browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Preocupação nos EUA com avanço da China: ”Uma ameaça maior que a URSS”

Posted by on 18/11/2019

Há esperanças crescentes em Washington e Pequim de que um acordo para ajudar a resolver a guerra comercial entre os EUA-China possa ser selado em breve. Mas essa é uma rivalidade crescente entre duas superpotências que não se limita apenas ao comércio, mas passa por áreas como economia, defesa, cultura e tecnologia. Então, o que os Estados Unidos querem (ou temem) da China – e qual será a cartada final dos americanos?

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A preocupação nos EUA com o avanço da China: ‘Uma ameaça maior que a União Soviética’

Fonte:  https://www.bbc.com/portuguese/internacional-50392627

A resposta curta é o acordo comercial “fase um” selado com um aperto de mãos entre o presidente Trump e o vice-primeiro-ministro chinês Liu He no salão Oval no mês passado. Mas as tensões entre os dois países são muito mais profundas do que apenas o comércio bilateral, e ninguém com quem conversei em Washington acha que esse acordo básico fará muita diferença por si só.

Houve uma mudança negativa pronunciada de atitudes em relação à China nos EUA nos últimos anos, e é importante perceber que essa mudança é anterior à chegada de Trump na Casa Branca. “Acho que se você tivesse visto uma presidência de Hillary Clinton, ou outro democrata ou outro republicano eleitos em 2016, também teria visto essa mudança acentuada”, diz Daniel Kliman, ex-consultor sênior do departamento de defesa dos EUA.

Presidente dos EUA, Donald Trump, e vice-primeiro-ministro chinês, Liu He

Presidente dos EUA, Donald Trump, e vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, selam acordo comercial inicial no Salão Oval da Casa Branca.

“Havia uma sensação de que nossa abordagem para a China não estava funcionando”, diz Kliman, agora diretor do Programa de Segurança da Ásia-Pacífico no Centro para uma Nova Segurança Americana (CNAS).

Existem muitas razões para esse aumento nas tensões. Os benefícios econômicos prometidos pela China ingressando na Organização Mundial do Comércio em 2001 nunca se concretizaram, diz Ray Bowen, que trabalhou para o governo dos EUA como analista econômico de 2001 a 2018.

A China nunca teve em vista seguir as regras da OMC, diz ele. “É muito mais o caso da China querer ingressar em fóruns multilaterais para começar a mudar a forma como os fóruns multinacionais regulam o comércio global”. Em outras palavras, a China se uniu à OMC com a intenção de mudar as regras, e não de mudar seu comportamento.

O resultado foi uma vasta onda de perdas de empregos e fechamento de fábricas nos EUA, conhecido como “choque da China”. Os chamados “estados americanos do cinturão da ferrugem” (onde as indústrias americanas estão concentradas) que votaram no presidente Trump em 2016 foram os que mais sofreram com fechamento de fábricas.

Muitas empresas americanas transferiram a produção para a China para se beneficiar de custos trabalhistas mais baixos. No entanto, de acordo com Daniel Kliman, elas pagaram um alto preço por essa mudança de endereço: “A China as obrigou a entregar sua tecnologia e propriedade intelectual”, diz ele.

A transferência de milhares de empresas do ocidente para a China foi a execução de um planejamento muito bem executado para enfraquecer a hegemonia global dos EUA e elevar o Dragão chinês à posição de superpotência, tudo de acordo com a agenda da NWO-Nova Ordem Mundial

E mesmo as empresas que não realocaram a produção descobriram que a China de alguma forma se apossou de seus segredos comerciais. As agências policiais de propriedade intelectual nos EUA têm uma longa lista de acusações contra indivíduos e empresas chinesas por espionagem e hackers.

O diretor do FBI, Christopher Wray, disse recentemente ao Congresso dos EUA que existem atualmente pelo menos  mil investigações em andamento sobre o roubo de propriedade intelectual de empresas americanas que envolvem a China.

O governo dos EUA estimou que o valor total da propriedade intelectual roubada pela China nos quatro anos até 2017 em torno de US$ 1,2 bilhão (£ 936 bilhões de libras). De acordo com Dean Cheng, da Heritage Foundation, um think tank conservador dos EUA, essa é a principal razão pela qual as relações entre os EUA e a China azedaram de vez com o governo Trump.

“Quando descobrem que suas patentes estão sendo desfeitas, quando seus produtos estão com engenharia reversa, quando seus processos de pesquisa e desenvolvimento estão sendo invadidos, mais e mais empresas concluíram que a parceria com a China não estava se mostrando lucrativa e poderia realmente ser totalmente negativa”, diz ele.

