browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

QAnon delata a Grã-Bretanha e não a Rússia como quem interferiu na eleição presidencial dos EUA

Posted by on 28/07/2018

A fonte de inteligência militar QAnon deixou cair outra bomba com a última rodada de informações secretas vazadas, que foi liberada com a aprovação tácita da Casa Branca, através de Trump. QAnon revelou que, contrariamente à percepção popular e a uma investigação criminal em curso liderada pelo Conselheiro Especial Robert Mueller, foram as principais autoridades governamentais do Reino Unido, em vez da Rússia, que interferiram nas eleições presidenciais dos EUA em 2016.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

QAnon desmascara a Grã-Bretanha como ator que interferiu na eleição presidencial dos EUA

Fonte:  https://www.exopolitics.org/

QAnon, em artigos anteriores, mostrou estar conectado a uma facção do serviço de inteligência militar dos EUA que recrutou Trump para concorrer à presidência do pais em 2015 para enfrentar o controle e poder do Deep State. Enquanto membros ainda infiltrados na estrutura de governo dos EUA do Estado Profundo vazam informações classificadas para tentar desestabilizar a administração Trump, Trump respondeu na mesma moeda autorizando QAnon para vazar informações classificadas que expõem o Deep – Estado Profundo – State e suas atividades globais nefastas.

Em 25 de julho (após às 17:00 horas),  QAnon divulgou a informação bombástica colocando primeiro uma questão principal e depois listou os diferentes mecanismos pelos quais essa interferência foi tentada:

E se o governo do Reino Unido trabalhasse de mãos dadas com o administrador de Hussein para sabotar as eleições de 2016? 
Coleção de dados. 
Voz. 
Vídeo. 
Bugging 
Criação de dossiê de inteligência artificial usando ex-espião. 
Apólice de seguro co-patrocinadora re: eleição POTUS. Apólice de seguro co-patrocinadora re: eleição POTUS.

O que torna o cenário descrito por QAnon plausível é a natureza do acordo Five Eyes, que possibilita ao Reino Unido coletar informações sobre cidadãos e organizações dos EUA e, em seguida, repassar isso para autoridades norte americanas. Essa prática é amplamente conhecida como o meio pelo qual os países da Five Eyes (EUA, Grã-Bretanha, Canadá, Austrália e Nova Zelândia) contornam rotineiramente as leis domésticas que impedem as agências de inteligência de espionar seus cidadãos nacionais sem o devido processo legal.

Enquanto o acordo Five Eyes possibilita que as informações coletadas por agências de inteligência parceiras sejam compartilhadas através de canais oficiais, QAnon revelou que esse compartilhamento também pode ser alcançado de forma não oficial. QAnon apontou que ex-funcionários do governo com a autorização de segurança correta, podem ter acesso a informações de inteligência quando viajam para outro país dos Cinco Olhos, e nenhum registro oficial é mantido.

Em 8 de maio (após 1320) , QAnon se referiu a Hillary Clinton viajando para a Nova Zelândia e obtendo acesso aos arquivos de Inteligência dos EUA através do sistema Five Eyes:

Por que a BQ na NZ? 
NZ faz parte de 5 olhos? 
Por que isso é relevante? 
Relógio de suicídio. 
Q

Ex-funcionários ou servidores podem subseqüentemente compartilhar ou vazar essas informações através de meios não oficiais, como o congressista Devin Nunes descobriu ao revisar dados de inteligência usados ​​para iniciar a investigação do FBI na campanha Trump de 2016:

Normalmente, a inteligência repassada por um membro da aliança “Five Eyes” – Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Reino Unido e Estados Unidos – a outro membro vem através de um canal oficial de compartilhamento de inteligência.

No entanto, Nunes, ao revisar o documento que lançou formalmente a investigação do FBI, disse que não havia inteligência compartilhada por meio desse canal oficial, o que significa que a inteligência foi compartilhada por meios não oficiais.

QAnon está revelando que várias autoridades dos EUA viajaram para a Grã-Bretanha para obter acesso às informações da Five Eyes sobre a campanha presidencial do Trump, que foi então usada para sabotar sua campanha através de uma narrativa inventada de Trump sendo secretamente manipulada pela Rússia. Isso é consistente com o que se sabe sobre o Dossiê de Christopher Steele, produzido através da colaboração entre elementos da comunidade britânica de inteligência e funcionários da administração do governo de Barack Hussein Obama.

QAnon listou alguns dos 32 funcionários dos EUA que fizeram parte desse esforço coletivo para impedir a eleição de 2016, independentemente da vontade dos eleitores americanos:

  1. [Peter Strozk] 
    LP [Lisa Page] 
    Nenhum nome. [John McCain] 
    [James] Clapper. 
    [John] Brennan. 
    [Susan] Rice. 
    LL. [Loretta Lynch] 
    HRC. [Hillary Rodham Clinton] 
    BC. [Bill Clinton] 
    Hussein. [Presidente Obama] 
    e +22

QAnon apontou, em particular, que as viagens a Londres feitas por John McCain, Peter Strozk e Lisa Page foram feitas a fim de obter dados de inteligência sobre a campanha Trump através do sistema Five Eyes, sem deixar rastros impressos. É mais do que coincidência que em 23 de julho, dois dias antes da postagem acima de QAnon, foi anunciado em uma conferência de imprensa da Casa Branca que vários ex-funcionários da administração Obama, vários dos quais QAnon incluiu na lista acima, podem ter suas autorizações de segurança revogadas :

Sanders disse que o governo está revisando as liberações do ex-diretor da CIA John Brennan, do ex-diretor do FBI James Comey, do ex-diretor de inteligência James Clapper, do ex-diretor da CIA Michael Hayden, da ex-conselheira nacional de segurança Susan Rice e do ex-diretor do FBI Andrew McCabe. O que dá plausibilidade à lista acima de autoridades é a recente admissão de James Clapper, ex-diretor de Inteligência Nacional, de que o presidente Obama autorizou a espionagem da campanha presidencial do Trump para investigar as alegações de conluio da Rússia.

