browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Insider Denunciante da Pfizer diz que a vacina ‘brilha’, contém compostos tóxicos de Luciferase e Óxido de Grafeno

Posted by on 18/10/2021

Os frascos da [pseudo] vacina com tecnologia mRNA da Pfizer / BioNTech brilham em azul fluorescente e contêm uma enzima chamada Luciferase, uma substância NÃO INDICADA no rótulo pela Pfizer, disse um inspetor de qualidade da empresa farmacêutica à LifeSiteNews em uma entrevista exclusiva esta semana. Strickler disse que ouviu um médico descrever códigos para ingredientes nas vacinas, incluindo os códigos SM102 para luciferase, uma enzima que brilha no escuro produzida em vagalumes, plantas e peixes que é usada na pesquisa de bioluminescência. Dependendo dos diferentes produtos químicos com os quais é misturada, a luciferase brilhará em cores diferentes.

Fonte: LifeSiteNews

“A vacina brilha, pelo menos a injeção da Pfizer brilha”, disse Melissa Strickler, que trabalhou para a gigante farmacêutica por quase 10 anos. “Parece que alguém pegou um bastão luminoso azul, abriu-o e colocou no frasco, mas apenas se houver luz e estiver em torno de um fundo escuro.”

Strickler, que trabalhou na grande fábrica da Pfizer em McPherson, no Kansas, disse que inspecionou “centenas de milhares de unidades” de vacinas em toda a sua carreira na empresa “e nunca viu nada fazer isso, nem mesmo perto”.  Normalmente, o líquido nos frascos é claro e cristalino como água, disse ela, mas ela fotografou os frascos quando percebeu a coloração fluorescente azul do líquido e perguntou sobre o ingrediente aos seus superiores.

A substância Luciferase não está indicada no rótulo

Strickler disse que ouviu um médico descrever códigos para ingredientes nas vacinas, incluindo os códigos SM102 para luciferase, uma enzima que brilha no escuro produzida em vagalumes, plantas e peixes que é usada na pesquisa de bioluminescência. Dependendo dos diferentes produtos químicos com os quais é misturada, a luciferase brilhará em cores diferentes.

Uma luciferase azul brilhante foi identificada em um relatório na revista  Nature Scientific Reports  em 2020, por exemplo, e só é visível sob luz ultravioleta de certos comprimentos de onda.

Strickler disse à LifeSite que ela mandou um e-mail para a empresa perguntando se a luciferase estava na vacina Covid e foi informada de que ela era “usada apenas no teste da vacina”, mas não seria incluída no produto final. “Mas, na minha opinião, a coisa toda é experimental”, disse Strickler.

“Nós nem vimos os rótulos do Comirnaty sendo colocados nos frascos dessa planta ainda”, disse Strickler, referindo-se ao nome comercial da vacina que o FDA-Food and Drug Administration aprovou em agosto. “Pelo que eu sei, todo mundo ainda está recebendo o produto original com a Autorização para Uso de Emergência”.

Células fetais de bebês abortados em desenvolvimento

Em uma entrevista explosiva com o  Projeto Veritas  tornada pública na semana passada, Strickler revelou e-mails internos da Pfizer de funcionários de alto escalão direcionando trabalhadores de baixo escalão para não discutir o papel das células fetais de bebês abortados no desenvolvimento de suas “vacinas” Covid com o público. 

Vanessa Gelman, diretora sênior de pesquisa mundial da Pfizer, enviou um e-mail a um funcionário perguntando como responder a uma pergunta sobre o uso de células de bebês abortados em sua vacina Covid.

“Na perspectiva de assuntos corporativos, queremos evitar que as informações sobre células fetais circulem por aí. O risco de comunicar isso agora supera qualquer benefício potencial que pudéssemos ver, especialmente com membros em geral do público que poderiam pegar essas informações e usá-las de maneiras que não queremos ver”, afirmou o e-mail.

Outros e-mails do vice-presidente e diretor científico da Pfizer, Philip Dormitzer, discutiram o papel das células renais embrionárias humanas (células HEK 293) colhidas de uma menina abortada em 1973 e reproduzidas em uma linha contínua de células usadas na produção da vacina Covid da Pfizer.

Strickler disse que as células foram escolhidas por causa de sua capacidade de crescer e são basicamente “células cancerosas” de um bebê abortado.

