browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Odiar a Rússia é uma tarefa de tempo integral conduzida pelos neocons e judeus khazares

Posted by on 16/06/2018

Tendo acabado de voltar de uma viagem à Rússia, tenho o prazer de informar que o povo russo e a burocracia que encontrei não demonstraram nenhum ressentimento contra os norte americanos que eu esperava em resposta à difamação generalizada que sofre Moscou e de todas as campanhas que permeiam a mídia (controlada por judeus khazares) mainstream e o establishment “acadêmico e politico” dos EUA contra a Rússia. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Odiar a Rússia é uma tarefa de tempo integral Neocons ressuscitam memórias tribais (incentivados pelos seu mestres controladores) para atiçar as chamas do conflito, da guerra, da divisão para governar


“A vítima da manipulação mental não sabe que ela é uma (ignorante) vítima. Para ela, os muros de sua prisão são invisíveis, e ela acredita ser livre”.  –  Aldous Huxley


Com certeza, muitos russos com quem conversei apressaram-se a criticar a administração Trump por seu desempenho quente e frio vis-à-vis os laços bilaterais com Moscou, enquanto também expressando mistificação sobre por que o relacionamento tinha ido para baixo tão rapidamente, mas essa raiva sobre a política externa não se traduziu necessariamente em desprezo pelo povo e pelo estilo de vida norte americanos que caracterizaram o período soviético. Pelo menos ainda não.

Um pouco para minha surpresa, os russos comuns também foram rápidos em criticar abertamente o presidente Vladimir Putin por suas tendências autocráticas e sua disposição de continuar tolerando a corrupção, mas todos com quem conversei também admitiram que ele geralmente agiu de forma correta e construtiva e melhorou muito a vida das pessoas comuns na Rússia. Putin continua muito popular e foi reeleito presidente com mais de 70% dos votos.

Uma pergunta que surgiu com frequência foi: Quem está conduzindo a hostilidade ocidental em relação à Rússia?” Respondi que a resposta não é tão simples e há vários grupos que, por uma razão ou outra, precisam de um inimigo poderoso para justificar políticas que caso contrário, seriam insustentáveis. Empreiteiros de defesa, as grandes empresas do assim chamado Complexo Industrial Militar, fabricantes de armas e munições, precisam de um inimigo para justificar sua existência e aumentar seu faturamento com a indústria da guerra, enquanto os políticos congressistas precisam que essas mesmas empresas financiem suas campanhas. A mídia (controlada) mainstream precisa de uma boa história de medo de um inimigo para ajudar a vender a si mesma e o público também está acostumado a ter um mundo no qual ameaças terríveis se escondem logo abaixo do horizonte, aumentando assim o apoio ao controle governamental da vida cotidiana para manter todos “seguros”.

E depois há os neocons. Como sempre, eles são uma força distinta para destruir a criatividade, como eles dizem, certamente em primeiro lugar em linha com suas ações para obter financiamento (sempre DINHEIRO $$$$) de suas fundações e think tanks, VERDADEIRAS AGÊNCIAS DE PROPAGANDA, que são dirigidos ideologicamente, o que os faz ser a vanguarda intelectual do partido da guerra. Eles fornecem a estrutura intelectual palatável para a América assumir o CONTROLE do mundo, metaforicamente falando, e constituir a força de ataque que está sempre pronta para aparecer em programas de entrevistas na televisão ou ser citada na mídia como uma voz apropriada que pode ser usada para sempre justificar o impensável. Em troca, eles são ricamente recompensados ​​com dinheiro e status social.

Os neocons acreditam em apenas duas coisas. Primeiro, que os Estados Unidos são a única superpotência mundial, com a licença de algo como uma Entidade Divina para exercer a liderança global pela força, se necessário. Isso foi traduzido para o público como “excepcionalismo americano”. De fato, o intervencionismo dos EUA na prática tem sido por força maior, preferencialmente, já que deixa pouco espaço para debate ou discussão. E o segundo princípio orientador dos neocons é que tudo o que é possível deve ser feito para “proteger” e promover (os seus mestres, os judeus khazares de) ISRAEL. Na ausência dessas duas crenças, você não é um neocon.

