browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Paradigma do Bloqueio Generalizado Está Desmoronando

Posted by on 21/04/2021

Demorou muito mais do que deveria, mas finalmente parece que está acontecendo: o paradigma do bloqueio generalizado e seus acessórios, uso de focinheiras, distanciamento social, etc…está entrando em colapso. Os sinais estão ao nosso redor. O antigo herói do bloqueio, o governador de Nova York [o palhaço] Andrew Cuomo, viu seu apoio cair de 71% para 38% , junto com cada vez mais exigências para que renuncie devido ao acúmulo de acusações de assédio sexual de suas funcionárias. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Paradigma do Bloqueio Está Desmoronando

Fonte:  AIER – American Institute for Economic Research

O “Dr Fauci”

Enquanto isso, as pesquisas começaram a favorecer o governador da Flórida e oponente do bloqueio, Ron DeSantis, por sua influência sobre o Partido Republicano no futuro. Essa notável reviravolta na sorte deve-se à compreensão inicial de que os bloqueios foram uma política desastrosa. DeSantis e sua colega governadora anti-lockdown, Kristi Noem, são os primeiros a dizer a verdade sem rodeios. Sua honestidade conquistou credibilidade para ambos.

Enquanto isso, em audiências no Congresso, o Representante James Jordan (R-OH) exigiu que o Dr. Fauci explicasse por que o estado do Michigan fechado tem pior prevalência da doença do que o vizinho Wisconsin, que há muito tempo está aberto. Fauci fingiu que não conseguia ouvir a pergunta, não conseguia ver o gráfico e depois não entendeu. Finalmente, ele apenas ficou sentado em silêncio depois de ter proferido algumas banalidades sobre diferenciais de aplicação.

Os lockdowners agora estão lidando com o enorme problema que passou a ser o estado do Texas. Está totalmente aberto sem restrições há 6 semanas. Casos e mortes caíram drasticamente no mesmo período. Dr. Fauci não tem resposta. Ou compare a Califórnia fechada com a Flórida aberta: taxas de mortalidade semelhantes. Temos uma gama completa de experiências nos EUA que permitem comparações entre resultados abertos e fechados e doenças. Não há relacionamento.

Ou você poderia olhar para Taiwan, que não tinha restrições para governar seus 23,5 milhões de habitantes. Mortes de Covid-19 até agora: APENAS 11. A Suécia, que permaneceu aberta, teve um desempenho melhor do que a maioria dos países da Europa.

O problema é que a presença ou ausência de bloqueios na face do vírus parece completamente não correlacionada com qualquer trajetória da doença. A AIER reuniu 33 estudos de caso de todo o mundo mostrando que isso é verdade.

Por que isso deveria importar? Porque os “cientistas” que recomendaram bloqueios haviam postulado de maneira muito precisa e incisiva que haviam encontrado a maneira de controlar o vírus e minimizar os resultados negativos. Sabemos com certeza que os bloqueios impuseram danos colaterais surpreendentes. O que não vemos é qualquer relação entre bloqueios e desfechos de doenças.

Isso é devastador porque os “cientistas e especialista [tipo o Dr. Fauci] que promoveram os bloqueios fizeram previsões específicas e falsificáveis. Este foi provavelmente o maior erro deles. Ao fazer isso, eles estabeleceram e submeteram um teste de sua teoria. Sua teoria falhou. Esse é o tipo de momento que provoca o colapso de um paradigma científico, conforme explicado por Thomas Kuhn em The Structure of Scientific Revolutions (1962).

Um bom exemplo de situação semelhante pode ser a economia soviética sob Nikita Khrushchev. Ele chegou ao poder com a promessa de que faria a economia da Rússia sob o comunismo ter um desempenho melhor do que os Estados Unidos. Essa foi a essência de sua famosa promessa “Nós vamos enterrar você.” Ele quis dizer que a Rússia superaria a América em produção.

Isso não aconteceu. Ele falhou e a teoria que ele defendeu falhou junto, e sabemos o que aconteceu.  E assim começou a lenta desintegração da teoria e prática comunistas. Khrushchev já havia repudiado o estado de terror stalinista, mas nunca teve a intenção de presidir ao lento fim de todo o experimento soviético de planejamento central. Ao estabelecer um teste que poderia falsificar sua promessa, ele condenou todo um sistema ao repúdio intelectual e eventual colapso.

A teoria e a prática do lockdownismo podem estar indo na mesma direção, o abismo.

Na reconstrução da história da ciência por Kuhn, ele argumentou que o progresso na ciência ocorre não de forma linear, mas episodicamente, à medida que novas ortodoxias surgem, são codificadas e então entram em colapso sob o peso de muitas anomalias.

