browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Os segredos de Rosslyn Chapel, uma jóia de ‘Sabedoria Templaria’ na Escócia

Posted by on 17/06/2021

A construção da Capela de Rosslyn foi iniciada em 1446 e tem demonstrado ser o mais antigo monumento que possui claras conexões com os Cavaleiros Templários e o segundo Templo de Jerusalém. Para compreender Rosslyn, temos que compreender os Cavaleiros Templários que foram, sem dúvida, a mais famosa ordem de monges guerreiros surgida no período medieval ou em qualquer outro tempo. Estes monges guerreiros possuíam uma improvável concepção, uma existência controversa e um legado espetacular; todas essas características asseguraram que eles encontrassem o seu lugar dentro de mais de uma lenda, principalmente pela sua bravura em batalha.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Os segredos de Rosslyn Chapel, uma Joia de ‘Sabedoria’ Templária escrita em pedra na Escócia

Fonte: Rlmad.net

Os autores: Christopher Knight e o Dr. Robert Lomas , por António Jorge

As sentenças entre [  ] são de autoria do tradutor.

O Brasão da família Saint Clair

A Capela Rosslyn pertence à família St Clair desde a sua fundação em 1446. A família descende de: Rognvald ‘o poderoso’ Rollo, primeiro duque da Normandia William ‘The Seemly’ St Clair veio para a Inglaterra com seu primo, Guilherme, o Conquistador, e lutou com ele na Batalha de Hastings em 1066. Escoltou a noiva do rei Malcolm, a princesa saxã Margaret, da corte da Hungria, onde foi criada, para a Escócia. Conhecido como “o Seemly St Clair por seu” comportamento justo “, foi nomeado copeiro da Rainha Margaret e recebeu o Baronato de Rosslyn em 1070. Ele também foi nomeado Guardião das Fronteiras do Sul da Escócia com a responsabilidade de defender a fronteira da Escócia contra os ataques frequentes dos ingleses, e em uma dessas expedições ele foi morto.

A pequena vila de Roslin localiza-se a aproximadamente quinze quilômetros ao sul de Edimburgo através da estrada para Penicuik, na Escócia, sendo famosa por três razões:

  • uma fazenda estatal experimental que tem produzido pares de ovelhas geneticamente clonados;
  • as ruínas de um castelo que foi destruído pelo Exército dos Roundheads quando a Guerra Civil Inglesa se espalhou até à Escócia;
  • uma não muito usual capela medieval dos Templários.

Fatos extraordinários a respeito das façanhas dos Templários têm levado a que a fantasia [especialmente as criadas pelos maçons] e a realidade se confundam, não se sabendo exatamente qual é uma e qual é a outra.

Do mesmo modo que é completamente verdadeiro que muito de absurdo tem sido escrito a respeito dos Templários, seria absurdo admitir que eles eram apenas uma ordem comum que apenas surgiu para captar a imaginação de um número sem fim de estudiosos do ocultismo, de esotéricos, místicos, et caterva. No mínimo, os Templários seriam qualquer coisa, menos comuns, assim como as suas histórias.

De acordo com avaliações aceitas [nem por isso corretas], esta bem sucedida e enorme ordem surgiu quase que por acidente em 1118, logo após a morte do primeiro rei católico de Jerusalém, Balduíno I, e a sucessão por seu primo, Balduíno II. Costuma-se dizer que este novo rei foi procurado por nove Cavaleiros franceses que aparentemente o informaram que desejavam ser voluntários como uma audaciosa força de defesa para proteger os peregrinos dos bandidos e assassinos que havia nas estradas da Terra Santa. A história registra que o recém empossado rei imediatamente os alojou no local do Templo de Salomão e pagou o seu sustento por nove anos completos.

Vista aérea de Rosslyn Chapel

Em 1128, apesar do grupo nunca ter se afastado do Monte do Templo, foram elevados à categoria de Ordem Santa pelo Papa pelos seus valorosos serviços na proteção dos peregrinos por toda uma década. Foi neste memento, que eles formalmente adotaram o nome de Ordem dos Pobres Soldados de Cristo e do Templo de Salomão, ou simplesmente, “Ordem dos Cavaleiros Templários“. Este reduzido grupo inicial de homens medievais foi repentinamente posicionado como o exército de defesa oficial da Igreja Romana na Terra Santa.

As coisas mudaram rapidamente. Dentro de poucos anos, o grupo de nobres europeus que tinha acampado nas ruínas do Segundo Templo de Jerusalém, miraculosamente transformou-se numa esplendorosa, fabulosa e rica Ordem que, mais tarde, viriam a ser os banqueiros dos reis da Europa. Nós acreditamos que os registos dos livros de História sobre o surgimento dos Cavaleiros Templários são demasiado “simples” e, deste modo, precisávamos descobrir o que realmente ocorreu na segunda década após a Primeira Cruzada [1096 – 1099].

No nosso último livro, chegamos à conclusão de que os Templários nunca haviam protegido os peregrinos europeus que visitavam Jerusalém, pois gastaram o seu tempo inicial a escavar debaixo do local das ruínas do segundo Templo, à procura de algo, possivelmente o tesouro de Salomão. De fato, outros chegaram a conclusões similares antes de nós.

A verdadeira tarefa dos nove Cavaleiros iniciais fundadores da Ordem dos Cavaleiros Templários era empreender buscas nos subterrâneos da área, de modo a obter certas relíquias e manuscritos que contivessem a essência da tradição secreta dos hebreus e do antigo Egito, alguns dos quais provavelmente remontassem à época de Moisés.

Exterior de Rosslyn Chapel, na parte de trás.

Em 1894, quase oitocentos anos após os Templários terem passado dea anos escavando os subterrâneos do segundo Templo de Jerusalém, os seus túneis secretos foram novamente sondados, nesta época por um contingente do exército britânico liderado pelo tenente Charles Wilson, membro dos Engenheiros Reais. Eles nada descobriram sobre os tesouros escondidos pelos hebreus do Templo de Jerusalém, mas nos túneis escavados séculos antes pelos Templários, encontraram parte de uma espada Templaria, uma espora, restos de uma lança e uma pequena cruz Templaria.