‘O que mais?’

“Isso me deixou mal do estômago porque, se eles vão mentir sobre algo assim, o que mais esta sendo escondido ?” Strickler observou. “Na verdade, é uma das coisas que se o público soubesse, com certeza se importaria”.

Milhares de pessoas buscaram isenções de mandatos de vacinas da Covid no local de trabalho com base em isenções religiosas ou de consciência, citando o uso de células fetais no desenvolvimento de vacinas da Covid, e suas solicitações foram negadas. As plataformas das gigantes Big Tech de mídia social têm excluído rotineiramente postagens sobre o uso de tecido fetal de bebês abortados no desenvolvimento de vacinas Covid e a mídia [de propaganda] convencional Pre$$titute$ tem classificado esta notícia em relatórios de “verificação de fatos” como “desinformação”. Strickler disse que a Pfizer sabe disso.

‘Eles são apenas enganadores’

“Eles estão simplesmente sendo manipuladores. Quero dizer, eles poderiam acabar com as teorias da conspiração, poderiam corrigir os verificadores de fatos nas redes sociais e permanecerem em silêncio porque sabem se disserem, ‘sim, usamos linhagens de células fetais no desenvolvimento das vacinas’, eles sabem que eles não podem negar as isenções religiosas. Acho que é disso que se trata”.

“É errado na minha opinião se beneficiar de um aborto. Não acho que Deus iria querer que fizéssemos essas coisas.  Mas é mais profundo do que isso no que diz respeito ao engano público e eles agora estão tentando injetá-las, as suas vacinas, nas crianças ”.

Edição de genes

“Achei que tudo isso fosse uma conspiração”, disse Strickler ao repórter da LifeSite Jim Hale. Ela descreveu o engano da Pfizer como “interminável”, no entanto. “Eu não acho que eles foram honestos sobre uma única coisa sobre esta vacina além de ela ser experimental. E isso é tecnologia de mRNA genética”.

Ela acrescentou que a tecnologia de mRNA das vacinas poderia ser usada com a  tecnologia CRISPR para edição de genes  e esse fato também está sendo obscurecido para o público em mensagens da Pfizer, das grandes Pre$$titute$ da mídia e dos psicopatas corruptos do governo como o Dr Fauci. 

Funcionários da Pfizer prontos para sair

Strickler disse que antes da Covid ela gostava de seu trabalho como inspetora de produtos, mas desde que a pandemia começou, muitos funcionários “se arrependeram da vacina” depois de tomar as injeções e “muitas pessoas se recusaram a tomá-la. Na verdade, mais da metade dos funcionários está disposta a abandonar a vacina e a empresa e a Pfizer sabe disso. ”

Strickler comparou a gigante das drogas a um “marido rico e abusivo”. Ela disse que a empresa oferece benefícios e salários excelentes, “mas eles não tratam você exatamente da melhor maneira, no sentido de que não parecem valorizar todos os seus funcionários da mesma forma”.

Ela descreveu e-mails frequentes de “sinalização de virtude” enviados aos funcionários, incluindo um proclamando o CEO da Pfizer, Albert Bourla, “Pai do Ano”.

Strickler disse que muitas vezes quis desistir depois que a fabricação da vacina da Covid começou na fábrica de McPherson e orou a respeito, mas se sentiu obrigada a persistir, até que descobriu um banco de dados de e-mails de empresas explosivos e enganosos em conteúdo que ela acabou expondo ao Projeto Veritas.

Depois que a denúncia foi ao ar, Strickler recebeu um telefonema de um funcionário da Pfizer dizendo-lhe para não voltar ao trabalho e uma carta da empresa confirmou que ela foi demitida. A LifeSite está se juntando ao Projeto Veritas para arrecadar fundos para Strickler em reconhecimento à sua bravura em falar em defesa da verdade.

Melissa precisa de ajuda depois de ser demitida pela Pfizer – Faça uma doação em LifeFunder.com 

A Dra. Carrie Madej se juntou a Stew Peters e ficou obviamente abalada com o que descobriu depois de examinar os frascos de “vacinas” da Moderna e da Johnson & Johnson.


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

One Response to Insider Denunciante da Pfizer diz que a vacina ‘brilha’, contém compostos tóxicos de Luciferase e Óxido de Grafeno

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.