browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

OVNIs, Greys e Reptilianos na África: abduções aliens pela visão de um xamã zulu, Credo Mutwa

Posted by on 29/10/2021

O sangoma Zulu (um xamã / curandeiro) e alto sanusi (clarividente e mestre da tradição zulu) Vusamazulu Credo MutwaNota do editor: Credo Mutwa faleceu em 25 de março de 2020, aos 99 anos de idade ) é reconhecido por muitos como um dos mais ilustres dos tradicionais curandeiros dos povos africanos. Ele é, de fato, o líder espiritual dos sanusis e sangomas da África do Sul. Além de ser um sangoma africano, ele também é um artista, escritor e historiador de sucesso, Mutwa também é uma vítima declarada de abdução alienígena, tendo supostamente estado em contato com entidades que seu povo chama de mantindano (‘os algozes’), que são semelhantes em natureza ao que nós no mundo ocidental chamamos de ‘os cinzas [GREYS]’. Histórias de OVNIs, abduções e seres alienígenas constituem uma grande parte da cultura tribal de todos os povos africanos, segundo ele.

OVNIs, Greys e Reptilianos na África: abduções aliens pela visão de um xamã zulu, Credo Mutwa

Fonte: New Dawn Magazine

Despertador dos Zulus

Mutwa nasceu em 21 de julho de 1921 na província sul-africana de Natal. O nome do título Vusamazulu significa ‘despertador dos Zulus’, e foi nomeado para Mutwa durante sua iniciação como um xamã / curandeiro sangoma. Mutwa significa ‘pequeno homem do mato’ e Credo significa ‘eu acredito’. Nascido fora do casamento, Mutwa era considerado “um filho ilegítimo, um filho da vergonha”. Como sua mãe, que descendia de uma longa linhagem de curandeiras e curandeiros, se recusou a se converter ao cristianismo, os pais de Mutwa se separaram logo após seu nascimento. Assim, ele foi criado principalmente por seu pai católico romano, que freqüentemente viajava de um lugar para outro, trabalhando como construtor.

Mutwa afirma que muito do conhecimento que possui – de arte, ciência, medicina, engenharia e assim por diante – pode ser atribuído ao fato de que, quando era criança, foi ensinado por “companheiros estranhos”. Esses “pequenos”, diz ele, alguns dos quais eram da cor azul, costumavam fazer sua presença conhecida também para outras crianças das tribos africanas. Na verdade, “todas as crianças africanas costumavam ver essas coisas”. Graças à ajuda desses seres, diz ele, muitas vezes ele tinha mais conhecimento do que alguns de seus professores na escola.

Quando, em 1937, Mutwa foi brutalmente estuprado por uma gangue de mineiros do lado de fora de uma mina, ele passou por “um grande choque e trauma”, permanecendo doente por um longo tempo. Desenvolveu um quadro febril, acompanhado de pesadelos e visões, que lhe causaram grande dor e debilitação e que, diz ele, quase o matou. Isso também fez com que ele se tornasse altamente psíquico e às vezes ele era capaz de ler as mentes das pessoas ao seu redor, bem como perceber suas auras. O tratamento que recebeu de médicos europeus e curandeiros católicos não ajudou em nada na sua cura.

Pouco depois, Mutwa foi levado para a aldeia de sua mãe em Zululand, onde seu avô, Ziko Shezi, um sangoma e guerreiro – “a quem meu pai desprezava como um pagão e adorador de demônios” – o trouxe de volta à saúde usando métodos tradicionais africanos de cura. Mutwa foi informado por seu avô que a doença que ele havia sofrido “na verdade era uma doença sagrada que exigia que eu me tornasse um xamã, um curador”. Mutwa concordou e, tendo renunciado aos dogmas do catolicismo romano, foi iniciado no caminho xamânico por sua tia Myrna, uma  sangoma completa. A ‘doença espiritual’ de Mutwa fazia parte do processo iniciático de se tornar um xamã e é um aspecto comum das tradições xamânicas em todo o mundo.