Todos esses artefatos estão agora em poder de Robert Brydon, um arquivista templário na Escócia, cujo avô fora amigo de um certo Capitão Parker que tomou parte nesta e noutras expedições que escavaram debaixo do local do Templo de Herodes. Numa correspondência escrita enviada ao avô de Robert Brydon em 1912, Parker relata a descoberta de uma câmara secreta debaixo do Monte do Templo com uma passagem que ligava à Mesquita “O Domo da Rocha” existente acima do local e que ocupa o espaço onde antes se localizava o segundo Templo [de Herodes] de Jerusalém . Ao surgir dentro da mesquita, o oficial do exército britânico teve que fugir dos irados sacerdotes e fiéis islâmicos para não morrer.


A mesquita “O Domo da Rocha” é um santuário construído onde teria sido o altar de sacrifícios usado por Abraão, Jacó  e outros profetas que introduziram o ritual nos cultos judaicos. David Salomão também consideraram o local sagrado, mais tarde enquanto altar, o Domo da Rocha teria sido o lugar de partida da Al Miraaj (viagem aos céus realizada pelo profeta Maomé) permanece hoje como um templo da fé islâmica, um dos três locais dos mais sagrados pelo islamismo.

O Domo da Rocha recebeu esse outro nome devido à grande rocha circunscrita a ela que foi usada em sacrifícios pagãos — atualmente protegida no interior da Mesquita de Omar — e constitui uma das razões pelas quais a cidade de Jerusalém é considerada Cidade Santa por várias religiões.

A mesquita “O Domo da Rocha” é um santuário construído onde teria sido o local dos dois Templos de Jerusalém. Início da construção foi em 685 sendo terminado em 691. O califa omíada Abdal Malique foi o patrocinador da construção do Domo da Rocha em Jerusalém.

Segundo a tradição judaica, foi nessa rocha (o Monte Moriá do Velho Testamento) que Abraão preparou o sacrifício do seu filho Isaac a Deus e onde, mil anos antes de Cristo, o rei Salomão  construiu o primeiro templo de Jerusalém, destruído por Nabucodonosor II em 586 a.C.


Não há dúvida de que os Templários de fato realizaram escavações maiores em Jerusalém e a única questão que nós precisávamos considerar era: o que é que os levou a empreenderem tal enorme projeto e o que é que eles procuravam e que provavelmente descobriram? Quando estávamos escrevendo nosso último livro, embora estivéssemos “convencidos de saber” o que eles tinham descoberto, apenas podíamos especular que a motivação para toda esta aventura deveria ter sido uma espécie de caça ao tesouro.

Considerámos o mútuo juramento de aliança que os nove Cavaleiros estabeleceram desde o início de sua escavação, dez anos antes de a Ordem dos Cavaleiros Templários ser criada. Diversos livros sobre os Templários usualmente estabelecem que o compromisso era uma promessa de “castidade, obediência e voto de pobreza” – que soa mais como um voto para monges do que para um pequeno grupo independente de Cavaleiros fortemente armados em uma ordem de cavalaria, a mais mortal que existiu em seu tempo. Contudo, quando o juramento é analisado na sua origem latina, é traduzido por “castidade, obediência e manutenção em comum de toda propriedade“.

Existe uma clara diferença entre jurar nada possuir e jurar compartilhar toda a prosperidade em comum – e prosperidade é o que eles obtiveram em larga escala e medida em pouquíssimo tempo!

Nós, entretanto, permanecemos intrigados pela natureza muito religiosa deste mútuo juramento. Outros observadores têm comentado sobre isto, pois sabem com certeza que os Templários, de fato, se tornaram uma ordem de espetaculares monges guerreiros, em uma formidável e temida ordem de cavalaria, mas como é que estes nove Cavaleiros originais saberiam o que iria ocorrer dez anos mais tarde? Muitas questões precisavam ser respondidas:

  1. Por que eles precisavam abraçar a “castidade” numa época em que os padres católicos romanos não o faziam?
  2. Porque é que um pequeno grupo de homens completamente independente precisou realizar um juramento de obediência e a quem é que eles planejavam serem obedientes [ou deviam OBEDIÊNCIA]?
  3. Se eles eram meros caçadores de tesouros, porque pretenderiam compartilhar toda a propriedade em comum quando o método usual seria o de dividir o espólio?

Para responder apropriadamente a estas questões, seria necessário conhecer um pouco mais a respeito das circunstâncias deste pequeno grupo de cavaleiros da nobreza europeia que se reunira em Jerusalém em 1118. Nós claramente sentimos que algo estava errado [ou oculto] e nosso principal temor era que a verdade pudesse ter-se perdido [ou ter sido sempre ocultada] ao longo dos séculos e que nós nunca conseguiríamos esclarecer as motivações destes homens notáveis.

Sentíamos que a conclusão razoável a respeito da segunda questão sobre a necessidade de “obediência” fortemente sugeria que outras pessoas deveriam estar envolvidas na ideia e criação da Ordem dos Templários e que deveria haver um plano mais elaborado do que uma simples caça ao tesouro. Os três votos quando colocados juntos serviam mais aos padres do que a Cavaleiros guerreiros muito temidos. Convém relembrar rapidamente o estilo de vida dos homens da comunidade dos Essênios descritos nos Manuscritos do Mar Morto: uma existência ascética que igualmente se aplicava aos líderes dos sacerdotes hebreus do Templo de Jerusalém que originalmente havia enterrado os manuscritos [documentos] e os tesouros que os Templários descobririam.

A partir de nossas pesquisas prévias, acreditamos que os manuscritos encontrados pelos Templários agora estão depositados debaixo da Capela de Rosslyn na Escócia, construída de acordo com a “sabedoria” encontrada nos próprios documentos.


Um Santuário Templário

A Capela de Rosslyn está protegida por uma pequena estrada lateral passando por entre duas excelentes estalagens que somente pode ser notada por aqueles que se aventuram pela vila de Roslin. É difícil ver muito da edificação à primeira vista, uma vez que sua visão está obstruída por árvores e muros altos ao longo do lado norte, mas que estranhamente proporciona uma rápida visão da parede ocidental com as suas duas bases de colunas no ponto mais alto.

