browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Jerusalém como capital de Israel é declaração de guerra no Oriente médio

Posted by on 06/12/2017

O Reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel é declarar guerra, diz enviado palestino no Reino Unido. Trump anunciou nesta quarta sua decisão sobre a mudança da embaixada norte americana de Tel Aviv para Jerusalém. “É hora de reconhecer oficialmente Jerusalém como a capital de Israel”, disse o presidente Trump, falando da Sala de Recepção Diplomática da Casa Branca

Tradução, edição e imagensThoth3126@protonmail.ch

Trump reconhece Jerusalém como capital de Israel

Fonte: https://www.nytimes.com/


“Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a SINAGOGA de SATANÁS”. Apocalipse 2:9


WASHINGTON – O presidente Trump nessa quarta-feira à tarde (06/12) reconheceu formalmente Jerusalém como a capital de Israel, e reverteu quase sete décadas de política externa americana e desencadeou um plano para mudar a embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para a cidade “sagrada” ferozmente disputada por três grandes (fanáticas) religiões (judaísmo, catolicismo e islamismo).

“Se ele disser o que está pretendendo dizer sobre Jerusalém ser a capital de Israel, isso significa um beijo da morte para a solução de dois Estados”, disse Manuel Hassassian em uma entrevista de rádio da BBC. “Ele está declarando guerra no Oriente Médio, ele está declarando guerra contra 1,5 bilhão de muçulmanos e centenas de milhões de cristãos que não vão aceitar os santuários sagrados estejam totalmente sob a hegemonia de Israel”, acrescentou, de acordo com a Reuters.

“É hora de reconhecer oficialmente Jerusalém como a capital de Israel”, disse o Sr. Trump, falando da Sala de Recepção Diplomática da Casa Branca, dizendo que as abordagens passadas do conflito, como atrasar esse reconhecimento, não moviam o processo de paz à frente.

As observações do Sr. Trump serão as mais bem examinadas de sua presidência no Oriente Médio, onde prometeu negociar o “acordo final” de paz entre israelenses e palestinos, mas ainda não encontrou um avanço para acabar com o conflito.

O reconhecimento do presidente de Jerusalém como capital de Israel isola os Estados Unidos de uma das questões diplomáticas mais sensíveis do mundo. Ele provocou uma tempestade de críticas dos líderes árabes e europeus, que aumentaram na terça-feira à noite depois que a Casa Branca confirmou os planos do Sr. Trump.

O Papa Francisco e o Ministério das Relações Exteriores chinês se juntaram ao coro de vozes, alertando que o movimento poderia desencadear uma onda de violência em toda a região. Em uma reunião em Bruxelas, o secretário de Estado Rex W. Tillerson foi severamente criticado por aliados europeus.

Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, entenda; Mateus 24:15

Ao lado do Sr. Tillerson, o principal diplomata da União Européia, Federica Mogherini, deixou claro que a Europa viu o anúncio do presidente como uma ameaça à paz no Oriente Médio.

“Nós acreditamos que qualquer ação que prejudique esses esforços deve ser absolutamente evitada”, disse ela. “Uma maneira deve ser encontrada através de negociações para resolver o status de Jerusalém como uma futura capital de ambos os estados”.

Pouco antes de o senhor Trump declarar Jerusalém a capital de Israel, o Sr. Tillerson disse que a paz no Oriente Médio ainda era possível.

O Sr. Tillerson, durante uma coletiva de imprensa na sede da OTAN no coração da Europa, disse que não queria antecipar o anúncio oficial do presidente, mas expressou garantias sobre as conseqüências esperadas da decisão.

“O presidente está muito comprometido com o processo de paz no Oriente Médio”, disse Tillerson. Ele foi largamente excluído das habituais idas e vindas das reuniões intermináveis entre israelenses e palestinos que muitos secretários de estado passaram em seus mandatos. Em vez disso, o Sr. Trump confiou essa tarefa a seu genro e assessor sênior, (o judeu Khazar) Jared Kushner.



Pelo menos um ex-funcionário da administração Obama também pesava com críticas acentuadas a atual decisão de trump. John O. Brennan, ex-diretor da Agência Central de Inteligência, disse em uma declaração que a ação do Sr. Trump era “imprudente” e “prejudicaria os interesses dos EUA no Oriente Médio nos próximos anos e tornaria a região muito mais volátil”.

