browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Parque de “diversões” Brasil, montanha russa ladeira abaixo e sem freios

Posted by on 06/09/2017

De uma montanha de dinheiro para a montanha-russa de escândalos em Brasília. Nem se digeriu a reviravolta no caso JBS e um ex-homem (ex ministro) forte de Temer protagoniza episódio de apreensão milionária de dinheiro vivo. 

“A impressão que dá é que é uma montanha russa (do PARQUE de DIVERSÕES BRASIL) que só tem queda livre”, disse o procurador-geral, Rodrigo Janot.

 Edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Uma montanha de dinheiro para a montanha-russa de escândalos em Brasília

Afonso Benites – Brasília 

Rodrigo Janot presidiu nesta terça-feira (05/09 sua última sessão como presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal. Lá pelas tantas, enquanto fazia uma simples contagem de votos dos dez conselheiros, o procurador-geral da República errou o cálculo e disse: “Hoje estou meio bagunçado”.

Ainda impactado pela reviravolta no caso da delação da JBS, que o levou a revisar o ato mais importante e polêmico de seu mandato e colocar sob suspeita um ex-assessor direto nesta segunda-feira, ele ainda confidenciou que não agia por coragem, mas por medo:

“Medo de quê? De errar muito e decepcionar as instituições. As questões que enfrentei, enfrentei por medo de errar, de me omitir, de decepcionar minha instituição mais do que por coragem de enfrentar os desafios”. E seguiu: “Esse final [de mandato] tem sido uma montanha-russa porque as surpresas se repetem, as surpresas se mostram e a impressão que dá é que é uma montanha russa que só tem queda livre.”

A imagem de montanha-russa usada por Janot não cabe só para o procurador-geral. Janot corre o risco de fechar seus quatro anos à frente do Ministério Público Federal com a anulação do maior acordo de delação premiada feito até agora no Brasil, mas o tema teve de disputar as manchetes da imprensa nesta terça-feira, num termômetro da agitação que tomou conta de Brasília. O sobe e desce atingiu outros protagonistas nacionais, como o presidente Michel Temer (PMDB).

Temer, por exemplo,  mal comemorou o revés de seu inimigo da Procuradoria-geral. Viu horas depois a Polícia Federal descobrir que um de seus principais aliados e correligionários, o ex-ministro Geddel Vieira Lima, tinha um bunker onde escondia $ 51 milhões de reais em dinheiro vivo – até o fim da tarde desta terça-feira, sete máquinas de contagem de dinheiro trabalhavam sem parar para registrar quanto havia nas nove malas e sete caixas de notas de 50 e 100 reais apreendidas em Salvador.

Nem mesmo o PT na atual oposição pode desfrutar da ciranda de escândalos nesta terça-feira. Acelerando os trabalhos antes do fim do mandato em 17 de setembro, nesta mesma terça-feira, Janot ainda denunciou no Supremo Tribunal Federal por organização criminosa oito políticos petistas, incluindo  os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, a senadora Gleisi Hoffmann, presidenta do PT, o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, e os ex-ministros Antonio Palocci, Paulo Bernardo, Edinho Silva e Guido Mantega.

“Pelo menos desde meados de 2002 até 12 de maio de 2016, os denunciados, integraram e estruturaram uma organização criminosa com atuação durante o período em que Lula e Dilma Rousseff sucessivamente ‘titularizaram’ a Presidência da República, para cometimento de uma miríade de delitos, em especial contra a administração pública em geral”.

A suspeita é que o grupo dos petistas tenha recebido propinas no valor de (pasmem) R$ 1,485 bilhão de reais, por meio da utilização de órgãos públicos como a Petrobras, o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) e o Ministério do Planejamento.

Janot sob pressão

A altíssima tensão seguirá nos próximos dias, mas o certo é que Janot, atingido, não deve sair do sobe e desce e deve ver crescer os questionamentos políticos a suas denúncias seja contra quem for. Outro de seus desafetos públicos, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, já deixou claro que não haverá trégua até o dia 17: “Essa é a maior tragédia que já aconteceu na Procuradoria-Geral da República”, disse ao comentar a revisão da delação da JBS em entrevista distribuída por sua assessoria de imprensa.