De dentro do governo, o analista econômico Ray Bowen diz que notou a mudança de humor já no final de 2015. Quem anteriormente defendia o envolvimento com a China agora se mostrava alarmado ao ver a rapidez com que o gigante asiático estava se aproximando da paridade tecnológica com os EUA.

China é “uma ameaça muito maior do que a União Soviética”, diz general Robert Spalding

Ao mesmo tempo, no Pentágono, o Brigadeiro-General Robert Spalding liderava uma equipe de pessoas que tentava formular uma nova estratégia de segurança nacional para lidar com a ascensão e influência do país.

Spalding deixou as forças armadas e escreveu um livro chamado “Stealth War, How China Took Over While America’s Elite Slept” (“Guerra Escondida, como a China assumiu o poder enquanto a elite americana dormia”, em tradução livre).

Quando questionada sobre a ameaça que a China representa para os interesses dos EUA, a resposta do general Spalding é gritante. “(China) É a ameaça existencial mais significativa desde o partido nazista na Segunda Guerra Mundial”.

“Acho que é uma ameaça muito maior do que a União Soviética. Como a economia número dois do mundo, seu alcance, particularmente nos governos e em todas as instituições do Ocidente, excede em muito o que os soviéticos poderiam jamais imaginar”.

O resultado do trabalho de Spalding no Pentágono foi a criação da Estratégia de Segurança Nacional, publicada em dezembro de 2017. É considerado o principal documento do governo, projetado para orientar todos os departamentos, e representa uma profunda mudança de abordagem, de acordo com Bonnie Glaser, diretora do Projeto China Power no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

“Agora houve um movimento longe da guerra contra o terror e, em vez disso, a competição entre as principais potências tomou o lugar do terrorismo como a maior ameaça aos Estados Unidos”, diz ela.

O departamento de defesa dos EUA agora acredita que enfrentar a ascensão da China à categoria de superpotência é um dos principais objetivos e desafio dos militares dos Estados Unidos nas próximas décadas. A velocidade com que a China construiu e depois militarizou uma série de ilhas artificiais no Mar da China Meridional, desafiando o direito internacional, tem alarmado “muitas pessoas” em Washington.

Segundo Dean Cheng, US$ 5,3 trilhões (R$ 22 trilhões) de comércio passam pela área a cada ano. “As ações da China na região foram, em certo sentido, uma tentativa de conseguir cortar a artéria carótida do comércio global”, diz ele.

Ilha artificial no Mar do Sul da China

China construiu e militarizou uma série de ilhas artificiais como esta no Mar do Sul da China – Direito de imagem GALLO IMAGES

A China tem sido muito clara em suas ambições de liderar o mundo nas importantes tecnologias do futuro, como robótica e [principalmente] Inteligência Artificial (IA). “Isso é muito importante para a competição agora”, diz Bonnie Glaser, “porque se a China tiver sucesso nessas áreas, provavelmente suplantará os Estados Unidos como a principal potência do mundo”.

É isso que está em jogo agora. A supremacia militar dos EUA não se baseia em um enorme exército permanente, como as forças armadas da China, mas em sistemas de armas de alta tecnologia. Se a China liderar essas tecnologias cruciais, talvez os EUA não consigam acompanhar o dragão asiático por muito mais tempo.

Daniel Kliman acredita que a corrida tecnológica não militar também é crucial. “A China não apenas aperfeiçoa tecnologias para vigilância e censura interna, literalmente em cada casa, mas exporta cada vez mais essas tecnologias, além de finanças e conhecimentos no exterior”.

Vladimir Putin resume a nova ordem mundial em 5 palavras (“US Dollar Will Collapse Soon”): O dólar dos EUA entrará em colapso em breve. Já discutimos longamente o inevitável desaparecimento do dólar como moeda de reserva mundial, observando que nada dura para sempre. FONTE

Ele diz acreditar que a batalha com o que chama de “autoritarismo de alta tecnologia” é uma batalha que se tornará cada vez mais central na conversa sobre a China. Portanto, não espere que a posição dos EUA sobre a China mude no curto prazo, mesmo que o presidente Trump perca as próximas eleições. O clima em Washington mudou.

A única verdadeira conversa política não é sobre a China, mas a melhor forma de como fazê-la. Muitos democratas (que secretamente trabalham para a ascenção do “Dragão chinês) preferem se envolver com aliados contra a abordagem unilateral do presidente Trump. No entanto, a maioria dos democratas sabe que há poucos votos advogando uma política mais suave e condescendente para com a China.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle MENTAL. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações sobre NWO, Illuminati, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

One Response to Preocupação nos EUA com avanço da China: ”Uma ameaça maior que a URSS”

  1. Silvio J. B. Maia

    Aquele noivo pensa que chinês é outro noivo … Quando ele estava vindo o chinês já estava voltando

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.