browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O imperialismo (Deep State) americano cairá, mas não a América

Posted by on 18/12/2019

O colapso de uma nação inteira é tão espetacular quanto raro. Para que uma nação simplesmente deixe de existir, ela deve sofrer uma derrota absoluta em todo o espectro do que constitui uma nação; nas áreas econômica, militar, cultural, social e política. O que é muito mais comum é uma transição de ordens socioeconômicas, ordem política e militar existentes e predominantes para novas ordens, impulsionadas por novos interesses especiais emergentes.  Pode acontecer de forma rápida e violenta, ou ocorrer como um processo de longo prazo, com altos e baixos e processos construtivos e destrutivos entrelaçados.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O império americano do Deep State (Estado Profundo) cairá, não a própria América

Fonte: https://journal-neo.org/2019/12/09/the-american-empire-will-fall-not-america-itself/

Autor: Ulson Gunnar

Para os Estados Unidos, é impossível uma nação continental com a terceira maior população do planeta, a maior e mais poderosa forças armadas, o maior arsenal nuclear, o maior e melhor parque industrial e tecnológico do mundo  e “ainda” a maior economia atualmente, para sofrer uma derrota de espectro total.

O que não é impossível é que um pequeno punhado de interesses especiais atualmente direcionando a política externa e doméstica da política dos EUA se veja deslocado por uma nova ordem que consiste em tipos inteiramente diferentes de interesses especiais e, esperançosamente, interesses especiais que melhor reflitam os melhores interesses do POVO dos Estados Unidos como um todo e funcionem de maneira mais sustentável entre as nações do mundo, em vez de pairar acima delas. É um processo que já está em andamento e acelerando.

A velha ordem (Deep State) predominante da América está desaparecendo 

Os “atuais interesses especiais” [mas espúrios] que impulsionam a política externa e doméstica dos EUA estão centrados em Wall Street e Washington e representam uma rede arcaica cada vez mais irrealista, insustentável, baseada nos monopólios tradicionais de grandes bancos, energia [petróleo] e no Complexo Industrial Militar

Muitas das ferramentas usadas por esses interesses especiais para manter e expandir seu poder e influência, incluindo o controle da mídia de massa mainstream [MSM], lobby extenso, redes dedicadas à subversão e corrupção política no exterior e distrações políticas em casa, se tornam cada vez mais ineficazes à medida que ambos, o povo norte americano e as nações ao redor do mundo se tornam cada vez mais conscientes e familiarizados com essa agenda e à medida que começam a desenvolver contramedidas eficazes.

Enquanto os “interesses especiais” dos EUA dedicam uma quantidade aparentemente imensa de tempo contrariando a propaganda “russa” ou “chinesa”, é principalmente a mídia alternativa dos Estados Unidos e de seus países parceiros que mais se esforçou para expor e diminuir a influência injustificada exercida por Wall Street e Washington. O Wikileaks é um excelente exemplo disso.

À medida que a elite americana e seus tentáculos se enfraquecem porque são cada vez mais expostos, as alternativas continuam a se fortalecer.

Um modelo político e socioeconômico insustentável, com a maior dívida pública do mundo, juntamente com campanhas militares assassinas e igualmente insustentáveis ​​no exterior, juntamente com uma estratégia política e de mídia manipulada que não é mais nem remotamente convincente, mesmo para observadores casuais, observa o que é um declínio irreversível da [des]ordem atual dos Estados Unidos.

Elite da América enfrenta desafios interno e externo

O tópico das corporações chinesas que competem há muito tempo pelos monopólios americanos tornou-se um tópico cada vez mais comum na mídia global. De fato, foi esse processo que precipitou a guerra comercial aparentemente inútil liderada pelos EUA contra a China, um exercício fútil que parece destacar apenas o declínio da elite estabelecida dos EUA, em vez de enfrentá-lo.

Empresas como a Huawei, apesar de enfrentar sérios contratempos devido a sanções e esforços dos Estados Unidos para prejudicá-las, continuam avançando, enquanto seus concorrentes nos EUA continuam lutando. Isso ocorre porque, apesar dos contratempos, a Huawei se baseia em uma base sólida de fundamentos econômicos e de negócios, enquanto seus colegas americanos, apesar de suas vantagens iniciais devido à falta de concorrência, negligenciaram e continuam negligenciando esses fundamentos.

Mas as empresas chinesas não são os únicos desafiantes que a elite estabelecida dos EUA enfrenta. Dentro dos EUA, estão surgindo algumas das empresas mais inovadoras e disruptivas do mundo, desafiando não apenas a concorrência estrangeira, mas também os monopólios de longa data estabelecidos nos EUA.

O fabricante de veículos elétricos Tesla é um exemplo perfeito disso. Seu ritmo vertiginoso de inovação, sucessos de alto nível e o impacto disruptivo que está tendo na fabricação de carros tradicionais estão atrasando a indústria automobilística americana em primeiro lugar. Também representa uma séria ameaça ao modelo de energia centrado pelos barões do petróleo que os EUA adotam e propagam globalmente há mais de um século.

Os monopólios americanos de fabricação de automóveis passaram décadas desenvolvendo um modelo de obsolescência programada e truques de marketing como substituto do genuíno valor e inovação do consumidor. A indústria tornou-se um meio de simplesmente ganhar tanto dinheiro quanto possível e aumentar os lucros a cada ano, com “fabricar carros” apenas os meios pelos quais esse dinheiro e a influência que ele compra estão sendo acumulados.