A entrada faz-se através de uma pequena cabana, onde lembranças do local podem ser compradas e onde é servido chá com biscoitos. Assim que se cruza a porta dos fundos da cabana, o esplendor desta curiosa e única “capelinha” é imediatamente óbvio e leva-se nada menos que alguns minutos para se perceber que esta é nada menos que um texto medieval escrito em pedra.

rosslyn_chapel_ceiling

O teto da Rosslyn Chapel

A proeza artística e ocultista de William St. Clair não é semelhante a nada que nós já tenhamos visto anteriormente e nunca nos tínhamos encantado tanto com a aura gerada no interior e exterior celestialmente esculpidos na capela. Como uma obra arquitetônica, ela não é particularmente graciosa, nem as suas dimensões físicas impressionam, mas mesmo assim instintivamente sente-se que este é um lugar muito especial.

Nós não encontramos nada de católico nesta assim chamada “capela”, uma observação que tem sido realizada por muitos observadores conhecidos por nós, desde então. Há uma estátua de Maria com um menino Jesus, um baptistério com fonte, alguns vitrais com alegorias católicas, mas tudo isto são intrusões vitorianas posteriores ocorridas quando a capela foi consagrada pela primeira vez. Estes atos de “vandalismo” da igreja católica de Roma foram muito significativos, mas mal concebidos, uma vez que eles não puderam retirar a magnificência anterior da celestial edificação originaria e originalmente esculpida.

Esta construção cuidadosamente planejada não foi somente construída sem um baptistério, não possuía nenhum espaço para um altar católico no seu lado oriental e uma mesa de madeira hoje em dia serve para esse propósito no centro de um simples salão. A História registra que não foi consagrada pela igreja de Roma até que a Rainha Vitória  (Alexandrina Victoria; 24 Maio 1819 – 22 Janeiro de 1901) a visitasse e sugerisse que a mesma fosse transformada em uma igreja.

Construída entre os anos de 1446 e 1490, a estrutura de pedra é coberta por uma combinação de motivos celtas e Templários que são instantaneamente reconhecidos pelos interessados em metafísica, esoterismo e ocultismo. Preparados [os autores do texto] com um detalhado senso das antigas origens da Maçonaria, nós começamos a perceber que existem pistas precisas e secretas impressas na construção da edificação que estabelecem uma ligação sem qualquer dúvida entre o Templo de Herodes [o segundo Templo de Jerusalém destruído pelos romanos em 70 d.C.] e esta maravilha medieval que é a Rosslyn Chapel.

Maquete do segundo templo de Jerusalém, destruído em 70 d.C. pelos legionários romanos sob o comando do general Tito, mais tarde imperador de Roma. Comparando com imagem aérea de Rosslyn Chapel desvai-se a alegada “semelhança FÍSICA” entre as duas construções feita pelos autores do texto.

Há apenas dois salões: um salão principal e uma cripta que é acessível via uma escadaria no lado oriental. O salão possui catorze pilares, doze dos quais são iguais, mas os localizados no sudeste e no nordeste são únicos, ambos esplendorosamente esculpidos com diferentes desenhos. Frequentemente tem sido dito que estes pilares representam aqueles que existiam no átrio interior do segundo Templo de Jerusalém e que são hoje em dia muito importantes para os Maçons.

Um exame mais atento revela-nos que a parede ocidental e a totalidade do piso foram projetados como uma cópia das ruínas do Templo de Salomão e a super estrutura acima do pavimento térreo e além da parede ocidental era uma interpretação da visão sobre a Jerusalém Celeste feita pelo profeta Ezequiel.

Os pilares principais – Boaz e Jachin [as duas forças criadoras primordiais, o masculino e o feminino] – são posicionados precisamente do mesmo modo que aqueles existentes em Jerusalém. Nós sabíamos que o ritual do grau maçônico conhecido como Santo Real Arco descreve a escavação das ruínas do Templo de Salomão e claramente estabelece que deveriam haver dois esplendorosos pilares no lado oriental e mais doze de concepção idêntica exatamente como encontramos em Rosslyn.

Percebemos então, que o layout dos pilares formava um perfeito tríplice Tau (três formas de “T” unidos), exatamente como o descrito no ritual maçônico. Além do mais, de acordo com o grau do Santo Real Arco, também deveria haver um “Selo de Salomão” (idêntico à Estrela de David) fixado ao tríplice Tau e uma inspeção mais acurada revelou que toda a geometria da edificação era de fato construída em torno desse desenho [o “selo de Salomão” tem sua origem na antiga Índia, onde é conhecido, desde tempos memoriais como o SELO DE VISHNU e representa o quarto Chakra, o Anahata].

O Selo de Vishnu, muito mais antigo do que sua utilização pelos hebreus como “selo de Salomão, é o símbolo do Quarto Chakra, o centro cardíaco, onde esta situada a Alma humana, o verdadeiro SER. Os dois Triângulos entrelaçados significam o equilíbrio entre o Masculino [TRIÂNGULO COM O VÉRTICE PARA CIMA] e Feminino [TRIÂNGULO COM O VÉRTICE PARA BAIXO] divinos no processo de unificação e criação do universo material.


Sir William St Clair, 11º Barão de Rosslyn, 3º Príncipe de Orkney, o Construtor e Fundador da Rosslyn Chapel:

Ele se casou pela primeira vez com Margaret Douglas, filha de Archibald, 4º Conde de Douglas e 1º Duque de Touraine, e viúva do Conde de Buchan. Por este casamento ele teve um filho William e quatro filhas. Margaret morreu em 1452 e ele se casou em segundo lugar com Marjory, filha de Alexander Sutherland de Dunbeath, com quem teve cinco filhos, Oliver, William, David, Robert e John.

O fundador da Capela Rosslyn detinha vastos territórios e influência. Seu poder foi visto pelo rei Jaime II como uma ameaça, ainda mais porque a irmã de Sir William, Catarina, era casada com o irmão do rei, o duque de Albany. As relações entre o rei e seu irmão eram difíceis e em certo estágio James aprisionou Albany no Castelo de Edimburgo.

