browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Os Gnósticos: Expondo a Intromissão Alienígena e dos Arcontes na humanidade (2)

Posted by on 24/10/2021

Desde a explosão dos fenômenos ET / OVNIs em julho de 1947, após o ‘Caso Roswell”, no estado do Novo México, EUA, as especulações sobre a intromissão alienígena no planeta Terra têm aumentado. Meia dúzia de teorias dominam o debate, mas há uma teoria que ainda não foi examinada. Não surgiu depois de 1947, mas aproximadamente 1600 anos antes. Para ser mais preciso, a evidência dessa teoria veio à tona por meio de uma descoberta no Egito em dezembro de 1945, embora o significado da descoberta não tenha sido percebido até – adivinhe quando? Isso mesmo, 1947.

Um Catecismo Gnóstico Encontros com Alienígenas em um Texto de Escola de Mistérios

Fonte: Biblioteca Pleyades

Aqui e ali, os materiais gnósticos coptas contêm passagens que descrevem encontros com seres semelhantes a ETs, às vezes com conselhos explícitos sobre como lidar com essas entidades.

  • Que crenças estão implícitas em tal testemunho?
  • E o que devemos acreditar sobre esse testemunho?

Tentarei abordar essas duas questões neste breve ensaio tópico.

Instrução Oculta Para dar uma olhada em primeira mão no testemunho, vamos considerar uma passagem de O Primeiro Apocalipse de Tiago (NHC V, 3), um diálogo de revelação no qual um professor não identificado (o “Senhor” ou “Mestre”) confere conhecimento secreto para um chela [discípulo] gnóstico chamado Tiago:

O Mestre disse: Tiago, eis que te revelarei o caminho da tua redenção. Sempre que você for apreendido e sofrer dores de morte (medo mortal), uma multidão de Arcontes pode se voltar contra você, pensando que podem capturá-lo [obsediá-lo, possuí-lo]. E, em particular, três deles irão prendê-lo, aqueles que se passam por cobradores de pedágio. Eles não apenas cobram pedágio, mas tiram almas por posessão.

Agora, quando você ficar sob o poder deles, um daqueles que é o superintendente lhe dirá: “Quem é você e de onde é?”

Você deve então dizer a ele: “Eu sou um filho da humanidade e sou da Fonte.”

Ele então dirá a você: “Que tipo de criança você é e a que Fonte você pertence?”

Você deve dizer a ele: “Eu sou da Fonte preexistente e sou a descendência da Fonte.”

Então ele dirá a você: “Por que você foi enviado da Fonte?”

Então você deve dizer a ele: “Eu vim do Pré-existente para que eu pudesse ver aqueles de minha espécie e aqueles que me são estranhos.”

E ele vai dizer a você: “O que são esses seres alienígenas?”

Você deve dizer a ele: “Eles não são totalmente estranhos, pois são da Sophia Caída ( Achamoth ), a divindade feminina que os produziu quando trouxe a raça humana da Fonte, o reino do Pré-Existente. Portanto, eles não são totalmente estranhos, mas são nossos parentes. São de fato assim porque aquela que é sua matriz, Sophia Achamoth, é da Fonte. Ao mesmo tempo, eles são estranhos porque Sophia não se combinou com ela como na Fonte (sua contraparte masculina divina), quando ela os produziu. “

Quando ele também lhe diz: “Para onde você vai agora?”
Você deve dizer a ele: “Para o lugar de onde eu vim, a Fonte, para lá devo retornar.”

E se você responder dessa maneira, você escapará de seus ataques.

(NHC V, 3. 33 – 34: 1-25. Tradução de NHLE 1990, pp. 265-6 e Kurt Rudolf, Gnosis, p. 174-5.)

Informações consideráveis ​​e importantes para o estudante estão incluídas nesta troca.

A semelhança com relatos contemporâneos de “encontros imediatos” de diversos graus é inegável: os Arcontes induzem um estado de pânico mortal, eles freqüentemente aparecem em grupo de três, eles realizam abduções (“levam almas pelo roubo”).

Esses detalhes apresentam uma combinação impressionante com a tradição contemporânea de ETs / OVNIs. Mas em um afastamento igualmente notável da literatura atual, o professor gnóstico dá instruções explícitas sobre como enfrentar as entidades alienígenas. A vasta quantidade de testemunhos sobre o fenômeno ETs / OVNIs disponíveis hoje apresenta quase nada sobre defesa contra a intrusão alienígena em nossas vidas.

Contatados e abduzidos são passivamente testemunhados, oprimidos, abduzidos, possuídos, obsediados e dominados pelos alienígenas. Mas os escritos gnósticos não apenas descrevem tais encontros, mas também prescrevem ações defensivas . O Mestre oferece um conselho convincente ao discípulo estudante para manter os Arcontes em seus lugares.

