browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Netanyahu vai ‘explodir’ Oriente Médio para não ir para a prisão

Posted by on 28/05/2020

O impulso imprudente do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu para expandir a anexação do território palestino é uma aposta para evitar a própria prisão por acusações de corrupção. Mas poderia explodir um Oriente Médio já volátil. Até os chefes de segurança israelenses estão cada vez mais alarmados com o esforço de Netanyahu para expandir as fronteiras do país judeu avançando para ocupar territórios de outros países da região. Em um momento histórico duvidoso desta semana, o primeiro-ministro israelense mais antigo também se tornou o primeiro líder do país a ser processado legalmente por acusações criminais. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Netanyahu pressiona pela anexação de terras da Cisjordânia em sua luta para evitar a prisão. Mas ele está incendiando o Oriente Médio

Fonte: https://www.rt.com/op-ed/489920-netanyahu-west-bank-setting-middle-east-on-fire/

Apresentado perante um tribunal, Netanyahu mal conseguiu conter sua indignação, denunciando o julgamento como uma “invenção” de seus inimigos políticos para “depor um líder forte”.

 Se considerado culpado, o herói de guerra condecorado pode ser preso por 10 anos. Aos 70 anos, ‘Bibi’ Netanyahu está lutando por sua vida e pela preservação de seu “legado político”. Ele sempre presumiu que sua ascensão política e o “destino glorioso” de Israel estavam entrelaçados.

No dia seguinte à sua infame aparição na corte, Netanyahu prometeu que seu recém-formado governo de coalizão continuará com planos ambiciosos de expandir a anexação do território palestino mantido sob ocupação israelense na Cisjordânia. Esse plano deve começar em 1º de julho, com o objetivo de estender formalmente um terço do território contestado sob a soberania de Israel. Parece mais que coincidência que a próxima audiência do julgamento de Netanyahu esteja marcada para 19 de julho.

Netanyahu declarou o plano de anexação como “uma oportunidade histórica” ​​para Israel não ser desperdiçada. O chamado plano de paz do “acordo do século”, revelado pelo governo Trump em janeiro, encorajou os partidos de direita israelense a consolidar sua tomada histórica de terras palestinas.

Assim, “Bibi”, o homem forte de estilo próprio, está confundindo o suposto destino histórico de Israel com seu próprio destino pessoal [como todos os psicopatas egocêntricos que vieram antes dele]. Pode-se prever que, à medida que o processo criminal prossegue, o mesmo fará Netanyahu intensificar o processo de anexação como uma maneira de polir sua imagem e aura pública como o “salvador” auto-ungido de Israel.

Essa é uma dinâmica perigosa. Vários ex-oficiais de segurança israelenses já haviam alertado Netanyahu contra o processo de anexação de terras da Cisjordânia. Eles dizem que os protestos palestinos contra um golpe tão grave nas suas aspirações por um Estado serão incontroláveis. Isso foi sublinhado pela Autoridade Palestina na Cisjordânia, anunciando na semana passada que estava cancelando todos os acordos de segurança com o Estado de Israel.

O explosivo potencial de conflito foi destacado pelo rei da Jordânia Abdullah II, cujo país faz fronteira com Israel a leste. Em uma entrevista em 15 de maio à revista alemã Der Spiegel, o líder jordaniano disse:

“Se Israel realmente anexar a Cisjordânia em julho, isso levaria a um conflito maciço com o Reino Hachemita da Jordânia”.

O alarme também foi disparado pelas Nações Unidas [ONU] e pela União Européia [UE], cada uma das quais vê a ocupação israelense dos territórios palestinos desde a Guerra dos Seis Dias de 1967 como ilegal sob o direito internacional.

Ambos os órgãos mundiais advertiram Netanyahu por seu plano de anexação, enquanto vários líderes europeus escreveram para ele alertando que sanções econômicas podem ser impostas à Israel. Essa é uma medida da preocupação de que a região do Oriente Médio, que está em eterno conflito [desde os tempos bíblicos de Abraão], possa entrar em erupção TOTAL se Netanyahu prosseguir com seu plano de obter MAIS território para o “Grande Israel”.


