vez em março de 2019 pelo gerente geral Agustin Carstens, é uma ‘ estratégia de médio prazo ‘ que compreende três elementos que o BIS resume da seguinte forma:

  1. Identifique e desenvolva insights aprofundados sobre tendências críticas em tecnologia que afetam os bancos centrais;
  2. Desenvolver bens públicos no espaço tecnológico voltado para melhorar o funcionamento do sistema financeiro global;
  3. Servir como ponto focal para uma rede de especialistas em inovação do banco central.

Somente no final de junho de 2019, de acordo com a publicação do Relatório Econômico Anual do BIS, o projeto foi ratificado pelo conselho de administração do BIS. O ‘Innovation BIS 2025‘ havia crescido para abranger planos para um ‘ Hub de Inovação do BIS ‘. O comunicado à imprensa que acompanhava mencionou como o centro promoverá a colaboração internacional em tecnologia financeira inovadora.

O gerente geral Carstens comentou que o BIS agora trabalha “em um conjunto de projetos que reflete as prioridades de inovação da comunidade do banco central “.

Essas prioridades incluem a progressão da Fintech e reformas globais nos sistemas de pagamentos nacionais. A narrativa do BIS de questionar o papel do ‘ dinheiro na era digital ‘, que começou após a presidência do Brexit e Donald Trump, é central para essas ambições.

O governador do Banco Central da Inglaterra, Mark Carney, um dos principais defensores do projeto, acredita que uma colaboração mais estreita entre os bancos centrais por meio do Hub ‘ ajudará o setor privado a realizar plenamente essas grandes oportunidades ‘.

Como examinarei em artigos futuros, as empresas do setor privado devem desempenhar um papel fundamental na busca da digitalização completa do dinheiro e da perspectiva da moeda digital do sistema controlado pelos bancos centrais.

Após a aprovação do Innovation Hub, o BIS publicou uma série de anúncios de emprego para a iniciativa. O prazo para esses anúncios expirou, mas uma função listada era para o chefe do BIS Innovation Hub. Um mandato de cinco anos localizado em Basileia (que culminaria quando o BOE e o Fed colocassem novos sistemas de pagamento on-line), um dos principais requisitos para o candidato selecionado possuir pelo menos dez anos de experiência em uma posição sênior na Fintech, centro bancário, pesquisa econômica ou setor financeiro. Até agora, o BIS ainda não anunciou a composição da gerência do Hub. Um possível candidato é Mark Carney, que deixará o cargo de governador do Bco da Inglaterra em 31 de janeiro do próximo ano.

A primeira fase de implementação do ‘Innovation BIS 2025‘ começará com três hubs, dois dos quais localizados em Hong Kong e Cingapura. Isso reflete o BIS que deseja ampliar sua presença nos países do Oriente. O processo já começou, pois em setembro de 2019 a Autoridade Monetária de Hong Kong (HKMA) assinou um acordo operacional sobre a concepção de um Hub de Inovação em Hong Kong.

Logo após este anúncio, houve um segundo acordo operacional , desta vez entre o Banco (Central) Nacional Suíço (SNB) e o BIS. Isso completa os planos para a primeira fase da implementação. A segunda fase, que ainda não possui uma escala de tempo relatada, verá os Hub’s sendo lançados nas Américas e na Europa.

No comunicado de imprensa do Centro Suíço, ele expande as motivações por trás do Innovation BIS 2025:

O Centro Suíço inicialmente realizará pesquisas em dois projetos. O primeiro deles examinará a integração do dinheiro digital do sistema de banco central em uma infraestrutura de tecnologia de contabilidade distribuída. Essa nova forma de dinheiro do banco central digital teria como objetivo facilitar a liquidação de ativos tokenizados entre instituições financeiras. Tokens são ativos digitais que podem ser transferidos (digitalmente) de uma parte para outra. O projeto será realizado como parte de uma colaboração entre o SNB e o Grupo SIX na forma de uma prova de conceito.

O grupo SIX mencionado na passagem acima é um provedor de serviços financeiros que administra a infraestrutura do sistema financeiro da Suíça.

A maior preocupação aqui é a menção explícita da integração do dinheiro digital do banco central em uma estrutura DLT. Isso é algo sobre o qual escrevi extensivamente em uma série de artigos em agosto  e setembro . A ascensão do livro distribuído e a compatibilidade da tecnologia com os sistemas de pagamento são cruciais para os bancos centrais atingirem seus objetivos de implementar uma sociedade sem dinheiro físico. Eu sustentaria que é por isso que o Banco da Inglaterra e o Federal Reserve (EUA) estão no meio da reforma de seus sistemas.

Para examinar mais os motivos da criação do Eixo, Agustin Carstens fez dois discursos nos onze primeiros dias de outubro. O primeiro deles foi intitulado  A nova estratégia do BIS – aproximando as Américas e Basileia .  Carstens falou de como a inovação e a tecnologia estão ‘remodelando o cenário financeiro‘ e como ‘as cicatrizes deixadas pela crise financeira‘ e o ‘ambiente pós-crise‘ significam que é necessário reformar o modo como a comunidade dos bancos centrais opera.