A Gnose é uma lembrança de nossas origens, assim como a IGNORÂNCIA é o esquecimento da mesma. O aluno, estudante, discípulo é instruído a lembrar o direito de nascença cósmico e divino da [alma] humanidade e a afirmar sua ligação direta com o Pleroma , a Fonte Primordial.

Especificamente, o aluno é ensinado a lembrar e repetir o episódio-chave na mitologia gnóstica, a queda do Aeon Sophia, e assim efetuar uma defesa contra os Arcontes. Ao recontar o mito das suas origens, o aluno demonstra um conhecimento iniciado sobre a origem e identidade das entidades que enfrenta.

A lembrança intencional do discípulo de assuntos cósmicos e da sua própria origem divina enfraquece os Arcontes. Esta, pelo menos, é uma inferência clara da passagem acima.

A tática da lembrança está de acordo com a sabedoria indígena – considere, por exemplo, o ditado do Na-Khi , um povo tibetano do sudeste da China:

“É preciso relatar a origem do medicamento, caso contrário ele não pode fazer sua mágica”.

Os xamãs curam, não apenas por seu conhecimento das propriedades das plantas, mas também por contar a história da planta. Da mesma forma, os gnósticos derrotaram os arcontes com o “remédio” (poder oculto) da rememoração mitológica da origem divina da humanidade.

Os escritos coptas tornam-se cada vez mais relevantes à medida que percebemos que eles não apresentam meramente comentários [exotéricos] pedantes ou recônditos sobre uma religião morta, mas percepções vitais [esotéricas] sobre os dilemas espirituais atemporais da humanidade, percepções tão válidas hoje quanto eram há 2.000 anos.

Descrevendo a descoberta em Nag Hammadi dos Manuscritos do Mar Morto, Tobias Churton escreve,

“Se Mohammed não tivesse quebrado a jarra que descobrira nas cavernas, não poderíamos ouvir essas coisas. No verdadeiro sentido da palavra, essas coisas são dinamite. Alguém poderia ter imaginado ver manchetes em todo o mundo …” (The Gnostics, p. 12)

Mas não existiram tais manchetes, mesmo nos tablóides.

Demorou muitos anos antes que os códices fossem traduzidos e, ainda hoje, nenhum estudioso permitirá que esses raros códices coptas em seu conteúdo contenham relatos confiáveis ​​de encontros com entidades semelhantes a Extraterrestres.

Vírus Ideológico

Em outra passagem de O Primeiro Apocalipse de Tiago , o Mestre se refere àquelas pessoas “que existem como o tipo dos Arcontes” (30:20).

Os gnósticos não estavam apenas alertas à intrusão dos Arcontes, eles também estavam agudamente cientes da possibilidade dos humanos se tornarem totalmente arcontizados.

Essa ameaça parece ter surgido de maneira particularmente alarmante naquela época a que Philip K. Dick  freqüentemente se refere: o primeiro século da Era Comum, quando se diz que a Encarnação de Cristo ocorreu, segundo a crença cristã.

Tanto o tempo quanto o lugar onde a moldagem arcôntica do caráter humano se estabelece fortemente são especificados nos textos de Nag Hammadi .

Em sua visão gnóstica da condição humana, Dick presumiu que a vida espiritual da humanidade foi interrompida naquele momento. É como se o comportamento daqueles [seres] “que existem como o tipo de Arcontes” se  fixasse naquela época e viesse a dominar todos os séculos subsequentes – até o momento em 1945 quando os Manuscritos do Mar Morto [textos de Nag Hammadi] foram descobertos dentro de jarros em cavernas no Mar Morto.

Em um paralelo próximo à visão de Philip K. Dick do “Império”, Wilhelm Reich viu o surgimento de uma síndrome semelhante que ele caracterizou como “o complexo mecânico-místico” (ver The Mass Psychology of Fascism ). Sua assinatura é “ideologia autoritária”, a mentalidade do fascismo e da dominação patriarcal.

Significativamente, arconte era o termo comum para “governador” ou “autoridade” na época romana. Em algumas traduções dos materiais coptas, arconte (plural, archontoi ) é traduzido como “as autoridades”.

A análise de Reich do que proponho chamar de complexo místico-fascista concentra-se no nacional-socialismo, o movimento nazista da Alemanha, que ele experimentou em primeira mão, mas The Mass Psychology of Fascism contém amplas referências ao catolicismo e ao Sacro Império Romano , o ancestral milenar do programa místico-fascista [e de controle mental das massas ignorantes pelos arcontes através das religiões].

