browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Operacao Highjump Conexão UFO-ETs dos nazistas na Antártida (3)

Posted by on 09/12/2017

Operação “Highjump” e a Conexão UFO-ETs dos Nazistas na Antártida- 3ª parte, final

Em 1947, o Almirante Richard E. Byrd conduziu em torno de 4.000 soldados, militares dos E.U.A., da Grã-Bretanha, Austrália em uma invasão da Antártida chamada “Operação Highjump”, e pelo menos mais uma expedição de navios auxiliares a acompanhando. Isso é um fato histórico. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Antártida: Nazistas e a Conexão UFO – Operacao Highjump, 3ª parte, final

Fontes: http://www.scienceblogs.de e http://greyfalcon.us/

PARA PARTE 1,  PARTE 2.

By Erich J. Choron de GreyFalcon e Christian Reinboth de Scienceblogs

Enquanto não há, ainda, nenhuma evidência conclusiva de uma base alemã/Alienígena na Antártida, não há dúvida de que algo incomum estava acontecendo ao redor do continente gelado. Em geral, parece que a probabilidade para tal base ter existido e talvez continuar a existir, até hoje, são bastante elevados … As provas, um grande volume delas, existem para todos que pesquisarem a respeito…


As fotos e o relatório de observação de Orrego têm, literalmente, sido vistos por milhões de pessoas neste meio século desde que ele viu e capturou a imagem dos objetos. Orrego declarou que “durante a noite polar brilhante, que ele viu discos voadores, um acima do outro, girando a uma velocidade tremenda. Temos fotografias para provar que nós vimos.” Houve, é claro, muitas outras aparições nos céus chilenos.

Uma foto de um Haunebu II DoStra durante um voo do mesmo.

Durante janeiro 1956 outro grande evento de avistamento de objeto voador não identificado foi testemunhado por um grupo de cientistas chilenos que tinha sido levado de helicóptero para a Ilha de Robertson, no mar de Wendell para estudar a geologia, fauna e outros recursos. Essa experiência foi tema de um artigo posteriormente publicado sobre um UFO em forma de charuto sobre a Antarctica. “No início de janeiro de 1956, durante um período de mau tempo, o grupo de repente tornou-se ciente de algo que, em outras circunstâncias, poderia ter sido muito grave para eles. Era o fato de que seu rádio tinha misteriosamente deixado de funcionar. Este caso em si não era muito preocupante, nenhum desastre, pois como era firmemente assente que o helicóptero voltaria para levá-los de volta em 20 de janeiro.”

Um dos cientistas, um médico, tinha o hábito de se levantar de noite para observar alguma coisa de interesse meteorológico, mas outro do grupo, um professor, não gostava de ser perturbado. No entanto, na noite de 8 de janeiro de 1956, o médico decidiu acordar o professor. Ele “apontando para cima, quase em cima do acampamento do grupo. Ainda de mau humor devido a ser perturbado, o professor olhou na direção apontada, e contemplou dois objetos metálicos”, em forma de charuto em posição vertical, perfeitamente imóveis e silenciosos e piscando vividamente os raios refletidos do sol “.

Logo após as 7h00, dois outros membros do grupo, um assistente e um médico ordenadamente se juntaram aos dois homens. O grupo assistiu as duas embarcações aéreas.” Por volta das 9h00 o objeto No. 1 (o mais próximo do zénite) de repente assumiu uma postura horizontal e disparou velozmente como um raio em direção ao oeste. Ela já tinha perdido seu brilho metálico e tinha tomado a gama de cores de conjunto de cores do espectro visível, do infravermelho ao ultra-violeta.

O relatório de observação passou a dizer … ”Sem modificar sua posição, executou um incrível movimento e alterou o ângulo agudo de direção, disparou em outra seção do céu e depois fez outra curva fechada, como antes. Essas manobras vertiginosas, paradas abruptas, o movimento de zig-zag, reaceleração abrupta, aceleração instantânea, passou por sobre a nossa cabeça por um momento, o objeto sempre seguindo trajetórias tangencial em relação à Terra e tudo no mais absoluto silêncio“.

