browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Júpiter (Zeus, o pai dos deuses) dá show em Escorpião

Posted by on 24/06/2019

Nas últimas semanas, o gigante gasoso Júpiter aparece sedutoramente no céu do sudeste. Antes de ir para a cama, eu olhava na direção e o procurava tirando o telescópio, mas parei, convencendo-me de que ainda estava baixo demais para dar uma boa olhada. Eu finalmente cedi neste fim de semana passado e o observei duas noites seguidas. As vistas foram absolutamente horríveis! O grande planeta amarelo ondulava no ar turbulento como uma bandeira ao vento, mas isso não importava. Finalmente tive que responder ao seu convite e ele se mostrou em todo o seu esplendor.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A visualização de Júpiter no horário nobre começa este mês quando o planeta chega à oposição em 10 de junho. 

Fonte:  https://www.skyandtelescope.com/

Em 10 de junho, Júpiter esteve em oposição e estava muito brilhante e o mais próximo da Terra durante este ano. Brilhando a magnitude -2,6, ostenta um diâmetro equatorial rechonchudo de 46″, apenas 4,1″ de seu tamanho aparente máximo. Na astronomia observacional, quanto maior e mais brilhante quase sempre significa melhor, essa a razão principal pela qual os próximos meses serão a melhor época do ano para apontar o telescópio no caminho do planeta gigante. Embora se erga no horizonte logo após o pôr do sol, ainda leva tempo para ele subir o suficiente no horizonte para ter uma boa visão. Por enquanto, o melhor momento é cerca de 21h30, hora local, mas no final do mês, Júpiter fica a 20° de altura antes do fim do crepúsculo.

A declinação para o sul desta estação significa que a turbulência atmosférica de baixa altitude dificultará a observação de observadores em latitudes médias do norte. Tente observá-lo toda noite, se você puder, para melhor aproveitar as noites de calmaria climática, vendo quando o planeta está firme, brilhante e afiado.

Com binóculos de 10 × fixos, você pode fingir que é Galileo e redescobrir suas quatro luas mais brilhantes – Io, Europa, Ganimedes e Calisto. Elas se parecem com pequenas estrelas “coladas” em ambos os lados do planeta. Se você não tiver uma maneira de montar binóculos em um tripé, use o teto do seu carro ou mova-os contra um canto de um prédio para manter a lente firme.

Júpiter realmente brilha em um telescópio, e você não precisa necessariamente dos grandes para ver muito. Gravado em minhas células do cérebro esta uma imagem de um disco afiado, brilhante listrado com dois cintos escuros e acompanhado por quatro luas brilhantes através de meu refrator de 2,4 polegadas no inverno de 1966. Um refletor de 6 polegadas vai fazer você ficar à par de quase todos os segredos do planeta.

As quatro luas mais brilhantes de Júpiter são fáceis de localizar em um pequeno telescópio ou binóculos. Não espere ver todas as quatro o tempo todo, pois uma ou outra geralmente passa na frente ou atrás do planeta. Bob King

Quando o ar se acalma e as condições de visão permitirem, é possível distinguir os proeminentes cinturões equatoriais do Norte e do Sul (NEB / SEB), mais meia dúzia de cinturões de nuvens mais estreitas e as zonas mais claras que os separam. Eles são quase paralelos, fazendo o planeta parecer uma fatia de pastel grego baklava, uma das minhas sobremesas favoritas. Essas zonas definem regiões de ar mais frio cobertas por nuvens de gelo de amônia de cor branca. O gás descendente define as correias mais escuras; Acredita-se que sua cor vermelha escura seja causada por vestígios de enxofre, fósforo e outros compostos orgânicos.

O padrão de zonas de nuvens e cinturões de Júpiter permaneceu notavelmente constante no último século. No entanto, quando vistas em alta ampliação, as várias regiões exibem uma série de pequenas mechas, pontos e espirais em constante mudança, um sistema climático dinâmico impulsionado por ventos de alta velocidade. S & T

A icônica Grande Mancha Vermelha (GRS-Great Red Spot) de Júpiter vem encolhendo nas últimas décadas e atualmente se estende ao equivalente de 1,3 diâmetro da Terra, mas permanece colorida e fácil de se ver a 100 × ou mais com boa visibilidade. Nesta temporada, os jatos da SEB e da Zona Temperada do Sul (STZ) estão descascando a GRS da maneira como você pode descascar uma laranja. Mais sobre isso em um momento.

Júpiter não tem superfície sólida, pois é um gigante gasoso. Nada além de nuvens e tempestades, então você nunca sabe exatamente o que você verá quando voce observá-lo. Esse é o encanto do planeta gigante, e é ajudado pelas travessuras de suas luas. Quando ampliadas a 150 × ou mais, elas perdem sua aparência de estrela e mostram discos que variam em tamanho de 1.0″ a 1.7″ (oposição atual). A lua Europa é a menor e a lua Ganimedes a maior.

A lua Ganimedes também lança a maior sombra no topo da nuvem do planeta quando transita em frente a Júpiter. Os trânsitos de sombra são visíveis pelo menos uma vez por semana com “duplos trânsitos” – duas luas lançando sombras simultaneamente – ocorrendo uma ou duas vezes por mês. A sombra de Ganimedes parece um buraco de bala, enquanto a pequena Europa se parece mais com uma picada de agulha na superfície do planeta. As luas também desaparecem e depois reaparecem durante vários minutos quando entram e saem da sombra de Júpiter durante o eclipse. Ou uma lua pode ser ocultada pelo disco jupiteriano e pairar na borda do planeta como uma pérola antes de sumir de vista.