Em 1445, James II deu a Sir William o condado de Caithness em troca do de Nithsdale e em 1471 Ravenscraig pelo condado de Orkney. Jaime II havia adquirido Orkney por seu casamento com a Rainha Margaret da Dinamarca, e foi formalmente anexada à Coroa Escocesa por Lei do Parlamento em 1471.

Durante sua vida, Sir William dividiu suas propriedades entre seus três filhos mais velhos: William, de seu primeiro casamento, e Oliver e William, de seu segundo. De longe, a melhor parte da propriedade foi para Oliver e, portanto, seu filho mais velho, conhecido como ‘William, o Waster’ foi efetivamente deserdado. Ele recebeu de seu pai apenas o baronato de Newburgh em Aberdeenshire. Rosslyn, Pentland e as terras mais prestigiosas foram para Oliver. William the Waster contestou a reivindicação de seu irmão sobre Rosslyn e um contrato subsequente entre eles foi acordado, o que confirmou o direito de Oliver às propriedades em Rosslyn. Mas Oliver cedeu a William outras terras em Midlothian, junto com os castelos de Ravensheugh e Dysart em Fife. William também foi posteriormente declarado chefe dos St Clairs pelo Ato do Parlamento com o título de Barão Sinclair.

Ao segundo filho de seu segundo casamento, também chamado de William, Sir William deu em 1476 o condado de Caithness

Assim, na época da morte do fundador em 1484, seus vastos bens foram divididos entre três ramos de sua família: os Lordes St Clair de Dysart, os St Clairs de Rosslyn e os Sinclairs de Caithness. Fonte: The Family of Saint Clair


O tríplice Tau significa, entre outros significados ocultos, Templum Hierosolyma – o Templo de Jerusalém. Ele também significa Clavis ad Thesaurum – uma “chave para UM TESOURO” – e Theca ubi res pretiosa deponitur – Um lugar onde algo precioso está oculto – ou Res ipsa pretiosa – A própria “COISA” preciosa.

Exterior de Rosslyn Chapel

Esta era uma profunda confirmação de nossa tese de que Rosslyn era uma “reconstrução” do Templo de Herodes [aqui os autores, por se basearem em “conhecimento” maçônico cometem um grave deslize, por ignorância, pois a construção de Rosslyn utiliza a SABEDORIA que estava presente no segundo Templo de Jerusalém E NÃO a sua forma arquitetônica].

Nós imediatamente imaginamos se este “ritual” da maçonaria continha essas palavras para o único propósito de revelar o significado de Rosslyn ou se Rosslyn havia sido projetada neste formato para se confrontar com os conhecimentos mais antigos? Nesse momento isto não importava, pois estava claro para nós que William St, Clair era o homem que tinha estado envolvido em ambos. A definição maçônica do “Selo de Salomão” transcreve-se a seguir:

A Jóia de Companheiro do Real Arco é um triângulo duplo [?], muitas vezes chamado de Selo de Salomão, inscrito num círculo de ouro; na base há um rolo de pergaminho onde constam as seguintes palavras “Nil nisi clavis deest” – Nada é desejado a não ser a chave – e no círculo aparece escrito, “Si tatlia jungere possis sit tibi scire posse” – Se vós pudestes compreender estas coisas, vós conhecestes o suficiente.

William St Clair tinha cuidadosamente colocado este conhecimento secreto nas pedras dentro das paredes de Rosslyn Chapel. Neste ponto, nós sabíamos que era certo que o arquiteto deste “Templo Sagrado” contendo a sabedoria dos Templários para estes antigos símbolos para que alguém num futuro distante pudesse “virar a chave” e descobrir os segredos não de Rosslyn, mas o da existência humana e o seu propósito.

Os nove Cavaleiros originais que cavaram debaixo dos escombros do Templo de Herodes cuidadosamente mapearam as fundações abaixo do solo, mas eles não possuíam nenhuma condição para saber como a principal super estrutura do templo inteiro se parecia, exceto pela secção da parede ocidental que ainda existia em pé naquele tempo. As principais paredes de Rosslyn equiparavam-se exatamente com a linha de paredes do Templo de Herodes descobertos pela expedição do exército britânico liderada pelo tenente Wilson e pelo tenente Warren, membros dos Engenheiros Reais.

O Plano arquitetônico de Rosslyn

Wilson iniciou um levantamento de toda a cidade de Jerusalém para a padronização do Levantamento de Artilharia em 1865 e, em Fevereiro de 1867, o tenente Warren chegou para empreender uma escavação dentro das galerias debaixo da área do Templo. Um dos diversos diagramas produzidos por Warren Ilustra o grau de dificuldade que eles encararam e ajuda a explicar o porquê dos Cavaleiros Templários terem levado nove anos para realizar as suas escavações.

A maior parte da edificação de Rosslyn foi projetada como uma interpretação da visão de Ezequiel da Jerusalém reconstruída ou “celeste” com suas muitas torres e pináculos. Uma das partes da edificação que é claramente diferente é a parede ocidental que foi construída em proporções maiores. A explicação oficial para esta escala maior é a de que a própria “capela” seria somente uma capela lateral de uma igreja colegiada muito maior.

Os atuais guardiões de Rosslyn admitem que esta explicação é uma [mera] suposição, uma vez que não existem evidências de que esta fosse a intenção de William St Clair. Certamente, qualquer parede que permanecesse sozinha poderia ser parte de uma edificação que tenha sido praticamente demolida. Neste caso há uma terceira opção: a de que a parede seja uma réplica de uma edificação praticamente demolida, deste modo, nunca haveria uma outra parte – nem atual, nem pretendida.

Inicialmente, parecia ser assim, embora fosse impossível encerrar de modo conclusivo o debate.

Após a publicação do nosso livro anterior, estivemos em contato com um grande número de pessoas, muitas das quais possuíam informações para nós ou estavam em posição de nos ajudar. Entre estas pessoas encontrava-se Edgar Harborne que é um conceituado maçom, sendo um Past Grande Mestre de Cerimônias Assistente da Grande Loja Unida da Inglaterra.