A Tesla vem há anos crescendo tanto em termos de negócios quanto em termos de influência sociopolítica. Os monopólios de fabricação de automóveis dos EUA tentaram imitar os aspectos mais superficiais do apelo de Tesla, mas falharam completamente em examinar ou replicar a substância que impulsiona o sucesso da nova empresa.

Assim como a elite dos EUA tentou usar o que poderia ser descrito como “truques sujos” em vez de concorrência direta para lidar com concorrentes como a Huawei no exterior, “truques sujos” similares foram empregados contra empresas disruptivas nos EUA como a Tesla. Tentativas de sindicatos falsos para complicar as fábricas baseadas na Tesla nos EUA são um exemplo disso.

O fabricante aeroespacial norte-americano SpaceX é outro exemplo de um concorrente de origem americana que desafia diretamente (e ameaça) monopólios americanos de longa data, nesse caso monopólios aeroespaciais como Lockheed Martin, a gigante Boeing [agora enfrentando uma séria crise de credibilidade por causa do escândalo do avião 737Max 8] e Northrop Grumman.

A SpaceX não está apenas impulsionando a inovação aeroespacial em velocidades vertiginosas, mas também reduzindo o custo geral do acesso ao espaço ao mesmo tempo. Ela está fazendo isso a taxas tão impressionantes que monopólios aeroespaciais estabelecidos como Lockheed, Boeing e Northrop, mesmo com as suas imensas redes de lobby, são incapazes de dissuadir os clientes da SpaceX (incluindo o próprio governo dos EUA) de comprar carona em seus foguetes.

Os monopólios inchados [ o principal sendo o de armas do Complexo Industrial Militar] que se tornaram excessivamente dependentes da manutenção de lucros por meio de lobby e jogos políticos e de guerra têm poucos meios para revisar suas organizações massivas diante da concorrência real à medida que ela surge. Por esse motivo, a ordem em vigor que conduz a política americana enfrenta um obstáculo intransponível que já parece ter resultado em declínio e deslocamento terminais.

Aqueles que fazem o deslocamento devem assumir a posição nas alavancas do poder e influência americanos, com a oportunidade de estabelecer um caminho totalmente novo para o futuro, que terá um impacto fundamental tanto na nação americana como em seu povo, e nas nações da mundo com o qual ele irá interagir.

Nova ordem da América pode buscar concorrência e colaboração genuínas 

Tesla e SpaceX são exemplos proeminentes, mas de maneira alguma os únicos exemplos da transição em andamento que é cada vez mais evidente na América. Existem inovações e empresas emergentes que ameaçam praticamente todas as áreas que a elite atual dos Estados Unidos domina. Desde a mídia alternativa direcionada à mídia corporativa profundamente enraizada [e extremamente corrupta] da América, a um movimento crescente de agricultores orgânicos locais destruindo os enormes monopólios agrícolas da América, já existem muitos exemplos tangíveis de uma transição; uma transição positiva na qual os interessados em abordar verdadeiramente os aspectos negativos do papel atual da América em todo o mundo podem investir ou contribuir.

No que talvez seja um sinal esperançoso da nova América que pode surgir à medida que esse processo continua, está o fato de que disruptores emergentes como Tesla não têm medo de colaborar com outras nações, procurando simplesmente fazer negócios, em vez de construir uma rede global de abrangência destinada a dominando os outros. O maciço Gigafactory de Tesla entrando em operação em Xangai, na China, ocorre quando os EUA tentam interromper o acesso da China aos benefícios econômicos de fazer negócios com os EUA com propósitos puramente políticos e hegemônicos.

Apesar das aparentes hostilidades entre os EUA e países como Rússia e China, o consenso entre os países visados ​​pela atual ordem predominante nos Estados Unidos é simplesmente querer fazer negócios em termos iguais.  Qualquer hostilidade que exista é reservada não para a América como nação ou povo, mas para um punhado de interesses especiais [da elite do Deep State] que obstruem a concorrência construtiva e a colaboração entre essas nações e os EUA.

Num futuro próximo e intermediário, esse processo continuará parecido com uma luta amarga, à medida que interesses especiais dos EUA tentarem manter o controle do poder, lutando contra o inevitável declínio e deslocamento, e contra concorrentes no exterior e dentro dos próprios EUA. Além disso, há um futuro esperançoso em que os EUA se vêem como um membro construtivo de um novo mundo multipolar, competindo construtivamente e colaborando com nações em vez de tentar se impor sobre elas.

Por esse motivo, é importante que nações e povos se abstenham de hostilidades desnecessárias e amplas e, em vez disso, enfrentem pacientemente os esforços atuais emanados de Wall Street e Washington. É importante estabelecer laços e relações com os interesses dos EUA genuinamente interessados ​​na verdadeira concorrência e colaboração e que representam o futuro da América, e distingui-los dos interesses americanos profundamente enraizados que representam o passado abusivo da América e são responsáveis ​​pelo atual declínio do pais.

As políticas externas de Moscou, Pequim e até de muitos países emergentes e em desenvolvimento podem parecer excessivamente passivas ou apaziguadoras, mas nas principais capitais do mundo muitos estão cientes da transição que está ocorrendo na América e estão tentando se posicionar vantajosamente para a queda do velho e obsoleto Império Americano, para que eles possam negociar com aqueles que assumirem as alavancas do poder nos Estados Unidos.

Gunnar Ulson, analista geopolítico e escritor de Nova York, especialmente para a revista online “ New Eastern Outlook “.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.