Infelizmente, quando seu pai e sua madrasta souberam que ele havia se tornado um ‘pagão’, eles imediatamente o deserdaram, dizendo-lhe “para nunca mais por os pés em sua casa”. Praticamente sozinho e sem teto, Mutwa começou a viajar por toda a África “em busca de conhecimento, em busca de clareza de espírito e em busca da verdade sobre o meu povo”. Ele viajou por todo a África, conhecendo e estudando com vários curandeiros tradicionais. Seu primeiro destino foi a Suazilândia. Ele depois se dirigiu a Moçambique e, mais tarde, à Rodésia (agora chamada de Zimbábue). No final desta jornada iniciática de descoberta e despertar não apenas física, mas espiritual, ele percebeu o propósito de sua vida – ajudar a preservar a cultura de seu povo e ajudar a consertar os problemas em seu país, de drogas, desemprego, crime, doença e pobreza. O primeiro livro de Mutwa, Indaba, My Children: African Folk Tales, foi publicado em 1964 e é considerado um clássico da literatura africana. Seus outros trabalhos incluem: Africa Is My Witness (1966), My People, My África (1971), Let Not My Country Die (1986) e Zulu Shaman: Dreams, Prophecies and Mysteries (1996).

Credo é um pensador cósmico, Mutwa afirma que muitas das dificuldades da humanidade podem ser explicadas pela influência negativa de seres extraterrestres manipuladores, particularmente os mantindanos , que “compartilham a Terra conosco. Eles precisam de nós. Eles nos usam. Eles colhem coisas de nós. ”Já era hora, diz ele, de reconhecermos a presença alienígena neste planeta. Estamos sendo vigiados, estamos sendo explorados e investigados, e estamos sendo controlados, e ainda há aqueles entre nós que se recusam a aceitar esse fato”, ele explica em seu livro Zulu Shaman .

Um mundo controlado e governado por alienígenas

O falecido grande John E. Mack está entre um dos primeiros pesquisadores de OVNIs no Ocidente a entrevistar Credo Mutwa. Ele também foi entrevistado pelo pesquisador UFO australiano Bill Chalker, o autor e historiador judeu russo Zecharia Sitchin, bem como o polêmico teórico da conspiração David Icke, que uma vez o chamou de “o homem mais incrível e sábio que tive o privilégio e a honra de chamar de amigo, um gênio”. Supostamente, muitas das especulações de Icke sobre ‘alienígenas reptilianos que mudam de aparência [fenômeno conhecido como Shapeshifting]’ – que ele acredita serem os verdadeiros governantes deste planeta – foram confirmadas por Mutwa. De acordo com Mutwa, quando ele fala sobre extraterrestres e outros tópicos dessa natureza, ele muitas vezes se sente “preso entre, por um lado, entre o [tosco e dogmático] pensamento ocidental, incluindo a religião católica, e o pensamento africano, que aceita essas coisas sem questionar”, com base na experiência dos povos africanos ao longo de sua história.

Mack conheceu Mutwa em 1994, durante uma curta viagem à África do Sul, cujo objetivo principal era investigar o incidente da Escola Ariel no Zimbábue. “Credo parecia uma figura nobre, até mesmo régia, com suas vestes coloridas e adornos de metal pesado do sangoma, que pareciam como se devessem pesar sobre ele”, escreve Mack em seu livro Passport to the CosmosHuman Transformation and Alien Encounters. Durante a entrevista, Mutwa falou muito sobre suas experiências traumáticas de abdução alienígena – experiências que Mack, um especialista de renome mundial no assunto, achou difícil não levar a sério.

Mutwa vê o mundo como um lugar misterioso e assustador, um planeta e sua ignorante e manipulada humanidade controlados por forças alienígenas que possuem muito mais conhecimento do que – e são intelectual e tecnologicamente superiores à – humanidade. Alguns desses seres, diz ele, são sábios, benevolentes e desejam nos ajudar. Mas o mesmo não pode ser dito dos mantindanos, que são tão egoístas, insensíveis, cruéis e famintos de poder quanto os próprios humanos. Eles preservam a humanidade, diz ele, para proteger seus próprios interesses, porque são “obcecados pela autopreservação … Esse desejo de brincar de Deus sobre os seres inferiores está conosco e com eles. Em todo o cosmos, o vício é [SEMPRE] o mesmo”.

