browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O “Que Eles” disseram sobre bloqueios-quarentenas-lockdowns antes de 2020

Posted by on 15/01/2021

Em 2020, as crenças sobre como lidar com um novo vírus “mudaram enormemente”Antes da pandemia de Covid-19, as principais entidades de epidemiologia e saúde pública duvidavam – ou até rejeitavam – a eficácia dos bloqueios e quarentenas em massa porque eram considerados ineficazes. Tudo isso mudou em março de 2020, quando o sentimento do público gerado pelo pânico mudou em apoio às medidas de bloqueio impostas. Ainda assim, há um vasto corpo de evidências que explica sua posição original e por que esses lockdowns, quarentenas, bloqueios  não funcionam

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O Que “Eles disseram sobre bloqueios antes de 2020

Fonte:  AIER.org

  1. Fauci disse que “FECHAR os EUA” não funcionaria. (24 de janeiro de 2020) 

No início de 2020, Fauci conversou com repórteres dizendo:

“Isso é algo que não acho que poderíamos fazer nos Estados Unidos, não posso imaginar fechar Nova York ou Los Angeles, mas o julgamento por parte dos chineses As autoridades sanitárias é que dado o fato de estar a espalhar -se pelas províncias … é o julgamento deles que é algo que de fato vai ajudar a contê-lo. Se isso acontece ou não é realmente uma questão em aberto porque, historicamente, quando você desliga as coisas, não tem um grande efeito

  1. O Relatório da Organização Mundial da Saúde discute NPIs e por que a quarentena é INEFICAZ. (2019)

Em uma tabela, a OMS lista suas recomendações de NPIs [Intervenções NÃO Farmacêuticas] dependendo do nível de gravidade. A quarentena de indivíduos expostos é categorizada como “não recomendada em nenhuma circunstância”. O relatório explica que “a quarentena domiciliar de indivíduos expostos para reduzir a transmissão não é recomendada porque não há uma justificativa óbvia para esta medida e haveria dificuldades consideráveis ​​em implementá-la”.

  1. A OMS reconhece que o distanciamento social não parou ou reduziu drasticamente a transmissão durante a pandemia de influenza de 1918. (2006)

Em última análise, os autores da OMS concluem que os NPIs, incluindo a quarentena, requerem métodos melhores e mais focados para torná-los mais eficazes e menos “onerosos”. “Pessoas doentes”, afirmam os autores, “devem permanecer em casa quando se tornarem sintomáticos, mas o isolamento forçado e a quarentena são ineficazes e impraticáveis”Resumindo os relatórios da pandemia de influenza de 1918, a OMS cita Lomé (Togo ocupado pelos britânicos) e Edmonton (Canadá) como locais onde “o isolamento e a quarentena foram instituídos; reuniões públicas foram proibidas; escolas, igrejas, faculdades, teatros e outros locais públicos de reunião foram fechadosNo entanto, apesar das medidas adicionais (Lomé interrompeu o trânsito e Edmonton restringiu o horário comercial), em ambos os casos “as medidas de distanciamento social não pararam ou pareceram reduzir drasticamente a transmissão”

  1. Nos Estados Unidos, um estudo no Bulletin of Mathematical Biology sobre a pandemia de influenza de 1918 no Canadá também concluiu que as quarentenas não funcionam. (2003)

O estudo simulou diferentes níveis de viagem e descobriu que os limites de viagem podem ser eficazes, mas “que uma política de introdução da quarentena o mais cedo possível pode nem sempre levar à maior redução nos casos de uma doença. Os autores concluem que “as medidas de quarentena que limitam as viagens entre comunidades provavelmente nunca são 100% eficazes, e os resultados da simulação sugerem que tal situação pode realmente piorar as coisas, especialmente na ausência de grandes esforços para manter os indivíduos infecciosos isolados do resto da população . 

