browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Protestos em massa contra o governo pelo segundo bloqueio nacional atingem Israel

Posted by on 19/09/2020

Os proprietários de vários bares de Tel Aviv declararam que “seus negócios são sinagogas”, em protesto aos planos de bloqueio do governo Netanyahu que, por um lado, irão impedir que todos os bares e restaurantes operem durante o fechamento, enquanto, por outro lado, permitirão que dezenas participem do orações em casas de culto em todo o país. O canal 12 noticiou sobre dois estabelecimentos de Tel Aviv, Kiton e Shishko, que colocaram cartazes declarando que eles são locais de culto. O relatório observa que os dois bares estão atualmente tratando o ato como um protesto e sátira e não planejam se rebelar contra as restrições do governo neste momento – embora também não o estejam descartando totalmente.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Protestos em massa contra o governo pelo segundo bloqueio nacional atingem Israel

Fonte:  Zero Edge – The Times of Israel

Enquanto o segundo bloqueio obrigatório nacional de Israel entrava em vigor na sexta-feira, centenas de pessoas tomaram as ruas de Tel Aviv para protestar contra o que os cidadãos reclamam de um exagero desnecessário do governo, que só prejudicará as empresas e terá pouco efeito positivo.

O Ministério da Saúde de Israel citou um aumento recente nos casos de COVID-19 ao argumentar na semana passada que um novo bloqueio nacional é garantido; no entanto, ministros do governo preocupados com o impacto devastador sobre as pequenas empresas, bem como a liberdade de culto, entraram em conflito com as facções que pressionavam o novo bloqueio.

O país inteiro foi  declarado  uma ‘zona quente’ e o bloqueio nacional entrou em vigor na tarde dessa sexta-feira, pouco antes do início do Rosh Hashaná, a celebração festiva de dois dias que marca o Ano Novo Judaico.

Isso ocorre porque as novas infecções aumentaram 5.000 em alguns dias, levando o país a mais de 175.000 casos, incluindo 1.160 mortes.

O esteio dos protestos começou na noite de quinta-feira :

“Centenas de israelenses protestaram em Tel Aviv na noite de quinta-feira contra um segundo bloqueio nacional para combater o surto de coronavírus em Israel. “A economia está em queda livre, as pessoas estão perdendo seus empregos, e estão deprimidas”, disse Yael, um dos 300 a 400 manifestantes na Habima Square.

Manifestantes antigovernamentais em Tel Aviv antes do início do segundo confinamento do coronavírus em Israel, 17 de setembro de 2020. A placa diz: "Quando a injustiça se torna lei, a rebelião se torna uma obrigação." (Miriam Alster / Flash90)

Manifestantes antigovernamentais em Tel Aviv antes do início do segundo confinamento pelo coronavírus em Israel, 17 de setembro de 2020. A placa diz: “Quando a injustiça se torna lei, a rebelião se torna uma obrigação.” (Miriam Alster / Flash90)

E um manifestante demitido recentemente de seu emprego disse ao The Times of Israel :

“E tudo isso para quê? Por nada!”

Ironicamente, embora escolas e empresas tenham sido fechadas por pelo menos duas semanas a partir de sexta-feira, o governo disse que as manifestações ainda permanecem legais, então espera-se que mais protestos surjam, especialmente porque o bloqueio nacional tem um preço econômico, alimentando o ressentimento de toda a população que está sendo forçada a mais um período de quarentena. 

Os restaurantes, em especial, foram duramente atingidos durante o bloqueio pandêmico anterior:

Os grupos de protesto contra o novo bloqueio nacional no centro de Tel Aviv lamentaram que tudo foi uma manobra do primeiro-ministro Netanyahu, destinada a garantir sua sobrevivência política pessoal e sua manutenção no poder continuando a vender o medo, manipulando o pais de acordo com a sua sobrevivência política, especialmente porque ele ainda enfrenta graves acusações de corrupção em processos em andamento nos tribunais de Israel.

“A paralisação é para nos transformar em ovelhas submissas e reprimidas”, disse  um manifestante à RT da Rússia .

Ela argumentou que, em última análise, as novas medidas são “para tentar nos quebrar” e mantê-lo no poder.

Os manifestantes nos protestos de Tel Aviv carregavam cartazes que diziam: “Para ser um povo livre em nossa terra”, uma referência ao hino nacional de Hatikva, relatou o site de notícias Haaretz. Manifestantes anticorrupção do movimento Bandeira Negra também se reuniram em dezenas de cruzamentos e pontes de trânsito em todo o país.

A organização disse em um comunicado: “O início do ‘bloqueio de Netanyahu’ e a forma como está sendo administrado mostra o que afirmamos desde o início – um réu criminoso não pode ser primeiro-ministro. O réu estava ocupado esta semana em sua campanha eleitoral, enquanto a economia desabava e centenas de milhares de famílias entraram em um futuro de ruína econômica ”.

“Estamos aqui e continuaremos a lutar pela continuidade da existência do Estado de Israel, e não do Estado de [o feudo de] Netanyahu.”

O grupo, uma das principais organizações nos protestos em andamento contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, disse na segunda-feira que cancelará as manifestações fora da residência oficial do premiê em Jerusalém durante o bloqueio que se aproxima, mas continuará com as manifestações em pontes e locais estratégicos no movimento de protesto.

O grupo Black Flags disse na segunda-feira que congelaria as manifestações maiores em Jerusalém em deferência à “solidariedade social” e “responsabilidade social”. Em seu anúncio, culpou o primeiro-ministro pelo bloqueio, dizendo que a necessidade de fechar o país mais uma vez era “tudo resultado dos fracassos de Netanyahu”.

Israelenses protestam contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu na Praça Habima, em Tel Aviv, em 17 de setembro de 2020. (Miriam Alster / Flash90)

Dois outros grupos anticorrupção importantes prometeram continuar com os protestos na residência de Netanyahu em Jerusalém. Manifestações regulares, às vezes atraindo dezenas de milhares de manifestantes, pediram a renúncia de Netanyahu devido à sua acusação de corrupção e condenaram a forma como o governo lidou com a crise do coronavírus e suas consequências econômicas.

Netanyahu disse na noite de quinta-feira que o novo bloqueio impopular era “importante” e “necessário” e alertou que o governo pode precisar apertar ainda mais as regulamentações .


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.