Relacionado: Credo Mutwa, os Zulus e os Reptilianos e Greys na África (1)

Alguns desses seres, diz Mutwa, têm influenciado secreta e profundamente todas as culturas e civilizações humanas por milênios. Eles ajudaram em nossa evolução e nos ajudaram a sobreviver, fornecendo-nos conhecimentos – de ciência, agricultura, medicina, e assim por diante. “Por toda a África, somos informados de que esses seres misteriosos ensinaram muitas coisas aos seres humanos”, escreve Mutwa. “Eles ensinaram aos seres humanos como ter leis, conhecimento da medicina fitoterápica, conhecimento das artes e conhecimento dos mistérios da criação e do cosmos como um todo”.

Alguns deles – o mantindano em particular – são “parte da Terra” e não devem ser considerados estrangeiros. “Nós e os mantindanos somos a mesma raça estúpida”, diz Mutwa. “Longe de essas criaturas serem alienígenas, elas são nossos futuros descendentes. Eu estou certo disso“. De todos os diferentes tipos de seres alienígenas que estiveram em contato com a humanidade, os mantindanos são aparentemente os mais importantes para os africanos, que os temem muito. Mutwa descreveu essas entidades para Mack como problemáticas e “parasitas”, alegando que elas “instilam superstição, semeiam discórdia e podem até causar doenças”.

Uma vida difícil

Dado o fato de que ele levou uma vida tão difícil, talvez não seja surpreendente que a visão de mundo de Mutwa seja menos do que otimista. Ao longo dos anos, ele foi vítima de violência em várias ocasiões e perdeu muitos entes queridos. Em 1960, sua noiva foi morta a tiros quando a polícia sul-africana disparou contra uma multidão de pessoas às quais ela pertencia. Além disso, seu filho primogênito foi esfaqueado até a morte por um grupo de ativistas negros, “assassinando pessoas sob a bandeira do movimento democrático de massas”.

Durante os motins de Soweto de 16 de junho de 1976, Mutwa foi atacado por um grupo de bandidos que o esfaquearam várias vezes. “Eu podia sentir as facas entrando em meu corpo”, diz ele. “Aconteceu então o que sempre me ajuda. Eu me dividi em dois, e assim escapei da dor”. Olhando para baixo, ele viu seu próprio corpo, uma “bagunça ensanguentada que se parecia comigo”. Ele foi aparentemente declarado clinicamente morto. Em outra ocasião, Mutwa quase foi queimado vivo quando um grupo de bandidos o mergulhou em gasolina. Na África, acredita-se que, quando uma pessoa é morta dessa maneira, sua alma é destruída junto com seu corpo, impedindo-a de reencarnar. Mutwa se lembra desse incidente como uma das poucas vezes em sua vida em que se sentiu genuinamente apavorado.

Embora essas experiências devam ter sido incrivelmente traumáticas, nada se compara ao episódio de abdução alienígena de Mutwa em 1958 – assumindo que realmente aconteceu, é claro. O incidente foi detalhado em vários livros, incluindo Passport to the Cosmos , Hair of the Alien de Bill Chalker (2005) e o semiautobiográfico  Zulu Shaman: Dreams, Prophecies and Mysteries de Mutwa (também conhecido pelo título Song of the Stars ).

Abduzido pelo “deus das montanhas”

Tudo começou no mato, na sagrada Montanha Nyangani no Zimbábue, enquanto Mutwa, na época um aprendiz de sangoma , procurava um tipo específico de erva, que planejava usar como remédio. De repente, a temperatura caiu, diz Mutwa, embora fosse um dia muito quente. Ele foi então engolfado por uma névoa azul brilhante, que, ele diz, “estava girando ao meu redor, ficando entre mim e a paisagem local”. Um momento depois, ele se encontrou no que parecia ser um túnel de mineração revestido de metal prateado acinzentado.

A região do Monte Nyangani e os pontos (assinalados) da missão entre o pouso e o combate, o percurso é de cerca de 7.5 km. O Monte Nyangani é a montanha mais alta do Zimbábue, com 2.592 m (8.504 pés). A montanha está localizada dentro do Parque Nacional Nyanga, no distrito de Nyanga, a cerca de 110 km (68 milhas) a noroeste de Mutare. O cume fica no topo de um pequeno afloramento rochoso a cerca de 40 m acima da área circundante. O restante do pico é um amplo pântano de colinas e planaltos, com uma área de cerca de 8 km2. As bordas desse planalto caem abruptamente para os lados leste e oeste. A vegetação da montanha é composta em grande parte de charnecas ao redor do planalto com florestas sempre verdes ao longo das encostas mais úmidas do leste e pastagens para o lado ocidental.

{Excerto do post: A guerra que ninguém vê (ouve ou sabe)! Combate com reptilianos no Zimbábue [Monte Nyangani], um impressionante relato de um militar brasileiro em missão de forças especiais multinacional (secreta e integrada por militares de 43 países para enfrentar extraterrestres EM QUALQUER ponto da Terra) em plena África, na montanha Nyangani, no Zimbábue, onde o seu grupo de militares membros de forças especiais se deparou com enormes seres reptilianos dentro de uma caverna onde eles estavam:

“As criaturas estavam meio que sentadas, uma delas em pé com movimentos similares a um suricato, observando ao redor enquanto os outros dois mutilavam alguns corpos de animais e de guerrilheiros que eles haviam matado horas antes. Percebemos através de visão infravermelha, que eles colocavam os órgãos internos dentro de recipientes cilíndricos similares a potes de alumínio escuro que se encaixavam um nos outros… Eles tinham algo em torno de 2.5 metros de altura – apesar de não ficarem eretos, sempre ficando meio curvados – tinham pele escamosa de cor meio amarelada com as partes do lombo das costas um tom esverdeado, cabeça grande, com várias pequenas pontas, olhos amarelados, tipo olho de réptil, com a íris vertical, braços e pernas fortes, com mãos longas com quatro dedos afilados. Fim de citação}

A próxima coisa que ele percebeu, é que ele estava deitado em uma mesa de algum tipo. Suas botas e calças estavam faltando. Ele foi abordado por um grupo de criaturas de pele cinza, com “cabeças muito grandes, braços muito finos e pernas muito finas”. Ele queria fugir, mas não conseguia se mover, pois seus braços e pernas estavam paralisados. “Eu simplesmente fiquei lá como uma cabra em um altar de sacrifício.” Em uma inspeção mais próxima, ele notou que as criaturas eram baixas, “mais ou menos do tamanho de um Pigmeu Africano”. Eles pareciam, diz ele, idênticos em aparência aos ‘alienígenas cinzentos’ (ou Greys) comumente relatados por abduzidos na América e em outros países ocidentais.

Mutwa percebeu que o que pareciam ser os olhos das criaturas eram, na verdade, tampas pretas como óculos de proteção. Seus olhos ‘reais’ eram “redondos, com pupilas retas, como as de um réptil”. Pelo menos uma das criaturas – a mais próxima a ele – tinha um odor potente e muito desagradável, “um cheiro químico de apertar a garganta, que cheirava a ovos podres e também a cobre quente [enxofre]”. Mutwa foi então submetido a algum tipo de operação na coxa esquerda, que o fez gritar de agonia. Uma abundância de sangue jorrou da ferida. Em seguida, uma das criaturas enfiou um objeto prateado em forma de caneta em sua passagem nasal direita; em seguida, puxou-a para fora. “A dor”, diz ele, “estava fora deste mundo”.