QAnon continuou descrevendo como o governo Obama, junto com o governo britânico, ativamente conspirou para culpar a Rússia de intromissão na eleição presidencial dos EUA em 2016:

E se a intel mascarada de penetração (s) para enquadrar a Rússia? 
Crowdstrike? 
Servidores 
SR. [Seth Rich] 
JA. [Julian Assange] 
Por que o governo do Reino Unido quer desesperadamente JA [Julian Assange] ? 
Pense nos arquivos de origem. 
Quanto mais você sabe. 
Q

QAnon está se referindo ao conhecimento de Julian Assange de que Seth Rich (assassinado em operação de “queima de arquivo”) teve acesso aos servidores do Comitê Nacional Democrata, e foi a verdadeira fonte dos arquivos que foram passados ​​para o Wikileaks, e não da Rússia como alegado recentemente pela acusação de Mueller de 12 oficiais de inteligência russos.

É evidente que estas são afirmações explosivas, algumas das quais estão atualmente sendo investigadas pelo Procurador dos EUA, John Huber, com a assistência do Inspetor Geral do Departamento de Justiça dos EUA. Não se sabe quando Huber e o Inspetor-Geral divulgarão suas conclusões e iniciarão processos contra os que foram identificados em milhares de acusações seladas .

No entanto, o que a informação de QAnon revela claramente é o pensamento por trás da administração Trump quando se trata de lidar com aliados históricos como o Reino Unido, que Trump e seus assessores de inteligência militar acreditam ter desempenhado um papel fundamental na fabricação das alegações de conluio da Rússia na eleição à Presidência dos EUA em 2016.

A revelação de QAnon ajuda a explicar a recente intervenção sem precedentes de Trump na política britânica, onde ele apoiou uma estratégia dura Brexit para a Grã Bretanha deixar a União Europeia, e enfraqueceu a política Brexit da primeira-ministra (marionete do Deep State) Theresa May. Mais surpreendente foi o endosso de Trump ao ex-ministro das Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, que o presidente disse que seria um excelente primeiro-ministro britânico.

Talvez ainda mais revelador foi o comportamento de Trump quando se encontrou com a rainha Elizabeth II. Ele quebrou todos os protocolos reais de uma maneira que levou alguns a alegar que o Deep State / Cabala estava sinalizando sua rendição a Trump.

Há muito se sabe que a Grã-Bretanha é um ator fundamental no Estado Profundo por meio de suas poderosas instituições financeiras sediadas na cidade de Londres. Uma das principais figuras da CITY de Londres é o barão judeu khazar Jacob Rothschild, que é o quarto Rothschild a obter o título hereditário estabelecido para a família pela rainha Vitória em 1885.

De acordo com QAnon, a família judeu khazar Rothschild controla ativos mundiais de mais de dois trilhões de dólares e forma a liderança oculta do Deep State, que pratica ativamente o satanismo e realiza sacrifícios de crianças. O Estado Profundo compromete políticos aspirantes através da pedofilia, conforme documentado em livros como The Franklin Coverup: Child Abuse, Satanism and Murder in Nebraska (1992) pelo ex-senador estadual de Nebraska, John W. DeCamp.

Uma perturbadora imagem do ex-presidente dos EUA e prêmio Nobel da Paz, Barack H. Obama vestido de Satã enquanto participava de uma “festa dos Illuminati” organizada por elites internacionais se tornou viral na Internet. A foto apareceu com a legenda “Class and Grace, You are my favorite” (“Classe e graça”, voce é o meu favorito), e logo se tornou viral no Instagram. A revelação de que Obama participa de rituais satânicos e se veste como Satã não é surpresa para muitos observadores do ex-presidente e “teóricos da conspiração”. LINK

Portanto, é muito factível que os elementos do Deep State do establishment britânico se propusessem a minar a campanha presidencial de Trump através de provas fabricadas de conluio russo, que foi aprovado pelo presidente Obama e perseguido por vários funcionários em seu governo, como afirma QAnon

A conclusão preocupante que surge é que os funcionários do governo britânico, em vez de oficiais de inteligência russos, são os principais responsáveis ​​por interferir no processo presidencial dos EUA, inventando evidências e vazando informações classificadas através do acordo Five Eyes para minar a candidatura de Donald Trump, um candidato não controlado pelo Deep State mas apoiado pela maioria das forças armadas dos EUA.  

© Michael E. Salla, Ph.D.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. “Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

One Response to QAnon delata a Grã-Bretanha e não a Rússia como quem interferiu na eleição presidencial dos EUA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.