browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Novas geleiras no leste da Antártida agora também estão derretendo

Posted by on 07/01/2019

A Antártica Oriental (região leste) tem o potencial de remodelar as costas ao redor do mundo através do aumento do nível das águas do mar, mas os cientistas há muito a consideravam mais estável do que sua região vizinha, a Antártida Ocidental. Agora, novos mapas detalhados da velocidade e altitude do gelo da NASA mostram que um grupo de glaciares abrangendo um oitavo da costa leste da Antártida também começou a perder gelo na última década, sugerindo mudanças generalizadas no nível das águas dos oceanos ao redor do globo.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Mais geleiras no leste da Antártida estão “acordando” e derretendo

Fonte: https://www.nasa.gov/

Por Maria-José Viñas 

Nos últimos anos, pesquisadores alertaram que a região conhecida como Totten Glacier, um gigante que contém gelo suficiente para elevar os níveis do mar em pelo menos 11 pés (cerca de 3,40 metros), parece estar recuando devido ao derretimento pelo aquecimento das águas oceânicas. Agora, pesquisadores descobriram que um grupo de quatro geleiras a oeste de Totten, além de um punhado de pequenas geleiras mais ao leste, também está perdendo gelo.

“Totten é a maior geleira do leste da Antártida, então atrai a maior parte do foco de pesquisa”, disse Catherine Walker, glaciologista do Centro de Vôos Espaciais Goddard da NASA em Greenbelt, Maryland, que apresentou suas descobertas em uma conferência de imprensa na segunda-feira. na Reunião da União Geofísica em Washington. “Mas uma vez que você começa a perguntar o que mais está acontecendo nesta região, acontece que outras geleiras próximas estão respondendo de maneira semelhante ao descongelamento da região Totten.”

Um grupo de quatro geleiras em uma área da Antártida Oriental chamada Baía de Vincennes, a oeste da enorme geleira Totten, reduziu sua altura superficial em cerca de nove metros desde 2008, sugerindo mudanças generalizadas no oceano. Os dados usados ​​para este mapa são uma versão inicial do projeto MEASURE’s ITS-LIVE da NASA e foram produzidos por Alex Gardner, NASA-JPL. Créditos: NASA Earth Observatory / Joshua Stevens

Para sua pesquisa, Walker usou novos mapas de velocidade do gelo e elevação da altura da superfície que estão sendo criados como parte de um novo projeto da NASA denominado Série Temporal Inter-Missão de Velocidade e Elevação do Solo Terrestre, ou ITS-LIVE. Pesquisadores do ITS-LIVE lançarão uma nova iniciativa no início de 2019 para rastrear o movimento do gelo mundial, que inclui a criação de um registro de 30 anos de observações de satélites de mudanças na elevação da superfície de geleiras, nas regiões de coberturas e plataformas de gelo. um registro detalhado das variações na velocidade da diminuição do gelo a partir de 2013.

Walker descobriu que quatro geleiras a oeste de Totten, em uma área chamada Baía de Vincennes, reduziram sua altura superficial em cerca de 9 pés (cerca de 2,70 metros) desde 2008 – antes daquele ano, não havia nenhuma mudança medida na elevação dessas geleiras. Mais ao leste, uma coleção de glaciares ao longo da costa da Terra de Wilkes dobrou aproximadamente sua taxa de redução desde aproximadamente 2009, e sua superfície está agora diminuindo em cerca de 0,8 pés a cada ano. 

Esses níveis de perda de gelo são pequenos quando comparados aos das geleiras na Antártica Ocidental. Mas ainda assim, eles falam de uma mudança nascente e generalizada do aumento do degelo na Antártica Oriental.

“A mudança não parece aleatória; parece sistemática”, disse Alex Gardner, um glaciologista do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia, líder do ITS-LIVE e participante da coletiva de imprensa. “E essa natureza sistemática sugere as influências oceânicas subjacentes que foram incrivelmente fortes na Antártida Ocidental. Agora, podemos estar descobrindo que ligações claras do oceano estão começando a influenciar a Antártica Oriental.”