Tido até agora como um dos expoentes do fim da impunidade dos bandidos de colarinho branco, com frases de efeito que marcaram sua atuação (“pau que dá em Chico, dá em Francisco”, “enquanto houver bambu, vai ter flecha”), os críticos dizem que Janot se tornou alvo da pressa em concluir (“seletivamente”) uma das maiores investigações já feitas contra a corrupção no mundo e teve de admitir em público que nem um dos seus auxiliares diretos estava acima de suspeitas.

O procurador-geral e sua equipe acabaram (ah o EGO, sempre ele…) enganados por um grupo de executivos da JBS que não temia corromper agentes públicos – delataram 1.829 políticos dos baixíssimos cleros municipais à cúpula nacional de vários partidos. Ao contrário, Joesley e seus subordinados ostentavam seus feitos com a maior naturalidade. Sua única preocupação era a de como evitar a prisão e como contaria suas “traquinagens” para a sua mulher, a jornalista e apresentadora Ticiana Villas Boas. Até agora, conseguiram fugir das celas, apesar de o grupo ser investigado em cinco operações policiais.

Ao se aproximarem de dois procuradores da República (Ângelo Goulart Vilela, que acabou preso, e Marcelo Miller, agora alvo de investigação), os executivos da JBS viam a possibilidade de se proteger. Propositalmente, colocaram um deles, Vilela, na bandeja para ser devorado pelos ansiosos investigadores. O outro, Miller, tentavam blindar garantindo o futuro do ex-procurador como contratado de um dos escritórios de advocacia que atendia ao grupo.

Os pretensos grampeadores profissionais se tornaram vítimas de seus próprios gravadores. Quando Joesley Batista, dono da JBS, e Ricardo Saud, ex-diretor, entregaram a gravação ao Ministério Público Federal, parte das exigências do acordo de delação, não imaginavam que poderiam perder os seus benefícios, incluindo a imunidade em processos anteriores. Nesta terça-feira, Joesley já tinha agendado um depoimento para a Polícia Federal em Brasília. Faltou ao compromisso, alegando problema de saúde.

A montanha-russa (Thoth: do parque de diversões dos ladrões do Brasil) também atingiu os prognósticos políticos de Brasília, uma ciranda que envolve a imprensa mas também dezenas de consultorias privadas locais e estrangeiras. Quem analisava o cenário brasileiro há pouco mais de uma semana dificilmente imaginaria as voltas dos últimos dois dias. Quando deixou o Brasil na semana passada rumo ao encontro dos BRICS, na China, Temer chegou a traçar um plano B para retornar a Brasília antes da data prevista.

Sua preocupação era se defender de uma eventual segunda denúncia de Janot. Agora, o presidente pisará novamente na capital federal nesta quarta-feira com o ar de que está um passo à frente de seus acusadores. Diz estar sereno, enquanto seus advogados pedem a anulação de toda a investigação contra ele. Isso se nada mudar até lá. 

Uma síntese sobre os últimos dias foi feita pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) [Maia em sânscrito significa ILUSÃO), antes mesmo de saber do suposto bunker milionário de Geddel. “Ontem estávamos discutindo como ia ser a denúncia, qual o prazo, como ela vem. Agora, discutimos a reorganização da delação da JBS. O Brasil é um país em que em doze horas tudo pode mudar”.


SOBRE A PODRIDÃO DO ATUAL SISTEMA POLÍTICO EXISTENTE:

“Estes corruptos cairãoVocês terão uma liderança política nova se desenvolvendo lentamente, chegando até vocês por toda a Terra, onde há uma nova energia de consideração com o público. “Isto é muito para pedir na política, Kryon.” 

Mas observem isto. Este é apenas o início desta última fase. Assim muitas coisas estão chegando. O próximo está relacionado a isto, pois um país enfermo não pode sustentar uma liderança de elevada consciência. Há muita oportunidade para o poder e a ganância“-  KRYON.


Na Era de Ouro, as pessoas não estavam conscientes de seus governantes.

Na Era de Prata, elas os amavam e cantavam.

Na Era de Bronze, elas os temiam.

E por fim, na Era do Ferro (os dias do Kali Yuga, ou seja, HOJE), elas os desprezavam.

Quando os governantes minam a confiança popular, as pessoas comuns (e Deus) perdem sua fé nos governantes.  – Retirado do Tao Te Ching


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

2 Responses to Parque de “diversões” Brasil, montanha russa ladeira abaixo e sem freios

  1. Silvio J. B. Maia

    Nossa única esperança é as FFAA executarem o dever do 142.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *