browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Milhões de pessoas foram deslocadas pela ‘Guerra ao Terror’, no maior golpe já inventado

Posted by on 11/09/2020

Um  novo relatório  do projeto Costs of War [Custo da Guerra] da Brown University descobriu que pelo menos 37 milhões de pessoas foram deslocadas como resultado da chamada “Guerra ao Terror” da América desde o “atentado” de 11 de setembro, uma estimativa conservadora de um número que pode realmente estar em algum lugar entre 48 milhões a 59 milhões. São dezenas de milhões de pessoas forçadas a fugir de suas casas em desespero, como resultado da violência da guerra e desestabilização causada pelas intervenções dos EUA justificadas pela necessidade de combater o “terrorismo”. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Dezenas de milhões de pessoas deslocadas pela ‘Guerra ao Terror’ [Fake], o maior golpe já inventado, e as ovelhas engoliram a “estória”

Fonte:  https://caitlinjohnstone.com

Esse número, “pelo menos 37 milhões”, acontece de ser pura coincidência o mesmo número de norte americanos  atualmente relatados como sofrendo de insegurança alimentar porque seus governos, há décadas, gasta sua riqueza e recursos matando e deslocando pessoas de seus países de origem para o exterior.

Esta revelação inconveniente, que na verdade foi relatado pela The New York Times por uma vez, está causando acessos de raiva e/ou histeria para todas as pessoas certas, com o neoconservador e propagandista da guerra Josh Rogin do The Washington Post esbravejar: “O @nytimes deveria ter vergonha para mostrar este relatório como ‘análise.’ Culpar os EUA pelo deslocamento de 7 milhões de sírios é loucura e desonesto. Maneira de lavar a propaganda anti-americana”.

Claro, Josh, não é como se as forças extremistas que inundaram a Síria com o objetivo de derrubar o governo em Damasco fossem apoiadas pelos EUA e seus aliados e surgissem como resultado direto da desestabilização regional causada pelo intervencionismo ocidental em nome da luta contra o [pseudo] terrorismo. Oh, esperem, não foi exatamente isso que aconteceu .

“Esta tem sido uma das principais formas de dano, é claro, junto com as mortes e ferimentos, que foram causados ​​por essas guerras”, disse o principal autor do relatório David Vine  ao The New York Times “Isso nos diz que o envolvimento dos EUA em guerras nesses países tem sido terrivelmente catastrófico, terrivelmente prejudicial de maneiras que não acho que a maioria das pessoas nos Estados Unidos, incluindo eu mesmo, tenha lutado ou contado com os menores termos”.

Dezenas de milhões de pessoas forçadas a fugir de suas casas em desespero, como resultado da violência da guerra e desestabilização causada pelas intervenções dos EUA justificadas pela necessidade de combater o “terrorismo”.  Quantos americanos realmente lutaram ou consideraram isso nos mínimos termos? Quantos contemplaram a escala e a profundidade do sofrimento que essas intervenções estão causando a seres humanos reais com a mesma capacidade de angústia e sofrimento do que os próprios norte americanos? Perguntaram-se se os fins realmente justificavam os devastadores meios?

E, talvez o mais importante, se perguntaram se eles têm certeza de quem são os verdadeiros terroristas nesta situação absurda?

A “guerra ao terrorismo” é apenas terrorismo de alto orçamento e escala de massa, e também cria mais terrorismo do tipo comum. Os atentados suicidas têm-se mostrado inequivocamente como resultado quase que inteiramente do intervencionismo ocidental; eles eram simplesmente um problema no Iraque e no Afeganistão antes das invasões dos EUA lá, por exemplo. A “guerra ao terror” não é apenas o terrorismo em si, é um fato estabelecido que na verdade cria mais do tipo de terrorismo que pretende pretensamente eliminar.