Para mais comentários sobre este assunto visto em uma veia contemporânea, consulte Armageddon Politics . Em alusão à ideologia fascista das “autoridades”, Philip K. Dick escreveu:

“O Império é a instituição, a codificação, da desordem; é insano e nos impõe sua insanidade pela violência, já que sua natureza é violenta.” Valis , p. 235, citando a entrada 41 de “The Exegesis”.)

Esta é uma visão puramente gnóstica, compatível com passagens do NHC e profundamente ressonante com as visões de Reich sobre o psicossênico massivo do cristianismo romano.

Pode-se argumentar que os nazistas não eram cristãos, mas na verdade Hitler se imaginou como um cavaleiro do Graal, modelado como um Parsifal de [Richard] Wagner, e o complexo salvador da crença judaico-cristã foi totalmente transposto para a ideologia racial nazista – daí o “Cristo ariano” identificado e, até certo ponto, abraçado por C.G. Jung.

The Holy Reich , publicado em 2004 por Richard Steigman-Gall , professor de história na Kent State University nos EUA, argumenta que Hitler foi sincero ao se chamar de cristão e revela até que ponto a deturpação da ideologia cristã foi adotada pelo partido nazista e contribuiu para o avanço de sua causa.

Wilhelm Reich alertou que, desde o colapso do ethos pré-cristão do paganismo voltado para a Terra,

“o núcleo biológico da humanidade não tem representação social.” (Ibid., P. Xii)

Esta é uma observação surpreendente, para se dizer o mínimo.

As “autoridades” do nosso mundo atual exibem o comportamento de zumbis espirituais, pessoas que exemplificam uma mistura desconcertante de fixações místicas, tirânicas, totalitárias e militaristas. (O que chamei de clonagem comportamental é amplamente evidente tanto no comportamento militarista quanto no místico, como vemos hoje na realpolitik religiosa dos neocons, embora também esteja incorporada na conformidade em massa do consumismo global e dos ritos da tecnofilia.)

Segundo Reich, essas fixações, centradas na fixação mestra em um Deus transcendente além da Terra, surgem da repressão e do deslocamento de sensações somáticas, especialmente sensações sexual-genitais. Philip K. Dick concordou com Reich ao observar que a ideologia místico-fascista cresce como uma dura casca em torno das pessoas que adotam essas fixações, seja por meio de doutrinação ou intimidação (“conversão”).

A ideologia místico-fascista opera como um vírus,

“impondo sua forma aos inimigos. Desse modo, torna-se inimigo.” (Valis, p. 235)

A ideologia das autoridades pode contagiar até mesmo aqueles que resistem a ela. Conseqüentemente, torna a humanidade contra si mesma e aos seus melhores interesses.

Mas parece que alguns gnósticos eram imunes à infecção – não por acidente, mas devido à sua prática deliberada de técnicas sexuais para produzir imunidade, e devido, em igual medida, aos seus ensinamentos explícitos sobre os Arcontes e como resistir a eles, como visto na passagem acima de O Primeiro Apocalipse de Tiago .

A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. “Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”

Os observadores gnósticos no terreno quando o cristianismo surgiu viam a ideologia salvacionista exatamente como Philip K. Dick: como um vírus. Um vírus ideológico , para ser mais preciso. Os intelectuais pagãos da época até usavam esse mesmo termo para designar o fanatismo dos convertidos.

Os gnósticos viram a tirania da crença, das fantasias metafísicas que subscrevem as agendas militaristas, na ascensão do Cristianismo primitivo. Podemos apenas imaginar o que eles veriam hoje na religiosidade política da direita americana.

Defendendo a Humanidade

O que devemos fazer, então, com o conhecimento dos gnósticas sobre os Arcontes?

Pode-se dizer que os gnósticos acreditavam que somente confrontando o que é insano e desumano em nós mesmos podemos verdadeiramente definir o que é humano. Em essência, definir a humanidade é defendê-la contra a distorção e o fanatismo.

Os gnósticos afirmam que a capacidade de distorção da humanitas , ou desumanização , é inerente às nossas mentes, mas essa capacidade por si só não é potencialmente desviante. Como somos dotados de nous , uma dose de inteligência divina, somos capazes de detectar e corrigir pensamentos distorcidos. Podemos dominar o que os budistas tibetanos chamam de krol’pa , “pensamentos que nos desviam”, fixações mentais que nos afastam da humanitas , nossa verdadeira identidade.

No entanto, os gnósticos também alertaram sobre um giro alienígena que pode adicionar um elemento verdadeiramente desviante aos nossos pensamentos [e ATITUDES]. O efeito dos Arcontes não é nos fazer errar, mas nos fazer, principalmente por meio da estupidez e distração, desconsiderar nossos erros, de modo que eles extrapolem além da escala da correção.

