browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Italiagate, II: Obama e Renzi acusados ​​de mentores da fraude eleitoral nos EUA

Posted by on 12/01/2021

O último artigo publicado anteriormente revelou a participação da Itália na fraude eleitoral perpetrada nas eleições nos EUA. Um ex-agente da CIA e ex-chefe de uma das estações da agência de inteligência, Bradley Johnson, explicou como a Itália teve um papel decisivo no que pode ser definido como um golpe internacional contra Trump. Agora, há outra pessoa que confirmou completamente o papel da Itália em tudo isso e é Maria Zack. Ela é a presidente da associação “Nações em Ação” e em um documento de áudio vazado há dois dias no Twitter ela explicou exatamente como o ataque de hackers teria acontecido.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Italiagate, parte II: Obama e Renzi acusados ​​de serem os mentores da fraude eleitoral dos EUA

Fonte: La Cruna dell”Ago

O principal ator dessa fraude teria sido a Leonardo SpA, uma empresa aeroespacial  multinacional  italiana especializada em defesa e segurança governamental, líder no setor de tecnologias aeroespaciais e de defesa. Mas agora, há outra pessoa que confirmou completamente o papel do Deep State da Itália em tudo isso e ela é Maria Zack.

Maria Zack é a presidente da associação “Nações em Ação” e em um documento de áudio vazado há dois dias no Twitter ela explicou exatamente como o ataque de hackers teria acontecido. Segundo Zack, o centro que teria coordenado essa operação teria sido na verdade a embaixada norte americana em Roma.

Esta versão dos eventos coincide completamente com a fornecida por Johnson, mas o ativista americano fornece mais detalhes que são simplesmente fundamentais. O plano teria sido coordenado pelo general Claudio Graziano do segundo andar da embaixada na Via Veneto, auxiliado por sua vez por um ex-agente do serviço secreto, Stefano Serafini.

O General Graziano é uma figura de importância absoluta nesta história. Graziano já ocupou o cargo de Chefe de Gabinete dos governos Renzi e Gentiloni e atualmente é presidente do Comitê Militar da União Europeia.

O general é um defensor fervoroso da criação de um exército europeu único e num dos seus  recentes discursos afirmou claramente que não existem outras realidades senão a UE e a OTAN.  Graziano pode, portanto, ser considerado para todos os efeitos um membro do chamado bloco euro-atlântico, que durante décadas foi fundado com base no princípio da intervenção militar de Washington em todas as partes do mundo.

Certamente não é segredo que os lobbies militares, aos quais certamente pertence Graziano, que apóiam fortemente essa doutrina, veem Donald Trump como um inimigo absoluto por sua vontade de não violar a soberania de outros Estados por meio de intervenções armadas.

Em qualquer caso, o graduado sênior usaria a tecnologia da Leonardo SpA para coordenar o ataque cibernético que está por vir. Conforme revelado por Bradley Johnson e confirmado por Maria Zack, “um satélite militar da Leonardo SpA foi usado para carregar software e mover votos de Trump para Biden.”

A princípio, o plano previa que a mudança de votos de Trump para Biden não ocorresse em Roma, mas em Frankfurt, em uma estação da CIA que abriga os servidores do Dominion. Aparentemente, tudo estava indo bem até que os hackers em Frankfurt perceberam que a operação precisava ser recalibrada de alguma forma criando novos algoritmos.

Trump estava recebendo muito mais votos e mudanças no software precisavam ser feitas para entregar a “vitória” a Biden para sempre. E é aqui que a Itália entra em jogo. Os votos teriam sido enviados a um satélite militar da empresa Leonardo SpA para os Estados Unidos e depois baixados de volta para os servidores da Dominion.

Nesse sentido, haveria uma confirmação decisiva de um dos protagonistas da operação, a saber, Arturo D’Elia, ex-consultor da própria Leonardo SpAD’Elia em um depoimento juramentado  supostamente admitiu sua participação neste crime cibernético.

O ex-consultor de Leonardo SpA na verdade confirmou que os votos seriam transferidos de Trump para Biden por meio de “um satélite militar da Torre Fucino”. D’Elia em seu depoimento alegou que agiu “sob a orientação e direção de cidadãos americanos estacionados na embaixada americana em Roma”. Atualmente, Arturo D’Elia está preso e é acusado de outros crimes de informática cometidos contra a própria Leonardo SpA.

De qualquer forma, parece bastante improvável que tudo isso pudesse ter acontecido sem o embaixador americano em Roma, Lewis Eisenberg, sabendo o que estava acontecendo em sua própria embaixada.