A manifestação durou cerca de cinco minutos. Então, de acordo com as testemunhas, o objeto retornou e tomou posição ao lado de seu companheiro em quase na mesma área anterior do céu, como antes. Em seguida, foi a vez do segundo objeto para mostrar seus passos e fazer uma dança, enrolado em ziguezague no céu. Disparando em direção a leste, foram realizadas uma série de dez explosões de luzes durante o vôo, quebrado por mudanças bruscas de direção, e marcada pela mudança de cor pronunciada quando acelerando ou parando. Após cerca de três minutos, o objeto n º 2 foi observado retomando o seu posto perto de seu companheiro, e retornando para a sua aparência original sólida e metálica.

E veja o que diz a frase desta foto: “Uma gigantesca nave alemã caçada por um Caça P-51. em 11 de Maio, apenas 3 dias após a rendição total da Alemanha em 1945”. Isso poderia ser uma evidência (além de outras centenas) definitivamente de que os UFOs nazistas, de fato, seguiram todos eles depois da guerra para locais ignorados e secretíssimos de modo a não caírem nas mãos das tropas aliadas.

Devido à natureza da sua missão, o grupo tinha levado consigo dois contadores Geiger-Miller, de alta sensibilidade, um auditivo e outro do tipo flash. Quando os dois objetos tinham terminado a sua dança e reassumiram suas estações no céu, alguém descobriu que o flash do tipo contador Geiger agora mostraram que a radioatividade em torno deles, de repente aumentou 40 vezes … muito mais do que suficiente para matar qualquer organismo submetido o tempo suficiente para isso. A descoberta aumentou muito a ansiedade sentida pelos quatro cientistas.

Embora eles não tivessem lentes telescópicas, eles tinham câmeras com eles, e conseguiram tirar várias fotografias dos objetos, tanto em cores como em preto e branco. O relatório não esclarece o que aconteceu com essas fotos, mas é seguro afirmar que as fotos estão em posse do governo chileno, e não há razão para supor que elas não foram compartilhadas com os Estados Unidos, bem como com outros governos de outras nações.

Claro … nomes não são apresentados neste relatório, mas … ele tem o anelo da verdade, e é compatível com qualquer número de avistamentos semelhantes … E se soubessemos os nomes! É um dos fatos exasperante da pesquisa de objeto voador não identificado que muitos dos países da América do Sul e dos avistamentos no Atlântico são atribuídos a “fontes anônimas” ou os nomes das testemunhas envolvidas, foram expurgados dos registros oficiais.

Assim, muitas das testemunhas a serem citadas seriam, com referência às suas credenciais, fontes credíveis, mas por causa da prática de expurgar os registros de nomes que possam cair em “mãos públicas” são praticamente impossíveis de se identificar. A ausência de nomes … em muitos, se não na maioria dos casos, deliberadamente expurgadas a partir de relatórios oficiais … simplesmente empresta uma aura de inaceitabilidade, embora seja uma prática comum, especialmente na maioria dos países sul americanos.

No entanto, um outro fato documentado de um OVNI sobre a Antártida é de Rubens Junqueira Villela, meteorologista e o primeiro cientista brasileiro a participar de uma expedição ao Pólo Sul e, agora, um veterano de onze expedições à Antártida (duas com a Marinha dos E.U.A. , oito com o Programa Antártico Brasileiro e outra sobre o veleiro Rapa Nui). Enquanto a bordo do navio quebra-gelo da Marinha dos E.U.A. o Glacier, que partiu de Nova Zelândia no final de janeiro de 1961, Villela afirma que ele testemunhou um evento UFO nos céus da Antártida que ele imediatamente registrou em seu diário, incluindo mesmo as emoções sentidas por todos os envolvidos. Em 16 de Março de 1961, após uma forte tempestade que obrigou a expedição a recuar para Admiralty Bay, nas Ilhas King George, uma estranha luz de repente, cruzou o céu, e todos começaram a gritar”.