Edgar é também um estatístico e integrava uma sociedade de pesquisa na Universidade de Cambridge, onde era patrocinado pelo Ministro da Defesa para analisar a rendição e os pontos cruciais dos campos de batalha. Ele foi capaz de confirmar que a nossa tese a respeito da morte do faraó Seqenenre Tao, faraó da décima sétima dinastia do Antigo Egito, era altamente plausível devido aos ferimentos que não eram totalmente típicos daqueles encontrados em antigas batalhas.

Edgar foi perspicaz ao visitar Rosslyn em companhia do seu bom amigo Dr. Jack Millar que é o diretor de estudos de uma famosa universidade. Felizmente para nós, Jack é um geólogo de considerável fama, com aproximadamente duzentas publicações acadêmicas em seu nome.

Interior da Capela Rosslyn, à direita o Pilar do Aprendiz – (crédito da foto Capela Rosslyn)

No inicio de Agosto de 1996, Edgar e Jack voaram até Edimburgo onde nos encontramos, numa sexta-feira à tarde, e imediatamente nos dirigimos para Rosslyn para uma avaliação do terreno como precursora de uma investigação de solo mais profunda. Lá,  encontramo-nos com Stuart Beattie, o diretor de projeto de Rosslyn, que gentilmente nos abriu o edifício. Edgar e Jack passaram algumas horas absortos pela beleza e complexidade da sagrada obra de arte, e então retiramo-nos para o hotel para discutir o nosso plano de ação para o dia seguinte. Ambos os homens estavam muito excitados e conversamos muito sobre o que tínhamos visto. Entretanto, Jack esperou até o café da manhã do dia seguinte para nos contar que ele tinha notado algo sobre a parede ocidental que ele acreditava que acharíamos interessante. Quando voltamos a Rosslyn ele explicou:

Este debate sobre se a parede ocidental é uma réplica de uma ruína ou uma secção inacabada de uma edificação muito maior…“, disse Jack, apontando para o lado do noroeste. “Bem, há somente uma única possibilidade – e eu posso assegurar-lhes que vocês estão corretos. Aquela parede ocidental é um disparate“.

Nós ouvimos atentamente as razões que poderiam provar os nossos argumentos. “Há duas razões do porquê de eu poder assegurar que isto é um disparate. Inicialmente, enquanto aqueles suportes possuem uma integridade visual, os mesmos não possuem nenhuma integridade estrutural; a cantaria não está presa completamente à secção central principal. Qualquer tentativa de construir além teria resultado em um colapso estrutural… E o povo que construiu esta “capela” não era tolo. Eles simplesmente nunca pretenderam ir além”. Nós olhamos para onde o Jack estava a apontar e pudemos ver que ele estava absolutamente certo.

Ele continuou: “Ainda mais, venham até aqui e deem uma olhada nas pedras de canto“. Jack andou até o canto e nós seguimo-lo, de modo que todos estivéssemos diante das desiguais paredes arruinadas que possuíam pedras projetando-se na direção do ocidente. “Se os construtores tivessem interrompido o trabalho por causa da falta de dinheiro ou apenas para completarem posteriormente, eles teriam deixado um trabalho de cantaria perfeitamente esquadrinhado, mas estas pedras tinham sido deliberadamente trabalhadas para aparentar estarem danificadas – exatamente como uma ruína. Estas pedras não foram expostas às intempéries como aquela… Elas foram cortadas para parecerem com uma parede arruinada“.

A explicação de Jack foi brilhantemente simples.

No início daquele ano, nós tínhamos trazido o Professor Philip Davies, do Departamento de Estudos Bíblicos da Universidade de Sheffield e o Dr. Neil Sellors, um colega de Chris, até a Escócia onde fomos convidados do Barão St Clair Bonde, um descendente direto de William St Clair e um dos conservadores da Capela de Rosslyn.

Nós dirigimo-nos à inacreditavelmente bela moradia do Barão em Fife onde nós fomos muito bem recebidos por ele e pela sua esposa sueca, Christina, e onde nos foi servida uma esplêndida refeição sueca e nos foi apresentado um outro conservador, Andrew Russell e sua esposa Trish.

Na manhã seguinte, fomos todos visitar Rosslyn onde o Professor Davies tinha marcado um encontro com seu velho amigo o Professor Graham Auld, o Reitor da Divindade da Universidade de Edimburgo. Os dois pesquisadores bíblicos estudaram a edificação por dentro e por fora e então dirigiram-se ao longo do vale para a ver de uma certa distância. Ambos os homens conheciam muito bem Jerusalém e de fato concluíram que a construção era um notável remanescente do estilo herodiano.

Olhando a partir do exterior da parede norte, Philip repetiu as suas impressões: “Este não se parece com qualquer lugar de veneração católica. A impressão esmagadora é a de que foi construída para abrigar algum grande segredo [??] medieval“.

Juntando os argumentos destes conceituados acadêmicos das universidades de Cambridge, Sheffield e Edimburgo, parece que nós tínhamos provado o nosso argumento de que Rosslyn foi projetada como uma réplica do Templo de Herodes.

O Barão St Clair apontou que mais de 50% do grande número de figuras esculpidas na edificação seguram rolos de pergaminhos ou livros e um pequeno friso é arrematado com uma cena que parece mostrar algo como rolos de pergaminhos a serem colocados em caixas de madeira com uma sentinela colocada portanto uma chave encimada com um esquadro [representação do Poder Feminino, sendo o compasso a representação do poder masculino]. O esquadro [na realidade o Triângulo Equilátero com o vértice para baixo] é uma peça fundamental do simbolismo ocultista. Esta e outras evidências a partir das esculturas convenceram-nos de que os manuscritos dos Nazoreanos que nós já sabíamos terem sido removidos debaixo do Templo de Herodes pelos Cavaleiros Templários estavam aqui em Rosslyn.

Uma Linha de Conhecimento

Sempre nos impressionou, como uma forte curiosidade, que o nome da “capela” é escrita como Rosslyn, enquanto que o da vila em torno desta é escrita como Roslin. Ao pesquisarmos sobre esta diferença, foi-nos dito que se passou a escrever o nome com um duplo “s” e com “y” somente a partir da década de 1950 como uma forma de tornar o lugar um pouco mais celta.

Nós sabemos que os lugares com nomes celtas possuem sempre um significado, mesmo sendo estes muito cumpridos, como a vila gaulesa de Llanfairpwllgwyngethgogerwyllyndrobwllllantisiliogogogoch, e que contém uma completa descrição do lugar. (esta última significa: A Igreja de Santa Maria próxima ao rápido moinho d’água ao lado da côncava aveleira branca oposta à caverna vermelha de São Sílio). Assim, ficamos curiosos sobre o significado gaélico de “Roslin” que frequentemente tem sido explicada como uma queda d’água ou promontório, apesar desta não descrever o local nem agora e nem em qualquer época passada.

As palavras comuns em gaélico para promontório são roinn, rubha, maoil ou ceanntire e para queda d’água são eas ou leum-uisge. Um significado adicional para Ross, ocorrendo apenas em nomes de origem irlandesa, é promontório de madeira, que somente se poderia formar usando esta definição, se o nome possuísse conexões irlandesas (ou se os pesquisadores anteriores tivessem usado um dicionário gaélico-irlandês por engano).

Com fluência em gaélico, Robert sabia que o som fonético “Roslin” poderia ser escrito como “Rhos Llyn” que significa “lago acima do pântano“. Sem ser surpreendente, entretanto, estas palavras oriundas de Gales não descrevem o lugar de forma melhor que as irlandesas e, deste modo, procuramos as duas sílabas num dicionário gaélico-escocês que nos forneceu a seguinte definição:

  • Ros: um substantivo que significa conhecimento”.
  • Linn: um substantivo que significa geração”.

Parece que em gaélico, Roslinn poderia ser traduzido por conhecimento das gerações [ou gerar, DESCOBRIR o CONHECIMENTO].

Estamos certos de que confiar em dicionários resulta sempre em traduções curiosas e sendo assim, decidimos recorrer a alguém que realmente conhecesse a língua gaélica (corretamente conhecida por gaélica e nunca como gaulesa).

Durante uma visita à Grande Loja da Escócia em 1996, fomos apresentados à Tessa Ransford, a diretora da Biblioteca de Poesia Escocesa em Edimburgo. Nós ficamos extremamente lisonjeados ao descobrir que ela, uma notável poetisa escocesa, tinha escrito um poema para louvar o nosso livro anterior. Um dos propósitos principais da Biblioteca é tornar acessível ao público a poesia da Escócia em qualquer língua que tenha sido escrita; isto significa que Tessa, que é casada com uma pessoa fluente em gaélico, se reunia regularmente com um grande número de pessoas que possuíam um conhecimento detalhado da língua.

Nós contatamos a Tessa e pedimos para ela verificar se a nossa interpretação do nome Roslin estava correta e ela gentilmente concordou em discuti-la com especialistas desta língua. Alguns dias mais tarde, ela procurou-nos dizendo que a nossa tradução não tinha considerado uma significante pista contida na palavra “Ros” que mais corretamente carrega um significado que a faz ser mais especificamente “antigo conhecimento“; deste modo, a tradução que ela confirmava era mais precisamente: antigo conhecimento passado ao longo das gerações.

Tessa e os seus colegas estavam realmente excitados e nós estarrecidos com esta ainda mais poderosa interpretação que aparentava encaixar-se perfeitamente com o propósito de Rosslyn ser considerada como um santuário de antigos manuscritos [ou um edifício que contém em sua forma e em seus incontáveis símbolos ocultos e esotéricos o mais antigo e sagrado CONHECIMENTO, mas apenas para compreensão daqueles que “possuem” A “CHAVE”, e essa chave poucos indivíduos “descobriram”].

A próxima questão era: quando é que a palavra “Roslin” ou “Roslinn” (uma vez que não havia uma padronização da escrita naqueles dias) foi usada inicialmente? Nós sabíamos que ela era anterior à construção de William St Clair da “capela”, o que poderia indicar que os manuscritos removidos debaixo do Templo de Herodes tinham sido mantidos no castelo antes da “capela” ter sido construída.

Através de uma breve investigação, rapidamente descobrimos que a história dos St Clair, na Escócia, iniciara-se com um cavaleiro chamado William St Clair que popularmente era conhecido como William, o Gracioso. William era natural da Normandia e a sua família era uma conhecida oponente do Rei Guilherme I, o normando que conquistou a Inglaterra em 1066. William St Clair considerava que ele possuía um bom motivo para reivindicar o trono da Inglaterra através de sua mãe Helena, que era filha do quinto Duque da Normandia, uma vez que Guilherme, o Conquistador, era o filho ilegítimo de Roberto, Duque da Normandia, com a filha de um curtidor que se chamava Arletta. A família St Clair ainda se refere ao Rei Guilherme I simplesmente como Guilherme, o Bastardo.

William, o Gracioso, foi o primeiro St Clair a mudar-se da Normandia e naturalmente falava apenas o francês, mas o seu filho Henri foi educado sob a forte regra celta de Donald Bran e, deste modo, falava o gaélico tão bem como o francês normando (assim como todos os St Clair posteriores até o tempo de Sir William, o construtor da “capela”). Nós descobrimos que foi este Henri St Clair quem primeiro portou o título de Barão de Roslin, logo após ter voltado da Primeira Cruzada.

Esta data foi um grande desapontamento para nós uma vez que ela desestruturou a nossa bela teoria. Henri teria voltado da Cruzada por volta do ano 1100, oito anos antes dos Templários iniciarem suas escavações, e deste modo o nome Roslin (antigo conhecimento passado ao longo das gerações) não poderia ser uma referência aos manuscritos que nem ainda tinham sido descobertos [correto porque não tem nada a ver com manuscritos encontrados em Jerusalém] . Contudo, nós refletimos e pensamos que tínhamos descoberto algo novo e muito importante para a nossa pesquisa. Nós recusávamo-nos a acreditar que seria uma mera coincidência o fato de Henri ter usado um nome de tal significado para o seu novo título e, sendo assim, começámos a pesquisar em busca de novas pistas.