Este mapa mostra o fluxo da camada de gelo da Antártida, medida a partir do rastreamento de características superficiais sutis em milhões de pares de imagens repetidas do satélite Landsat. O “buraco de rosquinha” no centro marca a latitude máxima visível pelos satélites Landsat. Os dados usados ​​para este mapa são uma versão inicial do projeto MEASURE’s ITS-LIVE da NASA e foram produzidos por Alex Gardner, NASA-JPL. Créditos: NASA Earth Observatory / Joshua Stevens

Walker usou simulações da temperatura do oceano a partir de um modelo e as comparou com medições reais de mamíferos marinhos marcados com sensores. Ela descobriu que as recentes mudanças nos ventos e no gelo do mar resultaram em um aumento do calor das águas do oceano para as geleiras da Terra de Wilkes e da Baía de Vincennes.

“Esses dois grupos de geleiras drenam as duas maiores bacias subglaciais da Antártida Oriental, e ambas as bacias estão abaixo do nível do mar”, disse Walker. “Se a água quente pode chegar longe o suficiente, ela pode progressivamente atingir mais e mais gelo. Isso provavelmente aceleraria o derretimento e a aceleração dos glaciares, mas ainda não sabemos quão rápido isso aconteceria. Ainda assim, é por isso que as pessoas estão olhando para essas geleiras, porque se você começar a vê-las ganhando velocidade no degelo, isso sugere que as coisas estão desestabilizando”.

Há muita incerteza sobre como um oceano em aquecimento pode afetar essas geleiras, devido à pouca exploração da área remota da Antártica Oriental. As principais incógnitas têm a ver com a topografia do leito rochoso abaixo do gelo e a batimetria do fundo do oceano na frente e abaixo das plataformas de gelo, que governam como as águas oceânicas circulam perto do continente e trazem o calor do oceano para o gelo frontal.

Por exemplo, se o terreno sob as geleiras se inclinasse para o interior da linha de aterramento – o ponto onde as geleiras alcançam o oceano e começassem a flutuar sobre a água do mar formando uma plataforma de gelo – e apresentasse sulcos que proporcionavam atrito, essa configuração seria lenta no fluxo e na perda de gelo. Este tipo de paisagem também limitaria o acesso de águas quentes e profundas do oceano circumpolar ao gelo frontal.

Um cenário muito pior para a perda de gelo seria se o leito de rocha sob as geleiras se inclinasse para o interior da linha de aterramento. Nesse caso, a base de gelo ficaria mais e mais profunda à medida que a geleira recuasse e, à medida que o gelo parasse, a altura da face de gelo exposta ao oceano aumentaria. Isso permitiria mais derretimento na frente da geleira e também tornaria o penhasco de gelo mais instável, aumentando a taxa de liberação de icebergs. Esse tipo de terreno tornaria mais fácil para as águas profundas circumpolares quentes atingirem a frente de gelo, mantendo altas taxas de derretimento próximas à linha de aterramento.

Foto aérea do glaciar Totten no leste da Antártida, gelo e neve até o horizonte

Geleira Totten. Imagem via PolarTREC .

“É preciso dar mais atenção a essas geleiras: precisamos mapear melhor a topografia e precisamos mapear melhor a batimetria”, disse Gardner. “Só então poderemos ser mais conclusivos para determinar se, se o oceano aquecer, essas geleiras entrarão em uma fase de rápido colapso ou se estabilizarão nas características topográficas a montante.”

Links Relacionados

Imagem da bandeira: Uma geleira na Antártica do leste, como visto durante um voo de IceBridge da operação em novembro de 2013. 

Créditos:  NASA / Michael Studinger – Equipe de Notícias de Ciências da Terra da NASA– Última atualização: 10 de dezembro de 2018 – Editor: Sara Blumberg.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.
Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações sobre ANTÁRTIDA, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

One Response to Novas geleiras no leste da Antártida agora também estão derretendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.