Livro sobre Neuschwabenland, de Heinz Schon

A especulação foi selvagem. Alguns pensaram que o objeto fosse um míssil. Outros pensaram que fosse um meteoro. A empolgação foi generalizada e em crescendo. “Tentar descrever a luz que apareceu sobre a Baia do Almirantado, disse ele aos entrevistadores, mais tarde, não é fácil e eu escrevi no meu diário: positivamente as cores, a configuração e os contornos do objeto, como um corpo de luz, com formas geométricas, não parece ser deste mundo, e eu não sabia o que poderia reproduzi-lo “.

O objeto, ele passou a apresentar no relatório, era “multi-colorido”, e tinha um corpo luminoso, em forma oval. Deixou, por trás dele, um rastro como um tubo de longa trilha com as cores laranja / vermelha”, é dividido em duas partes, como se tivesse explodido. Em seguida, cada parte brilhou ainda mais intensamente, com o branco, as cores azul e vermelho em forma de raios projetando por trás dele. Ele rapidamente afastou-se e podia ser visto a 200 metros acima do solo. De acordo com testemunhas, o objeto inteiro estava completamente silencioso.

A Marinha dos E.U.A. oficialmente registrou o incidente como “um meteoro ou algum outro fenômeno natural luminoso”, segundo o relatório apresentado pelo comandante do navio Glacier, Capitão Porter. No entanto, esta é uma prática comum, e tem sido, desde o início da cobertura dos avistamentos de objeto voador não identificado, sob os auspícios do grupo Majestic 12, do governo norte americano. Esta política de “negação” oficial “e” explicação lógica “não importa o quão distante da realidade e rebuscada, parece, foi seguida por todos os ramos do governo dos Estados Unidos desde os primeiros dias após o incidente de Roswell, em julho de 1947. Isso certamente se aplica a qualquer avistamento ou alegados avistamentos e principalmente em torno da Antártida …

Villela, por outro lado, facilmente descarta a linha oficial. “Como eles poderiam confundir um meteoro com um objeto voador com antenas, completamente simétrico e seguido por um rastro de luz sem qualquer sinal de perturbação atmosférica?”  Segundo a maioria das fontes”oficiais” e, certamente, de acordo com o mundialmente renomado cético e auto-denominado desmistificador, Phillip Klaus, este episódio em particular é um exemplo clássico do fenômeno meteorológico de plasma,  da tarde, James McDonald argumentou que a natureza altamente estruturada do objeto e a cobertura de nuvens baixas presente no momento, em cerca de 1500 metros não eram compatíveis com a hipótese de fenômeno meteorológico de Phillip Klass.

A lista de avistamentos na área do Atlântico Sul é praticamente infinita. É, assim tem sido, particularmente desde o fim da Segunda Guerra Mundial, uma das áreas mais ativas na Terra no que diz respeito à atividade de objetos voadores não identificados. Outra observação clássica teve lugar no dia 16 de janeiro de 1958, quando o navio brasileiro Almirante Naval Saldanha acompanhava uma equipe de cientistas de uma estação meteorológica na Ilha de Trindade. Com a aproximação do navio à uma Ilha (ou melhor, um afloramento de rocha) um objeto voador não identificado teria voado baixo quase sobre a água, além do navio, circulou a ilha, depois voou na frente de dezenas de testemunhas.

Uma das testemunhas para este evento especial, o fotógrafo da expedição, tomou uma série de fotografias do objeto. Mais tarde, o filme foi entregue aos militares pelo Capitão da embarcação. Surpreendentemente, após a análise inicial, o governo brasileiro lançou o  filme à público, afirmando que eles foram incapazes de explicar as imagens. Por que o Governo dos Estados Unidos, no final de 1947, poucos meses depois do famoso incidente de Roswell, enviou uma força tarefa naval para o Antárctico, incluindo o porta aviões almirante Nimitz, Almirante Krusen e comandada pelo Almirante Richard E. Byrd, na chamada “Operação Highjump”?.

Como vimos anteriormente, a operação foi declarada para ser uma expedição para encontrar depósitos de “carvão” e outros recursos valiosos, mas … os fatos indicam o contrário … Na realidade, parece não haver dúvida de que eles estavam tentando localizar uma base  subterrânea imensa construídos pelos alemães, antes, durante e imediatamente após a Segunda Guerra Mundial, com o auxílio de Entidades Extraterrestres que foram descritos como “arianos”.