Os pais fundadores do neoconismo eram “intelectuais” judeus de Nova York que evoluíram (ou não) de serem trotskistas lançadores de bombas para “conservadores”, um processo que eles mesmos definem como “idealismo sendo assaltado pela realidade”. A única realidade é que eles sempre foram falsos conservadores, abraçando uma série de posições agressivas de política externa e segurança nacional dos EUA, ao mesmo tempo endossando particularmente a linha liberal judaica padrão sobre questões sociais. O fanatismo neoconservador sobre as questões que eles promovem também sugere que mais um pouco do trotskismo permanece em seu caráter, daí sua tenacidade e capacidade de deslizar entre os partidos Democrata e Republicano, ao mesmo tempo em que aparecem (como os controladores) confortavelmente controlando diferentes meios de comunicação (controlam os principais estúdios de Hollywood, os principais jornais e redes de televisão) considerados liberais. ou conservadores, ou o que quer que seja,

Há muito acredito que o ódio central dirigido contra a Rússia vem dos neoconservadores, marionetes dos interesses dos judeus khazares, e é, em grande parte, tribal ou, se preferir, étnico-religioso. Por quê? Porque, se os neoconservadores são, na verdade, manipuladores da política externa dos EUA, não há uma boa razão para expressar qualquer aversão visceral contra a Rússia ou ao seu governo. As alegações de que Moscou interferiu na eleição presidencial de 2016 nos EUA são claramente uma ENORME farsa (uma grande MANIPULAÇÃO da opinião pública, dos ignorantes), assim como os contos do suposto envenenamento russo dos Skripals em Winchester na Inglaterra e, mais recentemente, o alegado assassinato do jornalista Arkady Babchenko. em Kiev, na Ucrânia (terra de origem dos judeus khazares) que acabou por ser uma ENORME OPERAÇÃO DE BANDEIRA FALSA (mais uma). 

A região do reino da Khazaria, terra de origem dos judeus khazares, onde hoje se situa a UCRÂNIA.

Sobre os Judeus Khazares, saiba mais acessando os links:

Mesmo o exame mais superficial dos desenvolvimentos da década passada na Geórgia e na Ucrânia revela que a Rússia estava apenas reagindo a grandes ameaças legítimas de sua segurança projetadas pelos controladores dos Estados Unidos com uma grande ajuda de ISRAEL. A Rússia não reagiu desde que a Guerra Fria acabou ameaçando os Estados Unidos e sua capacidade de cooptar seus antigos países satélites da Europa Oriental no que é uma fantasia. Então, por que o ódio contra a Rússia?

Na verdade, os neocons se davam muito bem com a Rússia quando eles e seus oligarcas esmagadoramente judeus khazares ladrões dos imensos recursos naturais (gás, petróleo, diamantes, etc…) das commodities internacionais e seus amigos financeiros judeus khazares estavam saqueando os recursos da antiga União Soviética sob o infeliz governo de Boris Yeltsin durante os anos 90. Os alarmes atuais sobre a suposta ameaça russa só ressurgiram na mídia dominada pelos neoconservadores e judeus khazares quando os “nacionalistas russos” “antiquados” como (o consciente desse jogo) Vladimir Putin assumiram o poder e fizeram do seu principal objetivo de seu governo desativar o controle dos judeus khazares de seu país.