Os Arcontes lançaram um ‘transe’ sobre Adão … Eles o colocaram em um estado de sono, mas foi a sua percepção que eles entorpeceram … Eles tornam nossos corações pesados ​​para que possamos não prestar atenção e nada ver.

Então perdemos o reflexo da Luz Divina dentro de nós … [Assim os Arcontes agiram sobre a humanidade] com o objetivo de nos enganar.

Quando o espírito vital aumenta e o poder iluminador do corpo fortalece a alma, ninguém pode desviá-lo do caminho para diminuir a sua humanidade. Mas aqueles sobre os quais os espíritos falsificados estão presos são alienados da humanidade e são desviados … O espírito desprezível ganha força ao nos desencaminhar.

Os Arcontes sobrecarregam a alma, atraindo-nos para as obras do mal, e nos puxam para o esquecimento, fazendo-nos esquecer quem somos. O Apócrifo de João , II, 22: 14-10, até 27-20.)

O catecismo sobre encontros alienígenas em O Primeiro Apocalipse de Tiago não é excepcional.

Grande parte do ensino gnóstico foi dedicado à teoria do erro que acabei de resumir. Em um sentido prático, os professores gnósticos nas Escolas de Mistérios instruíram os neófitos em como enfrentar os Arcontes tanto como intrusos alienígenas, comparáveis ​​aos extraterrestres Greys e Reptilianos da tradição contemporânea, quanto como tendências em suas mentes .

A detecção da intrusão arcôntica em ambos os modos de experiência parece ser exclusiva da ciência noética de nuances delicadas dos Mistérios. Na visão gnóstica, os seres humanos “que existem como o tipo dos Arcontes” são aqueles…

…que seguem cegamente ideologias religiosas de natureza insana e desumana, pois é principalmente através das crenças religiosas que os Arcontes se intrometem em nós [mas também de outros modos, como “movimentos” transgênero, LGBTQ+, pedofilia, transhumanismo, et caterva]. O comportamento impulsionado por tais crenças produz fixações patológicas da personalidade, resultando no zumbi espiritual.

Todos os estudiosos concordam que alguns gnósticos condenaram igualmente as origens judaicas do programa salvacionista cristão e o próprio programa paulino-joanino . Fazendo isso, eles não espalharam uma mensagem de ódio contra ninguém. Em vez disso, eles tentaram expor o que perceberam ser a mensagem odiosa e enganosa disfarçada na ideologia judaico-cristã de salvação.

Na fonte desta mensagem, eles detectaram a intrusão subliminar dos Arcontes na mente humana. Daí o impulso e a preponderância (mais da metade de todo o material remanescente, pela minha estimativa) de passagens política e teologicamente incorretas nos materiais coptas.

Se os gnósticos estavam delirando ou não sobre os arcontes é um julgamento particular para cada um.

Mas uma leitura justa e de mente aberta dos textos coptas não trará muitas evidências de perturbação da parte deles. Os videntes que expuseram a perturbação não foram perturbados. Eles eram sóbrios e metódicos ao descrever o que sabiam, e extremamente cuidadosos ao prescrever ações para enfrentar a ameaça percebida.

Eles acreditavam que realmente haviam identificado o mais desconcertante de todos os enigmas: a causa raiz da desumanidade na natureza humana. O que devemos acreditar sobre tudo isso hoje?

Há uma questão de credibilidade aqui, é claro – isto é, podemos considerar a fonte dos ensinamentos gnósticos independentemente de seu conteúdo. Mas Gnose é por definição uma questão de saber, conhecer e não de acreditar. É sobre iluminação, E não “CRENÇA”.

Dar crédito aos gnósticos por realmente “saberem” o que afirmam “saber” é apenas o primeiro passo. Além disso, devemos confirmar o que eles sabiam por nossos próprios recursos, nossas próprias faculdades, NOSSOS PRÓPRIOS ESFORÇOS em descobrir a verdade ao invés de “acreditar” em algo e/ou alguém. [O zumbi ignorante sempre precisa de “PROVA” – de um ESPECIALISTA, CIENTISTA, IMPRENSA PRE$$TITUTES, PASTOR, PADRE, et caterva – para que qualquer “novo conhecimento” que desafie seus sistemas de “CRENÇAS” possa ser aceito, e nesse processo ele continua sendo MANIPULADO]

Este é o desafio perene da Gnose, a cognição [conhecimento, consciência] viva e sempre renovada do espírito humano.


Nota de Thoth: Para acessar informações sobre a INTERFERENCIA de extraterrestres hostis nos assuntos da humanidade, por favor acesse o post The Dulce Book – Base subterrânea Reptilianos e Greys (11D) e voce descobrirá COMO surgiu o TRANSGÊNERISMO …e muito mais.


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.