Eisenberg foi nomeado por Trump em 2017 e também foi um dos contribuintes da primeira campanha do presidente, mas, ao mesmo tempo, ele também está muito próximo dos lobbies neocon sionistas que se opõem ferozmente ao plano de retirada militar de Trump.

O plano dos agentes políticos da operação: Renzi e Obama

O que foi descrito até agora é o nível militar e de inteligência do ataque cibernético perpetrado por infiéis e elementos subversivos das instituições italianas e americanas, mas o que Maria Zack revela depois é, se possível, ainda mais sensacional.

A mente política do plano teria sido Barack Obama, ex-presidente dos Estados Unidos, auxiliado por seu “homólogo” italiano, Matteo Renzi, ex-primeiro-ministro italiano de 2014 a 2016. O presidente do “Nações em Ação” argumenta que o que aconteceu foi realmente “um plano brilhante orquestrado por Obama com a ajuda de Renzi”.

Nesse ponto, a relação entre Renzi e Obama parece simplesmente ser fundamental para entender tanto a primeira tentativa de golpe contra Trump, o Spygate, quanto a segunda tentativa em curso contra o presidente americano, a saber, a fraude eleitoral.

A última desclassificação dos documentos da CIA confirmou que Barack Obama já estava totalmente ciente em setembro de 2016 da tentativa de incriminar o então candidato republicano Trump. O ex-diretor da CIA John Brennan já havia informado o presidente Obama na época que Hillary Clinton estava trabalhando para fabricar um escândalo falso para retratar Trump como um “fantoche russo”.

Instituições americanas, como o FBI e agências de inteligência, tiveram papel decisivo nessa operação porque autorizaram efetivamente a espionagem ilegal contra Trump. Portanto, não é precipitado argumentar que o presidente Obama, como então comandante-chefe dos Estados Unidos e da própria rede de inteligência, pode ser considerado o idealizador desse complô contra Trump.

Ao mesmo tempo, o Spygate não teria sido possível sem a Itália. Quando Obama decidiu iniciar a operação de espionagem ilegal, ele teria pedido ajuda ao então primeiro-ministro Renzi. O momento neste ponto torna-se fundamental. Um mês após o encontro entre Obama e Brennan, Matteo Renzi chega à Casa Branca em visita oficial para participar do plano.

O ex-primeiro-ministro teria concordado em envolver os serviços secretos na espionagem contra Trump. Os serviços, por sua vez, teriam dado vida a um elaborado plano para incriminar Giulio Occhionero, um engenheiro nuclear que estava envolvido na tentativa de desenhar Trump no Kremlin.

Em outras palavras, a inteligência italiana supostamente tentou colocar os e-mails de Clinton nos servidores da empresa americana de Occhionero, Westlands Securities Inc. Aparentemente, Occhionero teria sido escolhido porque é próximo aos círculos conservadores americanos que apoiaram a campanha de Trump.

O globalismo usou o Estado Profundo italiano contra Trump

No entanto, a coisa mais surpreendente que liga esse escândalo à fraude eleitoral é a relação entre Obama e Renzi. Mesmo depois que os dois deixaram seus respectivos cargos, eles continuariam a trabalhar juntos para realizar o que pode ser chamado de um golpe permanente contra Trump.

Há, portanto, uma espécie de fio vermelho que liga o Spygate à fraude eleitoral americana e esse fio vermelho é o eixo entre os aparatos subversivos institucionais italiano e americano, representados neste caso por Obama e Renzi.

Uma vez que esse plano subversivo fosse acionado em 2016 com o portal do espião, ele nunca iria parar até novembro de 2020, quando os estados profundos italianos e americanos fariam a fraude eleitoral nos Estados Unidos.

Em outras palavras, o globalismo certamente usou membros do Partido Democrata Americano como Obama para coordenar a operação, mas ainda mais decisivo teria sido o aparato de poder que responde ao globalismo fortemente infiltrado nas instituições italianas.


Suprema Corte da Itália revela quem roubou a eleição nos EUA:

Transcrição do vídeo:

O professor Alfio D’Urso Laywer, da Via Vittorio Emanuele, Catania, 95131 Itália, por meio deste documento, fornece a seguinte declaração de fatos transmitida em várias reuniões com um oficial de alto nível dos serviços de segurança do exército [italiano]:

Arturo D’Elia, ex-chefe do Departamento de TI da Leonardo SpA, foi acusado pelo promotor público de Nápoles por tecnologia / manipulação de dados e implantação de vírus nos principais computadores da Leonardo SpA em dezembro de 2020.

“Sob distração e direção de americanos trabalhando da embaixada dos Estados Unidos em Roma, assumiu o operação para mudar os dados das eleições nos Estados Unidos de 3 de novembro de 2020 da margem de vitória significativa de Donald Trump para Joe Biden. . . em vários estados onde Joe Biden estava perdendo o total de votos.

O réu afirma que estava trabalhando nas instalações da Leonardo SpA em Pescara e utilizou recursos de criptografia de guerra cibernética de nível militar para transmitir e trocar votos via satélite militar da torre Fucino para Frankfurt, na Alemanha.

O Réu jura que os dados em alguns casos podem ter sido alterados para representar mais do que o total de eleitores registrados.

O Réu declara que está disposto a testemunhar a todos os indivíduos e entidades envolvidas na troca de votos de Donald Trump para Joe Biden quando ele estiver em total proteção para si mesmo e sua família. Declaro e juro que os fatos acima mencionados foram declarados na minha presença.


O atual primeiro-ministro, Conte, saberia perfeitamente porque, diz Zack, “ele está muito ocupado e envolvido” em tudo isso. E se essa versão fosse confirmada, seria difícil pensar de outra forma. Na verdade, a Leonardo SpA é uma empresa estatal em que 30% das ações estão nas mãos do Ministério da Economia da Itália, hoje presidido por Roberto Gualtieri.

O atual CEO da Leonardo SpA, Alessandro Profumo, foi nomeado para sua função atual por Conte em abril do ano passado, que confirmou a escolha de seu antecessor, Gentiloni, ex-primeiro-ministro em 2017 e aparentemente envolvido no próprio Spygate.


E NÃO SE ESQUEÇAM de que Joe Biden está tão senil que admitiu recentemente, diante das câmeras, em uma falha bizarra em seu discurso [talvez pela sua senilidade galopante] que os democratas produziriam “a mais ampla organização de fraude eleitoral da história da política americana”. Você pode vê-lo admitindo isso aqui, ESTA GRAVADO:

We’re in a situation where we have put together, I think, the most extensive and exclusive voter fraud organization in the history of american politics. [Estamos em uma situação em que montamos, creio eu, a organização de fraude eleitoral mais ampla e exclusiva da história da política americana.]


Segundo Zack, os fundos negros para financiar tudo teriam sido disponibilizados pelo Irã, que teria repassado 400 milhões de dólares a Obama para realizar a operação.

Esta versão confirma parcialmente o papel desempenhado por Obama de 2017 em diante. O ex-presidente dos EUA supostamente chefiava uma organização em Washington que poderia ser considerada uma espécie de governo paralelo estabelecido para derrubar a presidência de Trump.

De acordo com outras fontes, os financiadores de Obama eram ONGs próximas a George Soros.  Obama, ex-presidente dos Estados Unidos, porém, teria sido fundamental para coordenar o plano e a Itália teria disponibilizado sua tecnologia e seus governantes para realizar esse golpe.

A história da fraude eleitoral dos Estados Unidos nada mais é do que a de um golpe internacional concebido pelo profundo estado de Washington e realizado com a participação de vários países e governos firmemente nas mãos do clã globalista, incluindo Canadá, Alemanha, China, Espanha e Itália.

O globalismo, portanto, teria usado todos esses agentes executivos que estão implantando a agenda da Nova Ordem Mundial [The Great Reset] para derrubar Trump.

A relação entre Salvini e Renzi

Enquanto isso, na Itália, a mídia mainstream pre$$titute continua silenciosa sobre o spygate e o envolvimento de Conte neste escândalo. O líder da chamada “oposição”, Salvini, não está denunciando nenhum dos dois.

Após a queda de seu governo, Salvini formou uma espécie de eixo com Renzi para pavimentar o caminho para outro governo tecnocrático liderado com toda a probabilidade por Mario Draghi. O sistema na Itália manteve silêncio sobre esses escândalos porque eles envolvem a maioria e a oposição.

No entanto, um fato é certo. A Itália é essencial para entender o que aconteceu na fraude eleitoral americana. Se quisermos encontrar a chave para este elaborado golpe internacional, devemos necessariamente olhar para Roma.


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

2 Responses to Italiagate, II: Obama e Renzi acusados ​​de mentores da fraude eleitoral nos EUA

  1. luis

    Mais um NÉSCIO ZUMBI salivante que adora deixar sua opinião, mesmo sendo um completo ignorante sobre O QUE REALMENTE esta acontecendo..

  2. Pedro Sabino Filho

    QUER DIZER QUE VÃO FICAR IMPUNES ???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.