Esquerda: Trânsito de sombra dupla de Ganimedes (superior) e Io (inferior) em janeiro de 2013. Direita: Diagrama mostrando a mecânica dos trânsitos de sombras, eclipses e ocultações vistas de cima do polo norte de Júpiter. Damian Peach (à esquerda); Bob King, (de um diagrama da Enciclopédia Britânica).      

Você encontrará uma lista completa de todos os eclipses, trânsitos e ocultações para 2019, baixando o Phenomena of Jupiter’s Moons pdf da Sky & Telescope . Você também pode obter previsões diárias para as posições das luas e um diagrama mostrando suas posições relativas consultando a ferramenta on-line Moons Observing Tool, de Jupiter .  Para prever quando a Grande Mancha Vermelha é mais visível, vá para Transit Times da Grande Mancha Vermelha de Júpiter .

Em 1º de junho de 2019, Jupiter exibiu um proeminente e escuro NEB, um EZ de cor caramelo, várias bandas no SEB e o Great Red Spot. Um pedaço de nuvem vermelha é visível ao lado do GRS ao longo do seu lado sudeste (inferior direito). Pode ser material clivado do ponto. A lua Io e sua sombra aparecem no canto superior direito. A atual longitude do Sistema II da GRS é de cerca de 308°. O polo norte está para cima. Christopher Go

Jupiter é um planeta gasoso colorido com cinturões de vários tons de vermelho, ferrugem e cinza. A Zona Equatorial (EZ) é normalmente branca, mas está passando por um evento de limpeza nesta temporada que expõe um nível mais baixo de nuvens castanho-claras. Usando uma ampliação de 100 × ou mais, fique atento a manchas escuras que se assemelham a vírgulas que se estendem da borda interna do NEB (muito escuro) em direção ao sul para o EZ. À primeira vista, o NEB pode parecer cinza escuro aos seus olhos, mas se você examiná-lo de perto com ampliação de média a alta, você notará que na verdade é uma ferrugem escura ou até mesmo vermelho tijolo.

A Grande Mancha Vermelha (GRS) mantém seu tom vermelho-alaranjado como nos últimos anos, uma cor compartilhada pela lua vulcânica incrustada de enxofre em Io, o único dos satélites brilhantes de Júpiter para mostrar uma cor distinta. Precedendo o ponto (oeste celestial), o SEB divide-se em 3–4 cintos paralelos bem espaçados, mas seguindo o ponto (leste), atualmente vemos um cinturão proeminente crivado de texturas turbulentas em paralelo com uma listra mais fina ao norte.

Mudanças na Grande Mancha Vermelha

Jet streams no SEB e South Temperate Zone têm triturado pedaços do GRS nas últimas semanas, distorcendo a forma do local de tempos em tempos. A partir de 2 de junho, os ventos estão levando um pedaço ou “floco” do GRS para o sudeste. Embora os astrônomos tenham observado atividades como essa antes, isso está acontecendo a um ritmo muito mais rápido do que o normal. Combinado com o encolhimento do local, alguns de nós se perguntam se os dias desta tempestade de séculos não estão contados.

Você pode ver mudanças sutis dentro e ao redor da Grande Mancha Vermelha (Great Red Spot-GRS) nesta sequência de imagens tiradas nos últimos 5 anos. A nuvem envolvendo a GRS em forma de colher parece ter se formado na primavera passada. Christopher Go

Telescópios maiores mostram mais detalhes dentro e entre os cinturões de nuvens e facilitam a visão das próprias luas enquanto transitam pelo disco de Júpiter. Se você possui um telescópio com alcance de 12 polegadas ou maior, tente localizar uma 5ª lua –  Himalia . Himalia é a sexta maior lua de Júpiter, com 170 quilômetros de diâmetro, mas atinge brilho de magnitude 15,0 nesta oposição. Sua órbita estendida e inclinada (29,6 ° para o equador de Júpiter) o coloca longe do planeta. Na noite da oposição, a lua ficou a cerca de 17 minutos de arco ao sul de Júpiter e é difícil distinguir-se no brilho do planeta. Espere até o final de julho, quando sua separação aumenta para cerca de 1° para ter uma chance de vê-la.

Para encontrar Himalia, crie um mapa usando um programa de software de mapeamento de céu como o Stellarium .  Se você usar esse programa em particular, certifique-se de baixar os catálogos de estrelas adicionais para expandir seu intervalo de magnitude para 15.

A lua exterior de Júpiter, Himalia, visível em grandes telescópios amadores, se distancia do planeta. Aqui vemos isso em relação a Júpiter em 20 de junho de 2019. Stellarium

Que tal um pequeno bônus enquanto você está na observação de Júpiter? Ceres, o planeta anão mais brilhante, e o mais fácil de se ver, aparece apenas uma semana após a oposição e brilha em magnitude 7 localizado cerca de 15° a oeste de Júpiter na Constelação de Escorpião. Você pode facilmente encontrá-lo com binóculos a poucos graus ao norte da bela estrela dupla Beta (β) Scorpii (aka Graffias) usando o mapa fornecido.

Ceres é fácil de encontrar brilhando em magnitude 7 acima da cabeça de Scorpius este mês. As posições são marcadas a cada 3 noites para as 10 da noite. Como o planeta anão se move relativamente devagar, as posições são boas para muitos fusos horários. As estrelas são Mostradas com magnitude 7,5. SkyMap de Chris Marriott com adições pelo autor

Capriche no repelente de mosquitos e desfrute de uma noite tranquila, longe das luzes das cidades, observando o “deus dos deuses”, o planeta  Júpiter (Zeus para os Gregos).


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

One Response to Júpiter (Zeus, o pai dos deuses) dá show em Escorpião

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.