browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Médico da OMS diz que lockdowns/bloqueios não devem ser usados contra Covid-19

Posted by on 11/10/2020

Em uma reviravolta impressionante, com repreensão à “ciência”, aos “médicos”, “políticos de esquerda”, burocratas de carreira nos EUA e em grande parte de países do Ocidente [e aos obedientes zumbis em geral] , Evan Pentchoukov do Epoch Times relata que o enviado especial da Organização Mundial da Saúde no COVID-19, Dr David Nabarro pediu e instou aos líderes mundiais de que eles devem parar de usar lockdowns, quarentenas como método de controle primário contra a propagação do vírus Covid-19, comumente conhecido como o novo coronavírus.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Oficial da OMS insta FIM dos bloqueios como método primário de controle do coronavírus 

Fonte:  The Epoch Times

Por Ivan Pentchoukov

“Nós, na Organização Mundial da Saúde, não defendemos os bloqueios como o principal meio de controle desse vírus”, disse David Nabarro ao The Spectator em uma entrevista transmitida em 8 de outubro. “A única vez que acreditamos que um bloqueio é justificado é quando você deve se reorganizar, reagrupar, reequilibrar seus recursos, proteger seus profissionais de saúde que estão exaustos, mas, em geral, preferimos não fazer isso”.

Nabarro apontou para os “danos colaterais” que os bloqueios e restrições à movimentação de pessoas estão causando em todo o mundo, especialmente entre as populações mais pobres.

“Basta olhar para o que aconteceu com a indústria do turismo, por exemplo, no Caribe ou no Pacífico, porque as pessoas não estão de férias. Veja o que aconteceu aos pequenos agricultores em todo o mundo porque seus mercados foram prejudicados. Veja o que está acontecendo com os níveis de pobreza. Parece que podemos muito bem ter uma duplicação da pobreza mundial no próximo ano. Parece que podemos ter pelo menos o dobro da desnutrição infantil porque as crianças não estão recebendo refeições na escola e seus pais, em famílias pobres, não têm condições de lhes alimentar”, disse Nabarro.

Quanto tempo levará para este vídeo ser removido pelo Twitter?

“Esta é uma catástrofe global terrível e horrível, na verdade”, disse ele. 

“E, então, realmente apelamos a todos os líderes mundiais: parem de usar os bloqueios como seu método de controle primário, desenvolva sistemas melhores para fazer isso, trabalhe em conjunto e aprenda uns com os outros, mas lembrem-se: os bloqueios têm apenas uma consequência que você nunca irá amenizar , e isso está tornando os pobres muito mais pobres”.

Nabarro não é o único cientista que se opõe aos bloqueios. Vários médicos cientistas e médicos de saúde pública assinaram a Declaração de Great Barrington , que afirma que “as atuais políticas de bloqueio estão produzindo efeitos devastadores na saúde pública global de curto e longo prazo”.

Os signatários incluem: “Dr. Martin Kulldorff, professor de medicina da Universidade de Harvard, bioestatístico e epidemiologista com experiência na detecção e monitoramento de surtos de doenças infecciosas e avaliações de segurança de vacinas; Dr. Sunetra Gupta, professor da Universidade de Oxford, epidemiologista com experiência em imunologia, desenvolvimento de vacinas e modelagem matemática de doenças infecciosas; e o Dr. Jay Bhattacharya, professor da Stanford University Medical School, médico, epidemiologista, economista de saúde e especialista em políticas de saúde pública com foco em doenças infecciosas e populações vulneráveis”.

A declaração faz o alerta: “A abordagem mais compassiva que equilibra os riscos e benefícios de alcançar a imunidade coletiva é permitir que aqueles que estão sob risco mínimo de morte vivam suas vidas normalmente para desenvolver imunidade ao vírus através da infecção natural, protegendo melhor aqueles que estão em maior risco”.

Com poucas exceções, os líderes mundiais seguiram a liderança do regime ateu comunista chinês ao responder ao surto do vírus, impondo bloqueios, quarentenas e distanciamento social sem precedentes. A Suécia, que não impôs um bloqueio, uso de máscaras, fechamento de setor de serviços, teve uma porcentagem menor de mortes do que algumas localidades e nações que estabeleceram restrições draconianas.

Nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump delegou as decisões sobre as medidas de bloqueio aos governadores de cada um dos cincoenta estados. No final, todos, exceto apenas um punhado de estados, promulgaram algum tipo de medida restritiva total à população, no que levou a maior recessão da história dos EUA e desemprego em massa desde a Grande Depressão de 1929, com milhões de empregos sendo simplesmente eliminados.

Como William Anderson escreveu recentemente para o The Mises Institute, os bloqueios e lockdowns só servem à classe política progressista em sua ânsia de controle total da população [de zumbis obedientes]…

Temos que entender que as classes políticas e seus meios de comunicação [PRE$$TITUTES] têm um interesse pessoal no status quo de bloqueio , e isso inclui o fornecimento regular do que só pode ser chamado de desinformação. A grande mídia [PRE$$TITUTES] no verão passado obedientemente reportou um relatório altamente questionável (eu uso esse termo caridosamente) de que o Sturgis Bike Rally em Dakota do Sul levou a mais de um quarto de milhão de infecções cobiçosas e mais de US$ 12 bilhões em custos médicos. Deveria ser óbvio à primeira vista que o relatório era profundamente falho, mas a mídia [PRE$$TITUTES] em seu desejo de alimentar a narrativa a cobiça-está-nos-matando, os jornalistas pegaram essa história boa demais para ser verdade e a seguiram.

Para os políticos, a crise cobiçosa foi uma dádiva de Deus para os executivos e burocratas do governo que veem as restrições constitucionais que limitam sua autoridade como meros obstáculos a serem facilmente eliminados. Governadores como Gretchen Whitmer de Michigan, Andrew Cuomo de Nova York, Gavin Newsom da Califórnia e Tom Wolfe da Pensilvânia receberam cobertura de adoração na mídia [PRE$$TITUTES] por tomar e empregar poderes ditatoriais contra o povo de seus estados. Whitmer decidiu até mesmo unilateralmente que a venda de sementes de jardim nas lojas era ilegal. A decisão de Cuomo de forçar o alojamento de pacientes covid-19 em asilos levou à morte de milhares de pessoas, mas sua cobertura da mídia [PRE$$TITUTES] nacional é uniformemente positiva.

Compare a cobertura afirmativa da notícia de Cuomo com a enxurrada de ataques da mídia ao governador Kristi Noemde Dakota do Sul. Noem enfatizou a responsabilidade pessoal de seus cidadãos e não tentou o fechamento em massa de escolas e empresas no estado, e a grande mídia [PRE$$TITUTES] explodiu em fúria. O fato de Dakota do Sul ter superado esta pandemia relativamente bem não importa para a mídia, já que a única ação aceitável (para jornalistas  PRE$$TITUTES da elite) em resposta à cobiça é os governadores tomarem o poder total sozinhos e prenderem seus cidadãos.

Lembre-se de que as perdas reais que os americanos sofreram devido à forte resposta governamental ao ambicioso surto são permanentes. Como Robert Higgs tão eloquentemente apontou em Crisis and Leviathan, os políticos freqüentemente criam crises ou, pelo menos, manipulam eventos como desastres naturais e os usam como oportunidades para expandir os poderes governamentais. Mesmo após o fim da crise fabricada, os governos mantêm alguns de seus poderes recém-concedidos a si próprios – e a maioria das pessoas pouco ou nada se preocupa, mesmo quando o governo restringe mais e mais às suas liberdades.

Presumivelmente, isso significa que Joe Biden agora pressionará para que os bloqueios sejam suspensos em todos os estados democratas ? … porque agora ele está “ouvindo os cientistas”?


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

One Response to Médico da OMS diz que lockdowns/bloqueios não devem ser usados contra Covid-19

  1. Silvio J B Maia

    Partindo dos rumores sobre a autoria chinesa nisso, da necessidade deles reduzirem à força a população mundial face o problema superpopulacional deles, e da grana que a China tem para corromper, parece-nos devamos nos posicionar com bastante cautela, porque esse manifesto da OMS -aliás já um tanto desmoralizada- bem pode ser uma incitação ao contágio.

Deixe uma resposta para Silvio J B Maia Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.