browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

“O Dia Depois de Amanhã”

Posted by on 16/04/2018

Related imageAs correntes oceânicas que ajudam a aquecer as costas atlânticas da Europa e da América do Norte diminuíram significativamente desde o século XIX e estão em seu nível mais fraco em 1.600 anos, de acordo com novas pesquisas que meus colegas e eu conduzimos. Como definimos em um novo estudo na Nature, o enfraquecimento desse  sistema de circulação oceânica pode ter começado naturalmente, mas provavelmente está sendo continuado pelas mudanças climáticas relacionadas às emissões de gases do efeito estufa.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Algo estranho está acontecendo com a Corrente do Golfo (GULF STREAM)

Fonte: https://www.popsci.com/slowing-atlantic-currents

Essa circulação de águas quentes dos trópicos para as águas mais frias do Atlântico norte é um fator fundamental no sistema climático da Terra e uma desaceleração ampla ou abrupta poderia ter repercussões globais e especificamente na Europa. Isso poderia fazer com que o nível do mar na costa leste dos EUA aumentasse, alterasse os padrões  climáticos europeus ou os padrões de chuva de forma mais global e prejudicasse a vida selvagem marinha.

Sabemos que no final da última grande era do gelo, as rápidas flutuações na circulação das águas oceânicas levaram a mudanças climáticas extremas em escala global. Um exemplo exagerado (mas aterrorizante) de um evento tão repentino foi retratado no filme blockbuster de 2004, The Day After Tomorrow. (O Dia Depois de Amanhã).

O enfraquecimento recente que encontramos foi provavelmente impulsionado pelo aquecimento no Atlântico Norte e pela adição de água doce do aumento de chuvas e derretimento do gelo nas calotas polares devido às mudanças climáticas. Foi previsto muitas vezes, mas até agora, o quanto de enfraquecimento já ocorreu, permaneceu em grande parte um mistério. A extensão das mudanças que descobrimos é uma surpresa para muitos, incluindo eu mesmo, e aponta para mudanças significativas no futuro próximo.

O sistema de circulação em questão é conhecido como Circulação Meridional Transversal do Atlântico (AMOC –  Atlantic Meridional Overturning Circulation). O AMOC é como uma correia transportadora gigante de água.  Transporta água quente e salgada para o Atlântico Norte, onde fica muito frio e afunda. Uma vez no oceano profundo, a água flui de volta para o sul e depois para todos os oceanos do mundo. Esta correia transportadora é um dos mais importantes transportadores de calor do sistema climático global e inclui a Corrente do Golfo (Gulf Stream), conhecida por manter a Europa Ocidental aquecida.

A Corrente do Golfo , junto com sua extensão norte a Corrente do Atlântico Norte , é uma corrente quente e rápida do oceano Atlântico que se origina no Golfo do México e se estende até a ponta da Flórida e segue a costa leste dos Estados Unidos e Terra Nova antes de cruzar o Oceano Atlântico. O processo de intensificação ocidental faz com que a Corrente do Golfo seja uma corrente de aceleração para o norte ao largo da costa leste da América do Norte. A cerca de 40 ° 0′N 30 ° 0′W , divide-se em dois, com a corrente norte, a deriva do Atlântico Norte , atravessando para o norte da Europa e a corrente sul, a corrente das Canárias , recirculando a costa oeste da África.

Os modelos climáticos previram consistentemente que o AMOC diminuirá devido ao aquecimento dos gases de efeito estufa e às mudanças associadas no ciclo da água. Por causa dessas previsões – e a possibilidade de mudanças  climáticas abruptas – os cientistas monitoraram o AMOC desde 2004 (mesmo ano do filme O Dia Depois de Amanhã) com instrumentos espalhados pelo Atlântico em locais estratégicos. Mas para realmente testar as previsões do modelo e descobrir como a mudança climática está afetando o transportador, precisamos de registros muito mais longos.

Procurando por padrões

Para criar esses registros, nosso grupo de pesquisa – liderado pelo Dr. David Thornalley, da University College London – usou a idéia de que uma mudança no AMOC tem um padrão único de impacto no oceano. Quando o AMOC se enfraquece, o nordeste do Oceano Atlântico esfria e partes do Atlântico ocidental ficam mais quentes por uma quantidade específica. Podemos procurar esse padrão nos registros anteriores da temperatura do oceano para traçar como era a circulação no passado.

Outro estudo da mesma edição da Nature , liderado por pesquisadores da Universidade de Potsdam, na Alemanha, usou observações históricas de temperatura para verificar a impressão digital. Eles descobriram que o AMOC havia reduzido em força cerca de 15% desde 1950, apontando para o papel das emissões de gases do efeito estufa causadas pelo homem como a causa primária.

 

Em nosso documento, que também faz parte do projeto ATLAS da UE, encontramos a mesma impressão digital.  Mas, em vez de usar observações históricas, usamos nossa experiência em pesquisas climáticas passadas para voltar muito mais no tempo. Fizemos isso combinando registros conhecidos dos restos de pequenas criaturas marinhas encontradas na lama do fundo do mar. A temperatura pode ser trabalhada observando as quantidades de diferentes espécies e as composições químicas de seus esqueletos. 

Também pudemos medir diretamente as velocidades passadas da corrente oceânica profunda, observando a própria lama. Grãos maiores de lama implicam correntes mais rápidas, enquanto grãos menores significam que as correntes eram mais fracas. Ambas as técnicas apontam para um enfraquecimento do AMOC desde cerca de 1850, novamente em cerca de 15% a 20%. É importante ressaltar que o enfraquecimento moderno é muito diferente de qualquer coisa observada nos últimos 1.600 anos, apontando para uma combinação de motivos naturais e humanos.

A diferença no momento do início do enfraquecimento do AMOC nos dois estudos exigirá mais atenção científica.  Apesar dessa diferença, os dois novos estudos levantam questões importantes sobre se os modelos climáticos simulam as mudanças históricas na circulação oceânica e se precisamos revisitar algumas de nossas projeções futuras.

No entanto, cada registro longo adicional facilita a avaliação de quão bem os modelos simulam esse elemento-chave do sistema climático. De fato, avaliar modelos contra esses registros longos pode ser um passo crucial se esperamos prever com precisão possíveis eventos extremos de AMOC e seus impactos climáticos.

Peter T. Spooner é pesquisador associado em paleoceanografia na UCL. Este artigo foi originalmente apresentado no The Conversation.


“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o TEMPO DA GRANDE COLHEITA se APROXIMA RAPIDAMENTE ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. SAIBA MAIS no LINK 


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

2 Responses to “O Dia Depois de Amanhã”

  1. profetiza

    Uau, seria um coincidencia eu ter pensado nisto (o dia depois de amanha) justo ontem e hoje voces me aparecem com esta noticia? Talves coincidencias nao existam.

  2. Moises

    Ue cade o abril de 2018 a tsunami. Q lorota mais estilo jucelino nobrega da luz, o homem que viu o depois de amanha (a parada acontece e so preve depois, atraves de supostas cartas q recebeu antes)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *