browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Porta Aviões dos EUA estão equipados com sistema de defesa de Escudo Eletromagnético?

Posted by on 30/08/2019

Em janeiro de 2017, todos os porta-aviões dos EUA foram convocados para seus portos de origem para atualizações desconhecidas. Tem havido muita especulação sobre com que tecnologia todos os porta aviões da marinha dos EUA foram secretamente equipados, dadas as crescentes ameaças impostas pelos novíssimos mísseis de cruzeiro hipersônicos contra os quais uma frota naval comandada por um porta aviões fica indefesa.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Os onze porta-aviões dos EUA foram secretamente protegidos por sistema de defesa de Escudos Eletromagnéticos tipo “Tesla”?

Fonte: https://www.exopolitics.org/

O lançamento de uma patente da Marinha em 2018 fornece uma resposta convincente ao que aconteceu durante o recall dos gigantes dos mares. Os porta aviões foram secretamente equipados com poderosos sistemas de defesa de escudos eletromagnéticos do tipo “Tesla” que poderiam neutralizar o ataque de todas novas ameaças dos novos mísseis balísticos e hipersônicos, desenvolvidos pela Rússia e China para fazer frente ao poderio naval dos EUA.

O Míssil hipersônico chamado Tsirkon da Rússia. Ele terá a velocidade do Mach 9 (espantosa velocidade de 10.734 Km por hora), tem um alcance de cerca de 1.000 quilômetros (620 milhas) e pode atingir alvos de marinha ou terrestre”.

Em janeiro de 2017, várias notícias apareceram descrevendo o recolhimento de todos os onze porta-aviões dos EUA para seus portos domésticos e como pela primeira vez nenhum estava servindo ativamente em qualquer lugar nos mares do mundo. Em 30 de dezembro de 2016, um relatório da Fox News explicou :

“Para a próxima semana, não só não haverá nenhum porta-aviões da Marinha dos EUA no Oriente Médio, como também não haverá porta-aviões americanos posicionados no mar em qualquer outro lugar do mundo, apesar das “inúmeras ameaças” mundiais enfrentadas pelos Estados Unidos … a ausência de um porta-aviões da Marinha dos EUA implantado em alguma zona de conflito, há muito tempo é visto como um símbolo da projeção da energia (ou imperialismo) americana, é digno de nota. Acredita-se que seja a primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial que pelo menos um porta-aviões dos EUA não estivesse em serviço”.

Quando a Marinha foi questionada pela Fox News sobre o recall de todos os seus porta-aviões no Oriente Médio, um porta-voz da Marinha disse :

“Não vamos discutir o momento dos movimentos operacionais dos grupos de ataque de porta-aviões dentro e fora da área de responsabilidade do Comando Central dos EUA”, disse o capitão Terry Shannon, porta-voz do Comando Central das Forças Navais dos EUA, em comunicado à Fox News. O Centcom tem a tarefa de controlar todas as forças americanas no Oriente Médio e no Afeganistão”.

A falta de explicação para o recall levou a muitas especulações, incluindo algumas concluindo que o recall foi feito para configurar os EUA para um grande ataque de bandeira falsa :

“No que só pode ser descrito como uma apropriação desproporcional dos ativos da Marinha dos EUA, uma violação flagrante do protocolo padrão e uma possível configuração para uma operação de ataque de bandeira falsa – todo o grupo de onze porta-aviões da Marinha dos EUA, 10 transportadores ativos, retornou ao porto e agora estão todos parados como patos pousados numa lagoa”.   

Já no final de janeiro de 2016, a Marinha começou a redistribuir seus porta-aviões pelos mares do planeta e o recall foi rapidamente esquecido. Para entender por que os porta-aviões norte americanos foram resgatados para seus portos de origem e com que tipo de armas e / ou sistemas eles podem ter sido atualizados, precisamos considerar a crescente ameaça representada por novos mísseis de cruzeiro anti navios capazes de velocidades hipersônicas.

Escrevi pela primeira vez sobre esses mísseis de cruzeiro desenvolvidos pela Rússia e China e vendidos para países como o Irã que poderiam ameaçar uma frota naval disposta em grupo de batalha capitaneada por um porta-aviões em 19 de novembro de 2007. Em um artigo intitulado: “A agenda neoconservadora de sacrificar a quinta frota – o novo Pearl Harbor , Expliquei :

O Irã tem quantidades (isso já em 2007) suficientes de mísseis de cruzeiro para destruir com grandes danos ou toda a Quinta Frota, que está ao alcance dos lançadores de mísseis móveis do Irã, estrategicamente localizados ao longo de seu terreno montanhoso com vista para o Golfo Pérsico. O governo Bush está subestimando deliberadamente a vulnerabilidade da Quinta Frota à avançada tecnologia de mísseis do Irã, comprada da Rússia e da China desde o final dos anos 90. Os mísseis de cruzeiro mais sofisticados do Irã são os ‘Sunburn’ e ‘Yakhonts’. São mísseis contra os quais especialistas militares dos EUA concluem que navios de guerra modernos não têm defesa efetiva.

Eu descrevi mais quais capacidades dos mísseis de cruzeiro vendidos ao Irã pela Rússia e china como segue:

“O míssil SS-N-22 ou ‘Sunburn’ tem uma velocidade de Mach 2,5 ou de atingir 1500 milhas (2.413 Km) por hora, usa tecnologia furtiva e tem um alcance de até 130 milhas (210 km/h). Ele contém uma ogiva convencional de 750 libras que pode destruir a maioria dos navios. É ainda mais preocupante o míssil de cruzeiro SSN-X-26 ou ‘Yakhonts’ da Rússia, que tem um alcance de 185 milhas (297,7 Km) por hora, o que torna todos os navios da Marinha dos EUA no Golfo Pérsico vulneráveis ​​a ataques. Mais importante, o Yakhonts foi desenvolvido especificamente para uso contra grupos de transportadoras e é vendido pela Rússia no comércio internacional de armas”.

Na década seguinte, as cargas e velocidades dos mísseis de cruzeiro só aumentaram na medida em que a Rússia desenvolveu mísseis que podem viajar cinco vezes mais que a velocidade do som. Em seu discurso no Estado da Nação em 20 de fevereiro de 2019, o Presidente da Rússia Vladimir Putin anunciou ao público sobre a existência dos primeiros mísseis de cruzeiro hipersônicos, que o Pentágono determinou estar em desenvolvimento e testes desde 2015:

 “Este é um míssil hipersônico chamado Tsirkon. Ele terá a velocidade do Mach 9 (espantosa velocidade de 10.734 Km por hora), tem um alcance de cerca de 1.000 quilômetros (620 milhas) e pode atingir alvos de marinha ou terrestre”.

Em dezembro, a CNBC soube que um relatório da Inteligência dos EUA havia destacado os testes do sistema hipersônico de Tsirkon, observando que cinco testes haviam sido realizados pelas forças armadas russas desde 2015.  Putin já havia descrito as proezas hipersônicas da Rússia como “invencíveis” e acusou “aqueles que alimentaram a corrida armamentista nos últimos 15 anos” por não confiarem na Rússia.

Gerald R. Ford CVN-78

O porta aviões USS Gerald R Ford (CVN-78) é o navio líder de sua classe de porta-aviões da Marinha dos Estados Unidos. O navio recebeu o nome do 38º Presidente dos Estados Unidos Gerald Ford, cujo serviço naval durante a Segunda Guerra Mundial incluía dever de combate a bordo do porta-aviões leve Monterey no Teatro do Pacífico. 

A China não está muito além da Rússia no desenvolvimento desses mísseis de cruzeiro capazes de velocidades hipersônicas e atualmente possui vários mísseis balísticos hipersônicos que podem ser implantados contra porta-aviões. Em janeiro de 2019, Elizabeth Shim da UPI informou :

“A China planeja implantar mísseis balísticos de médio porte capazes de destruir porta-aviões americanos até 2020, segundo vários relatos da mídia estatal”.

O China Times e outros informaram na terça-feira que o Dongfeng-17 é um foguete de médio porte que pode ser usado para afundar um porta-aviões americano inteiro, se for disparado oito vezes. A ameaça representada pelo míssil de cruzeiro hipersônico e pelos mísseis balísticos aos porta-aviões e seus navios de apoio é bem compreendida pelos líderes e pesquisadores da Marinha. De acordo com uma notícia de 6 de março de 2018 publicada no The Examiner :

“A era de uso de frotas navais capitaneadas por porta-aviões americanos como principal forma de retaliação e ataque das forças armadas pode estar terminando, a menos que os EUA desenvolvam defesas para a próxima geração de armas hipersônicas altamente manobráveis ​​e super-rápidas em desenvolvimento pela Rússia e pela China, disse terça-feira o principal pesquisador de armas do Pentágono”.

Michael Griffin, subsecretário de defesa da pesquisa e engenharia, disse que a China está gastando bilhões para desenvolver uma versão não nuclear das armas que podem tornar os porta-aviões dos EUA vulneráveis ​​a ataques.

Apesar da ameaça representada por sistemas de mísseis hipersônicos cada vez mais sofisticados e poderosos em desenvolvimento por grandes rivais geopolíticos, a Marinha dos EUA, no entanto, prosseguiu construindo e implantando uma nova geração de porta-aviões começando com o USS Gerald Ford, que está programado para começar formalmente seu serviço ativo em 2022.

Isso nos leva de volta à questão de por que a Marinha dos EUA retirou dos mares e os levou para seus portos de origem todos os seus porta-aviões no início de 2017 e prosseguiu com os planos de construir novos, maiores e mais caros porta aviões, agora da classe do USS Gerald Ford?

Para obter uma resposta, precisamos revisar uma patente de 2018 concedida a um cientista da Marinha, Salvatore Cezar Pai, intitulado: “O gerador de campo eletromagnético de alta energia” (HEEMFG). Em um artigo anterior , descrevi brevemente a obtenção de sua patente como um escudo eletromagnético de proteção. O resumo da patente descreve um dos objetivos do HEEMFG que seria de proteger a Terra de possíveis impactos de asteroides e meteoros:

“É uma característica da presente invenção fornecer um método e aparelho para desviar ou destruir um grande asteroide e impedir uma possível colisão com a terra. A presente invenção também pode desviar ou destruir qualquer outro tipo de objeto”.

É a capacidade do HEEMFG de “desviar ou destruir” objetos de velocidade rápida que pertence diretamente à questão de por que a Marinha retirou todos os porta-aviões e está avançando na construção de mais porta-aviões da classe Gerald Ford:

“É uma característica da presente invenção fornecer um método e um aparelho para gerar um escudo defensivo impenetrável para ataque (com mísseis) de Mar e Terra, bem como ativos civis e militares baseados no espaço exterior, protegendo esses ativos contra ameaças como Mísseis Balísticos Anti-Navios, Mísseis de cruzeiro evasivos ao radar (indetectáveis), ataque principal para tanques de batalha (principais sistemas terrestres e marítimos), bem como neutralizar os efeitos das ejeções de massa coronal induzidas pela energia solar ou defender satélites militares críticos em um papel ASAT (sistema espacial)”. [ Fonte ]

O desenvolvimento de um escudo eletromagnético impenetrável para defender um alvo de objetos que viajam rapidamente, como asteroides, meteoros e mísseis, é muito semelhante às idéias propostas pela primeira vez pelo inventor sérvio Nikola Tesla na década de 1930. Tesla propôs um escudo eletromagnético baseado no princípio de ondas escalares que foi explicado da seguinte forma :

“Ondas escalares podem ser deformadas para assumir o formato de uma cúpula em torno de objetos, como cidades ou casas … Esse campo de força da onda escalar é geralmente conhecido como Escudo de Tesla, e seria análogo aos “escudos” mencionados na popular série de ficção “Star Trek”. Os Escudos de Tesla têm uma aplicação defensiva definida e não podem ser usados ​​de forma alguma para fins ofensivos (embora um pelotão de soldados que tente penetrar um Escudo Eletromagnético de Tesla se desintegre instantaneamente). A única defesa de uma explosão de uma onda escalar seria um Escudo de Tesla“.

Escudo de Tesla. Ilustração de Hal Crawford

O cientista por trás do HEEMFG não é um inventor desonesto, mas trabalha na Divisão de Aeronaves do Centro de Guerra Naval Aéreo (NAWCAD) em conceitos avançados de tecnologia. Em duas ocasiões, o Dr. James Sheehy, diretor de tecnologia da Naval Aviation Enterprise , organização afiliada à Marinha dos EUA, interveio em nome dos pedidos de patente do Dr. Pais, considerando-os “operáveis” para os céticos examinadores de patentes.

Brett Tingley, escrevendo para The Drive , fez comentários detalhados sobre as patentes do Dr. Pais e especulou sobre por que a Marinha queria tornar público o que pareciam ser tecnologias que seriam altamente classificadas se funcionassem. Ele especulou que os pedidos de patente podem ser desinformação com o objetivo de enganar (ou alertar) a China e a Rússia:

“É certamente possível que essas patentes façam parte de alguma campanha de informação em andamento, projetada para fazer com que os concorrentes da América questionem que tipos de pesquisa sobre orçamento negro estão em andamento no NAWCAD e em outras organizações de pesquisa da Marinha. Com tantas novas tecnologias aeroespaciais revolucionárias à beira do seu desdobramento, talvez seja uma tentativa de “armar” patentes e semear dúvidas entre nossos adversários e até injetar confusão entre a população americana”. 

Uma explicação alternativa oferecida por Tingley é que as patentes são viáveis ​​e a Marinha está pensando seriamente em desenvolvê-las com base no enorme aumento de avistamentos de OVNIs, como o incidente de Tic Tac em 2004, rastreado pelos pilotos da Marinha:

“[Talvez] essa seja a tentativa compreensiva do Pentágono de tentar entender e imitar embarcações misteriosas e aparente e altamente avançadas que supostamente estão sendo cada vez mais observadas perto de suas próprias aeronaves, embarcações e instalações militares. Talvez a reivindicação da concorrência chinesa seja apenas um espaço reservado para o desconhecido”. 

Há ainda outra explicação ainda mais convincente que Tingley não considerou. As patentes são baseadas em tecnologias que já foram desenvolvidas com sucesso pela Marinha, há décadas, em um programa classificado para proteger porta-aviões atuais e futuros de armas hipersônicas. Afinal, a Marinha tem um longo histórico em estudar meios eletromagnéticos para proteger seus navios, como evidenciado pelo Experimento Filadélfia de 1943, com base em tecnologia desenvolvida exatamente por Nikola Tesla.

Ainda mais intrigante é a evidência interna e documental recente de que a Marinha desenvolveu um programa espacial secreto que utiliza naves espaciais com mais de um quilômetro de comprimento que quase certamente precisariam de tal proteção eletromagnética contra detritos espaciais e asteroides encontrados durante viagens espaciais profundas.

É plausível que os escudos da Tesla, que há muito tempo sejam utilizados no programa espacial secreto da Marinha, foram implantados no início dos anos 80, e essa tecnologia tenha sido disponibilizada recentemente para os porta-aviões convencionais da Marinha, dados os recentes avanços no desenvolvimento de armas hipersônicas pela Rússia e China, que tornariam os porta aviões dos EUA obsoletos.

Se os escudos da Tesla já foram desenvolvidos em um programa espacial secreto da Marinha altamente classificado, é razoável concluir que a patente HEEMG se baseia nos conceitos de escudos eletromagnéticos que os Drs. Pais e Sheehy foram oficialmente informados. A existência da tecnologia de escudo Tesla fornece uma explicação convincente para o motivo pelo qual todos os porta-aviões foram dos EUA foram misteriosamente lembrados em janeiro de 2017, as atualizações secretas que receberam e por que os super porta aviões da classe Gerald Ford serão construídos.

Tudo isso leva à surpreendente conclusão de que a Marinha dos EUA pode proteger todos os seus porta-aviões de mísseis de cruzeiro hipersônicos e mísseis balísticos usando escudos eletromagnéticos de Tesla. Ainda mais significativo é o potencial desses escudos eletromagnéticos para proteger cidades inteiras e até a própria Terra, conforme mencionado na patente HEEMFG.

A patente HEEMFG é uma evidência convincente de que estamos prestes a testemunhar uma profunda revolução no uso e desenvolvimento de tecnologia militar, desde o desenvolvimento de sistemas de armas ofensivas até defensivas, onde as populações civis são protegidas em vez de sacrificadas no planejamento militar estratégico convencional.

© Michael E. Salla, Ph.D.


Leitura Adicional

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

2 Responses to Porta Aviões dos EUA estão equipados com sistema de defesa de Escudo Eletromagnético?

  1. Antonio Carlos Battazza

    Com certeza os EUA têm alguma defesa para os mísseis hipersonicos.

Deixe uma resposta para Antonio Carlos Battazza Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.