E por que não? Por que destruir e desestabilizar nações inteiras não faria as pessoas quererem revidar contra o agressor ? É evidente que sim, apenas usando sua própria empatia e compreensão da natureza humana. Como Jonathan Marshall escreveu para Consortium News em 2017:

O novo estudo mais confiável das fontes de terrorismo e insurgência no continente, Journey to Extremism in Africa  (setembro de 2017), conclui que o que leva muitos indivíduos a aderir a grupos violentos são incidentes de violência patrocinada pelo governo, como “assassinato de um membro da família ou amigo ”ou“ prisão de um membro da família ou amigo”.

“Essas descobertas colocam em relevo a questão de como o contraterrorismo e as funções de segurança mais amplas dos governos em ambientes de risco se conduzem em relação aos direitos humanos e ao devido processo legal”, conclui o relatório, com base em entrevistas com mais de 500 ex-membros de organizações militantes.

“A conduta dos agentes de segurança do estado é revelada como um acelerador proeminente de recrutamento, e não o contrário. . . Essas descobertas sugerem que uma reavaliação dramática das intervenções com foco na segurança do Estado é necessária com urgência ”.

Vários outros especialistas tiraram conclusões semelhantes de zonas de conflito no Oriente Médio e na Ásia. Em 2008, um relatório da RAND Corporation sobre  Lições para Combater a Al Qaeda  alertou os militares dos EUA a “resistir a serem atraídos para operações de combate em sociedades muçulmanas, já que sua presença provavelmente aumentará o recrutamento de terroristas. . . . A força militar geralmente tem o efeito oposto do pretendido: é frequentemente usada em excesso, afasta a população local por sua natureza opressora e fornece uma janela de oportunidade para o recrutamento de grupos terroristas ”.

“Da mesma forma, a Força-Tarefa Stimson sobre Política de Drones dos EUA , composta por ex-altos funcionários da CIA, Departamento de Defesa e Departamento de Estado, alertou em 2014 que os ataques dos EUA fortaleceram grupos islâmicos radicais no Oriente Médio, África e Sul da Ásia”. 

Simplesmente não há dúvida de que a “Guerra ao Terror” faz exatamente o oposto do que pretende fazer de todas as maneiras concebíveis. Este é um fato total e indiscutivelmente estabelecido.

Então, por que isso continua? Por que esse projeto de intervenção e ocupação em grande escala não apenas continua, mas na verdade está aumentando , apesar do fato de sabermos, sem sombra de dúvida, que tudo o que faz é criar mais miséria, para homens, mulheres e crianças, deslocamento, campos de refugiados e mais terrorismo? 

Fácil: porque é exatamente para isso que foi projetado.

Talvez o maior golpe já inventado seja a maneira como o império centralizado dos EUA descobriu que pode matar e deslocar pessoas em regiões geoestrategicamente cruciais e ricas em recursos minerais [petróleo] sob o pretexto de combater o terrorismo, então quando a violência e o extremismo inevitavelmente surgirem dessa massa- trauma em escala eles podem usá-lo para justificar ainda mais intervencionismo sob o pretexto de combater o terrorismo. É um ciclo de feedback positivo de auto-reforço sem fim de mais violência e morte, e permite que as forças imperialistas movam cada vez mais tropas, bases e máquinas de guerra para as áreas que precisam bloquear para ajudá-los a sufocar as nações que os desobedecem .

Quanto mais devastador o intervencionismo, mais as pessoas querem lutar contra as forças que estão infligindo esse devastador intervencionismo militar. Quanto mais pessoas quiserem lutar contra as forças que estão infligindo aquele intervencionismo militar devastador, mais o intervencionismo militar pode ser justificado para um público americano que não luta ou não o considera nem nos mínimos termos. E o petróleo continua fluindo. E o dinheiro continua acumulando. E o ritmo continua.

Nós somos governados por monstros psicopatas.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

One Response to Milhões de pessoas foram deslocadas pela ‘Guerra ao Terror’, no maior golpe já inventado

  1. Silvio J B Maia

    Nosso ciclo começou com um terço de trigo para dois de joio, parte deste na missão de fazer avançar moralmente o joio, no que fracassou mais por desleixo.
    Desse modo por ordem natural das coisas com raríssimas exeções possíveis o joio firmou-se no poder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.