A dor diminuiu, porém, quando uma das criaturas – que era maior e mais alta do que as outras e que possuía um ar de autoridade – colocou a mão na testa de Mutwa. Mutwa podia ‘sentir’ que a criatura era mulher, apesar do fato de ‘ela’ não ter seios e outras características femininas. Encarando Mutwa atentamente, projetou visões de destruição em sua mente. Ele viu cidades da Terra sendo destruídas por inundações, incêndios e por outros desastres naturais.

Uma das criaturas empurrou um pequeno instrumento tubular preto no pênis de Mutwa. Assim que o instrumento foi retirado, a bexiga de Mutwa se abriu e ele urinou direto no peito da criatura. Em seguida, o ser “cambaleou como um inseto bêbado e saiu da sala”. Um momento depois, duas outras criaturas entraram na sala, uma das quais parecia ser um grande robô metálico. Seus olhos brilhavam, pareciam se mover e mudar de cor. A outra criatura, que estava nua, tinha pele rosada, olhos azuis, maçãs do rosto salientes e parecia “quase humana”, mas seu corpo estava inchado e estranhamente fora de proporção. Algo nele lembrava Mutwa de uma boneca, pois parecia “totalmente antinatural”.

A criatura montou Mutwa “como uma garota zulu maluca” e começou a fazer sexo com ele. Mas a experiência não foi nada agradável – muito pelo contrário, na verdade. O corpo da criatura estava frio, ossudo e sem vida, e Mutwa sentiu como se estivesse fazendo sexo com uma máquina. Para piorar as coisas, ela prendeu algo em seu pênis que o fez ejacular “demais”. Em seguida, saiu da sala, deixando Mutwa sozinho com a criatura alta e feminina. Seu pênis “estava queimando como se tivesse sido colocado em água fervente”.

Agarrando-o violentamente pela cabeça, a criatura forçou Mutwa a sair da mesa em que ele estava deitado, e ele caiu no chão, caindo de joelhos. Ele foi então conduzido rudemente de cômodo em cômodo. Uma das coisas que mais despertou seu interesse e que, segundo ele, ainda “assombra meus sonhos”, foi uma coleção de enormes objetos cilíndricos, cheios de um líquido rosa acinzentado. Eles continham “pequenas edições das criaturas alienígenas flutuando em círculos, como sapos nojentos”.

Mutwa testemunhou outros seres humanos sendo “torturados” pelos alienígenas, um dos quais era um homem branco, “cheirando a suor, urina, excremento e medo”. Quando Mutwa passou por ele, eles olharam profundamente nos olhos um do outro. Incrivelmente, Mutwa afirma ter encontrado o mesmo homem cerca de dois anos depois, enquanto fazia a entrega de pacotes na cidade de Joanesburgo. Ele estava trabalhando em uma loja de curiosidades na época. O homem perguntou a Mutwa onde ele o tinha visto antes, ao que ele respondeu: “na Rodésia [hoje o Zimbábue], em um certo lugar subterrâneo.” Como se a compreensão fosse demais para ele suportar, o homem se virou e saiu andando rapidamente pela rua.

A próxima coisa que Mutwa teve consciência foi que ele estava mais uma vez no mato. Sua mente estava confusa e levou um certo momento para perceber que algo terrivelmente errado havia acontecido. Ele sentiu uma dor na coxa esquerda, assim como no pênis, que estava começando a inchar. Ele notou, além disso, que seu short e sua calça estavam rasgados e que suas botas estavam faltando. Agarrado a seu corpo estava o fedor horrível do lugar em que estivera antes. O revestimento de sua pele estava coberto por um pó fino e cinza. Ele começou a cambalear para casa, caminhando ao longo de uma trilha no mato.