Selo em comemoração à expedição alemã à Antártida em 1938/1939.

Esta base, supostamente localizada em uma área que os alemães chamavam de  ”Neuschwabenland” … uma área da Antártida, que a Alemanha explorou desde o final do século dezenove, e tomou posse, desde antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial … foi criada pensando em manter “objetos voadores que podiam voar de pólo a pólo em questão de minutos” …

Por muitos anos, os rumores têm circulado a respeito de porque os submarinos alemães … U-Boats … iriam operar em águas da América do Sul e Antártica, muito tempo depois do fim da Segunda Guerra Mundial, na Europa. Alguns disseram que os barcos ajudaram na fuga de nazistas notáveis como Adolf Hitler e Martin Bormannn, falam tanto de quem pode ser demonstrado ter morrido em Berlim, no final da guerra. A morte … física e restos de dois homens terem sido verificados sem dúvida, o último com o teste de DNA muito recente. Assim, nenhum deles escapou por U-boats para a América do Sul. O fato é que, Wolfgang Eisenmenger, um professor de ciências forenses na Universidade de Munique, realizou o teste de DNA de Bormann.

Ele parece ter feito o trabalho para os funcionários de justiça de Frankfurt. Ele também tinha os registros odontológicos, médicos e registros de impressões digitais de Bormann. Crianças da família Bormann (ou um membro distante da família, detalhe um pouco confuso), cedeu o sangue para o exame de DNA que foi prova conclusiva, ou seja, que o corpo era de Martin Bormann. A causa da morte foi considerada suicidio por envenenamento. Adolf Hitler, é claro, morreu em seu bunker em Berlim, de veneno … e uma bala disparada contra si mesmo.

Todo mundo já ouviu histórias de grandes quantidades de ouro ou outros objetos de valor sendo “contrabandeados” para fora da Alemanha nos últimos dias da guerra … secretamente levados para a América do Sul … para apoiar os chamados “criminosos” nazistas remanescentes no exterior. Até agora, nenhuma destas histórias tem mostrado qualquer sinal de mérito. Se assim fosse, então os homens como Eichman não teriam trabalhado na linha de montagem em uma fábrica da Volkswagen. Muller não teria sido executado em uma granja, e Mengele não teria sido dependente da generosidade de sua família rica.

O fato é que os investigadores de OVNIs estão conscientes de avistamentos de estranhos “discos voadores” com suásticas ou a cruz de ferro nazista estampadas nas aeronaves. Eles também estão bem cientes de ‘aliens’ que falam alemão, e também ouviram de abduzidos que foram levados para bases subterrâneas com emblemas de suásticas nas paredes, ou como no caso de uma abduzida … Alex Christopher … que afirma ter visto seres “Reptilianos” e  alemães convivendo e trabalhando em conjunto à bordo de naves anti-gravidade (UFOs) ou dentro de bases subterrâneas.

Com o degelo acelerado de todo o continente Antártico, estranhas aberturas agora são visíveis e dão acesso ao INTERIOR do continente (bases subterrâneas?) da Antártida, grandes o suficientes para permitir o acesso a aeronaves de médio porte como os Haunebu II nazistas?.

Foi, no entanto, documentado que mais de quarenta U-Boats estão desaparecidos, e que pelo menos dez deles partiram de seus portos na Alemanha antes do fim da guerra, alegadamente para a América do Sul, nos dias finais da guerra … É um fato documentado que três dos barcos, de fato, chegaram na Argentina … Estes foram os submarinos U-530, U-977 e U-1238. O U-Boat U-530 e U-977 se renderam à Marinha argentina de Mar del Plata, no início de julho e agosto de 1945 …

O submarino U-1238 foi afundado por sua equipe, nas águas do Golfo de San Matias, ao largo do Norte da Patagônia. Não há razão para supor que pelo menos sete outros barcos, que ainda estão “oficialmente” desaparecidos, fizeram  a travessia de todo o oceano Atlântico para a Argentina ou a Antártida, completamente submersos … e completamente desapercebidos pelos “aliados” e sua tecnologia da época …

Por que, então, estes homens fariam esta tão perigosa travessia? Eles certamente devem ser vistos em um ato de desespero ou de qualquer fanatismo, ou ambos … e homens como os tripulantes dos submarinos U-Boats não eram daquele tipo. Também, os cientistas e militares que foram seus passageiros, não eram.