  1. O popular autor e professor adjunto de Tulane, John M. Barry, um forte oponente da Declaração do Grande Barrington, argumentou que as quarentenas não funcionaram no caso da Gripe Espanhola. (2009)

Mais de uma década atrás, Barry descobriu que, historicamente, as quarentenas não tiveram sucesso: “Este autor apoia a maioria dos NPIs propostos, exceto para a quarentena, que a evidência histórica fortemente sugere ser ineficaz e possivelmente o fechamento de escolas, enquanto se aguarda a análise dos eventos recentes. E, em vez disso, promove medidas comumente elogiadas, como permanecer em casa quando não está bem (e isolar-se dos membros da família ao fazê-lo), lavar as mãos com frequência e usar máscara se estiver doente. Sobre o último ponto, ele alerta contra pessoas saudáveis ​​usando máscaras, observando: “As evidências do surto de SARS sugerem que a maioria dos profissionais de saúde se infectou ao remover o equipamento de proteção.”

  1. O Diretor do Centro de Estudos de Saúde Global de Seton Hall diz que as restrições de viagens não atrasaram a transmissão da SARS . (2009)

Yanzhong Huang reconhece que “as restrições de viagens e medidas de quarentena têm benefícios limitados em impedir a propagação de doenças […] que afetam as viagens e o comércio, dissuadindo o próprio tipo de transparência e abertura essenciais para uma resposta global aos surtos de doençasEssas medidas acabam prejudicando a capacidade de vigilância de um país porque “as pessoas que apresentam sintomas podem optar por evitar as autoridades de saúde pública por medo de quarentena ou estigmatização [e desperdiçar] recursos de saúde limitados […] Laurie Garrett do Conselho de Relações Exteriores [observou] que em julho sinais de fadiga e esgotamento de recursos já haviam se estabelecido na maior parte do mundo.

  1. Um estudo da Wake Forest University encontra ‘fadiga de autoproteção’ em uma epidemia simulada . (2013)

O estudo usa um jogo online multiplayer para simular a propagação de uma doença infecciosa através de uma população composta pelos jogadores. Os autores descobriram que “a vontade das pessoas de adotar um comportamento seguro aumenta ou diminui com o tempo, dependendo da gravidade da epidemia […] com o passar do tempo; quando a prevalência é baixa, surge um efeito de ‘fadiga de autoproteção’, pelo qual os indivíduos ficam menos dispostos a se envolver em um comportamento seguro ao longo do tempoEles dizem que isso é “uma reminiscência dafadiga do preservativo – o declínio do uso do preservativo como medida preventiva – no contexto da prevenção do HIV / AIDS”.

  1. No jornal Biosecurity and Bioterrorism , os epidemiologistas da Johns Hopkins rejeitaram as quarentenas em uníssono . (2006)

Em um artigo intitulado “Medidas de mitigação de doenças no controle da gripe pandêmica”, os epidemiologistas do JHU observam problemas com bloqueios: “Como mostra a experiência, não há base para recomendar quarentena para grupos ou indivíduos. Os problemas na implementação de tais medidas são formidáveis, e os efeitos secundários do absenteísmo e da perturbação da comunidade, bem como possíveis consequências adversas, como a perda da confiança pública no governo e a estigmatização de pessoas e grupos em quarentena, são provavelmente consideráveis. Sua observação final enfatizou: “a experiência mostrou que as comunidades que enfrentam epidemias ou outros eventos adversos respondem melhor e com o mínimo de ansiedade quando o funcionamento social normal da comunidade é menos perturbado.

  1. Em um importante jornal, o American Journal of Epidemiology , os autores explicam as condições em que a quarentena seria eficaz, que não se alinham com as características do Covid-19 . (2006)

Especificamente, eles observam que as quarentenas só serão eficazes quando: (1) o isolamento não for possível; e (2) a propagação assintomática é significativa e cronometrada de forma restrita (nenhum dos quais é o caso da Covid). Eles concluem que “o número de infecções evitadas com o uso de quarentena deve ser muito baixo, desde que o isolamento seja eficaz”. E se o isolamento for ineficaz? Então, só será benéfico “quando houver transmissão assintomática significativa e se o período assintomático não for muito longo nem muito curto. Mas, se a quarentena em massa for usada, ela “infligirá custos sociais, psicológicos e econômicos significativos, sem resultar na detecção de muitos indivíduos infectados”.