Em relação ao ‘ambiente pós-crise‘, Carstens disse:

A incerteza decorrente do retorno do protecionismo e as tensões comerciais resultantes não estão ajudando em nada as perspectivas econômicas.

Nesse contexto, a inovação tecnológica (moeda digital) está mudando os modelos de negócios dos bancos e afetando o setor financeiro e a economia como um todo.

Portanto, a incerteza e a divisão geradas por um clima geopolítico volátil coincidem com a inovação tecnológica que o BIS e seus membros desejam utilizar como parte de uma agenda para tornar todos os ativos intangíveis, ou seja, o fim das notas e moedas físicas. Em meio a essa volatilidade, o BIS vê claramente uma oportunidade:

À luz dos novos desafios que a comunidade de bancos centrais enfrenta, o BIS “reavaliou” o cumprimento de “sua missão”.

Nosso trabalho se concentrará nas implicações da inovação tecnológica para os bancos centrais, o sistema financeiro internacional e a economia em geral.

As condições geopolíticas prevalecentes estão permitindo que o BIS avance seus objetivos por meio do projeto Innovation BIS 2025. É por isso que há muito tempo argumentei que o aumento do protecionismo, que por extensão está alinhado ao nacionalismo / populismo ressurgente, não é prejudicial para os bancos centrais. A “gestão de crises“, como Carstens se refere em seu discurso, é fundamental para os internacionalistas. 

A crise econômica é benéfica, desde que o BIS e outros órgãos globais tenham a tarefa de ‘ gerenciar ‘ as consequências. Observe como eles concentram seus esforços no gerenciamento, e não na resolução. Cada surto de crise é, de fato, uma oportunidade, e talvez por isso nenhum esforço contínuo seja resolvido com falhas fundamentais no sistema.

O segundo discurso de Carstens, ‘ Inovação do banco central – da Suíça ao mundo ‘, conta um pouco mais sobre a ‘ estratégia BIS 2025 ‘:

Em nosso plano de médio prazo anterior, a ênfase estava principalmente em enfrentar os desafios associados às conseqüências da Grande Crise Financeira. Nesse ambiente pós-crise, em meio a rápidas mudanças econômicas e tecnológicas, as necessidades dos bancos centrais e outras autoridades financeiras ‘evoluíram’.

Ele fala de como o avanço da tecnologia é um “fator crítico por trás do design de nossa estratégia“.  Portanto, o BIS está totalmente comprometido com a inovação contínua e nos preparando para os desafios de amanhã.

O Hub está em sua infância, mas, como Carstens faz saber, ao reunir conhecimento e experiência, “uma agenda doméstica será rapidamente desenvolvida“. Esta é uma das razões pelas quais a primeira base européia estará localizada na Suíça, a casa do BIS. Mas suspeito que o principal motivo, delineado por Carstens, seja o fato de as empresas Fintech na Suíça serem ‘apoiadas por emendas ao quadro jurídico suíço que facilitam o uso de novas tecnologias no setor financeiro‘.

Um aspecto interessante é que o Banco Nacional Suíço foi um dos primeiros bancos centrais a introduzir o conceito do sistema de liquidação bruta em tempo real – o mesmo sistema que está pronto para uma reforma internacional para acomodar a Fintech.

Foi nesse discurso que Carstens descreveu o BIS como a instituição financeira global mais antiga do mundo e continua sendo o principal centro de cooperação internacional dos bancos centrais“. Isso subestima um pouco o BIS. A posição deles está no ápice do sistema financeiro mundial. E eles conseguem isso longe do brilho e do foco da mídia mundial, apesar de toda a sua história.

O projeto Inovação BIS 2025 é o próximo passo na busca de harmonizar a tecnologia digital como o ledger distribuído com a próxima geração de sistemas de pagamentos internacionais, pondo em risco a existência do dinheiro físico. À medida que o mundo se torna mais instável, tanto econômica quanto politicamente, os bancos centrais, em aliança com o setor privado, buscarão tirar proveito da crise perpétua para alcançar os seus objetivos.  Quanto mais tempo as intenções do BIS permanecer nas sombras, maior a probabilidade de sua iniciativa ter sucesso.

Organizações, aparentemente “Inimigos mortais” , secretamente trabalham em conjunto para a implantação de um Governo Global Único, todos labutam para um mesmo “MESTRE” ….

{Nota de Thoth: Acrescentamos que o passo seguinte à digitalização de todo o sistema financeiro global, o próximo, decisivo e final movimento será a IMPLANTAÇÃO DE UM CADASTRO GLOBAL ÚNICO de todos os cidadãos do planeta, o fim dos países… e a criação de um GOVERNO CENTRAL ÚNICO, dividindo o planeta em DEZ GOVERNOS REGIONAIS …

“E, quanto aos dez chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis”. –  Daniel 7:24

“E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por (apenas) uma hora, juntamente com a besta. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta“.  Apocalipse 17:12,13 }


“Nos indivíduos, a loucura é rara, mas em grupos, partidos, nações e ÉPOCAS, é a regra”.  –  Friedrich Nietzsche


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL):  “A Matrix é um  sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. “Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse  sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.