Com os saques interrompidos por Putin, os neocons e seus amigos não tinham mais nenhum motivo para jogar limpo, então usaram seus recursos consideráveis ​​na mídia e nos corredores do poder em lugares como Washington, Londres e Paris para pressionar Moscou. E eles também podem ter percebido que havia uma ameaça pior aparecendo. O governo de Putin parecia estar ressuscitando o que os neoconservadores percebiam como um pogrom (expulsando os judeus khazares encastelados na estrutura de poder na Rússia) que atormentava a Santa Mãe Rússia! Antigas igrejas arrasadas pelos bolcheviques judeus khazares estavam sendo reconstruídas e as pessoas estavam novamente indo à missa e reivindicando a prática de sua crença em Jesus Cristo, algo impensável numa Rússia governada pelo comunismo controlado pelos khazares. A antiga Praça Vermelha agora abriga um mercado de Natal, enquanto o túmulo de (do judeu) Lenin, nas proximidades, fica aberto apenas uma manhã na semana e atrai poucos visitantes.

Gostaria de sugerir que é bem possível que os neoconservadores historicamente bem informados estejam apenas desejando os bons velhos tempos bolcheviques na Rússia. O fato é que muito do ateísmo de estado bolchevique foi impulsionado pela grande representação excessiva de judeus khazares no partido comunista em seus dias de formação. O estudo meticulosamente pesquisado pelo jornalista britânico Robert Wilton, de 1920, intitulado Os Últimos Dias dos Romanovs, descreve como David R. Francis, embaixador dos Estados Unidos na Rússia, advertiu em Washington, em janeiro de 1918: “Os líderes bolcheviques lá, a maioria judeus e 90% dos quais são exilados retornados, pouco se importam com a Rússia ou qualquer outro país, mas são internacionalistas e estão tentando iniciar uma revolução social mundial”. (para por o mundo sob seu controle total)

O embaixador holandês William Oudendyke também ecoou esse sentimento, escrevendo que “A menos que o bolchevismo seja cortado imediatamente, ele está destinado a se espalhar de uma forma ou outra sobre a Europa e o mundo inteiro, pois é organizado e trabalhado por judeus que não têm nacionalidade. cujo único objetivo é destruir para seus próprios fins a ordem existente das coisas”.

O maior escritor da Rússia do século XX, Alexander Solzhenitsyn, homenageado no Ocidente por sua firme resistência ao autoritarismo soviético, repentinamente se viu sem amigos pela mídia e pelo mundo editorial quando escreveu Two Hundred Years Together o lado sombrio da experiência russo-judaica. Em particular, Solzhenitsyn citou a significante super-representação de judeus (khazares) russos como bolcheviques quanto, antes disso, como proprietários de servos.

Os judeus khazares desempenharam um papel particularmente desproporcional na polícia secreta soviética, que começou como a Cheka e se tornou a KGB. O historiador judeu Leonard Schapiro observou como “Qualquer um que teve a infelicidade de cair nas mãos da Cheka havia uma boa chance de encontrar-se confrontado com, e possivelmente baleado por, um investigador judeu”.  Na Ucrânia,“os judeus constituíam quase oitenta por cento dos agentes da Cheka”. 

À luz de tudo isso, não deveria surpreender ninguém que o novo governo russo comunista de 1918 tenha emitido um decreto poucos meses depois de ter tomado o poder, tornando o anti-semitismo um crime na Rússia. O regime comunista tornou-se o primeiro do mundo a punir criminalmente qualquer sentimento antijudaico.

Wilton usou documentos oficiais do governo russo para identificar a composição do regime bolchevique em 1917-1919:

  • Os 62 membros do Comitê Central incluíam 41 judeus;
  • enquanto a Extraordinária Cheka Commission, dos 36 membros de Moscou, incluía 23 judeus; 
  • forte Conselho dos Comissários do Povo de 22 membros contava com 17 judeus; 
  • Segundo dados fornecidos pelas autoridades soviéticas, dos 556 funcionários mais importantes do estado bolchevique (comunista), em 1918-1919 havia: 17 russos, dois ucranianos, onze armênios, 35 letões, 15 alemães, um húngaro, dez georgianos, três poloneses. três finlandeses, um tcheco e 458 judeus.