O padrão é assim. Existe uma ciência normal impulsionada pela solução e experimentação de quebra-cabeças. Quando uma teoria parece capturar a maioria das informações conhecidas, surge uma nova ortodoxia – um paradigma. Com o tempo, muitas informações novas parecem contradizer o que a teoria poderia prever ou explicar. Assim emerge a crise e o colapso do paradigma. Entramos em uma era pré-paradigmática quando o ciclo recomeça.

Pelo que se pode dizer, a ideia de travar e fechar tudo [lockdowns] ao se deparar com um novo vírus surgiu nos Estados Unidos e no Reino Unido por volta de 2005-2006. Tudo começou com um pequeno grupo de fanáticos que discordavam da saúde pública tradicional. Eles postularam que poderiam controlar um vírus ditando o comportamento das pessoas: quão próximos eles ficavam um do outro, para onde viajavam, quais eventos participavam, onde se sentavam e por quanto tempo.

Eles promoveram a ideia de fechamentos e restrições, que eles rotularam de “intervenções não farmacêuticas” por meio de “contenção em camadas direcionada”. O que eles propuseram era medieval na prática, mas com um verniz de ciência da computação e epidemiologia.

Quando a ideia foi lançada pela primeira vez, foi recebida com feroz oposição . Com o tempo, o paradigma de bloqueio fez progresso, com financiamento da Fundação Bill & Melinda Gates e mais recrutas dentro da academia e burocracias de saúde pública. Houve jornais e conferências.  Diretrizes em nível nacional começaram a aceitar a ideia de fechamento de escolas e empresas e uma invocação mais ampla do poder de quarentena. Demorou 10 anos, mas eventualmente a heresia se tornou uma quase ortodoxia.

Eles ocuparam posições de poder suficientes para que pudessem testar sua teoria sobre um novo patógeno que surgiu 15 anos depois que a ideia de bloqueio foi lançada pela primeira vez, enquanto a epidemiologia tradicional acabou sendo marginalizada, gradualmente no início e depois de uma vez.

Kuhn explica como uma nova ortodoxia substitui gradualmente a antiga:

Quando, no desenvolvimento de uma ciência natural, um indivíduo ou grupo produz pela primeira vez uma síntese capaz de atrair a maioria dos praticantes da próxima geração, as escolas mais antigas desaparecem gradualmente. Em parte, seu desaparecimento é causado pela conversão de seus membros ao novo paradigma. Mas sempre há alguns homens que se apegam a um ou outro dos pontos de vista mais antigos e são simplesmente excluídos da profissão, que depois disso ignora seu trabalho. O novo paradigma implica uma definição nova e mais rígida do campo.  Aqueles que não desejam ou são incapazes de acomodar seu trabalho devem prosseguir isoladamente ou se vincular a algum outro grupo. 

Essa é uma boa descrição de como a ideologia do bloqueio triunfou. Existem muitas teorias de conspiração por aí a respeito do motivo dos bloqueios. Muitos deles contêm grãos de verdade. Mas não precisamos recorrer a eles para entender por que aconteceu. Aconteceu porque as pessoas que acreditavam neles se tornaram dominantes no mundo das ideias, ou pelo menos proeminentes o suficiente para anular e banir os princípios tradicionais da saúde pública. Os bloqueios foram impulsionados principalmente pela ideologia do bloqueio . Os adeptos dessa estranha nova ideologia cresceram a tal ponto que foram capazes de levar sua agenda à frente dos princípios testados pelo tempo.

É uma bênção para essa ideologia ter vindo com uma promessa embutida. Eles alcançariam melhores resultados de doenças do que as práticas tradicionais de saúde pública, eles disseram.  Essa promessa acabará sendo sua ruína, por uma razão simples: eles não funcionaram. Kuhn escreve que, na história da ciência, isso é o prelúdio de uma crise devido ao “fracasso persistente dos quebra-cabeças da ciência normal em saírem como deveriam. O fracasso das regras existentes é o prelúdio para uma busca por novas regras”.  Além disso: “A importância das crises é a indicação que elas fornecem de que chegou uma ocasião para uma reformulação”.

O silêncio do Dr. Fauci nas audiências do Congresso é revelador. Sua disposição apenas de ser entrevistado por bajuladores âncoras de TV da grande mídia também é. Muitos dos outros lockdowners que eram públicos e se exibiam há um ano ficaram em silêncio, enviando cada vez menos tweets e conteúdo cada vez mais sub-reptício do que certo. A crise para a falsa ciência do lockdownismo pode não estar sobre nós agora, mas está chegando.

Kuhn fala do período pós-crise da ciência como um tempo para o surgimento de um novo paradigma, primeiro nascente e depois se tornando canônico com o tempo. O que substituirá a ideologia de bloqueio? Podemos esperar que seja a compreensão de que os antigos princípios da saúde pública nos serviram bem, assim como os princípios morais, éticos e legais dos direitos humanos e as restrições aos poderes do governo.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]

Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.