  1. No Epidemiology Journal, os professores de Harvard e Yale, Marc Lipsitch e Ted Cohen, dizem que retardar a infecção pode deixar os idosos em pior  situação . (2008)

Eles explicam como retardar o risco de infecção pode funcionar contra a intuição quando o patógeno é mais letal para as populações mais velhas. Eles dizem: “Reduzir o risco de que cada membro de uma comunidade seja exposto a um patógeno tem o efeito concomitante de aumentar a idade média em que as infecções ocorrem. Para os patógenos que causam maior morbidade em idades mais avançadas, as intervenções que reduzem, mas não eliminam a exposição podem, paradoxalmente, aumentar o número de casos de doença grave, transferindo o fardo da infecção para indivíduos mais velhosCom base nessa análise, a Covid-19, que desproporcionalmente  prejudica mais indivíduos mais velhos do que os jovens, é mais bem tratada ao permitir que a comunidade seja exposta, seja por infecção natural ou vacinação.

  1. Uma equipe de estudiosos da Johns Hopkins afirma que as quarentenas não funcionam, mas são realizadas por MOTIVOS POLÍTICOS . (Setembro de 2019)

No relatório, eles explicam como a quarentena é mais política do que relacionada à saúde pública: “Durante uma emergência, deve-se esperar que a implementação de alguns NPIs, como restrições a viagens e quarentena, possa ser realizada para fins sociais ou políticos por “líderes políticos”, ao invés de perseguido por causa de evidências de saúde públicaMais tarde, eles explicam a ineficácia da quarentena: “No contexto de um patógeno respiratório de alto impacto, a quarentena pode ser o NPI menos provável de ser eficaz no controle da propagação devido à alta transmissibilidade.

Em março de 2020, Michael Osterholm – agora conselheiro Covid-19 do [marionete senil] Joe Biden – também argumentou que os bloqueios não são uma “cura” para a pandemia, listando vários custos de um bloqueio. No entanto, o artigo de Osterholm no New York Times em agosto revela um ponto de vista contrastante, afirmando que “desistimos de nossos esforços de bloqueio para controlar a transmissão do vírus muito antes de o vírus estar sob controle”, abrindo “muito rapidamente”. Osterholm e (Neel) Kashkari promovem um abrigo obrigatório “para todos, exceto os trabalhadores verdadeiramente essenciais”.

Também em março de 2020, essas descobertas das obras listadas e muitas outras culminaram em uma carta aberta ao vice-presidente Mike Pence assinada por 800 médicos especialistas de várias universidades em todo o país que apontou: “Quarentena obrigatória, bloqueios regionais e proibições de viagens […] são difíceis de implementar, podem minar a confiança pública, têm grandes custos sociais e, mais importante, afetam desproporcionalmente os segmentos mais vulneráveis ​​em nossas comunidades”.

Embora o consenso de inúmeros especialistas sobre a ineficácia da quarentena em massa dos anos anteriores tenha sido contestado recentemente, evidências atuais significativas demonstram continuamente que a quarentena em massa é ineficaz na prevenção da disseminação de doenças e também prejudicial aos indivíduos. Aprender a lição errada – supondo que as quarentenas em massa sejam boas e eficazes – abre um precedente perigoso para futuras pandemias.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


Sua contribuição é fundamental para manter o site funcionando e independente. Somos censurados pelas gigantes de TI [Big Techs] em relação ao material por nós publicado, com consequente impacto e completa suspensão dos anúncios. Considere fazer uma pequena contribuição mensal (valores entre $ 10 e $ 50 reais, ou qualquer outra moeda e valor) se utilizando do mecanismo  PayPal disponibilizado pelo site. Para pgto único, entre em contato pelo e-mail Thoth3126@protonmail.ch e solicite os dados de nossa conta bancária. Sem a ajuda imediata de nossos assíduos leitores não conseguiremos arcar com todos os custos inerentes à manutenção do Blog e iremos encerrar o nosso trabalho em março.


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.