Neste mapa [abaixo] uma “diferente” visão do ORIENTE MÉDIO: “O GRANDE ISRAEL”: Em 04 de setembro de 2001 uma manifestação foi realizada em Jerusalém, para apoiar à ideia da implantação do Estado de Israel desde o RIO NILO (Egito) até o RIO EUFRATES (Iraque). Foi organizado pelo movimento Bhead Artzeinu (“Para a Pátria”), presidido pelo rabino e historiador Avraham Shmulevic de Hebron. De acordo com Shmulevic: “Nós não teremos paz enquanto todo o território da Terra de Israel não voltar sob o controle judaico …. Uma paz estável só virá depois, quando ISRAEL tomar a si todas as suas “terras históricas”, e, assim, controlar tanto desde o CANAL de SUEZ (EGITO) até o ESTREITO de ORMUZ (o IRÃ) … Devemos lembrar que os campos de petróleo iraquianos também estão localizadas na terra dos judeus”.

UMA DECLARAÇÃO do ministro Yuval Steinitz, do Likud, que detém o extenso título de ministro da Inteligência, Relações Internacionais e Assuntos Estratégicos de Israel afirma: “Estamos testemunhando o extermínio do antigo Oriente Médio. A ordem das coisas esta sendo completamente abalada. O antigo Oriente Médio está morto, e o novo Oriente Médio não está aqui ainda. Esta instabilidade extrema poderia durar mais um ano, ou até mais alguns anos, e nós não sabemos como a nova ordem do Oriente Médio vai se parecer à medida que emergir a partir do caos e derramamento de sangue e fumaça atual. É por isso que devemos continuar a agir com premeditação”. No mapa acima podemos ver as pretensões de judeus radicais (tão ou mais radicais quanto os fanáticos islâmicos).


Outro sinal de que há perigo iminente é a reação incomum de Washington, dado seu apoio [servidão] habitual à política israelense. Em um editorial, o Washington Post pediu moderação pelo governo israelense sobre a “apropriação de terras” e delineou várias suspeitas de segurança para a região.O candidato democrata à presidência Joe Biden também manifestou oposição aos planos de anexação, apesar de Biden ser um autoproclamado “sionista” e “amigo” de Netanyahu.

Mas, o mais revelador é que até o governo Trump se opôs ao expansionismo estatal israelense de Netanyahu. Anteriormente, o presidente Trump endossou as reivindicações de Israel sobre Jerusalém como a única capital, sua incorporação das Colinas do Golã na Síria e a construção contínua de assentamentos israelenses em terras palestinas. O chamado roteiro de “visão para a paz” de Trump dá um mínimo de insulto às negociações com os palestinos e ao reconhecimento de um eventual estado palestino, mas durante todo o tempo é fundamental para iluminar a anexação de seu território por Israel.

É um sinal de quão incendiária é a situação, que o secretário de Estado americano normalmente otimista Mike Pompeo fez uma visita extraordinária a Jerusalém em 13 de maio – em meio ao bloqueio por coronavírus – aparentemente alertando Netanyahu para “desacelerar” os planos de expansão israelense.

As objeções de Washington e da Europa dificilmente se baseiam em princípios de defesa dos direitos palestinos. Como poderiam ser, depois de décadas fechando os olhos para violações e injustiças sistemáticas por parte do Estado de Israel contra os palestinos? Não, os americanos e os europeus são cinicamente mais motivados pela apreensão sobre as repercussões no conflito regional e seus próprios interesses.

Os palestinos e o povo árabe de maneira mais ampla perderam a paciência durante um processo de paz simbólico de décadas que não passou de uma charada pela desapropriação implacável de suas terras e em câmera lenta. A “oportunidade histórica” ​​de Netanyahu de avançar ainda mais com a anexação ilegal de novos territórios pode ser a gota d’água que quebra as costas do camelo.

No entanto, um curso de colisão tão desastroso parece inevitável. Porque está ligado ao desespero de Bibi em escapar da prisão pelos seus crimes e da ignomínia.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.