O fato é que parece que a maioria dos que fugiram da ruína da Alemanha para o extremo sul, foram os cientistas e engenheiros, e sua dedicação surgiu a partir do projeto em que eles estavam trabalhando … Para entender essa dedicação, é necessário voltar atrás, antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial, para uma seção isolada dos Alpes da Baviera, foi lá, no verão de 1938, que um objeto voador não identificado, tripulado por um grupo extraterrestre distintamente de forma humana, da raça ariana  fez um pouso forçado, muito semelhante ao que estava a ocorrer, cerca de dez anos depois, no deserto, perto de Roswell, Novo México, nos Estados Unidos, só que nesse caso somente um tripulante sobreviveu e era de outra espécie alienígena, conhecida depois, como os Greys.

Filme sobre a Operação Highjump:

Enquanto que os dois grupos de seres extraterrestres ocupantes das aeronaves, eram completamente diferentes em sua morfologia, a tecnologia envolvida, parece ter sido notavelmente semelhante. Além disso, o resultado do esforço de recuperação para utilização da tecnologia obtida com as aeronaves, empreendido pela Alemanha, assim como um esforço de recuperação semelhante foi empreendida pelos Estados Unidos, tiveram resultados muito diferentes.

O acidente da Baviera de 1938, parece ter surtido um bom funcionamento, ou quase mas com possibilidade de reparação (com a tecnologia da época) do dispositivo (um tipo de reator de fusão de plasma), usina de propulsão que acionava a aeronave, e uma estrutura quase completamente destruídas da aeronave, ou em células impossíveis de serem reparáveis. O acidente que resultou em Roswell foi exatamente o contrário … uma estrutura quase intacta da nave e uma usina/sistema de propulsão em ruínas.

Devido a isso, a pesquisa alemã, que viria a seguir, tomou um rumo muito diferente da que foi realizada nos Estados Unidos, cerca de dez anos depois … A Alemanha precisava de uma estrutura que fosse capaz de suportar o “motor/reator”/sistema de propulsão (por falta de um termo melhor), enquanto os Estados Unidos acabariam precisando de um “motor” capaz de dar o máximo de desempenho para a estrutura obtida.

Isso, é claro, explicaria a grande variedade de aeronaves experimentais… de desenho extremamente “original”. Literalmente jogar fora os escritórios de design das empresas Messerschmidt, Wulf Foke, Fokker, grandes empresas construtoras dos principais aviões alemães e uma infinidade de pequenas empresas no período compreendido entre 1939 e 1945. O mais notável deles, é claro, é o projeto do avião Sanger “Flying Wing”, que mais tarde foi copiado pelos Estados Unidos, e é, naturalmente, o ancestral do BOMBARDEIRO STEALTH de hoje e os projetos de combate … nomeadamente, o Bombardeiro B-2 Heavy Bomber.

O B-2 Spirit ou Stealth B-2, embaixo, com o seu modelo nazista acima, o Sanger Flying Wing, um projeto dos nazistas copiado prlos EUA secretamente na Área 51 pelas empresas Northrop Grumman, General Electric e Boeing.

Também é indiscutível que ambos Objetos Voadores Não Identificados recuperados são o impulso inicial desde longa data da investigação em curso do sistema de propulsão “anti-gravidade”, desenvolvendo um reator de plasma (a mercúrio) com pulso eletromagnético, visto na obra de fabricantes de aeronaves atuais, como a Boeing, Raytheon e a Lockheed nos Estados Unidos, Airbus na Europa.