Logo após, descobrimos que Henri St Clair tinha lutado nas Cruzadas e marchado para Jerusalém ao lado de Hugues de Payen, o fundador dos Cavaleiros Templários. Além disso, após Henri ter escolhido “Roslin” como seu título, Hugues de Payen casou-se com a sobrinha de Henri e foram-lhe dadas terras na Escócia como um dote. As conexões estavam além da controvérsia, mas o que é que elas significavam? Henri estava, através da escolha de seu título, sinalizando que possuía um conhecimento especial da antiga tradição, ou era, talvez, apenas uma partida pregada por Henri para seu próprio divertimento? Parece que a nossa intuição de que o os nove Cavaleiros que formavam os Templários sabiam o que estavam procurando estava correta, mas nós não poderíamos imaginar como eles poderiam saber o que estava enterrado sob o Templo de Herodes. Talvez, um melhor estudo da edificação revelaria alguma pista.


[Nota de Thoth: Como Grão-Mestre, Hugues de Payens liderou a Ordem por quase vinte anos até sua morte, ajudando a estabelecer as fundações da Ordem dos Cavaleiros Templários como uma instituição militar e financeira importante e influente. Em sua visita à Inglaterra e Escócia em 1128, ele levantou homens e dinheiro para a Ordem, e também fundou a primeira casa da Ordem dos Cavaleiros Templários em Londres e outra perto de Edimburgo em Balantrodoch, agora conhecida como Templo Midlothian . Regra Latina , que estabelece o modo de vida da Ordem, atribuída a Hugues de Payens e Bernard de Clairvaux , foi confirmado em 1129, no Conselho de Troyes sobre o qual o Papa Honório II presidiu.]


O Segredo contido nas Pedras

Tendo descoberto irrefutáveis evidências que um alto grau da sabedoria antiga era conhecido por William St Clair, começámos a olhar mais atentamente do que antes para os mínimos detalhes do intrincado interior e exterior esculpido de Rosslyn Chapel. Uma pequena, porém fantástica descoberta, era a gravação de dois homens na pedra, lado a lado. Apesar desta escultura exterior estar danificada pelas intempéries e possuir aproximadamente trinta centímetros de altura, pudemos observar muito bem a maior parte dos seus detalhes. Ela mostra um homem vendado com vestimentas medievais, ajoelhado e segurando na sua mão direita um livro com uma cruz na capa, tendo os seus pés colocados de modo a formar um esquadro. Em torno do pescoço do homem há um nó corrediço, sendo a ponta deste segurada por um segundo homem que estava vestido de um manto templário com a Cruz Templaria mostrada no seu peito.

Quando descobrimos esta pequena gravação, procuramos Edgar Harborne, uma autoridade da Grande Loja Unida da Inglaterra. Somados, tínhamos aproximadamente setenta anos de experiência maçônica e sabíamos exatamente o que estavamos olhando. Edgar estava empolgado e surpreso, assim como nós, pois não havia qualquer dúvida; esta era a imagem de um candidato à maçonaria durante o processo de sua iniciação no ponto crítico de seu juramento de obrigação. A forma dos pés, o cordame, a venda, o volume da lei sagrada – esta imagem mostra um homem sendo admitido na Ordem dos Cavaleiros Templários cinco séculos e meio atrás! Ainda mais, esta pequena estátua era a primeira representação visual de um Templário conduzindo uma cerimonia que nós agora considerávamos ser “unicamente” maçônica. [a maçonaria muito mais tarde simplesmente se “apropriou” de PARTE do conhecimento Templário, de seus ritos, símbolos e regras, especialmente após à perseguição iniciada em 1.307 por Felipe, o Belo, rei de França, mas cometeu o pecado mortal de desprezar o mais fundamental da sabedoria Templária: o respeito e a adoração ao Sagrado feminino, tendo a maçonaria se transformado meramente numa sociedade patriarcal …, onde somente homens são admitidos] 

O fato da escultura apresentar um Templário conduzindo um ritual de iniciação de um candidato à ingressar na Ordem implica que a escultura estava a demonstrar um evento histórico que datava do período Templário..

Dentro da edificação, nós analisamos cada uma das pequenas esculturas. Isto era difícil, devido a, em algum ponto do passado recente, alguma alma caridosa ter coberto completamente o interior com uma massa de areia e cal numa mal sucedida tentativa de proteger o trabalho de cantaria, o que obscureceu os pequenos detalhes.

No alto de dois meio pilares construídos na parede meridional, com uma altura de quase três metros, nós descobrimos pequenas representações que eram extremamente interessantes. Uma destas com apenas alguns centímetros de altura mostra um grupo de figuras com uma pessoa transportando uma peça de tecido, que tem no centro a face de um homem barbado e com cabelos longos. A figura que transporta o tecido não tem cabeça [representação de João Baptista, decapitado por Herodes Antipas, rei da Judéia] e, uma vez que há poucos danos ao edifício, parece, como pensamos, que ela foi deliberadamente removida. Isto fez-nos olhar para outras cabeças e ficamos impressionados pela distintiva aparência de cada uma delas. As faces não são amenas ou anônimas, como normalmente se veem em edifícios semelhantes; elas dão a impressão de que eram deliberadamente semelhantes a indivíduos conhecidos – quase como máscaras mortuárias em miniatura.

Só nos restava especular: esta pequena estatueta representa alguém segurando o Sudário de Turim?

Só existem duas explicações para tal imagem: é o Sudário de Turim que está sendo transportado ou é aquilo que conhecemos por “Verônica”?.

A lenda não-bíblica de Santa Verônica narra como uma mulher (frequentemente associada à Maria Madalena) deu o seu manto (em algumas versões o seu véu) a Jesus para enxugar a sua face quando ele estava deixando o Templo ou no caminho do Calvário transportando a sua cruz. Quando esta tomou o manto de volta, neste havia a imagem da face miraculosamente impressa no tecido. Estudiosos modernos acreditam que o nome “Verônica” é derivado do latim vera e do grego eikon, significando “a verdadeira imagem“. O nome e a ideia são um tanto suspeitos, uma vez que a Igreja Católica Romana não reconhece uma santa chamada Verônica e muito menos dá o devido valor à Maria Madalena.[tendo a transformado numa prostituta] Apesar desta negação de beatificação, o “manto original” pode ser encontrado na Basílica de São Pedro na Cidade do Vaticano.

“Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento?” Provérbios 1:22

Isabel Piczek, uma artista que tem estudado o Sudário de Turim e que provou que este não poderia ser uma pintura, esteve numa visita não oficial para ver a Verônica na Basílica de São Pedro. Ela descreveu esta experiência ao pesquisador do Sudário, Ian Wilson:

Sobre ele estava um pedaço de tafetá colorido do tamanho de uma cabeça, do mesmo tipo do sudário, levemente acastanhado. Ele não parecia estar remendado, apenas uma mancha de cor ferrugem acastanhada. Parecia um pouco desigual, exceto por algumas descolorações trançadas… Mesmo com a melhor das imaginações, você não é capaz de deslumbrar qualquer rosto ou imagem dele, nem mesmo a mais leve sugestão disto.

Estávamos cientes que esta antes inexpressiva relíquia “sagrada”, ou a ideia por trás dela, possa ser anterior ao advento do Sudário, mas não era certamente logo após as exibições públicas do Sudário de Turim em Lirey que a popularidade de uma imagem do rosto sagrado cresceu. O Padre Thurston, um historiador católico, categoricamente estabelece que a lenda da Verônica, como apresentada na atual Estações da Via Dolorosa, não pode ser datada de antes do final do século XIV. Tal datação significaria que a lenda surgiu após a primeira exibição pública do Sudário de Turim em 1357.

A cabeça de Cristo tem sempre sido representada nos ícones como tendo longos cabelos repartidos ao meio e com uma barba espessa e quando um pedaço de tecido surgiu com tal representação poderia ter difundido a ideia de uma “Verônica”.

A coluna seguinte em Rosslyn possui uma cena igualmente pequena que mostra uma pessoa sendo crucificada, mas estranhamente, uma vez mais a “cabeça foi removida” [representação de domínio do EGO, “crucificado à vontade da ALMA]. Os únicos danos aparentemente deliberados que nós conhecemos na edificação são as das cabeças portando o rosto no tecido e da pessoa crucificada. É como se alguém sentisse a necessidade de ocultar a identidade por detrás destas imagens. Nós imaginamos se a pessoa que encobriu o pilar de Jachin com gesso também removeu as cabeças dessas figuras chaves?.

Se estes eram uma simples Verôónica e uma representação padrão de Jesus na cruz, não haveria necessidade de desfigurar os principais rostos.

A figura crucificada não está pregada numa ideia normal da cruz católica, onde a parte superior continuava afim da trave horizontal, mas numa cruz na forma de um Tau grego que possuí a forma de um T atual. As representações católicas medievais frequentemente mostram uma segunda trave representando a placa que com zombaria, proclamava Jesus como sendo o Rei dos Judeus – mas nunca mostra uma cruz Tau.

Tau” [ τ ] é a décima nona letra do alfabeto grego e tem similar no alfabeto hebraico com o Tav -[ ת ] e, como a letra grega “OmegaΩ, representa o fim, especialmente a vida. É também verdade que a maioria das crucificações romanas eram feitas em estruturas com este formato, mas nenhum construtor do século XV teria condições de saber isto. Parece que o criador desta pequena gravação ou era muito bem informado a respeito da metodologia das crucificações romanas ou estava deliberadamente utilizando a simbologia judaica para a morte. A

quando da pesquisa para o nosso livro anterior, nós tinhamos trabalhado com a ideia de que a imagem do Sudário de Turim poderia ser a do último Grão-Mestre dos Templários e, se as nossas suspeitas de que o Sudário de Turim é a imagem de Jacques de Molay estiver correta, nós poderíamos esperar que William St Clair estivesse atento a este fato, uma vez que a sua família esteve intimamente envolvida com os Templários que tinham fugido para a Escócia em 1.307 após a perseguição de Felipe, o Belo, rei de França e a queda da Ordem – mas por que é que ele está representado desta forma? Talvez o Sudário seja muito mais importante do que tínhamos pensado.

O corpo governante da maçonaria Inglesa e Gaulesa, a Grande Loja Unida da Inglaterra, é enfático sobre o fato de nada ser conhecido ao certo sobre a história da organização anterior à fundação da Grande Loja de Londres em 1717, quatrocentos anos após o fim dos Templários [apenas na França]. Tem sido crítico para nós sugerir que há uma história a ser descoberta para aqueles que escolheram procurar, e aqui, em Rosslyn, nós possuíamos provas positivas de que os rituais maçónicos são apenas cópias dos rituais e da simbologia dos Cavaleiros Templários [com a perda do seu significado e sabedoria ao desprezar o Sagrado Feminino]

Conclusão

Parece que os Cavaleiros Templários conheciam o que estavam à procura quando iniciaram sua escavação de nove anos nos subterrâneos do segundo Templo de Jerusalém e o seu voto de obediência fortemente sugere que outros estavam envolvidos por detrás disto tudo.

Rosslyn não é uma cópia deliberada das ruínas do Templo de Herodes com um projeto que é inspirado na visão de Ezequiel da nova “Jerusalém Celeste”. As pistas para a compreensão da simbologia existente na edificação de Rosslyn Chapel estavam colocadas dentro do então secreto conhecimento da CHAVE que abre à sabedoria gravada existente nas pedras da capela escocesa. William St Clair utilizou este método de ocultação de segredos ocultos para nos contar que a edificação é “uma chave para se obter um tesouro” e “um lugar onde algo precioso está oculto“, ou onde “a própria coisa preciosa“ esta oculta aos olhos dos ignorantes.

A grande parede ocidental de Rosslyn pode ser conclusivamente encarada como uma reconstrução de parte do Templo de Herodes, e o nome “Roslin” possui o surpreendente significado “o antigo conhecimento passado ao longo de gerações“, quando compreendido a partir do gaélico. A razão para este nome não está clara, mas Henri St Clair de Roslin era excepcionalmente íntimo de Hugues de Payen, o líder dos primeiros Templários e fundador da Ordem.

Tradução livre de Texto de Dr. Robert Lomas e Christopher Knight


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda mantem o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


A regra dessa ordem da Cavalaria de  monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo ad gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. –  Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.