Mutwa acabou encontrando um grupo de moradores locais, que o guiaram de volta ao vilarejo, onde sua professora, a Sra. Zamoya, o informou que ele estava desaparecido há três dias. Ela acreditou na história dele imediatamente. Ela disse a ele que ele havia sido “pego pelo ‘deus’ das montanhas” e que muitas outras pessoas passaram por experiências semelhantes. Ele teve sorte de ter voltado vivo, disse ela, “porque muitas outras pessoas desapareceram naquela parte da terra para nunca mais serem vistas …”

Enquanto permanecia na aldeia para se recuperar, Mutwa tomava banho todos os dias, para lavar as pequenas gotas de sangue que continuavam a escorrer dos poros de sua pele com coceira. Ele encontrou uma marca em sua coxa esquerda, com cerca de meia polegada de diâmetro, que permanece lá até hoje. O mais desagradável de tudo, porém, é que a pele começou a descascar de seu pênis. Também desenvolveu feridas. Essa condição não foi embora completamente, diz ele, um dos motivos pelos quais sua primeira esposa o deixou. Mutwa acabou sendo levado para a ‘Missão Solace’ da Sra. Zamoya na Rodésia [Zimbábue], onde levou vários meses para se recuperar totalmente.

Os ‘deuses do Céu’

Parece que o fenômeno de abdução por alienígenas está vivo e bem na terra natal de Mutwa, assim como em muitos países ocidentais, pois ele afirma ter conhecido numerosos abduzidos como ele. Durante sua longa carreira como sangoma , Mutwa foi abordado por inúmeras mulheres africanas que insistem que foram fecundadas por mantindanos e outros seres alienígenas. Em cada caso, a gravidez foi interrompida misteriosamente, como se o feto tivesse sido roubado, retirado do útero. Porque, diz Mutwa, muitas dessas mulheres foram acusadas de cometer aborto – que, na África, é considerado um ato “pior do que homicídio” – tem sido seu trabalho “convencer a família da inocência da mulher, para tentar curar o terrível trauma espiritual e mental – bem como físico – que essas mulheres sofreram”.

De acordo com Mack em Passport to the Cosmos , muitas tribos africanas acreditam que os mantindanos e outros seres alienígenas colhem esperma e óvulos de vítimas humanas desavisadas. Os guerreiros massais, povo nômade do Quênia e Tanzania, por exemplo, temem que os mantindanos consigam drenar o sêmen de um homem, por isso vão para a batalha usando tapa-sexo para proteger seus genitais, enquanto as mulheres da tribo usam certos ornamentos para se protegerem de serem molestadas sexualmente por essas entidades.

Depois que um mantindano ataca você sexualmente”, diz Mutwa, “você fica com medo de fazer sexo com uma mulher … Esses seres deixam uma cicatriz em você para o resto da sua vida”. Por mais defeituoso que o mantindano possa ser, Mutwa aponta que eles são “parte de nós, parte de nossas vidas” e que “são movidos por uma necessidade desesperada”. Mutwa chama o mantindano de “criadores de grandes problemas”. A tecnologia deles, diz ele, pode estar “vários milhões de anos à frente da nossa”.

Quer se aceite ou não a afirmação de Mutwa de que o mantindano e outros seres alienígenas são sexualmente compatíveis com os seres humanos – ou que tais entidades realmente existem – não se pode negar que essas questões são uma grande parte da cultura tribal africana. O “povo do céu” ou “deuses do céu”, diz Mutwa, tem visitado a Terra há milhares de anos, chegando dos céus em “barcos mágicos do céu”. Os pigmeus, os bosquímanos do deserto do Kalahari, os Ovahimba da Namíbia, as tribos do Zaire e, claro, os zulus – todos eles aceitam a existência de extraterrestres e até acreditam que a humanidade descende desses seres.

As estrelas são reverenciadas pelo povo de Mutwa, que as considera mais importantes do que até mesmo o nosso sol ou a lua. A palavra ‘Zulu’, na verdade, significa ‘gente das estrelas’. É das estrelas que muito conhecimento e sabedoria se originaram, dizem eles. O povo de Botswana, explica Mack, “chama uma estrela de naledi , que significa ‘luz do espírito’, e esculpiram em madeira, pintaram em pedras ou mesmo arranharam em metal ‘os chamados OVNIs,’ os ‘veículos mágicos ‘em que os mantindanos e os deuses das estrelas das várias tribos viajaram”.

Além do mantindano um tanto sinistro e repulsivo, Mutwa fala de outra raça alienígena significativa – uma que os entusiastas de OVNIs e teóricos da conspiração no Ocidente chamam de ‘os reptilianos’“Alguns dizem que essas criaturas eram como crocodilos, com dentes e mandíbulas semelhantes a crocodilos, mas com cabeças redondas muito grandes”, diz ele. Qualquer um que leu o impressionante e erudito The Sirius Mystery (1976) de Robert Temple deve estar familiarizado com o enigma que cerca o povo Dogons de Mali, no oeste da África, nas bordas do deserto do Saara, que há séculos possui conhecimento astronômico avançado do sistema estelar de Sirius, somente descoberto pelo “erudito europeu” na década dos anos setenta, e que afirmam ter adquirido esse conhecimento, muitos milhares de anos atrás, do Nommo, uma raça de seres anfíbios avançados que vêm de Sirius (mais especificamente, Sirius A). 

Por toda a África, diz Mutwa, esses misteriosos “deuses” e aliens reptilianos também são conhecidos por outros nomes. “Na África Ocidental, na terra do povo Bumbara, esses deuses do céu anfíbios ou reptilianos são conhecidos como Zishwezi … Na África Ocidental, novamente, essas criaturas são chamadas de Asa, que significa os poderosos da magia …”

Fato ou ficção [ou ignorância do branco europeu]?

O que, então, devemos fazer com as afirmações de Mutwa? Ele foi realmente abduzido por seres alienígenas? Ou sua história foi uma invenção – total ou parcialmente? E o que dizer das crenças de seu povo de que somos “descendentes de deuses que vieram dos céus há milhares de anos” e que esses seres “compartilham a terra conosco” e nos exploram e nos controlam? Essas informações devem ser interpretadas literalmente?

De acordo com Mack e Chalker, que investigaram profundamente a história de Credo Mutwa, essas perguntas são difíceis de responder com um simples sim ou não. A verdade pode estar em algum lugar no meio, dizem eles. No Passaporte para o Cosmos , Mack aponta que Mutwa e outros povos indígenas com quem ele discutiu o fenômeno OVNI e outros assuntos relacionados, “não distinguem nitidamente a realidade material ou literal das verdades míticas.” Ele acrescenta, além disso, que certas idéias de Mutwa, “como o papel dominante do mantindano e de outros seres extraterrestres ou estrelas na história cultural humana, parecem relacionadas a mitos e lendas tribais”. Chalker é da mesma opinião que Mack.  ‘Material oral’ como o de Credo é muito difícil de julgar”, diz ele.

Dado o tipo de vida que ele leva, é um milagre que Mutwa ainda esteja vivo até hoje. Agora com 86 anos ou mais e sofrendo de diabetes e asma, sua saúde continua piorando rapidamente e é justo presumir que ele provavelmente não viverá por muito mais tempo. Ele afirma que o ‘conhecimento estranho’ que ele divulgou nos últimos anos, que uma vez prometeu nunca revelar, era para ser reservado apenas para iniciados de sangomas como ele. 

Mas ele decidiu ‘quebrar fileiras’ e ‘revelar tudo’, entretanto, porque ele não tinha um sucessor para quem pudesse passar seu conhecimento único e sagrado – conhecimento que ele adquiriu durante toda uma vida inteira de iniciações, vivencias pessoais e muito trauma. Além disso, ele insiste, essa informação é muito importante para ser omitida da humanidade e é necessária neste momento de grande crise e TRANSFORMAÇÃO global.

Este artigo foi publicado originalmente, de uma forma substancialmente diferente, na edição de maio de 2008 da FATE (vol. 61, no.5, edição 697), sob o título ‘Vusamazulu Credo Mutwa e a Agenda Alienígena’.


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Merkabah, o “Corpo de Luz”

Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.