Funcionários da administração disseram que esperavam a reação indignada dos palestinos e outros países contrárioa à decisão, mas afirmou que o movimento aceleraria e não impediria o processo de paz.

O Sr. Trump prometeu mudar a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém durante a campanha presidencial de 2016, uma posição que apelou para eleitores evangélicos e judeus americanos pró-Israel, incluindo Sheldon Adelson, o magnata dos cassinos de Las Vegas. Ao cumprir essa promessa, os assessores do Sr. Trump disseram, ele estava aprimorando sua credibilidade como pacificador.

Neste mapa acima uma “diferente” visão do ORIENTE MÉDIO: O GRANDE ISRAEL:Em 04 de setembro de 2001 uma manifestação foi realizada em Jerusalém, para apoiar à ideia da implantação do Estado de Israel desde o RIO NILO (Egito) até o RIO EUFRATES (Iraque). Foi organizado pelo movimento Bhead Artzeinu (“Para a Pátria”), presidido pelo rabino e historiador Avraham Shmulevic de Hebron. De acordo com Shmulevic: “Nós não teremos paz enquanto todo o território da Terra de Israel não voltar sob o controle judaico …. Uma paz estável só virá depois, quando ISRAEL tomar a si todas as suas terras históricas, e, assim, controlar tanto desde o CANAL de SUEZ (EGITO) até o ESTREITO de ORMUZ (o IRÃ) … Devemos lembrar que os campos de petróleo iraquianos também estão localizadas na terra dos judeus”. UMA DECLARAÇÃO do ministro Yuval Steinitz, do Likud, que detém o extenso título de ministro da Inteligência, Relações Internacionais e Assuntos Estratégicos de Israel hoje: “Estamos testemunhando o extermínio do antigo Oriente Médio. A ordem das coisas esta sendo completamente abalada. O antigo Oriente Médio está morto, e o novo Oriente Médio não está aqui ainda. Esta instabilidade extrema poderia durar mais um ano, ou até mais alguns anos, e nós não sabemos como a nova ordem do Oriente Médio vai se parecer à medida que emergir a partir do caos e derramamento de sangue e fumaça atual. É por isso que devemos continuar a agir com premeditação”. No mapa acima podemos ver as pretensões de judeus radicais (tão ou mais radicais quanto os fanáticos islâmicos).

O anúncio, segundo autoridades, foi o reconhecimento da realidade atual e histórica. Jerusalém Ocidental é a sede do governo de Israel, e reconhecer a cidade como tal removeria a ambiguidade da posição americana, disseram eles. O processo de mover a embaixada para Jerusalém levará vários anos ainda, eles notaram. Como resultado, o presidente planeja assinar uma renúncia à segurança nacional que permite que a administração a mantenha em Tel Aviv por mais seis meses.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim”.  –  Mateus 24:6

Jerusalém é uma das faixas de territórios mais desafiantes do mundo, e cada lado disputa as reivindicações do outro. Os palestinos vêem Jerusalém Oriental como a capital de um futuro estado palestino, e a maior parte do mundo a considera território ocupado. A Cidade Velha de Jerusalém tem a terceira mesquita mais sagrada do Islã e o sítio mais sagrado do judaísmo, tornando o status da cidade um assunto sensível tanto para os muçulmanos quanto para os judeus.

O Sr. Trump, disseram esses oficiais, deixaria claro que os Estados Unidos não estavam tomando posição sobre se, ou como, Jerusalém seria dividida entre Israel e os palestinos. Nem ele tomará posição em uma área disputada da Cidade Velha, conhecida como o Monte do Templo para os judeus e o Nobre Santuário para os muçulmanos, que tem sido um ponto de inflamação para as tensões entre árabes e judeus.

O Sr. Kushner e Jason D. Greenblatt, enviado especial do presidente, trabalham há meses para se preparar para uma negociação entre israelenses e palestinos. Embora eles tenham publicamente  pouco a mostrar pelo esforço, eles dizem que fizeram progressos nos bastidores.

Esses esforços, disseram especialistas do Oriente Médio, serão comprometidos com o anúncio dessa quarta-feira. Mas o Sr. Kushner e o Sr. Greenblatt, o enviado especial do presidente, apoiaram a mudança adotada por Trump, disseram autoridades.


“Eis que eu farei aos da “SINAGOGA de SATANÁS”, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés (às almas em evolução encontradas dentro de TODAS AS RAÇAS, e não em um “POVO ELEITO”!), e saibam que eu te amo”.  Apocalipse 3:9


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

One Response to Jerusalém como capital de Israel é declaração de guerra no Oriente médio

  1. Renato Bulhoes

    Os sionistas só lembram da História bíblica na hora de reclamar de volta por sua “ex”- terras, fora isso, apenas dão ouvido ao Talmud. Dizem que crêem no que está apenas nos 4 primeiros livros da Bíblia: mas só porque e apenas no que tange à posse de terras. Ademais, não dão ouvidos ao que está no restnte da Bíblia mesmo, como presume a maioria dos evangélicos; a bíblia deles é o Talmud que vem sendo escrito desde o exílio na Babilônia.
    Os evangélicos são inocentes úteis; o Talmud ensina Noah’s Law, que incita à decapitação dos cristaos e coisas piores. Isso tudo sem mencionar que nem são israelitas verdadeiros: são em sua maioria descendentes dos edomitas e khazars. Aqui mesmo no texto do Thoth podem encontrar citações bíblicas no livro do Apocalypse sobre isto: que são a sinagoga de satanás. Os verdadeiros israelitas tinham a pele bem escura. Hoje, as tribos perdiadas de Israel estsão diluídas entre várias etnias negras na àfrica, indígenas norte e sul americanos, etc. Quando os exploradores chegaram ao Novo Mundo, onde hoje são os EUA, encontrarram uma tribo que cantava em hebraico, inclusive.
    O judaísmo não é a real religião do verdadeiro israelense, o judaísmo é a religião do sionismo internacional: o mais puro Talmud. Na Bíblia conta que os israelenses de fato receberam a posse daquelas terras entre outras áreas que hoje pertencem à Síria,à Turquia, à Palestina, etc mas na Bíblia também diz que perderam o direito a elas: o próprio Deus teria-lhes tomado o que antes houvera dado para eles mas, como só apenas consideram, em termos, os 4 primeiros livros da Bíblia, não aceitam que perderam as terras definitivamente e assim reforça o que ensina o Talmud e não dão ouvidos ao conteúdo dos demais livos do Velho Testamento. Menosprezam e desprezam a Bíblia, e ainda assim os cristãos os idolatram. esse é o cristianismo sionista criado por Cyrus Scofield e Nelson Darby financiados por Rothshild, no qual a energia dos cristãos é desviada para salvaguardar o império da sinagoga de satanás. assim como a judia Angela Merkel intentará usar os imigrantes refugiados na Alemanha e o PT fez no Brasil, infiltrado nas faculdades, transformando professores de História nos pastores e os eleitores em ovelhas.
    E por último, não menos, bisonho, triste informar aos evangélicos que sua Bíblia foi mesmo adulterada a uma centena de anos, pesquisem sobre a bíblia de Cyrus Scofield; e sinto informar que talvez venhamos a estar de frente ao anticristo, todos juntos, pois não haverá arrebatamento pré-tribulação, essa foi uma das adulterações. No Novo Testamento Jesus disse que não se enganem, pois Jesus nao virá antes até que o filho da perdição seja revelado, entre outros versículos. O arrebatamento pré-tribulacionista é uma forma de iludir o maior número de pessoas possível afim de serem surpreendidas pelo anticristo, e daí serem presas fáceis além de servirem como força motriz aos desmandos do judaísmo sionista internacional. O que falta nos cristãos é muito estudo e pesquisa, e é isso que vale mais que o ouro ou a prata, como ensinam os escritos bíblicos, e não adquirir carro do ano: “As raposas tem covis e as aves do céus ninhos, mas o filho do homem não tem onde reclinar a cabeça.” Ouça o que Jesus falou, ou busque as riquezas e largue Jesus e assuma o Talmud de vez, assim como toda a sinagoga de satanás, enfiando a cabeça sob a terra como o avestruz dos cartoons, quando renegaram o Velho e o Novo Testamentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *