browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O impeachment de Trump pelos Democratas favorece sua reeleição em 2020

Posted by on 24/12/2019

Da costa leste a costa oeste, a resistência democrata está aplaudindo o impeachment do presidente Donald Trump aprovado na Câmara dos Deputados. Eles não deveriam estar festejando. Pois, ao tentar destruí-lo, apenas o tornaram mais poderoso ainda e  minaram e prejudicaram a si mesmos. Se o plano era sabotar a campanha de reeleição em 2020 para um segundo mandato de Trump, o tiro parece ter saído pela culatra espetacularmente e explodiu na face dos democratas. Com todas as audiências perante o Comitê de Inteligência ou do Judiciário, o apoio público ao impeachment realmente diminuíu.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Pelo impeachment de Trump, os democratas o tornaram mais poderoso do que eles jamais poderiam imaginar

Fonte:  https://www.rt.com/op-ed/476236-democrats-impeachment-empowered-trump/

Nebojsa Malic é jornalista, tradutor e blogueiro sérvio-americano, que escreveu uma coluna regular para o Antiwar.com de 2000 a 2015 e agora é escritor sênior da RT.

Não vamos medir palavras: a votação de quarta-feira foi o culminar dos esforços que começaram em 8 de novembro de 2016, com o chocante triunfo de Trump, um outsider do pântano político dos EUA, sobre Hillary Clinton e sua máquina partidária, da mídia MSM et caterva – ou talvez até antes, em qualquer data em que o FBI realmente começou a investigar a campanha de Trump por “conluio russo” por acusações vindas dos democratas e com o “conluio” do FBI.

Nancy Pelosi (D-Califórnia)

Todos esses caminhos, de “emolumentos” e “eleitores de Hamilton”, através do infeliz relatório Mueller até o escândalo “Russiagate”, até a denúncia de um “denunciante” sobre o telefonema da Ucrânia, todos convergiram para essa conclusão inevitável. Os verdadeiros “crimes ou contravenções graves” nunca importaram – ou se materializaram realmente – tudo o que alguém precisava fazer era repetir o mantra, fora com o “Orange Bad Man”.

A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi (D-Califórnia), usava roupas negras e entoava tristeza e solenidade do dia para a República Americana e sua importância para “nossa democracia”. Foi uma fogueira de hipocrisias e vaidades inúteis, como o partido [de esquerda] que passou anos denunciando tudo sobre a América – a sua bandeira, seu hino, os fundadores e até mesmo o sistema político – agora alegando estar defendendo tudo do “perigo claro e presente” que Trump de alguma forma representa.

Mesmo agora, não está claro o que eles procuravam realizar. Não há indicação de que o Senado de maioria republicana realmente vote para condenar o presidente e removê-lo do cargo – e os democratas sabem disso. Tampouco o impeachment vai desqualificar Trump de estar nas urnas em 2020 para se reeleger, não importa o que alguns comentaristas “republicanos” da MSNBC e da CNN possam argumentar.

Se o plano era sabotar a campanha de reeleição para um segundo mandato de Trump, o tiro parece ter saído pela culatra espetacularmente e explodiu na face dos democratas. Com todas as audiências perante o Comitê de Inteligência ou do Judiciário, o apoio público ao impeachment realmente diminuía. Até a CNN foi forçada a admitir a existência de “evidências crescentes de que os processos de impeachment público na Câmara contra Trump podem realmente estar ajudando-o politicamente”.

De fato, que melhor maneira de Trump solidificar sua boa-fé como um outsider populista do que ser acusado pelas elites sorrateiras e pelo pântano de Washington, no que equivalia a um processo partidário nu e cru?

Mesmo assim, os democratas e seus amigos na mídia MSM pressionaram, rejeitando as evidências diante de seus próprios olhos em favor de sentimentos e crenças. Os democratas que votaram contra o inquérito e desertaram para o Partido Republicano? Ora, eles estão apenas no “lado errado da história”, isso é tudo.

“Temos uma missão e um mandato para estar do lado certo da história”, declarou o congressista John Lewis (D-Geórgia), horas depois do que passou para o debate no plenário da Câmara. Foi uma escolha reveladora da frase.

Com todo o resto sendo um tiro no escuro ou altamente improvável, manchar o nome de Trump nos livros de história pode ser a última aposta restante. Afinal, a Câmara só impeachmentou três presidentes nos 240 anos de história dos Estados Unidos: Andrew Johnson, Bill Clinton e agora Trump.

Ah, claro, nenhum deles foi condenado no Senado ou foi forçado a deixar o cargo, e o impeachment de Clinton não parece ter impedido os democratas de considerá-lo em alta consideração. Isso ocorre porque a mídia, a academia e Hollywood [e as agências de inteligência] escrevem a história dos EUA – e duas suposições sobre quem eles apoiam esmagadoramente.

Esse cálculo pode ser tão prematuro quanto foi sua confiança na vitória de Hillary Clinton na manhã do dia das eleições de 2016, no entanto. Por todas as muitas falhas de Trump, ele tem algo parecido com uma superpotência: sua presença obriga todos a mostrar suas verdadeiras faces, sem máscaras, suas cores, aos amigos e inimigos.

Trump nunca se cansa de apontar as realizações de seu governo: mais empregos, crescimento do mercado de ações, acordos comerciais etc. Ele o fez novamente, em uma carta contundente a Pelosi na véspera do impeachment, contrastando com a “guerra aberta de seu partido democrata à democracia americana” . No entanto, o final de sua carta de seis páginas mostra que ele está plenamente ciente da aposta dos democratas, revelando-a em aberto: ele a escreveu não porque esperava que eles vissem a razão, mas “para os propósitos da história”, para criar um “registro permanente e indelével”.

Dizem que a história é escrita pelos vencedores. Isso é quase verdade. É feita pelos vencedores, mas escrita pelos ruidosos. Trump é um investidor imobiliário e estrela de reality show que entrou na Casa Branca contra duas grandes dinastias políticas – os Clinton e a “famiglia” Bush – e contra o establishment bipartidário republicano e democrata; através de uma guerra contra uma manopla de [17] agências de inteligência dos EUA, como se vê; e diante da oposição quase unânime da mídia MSM, fortemente controlada pelo próprio sistema que Trump derrotou quando se elegeu.

Portanto, seu impeachment é de fato um momento histórico – não da maneira que os seus inimigos pensam e desejavam.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.