Em 1918-1919, o poder governamental russo efetivo permaneceu no Comitê Central do partido bolchevique. Em 1918, esse corpo tinha doze membros, dos quais nove eram de origem judaica e apenas três eram russos. Os nove judeus eram: Trotsky, Zinoviev, Larine, Uritsky, Volodarski, Kamenev, Smidovich, Yankel e Steklov. Os três russos foram: Lenin (mas cuja mães ERA DE ORIGEM JUDAICA), Krylenko e Lunacharsky.

A diáspora comunista na Europa e na América também era em grande parte judaica, incluindo a cabala de fundadores do neoconservadorismo na cidade de Nova York. O Partido Comunista dos Estados Unidos foi predominantemente judeu desde o seu início. Foi na década de 1930 chefiada pelo judeu Earl Browder, avô do atual vendedor de óleo de serpente Bill Browder, (um judeu khazar) que tem proclamado de forma sagrada seu desejo de punir Vladimir Putin por seus vários supostos “crimes graves”, sendo o “mais grave de todos” eliminar a nefasta influência dos judeus khazares sobre os destinos da Rússia 

Browder é um completo hipócrita que fabricou e vendeu ao Congresso dos EUA uma narrativa amplamente falsa e egoísta relacionada à corrupção russa. Ele também não é surpreendentemente um queridinho neoconservador nos EUA. Tem sido mais do que plausivelmente alegado que Browder foi o principal saqueador de recursos da Rússia nos anos 90 e que os tribunais russos o condenaram por evasão de impostos, entre outros crimes.

A inegável afinidade histórica dos judeus pelo tipo de comunismo bolchevique, juntamente com a judaicidade dos assim chamados oligarcas do comunismo, sugere que o ódio a uma Rússia que virou as costas a esses aspectos particulares da herança judaica pode ser pelo menos parte do que impulsiona alguns neocons e os judeus khazares a buscar por todos os meios destruir a Rússia. Assim como no caso da Síria, que os neocons, que se submetem aos interesses de Israel, preferem ver no caos completo para dominar seu território e ampliar ISRAEL, alguns anseiam por um retorno aos bons e velhos tempos de pilhagens, roubos e assassinatos, principalmente pelos interesses estrangeiros dos judeus, como no tempo de Bóris Yeltsin, ou ainda melhor para o dias inebriantes e revolucionários de 1918-1919 quando os judeus khazares controlando o Bolchevismo governaram toda a Rússia e assaltaram as suas imensas riquezas em recursos naturais.

Philip M. Giraldi é ex-agente especialista em contraterrorismo e oficial de inteligência militar da CIA que serviu dezenove anos no exterior na Turquia, Itália, Alemanha e Espanha. Ele foi chefe de base da CIA para as Olimpíadas de Barcelona em 1992 e foi um dos primeiros americanos a entrar no Afeganistão em dezembro de 2001. Phil é diretor executivo do Conselho para o Interesse Nacional, um grupo de defesa que busca incentivar e promover uma política externa dos EUA no Oriente Médio que seja consistente com os valores e interesses norte americanos. 


“Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és muito rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás”.  Apocalipse 2:9

“Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não o são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo”.   Apocalipse 3:9


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.
Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações, leitura adicional:


Permitida a reprodução desde que mantida formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

2 Responses to Odiar a Rússia é uma tarefa de tempo integral conduzida pelos neocons e judeus khazares

  1. Silvio J. B. Maia

    Naturalmente que não pode haver santos nesse mundo -faz poucos dias vimos que a Rússia exterminou animais de rua por conta da Copa.

    Mas de fato os russos parecem-me bons. Tanto que os aliens gostam muito deles.

    E há um ditado russo que descarta qualquer palavrório religioso:

    ” Um homem é bom, quando faz melhores os outros. “

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.