O bombardeiro B-2 Spirit ou Stealth é um avião bombardeiro projetado secretamente na Área 51 pelas empresas Northrop Grumman, General Electric e Boeing usando um conceito antigo capturado dos nazistas, sobre “asas voadoras” e uma inovadora técnica de desenho por computador de “asa unida em W”.

Em qualquer caso, parece ter sido obra de “engenharia reversa” da aeronave da Baviera, o objeto voador não identificado alemão, que foi o catalisador para o exodus, para a fuga” para o Sul, em direção à Antártica nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial. A Alemanha estava em ruínas, e a pesquisa e o desenvolvimento de um Disco Voador Nazista foi visto, por aqueles que a realizavam, como vital … vital suficiente para que todos corressem o risco de uma perigosa travessia submersa do Atlântico, em direção a uma isolada base experimental de investigação no continente gelado.

Concebidos, na época por padrões modernos … mesmo pelos padrões do dia atual … os modernos submarinos U-Boats eram pequenos e apertados. Eles tinham uma capacidade de carga muito pequena. Ainda assim, uma pequena frota deles entre dez para doze submarinos poderia facilmente transportar os equipamentos essenciais, fazendo várias viagens, e serviam também para abastecimento e, mais tarde reabastecer o bastião de pesquisa nazista da Antártica.

E certa especulação existe, com muito motivo para apoiá-la, que pelo menos um dos barcos da valente frota continha o maior prêmio de todos … Pelo menos um extraterrestre sobrevivente do acidente de 1938, na Baviera … um extraterrestre ariano… um Ser Humano literal … não um “Grey” … nascido em um planeta distante, na Constelação de Órion. A melhor evidência indica que houve vários sobreviventes do acidente, e que eles trabalhavam, e é mais provável, ainda trabalham, com o original disco alemão, com os cientistas e engenheiros, ou seus descendentes, em um esforço para construir uma frota de “disco voador viável”

A belíssima CONSTELAÇÃO DE ÓRION, o Caçador, o local de origem em nossa Galáxia dos seres que teriam entrado em contado com os alemães antes da Segunda Guerra Mundial, em 1938. No centro se vê as “TRÊS MARIAS” (Mintaka, Alnilan e Alnitak) como são conhecidas popularmente no Brasil as estrelas que compõe o cinturão/Belt de Órion. As Três pirâmides em Gizé, no Egito, são perfeitamente alinhadas com essas estrelas do cinturão de Órion.

É isso o que temia a América em 1947, quando organizou a expedição Highjump? Trata-se de uma instalação nazista secreta onde na Antártica essas experiências e a evolução das aeronaves continuou? O que a Operação Highjump estava realmente procurando? É este o segredo, entre outros, a um custo que James Forrestall (Secretário de Defesa dos EUA à época) deu a sua vida? Será um precedente, a reunião do Almirante Byrd, de três horas de duração com um grupo de cientistas e engenheiros alemães e “arianos” extraterrestres em terras geladas perto do Pólo Sul, quase ao custo da vida do Almirante Byrd? É esta a origem da guerra “do espaço”, que o condenado Rosenberg mencionou na própria sombra da cadeira elétrica antes de ser executado?

Uma coisa é certa … Os Estados Unidos não “invadiram” a Antártida, no final de uma Guerra Mundial e o início da Guerra Fria … Utilizando uma parcela desproporcional de sua frota marítima, para uma simples “exploração” do pólo sul. Se eles estavam procurando por algo, que certamente eles sabiam o que era que eles estavam procurando … e … além do mais, uma “expedição científica” não sai preparada para a guerra armada até os dentes.

Mais informações em: 


contagem-regressiva“Conhece-te a ti mesmo e conheceras todo o universo e os deuses, porque se o que tu procuras não encontrares primeiro dentro de ti mesmo, tu não encontrarás em lugar nenhum”  –  Frase escrita no pórtico do Templo do Oráculo de Delphos, na antiga Grécia.

“Aquele que controla os outros pode ser poderoso, mas aquele que DOMINA A SI MESMO é mais poderoso ainda.”  –  Lao Tsé (Filósofo chinês, fundador do Taoísmo, escreveu o “Tao Te Ching” 600 a.C.-531 a.C.)


Leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *