browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Raios Cósmicos aumentam de intensidade e aceleram mudanças planetárias

Posted by on 12/07/2019

A SITUAÇÃO DOS RAIOS CÓSMICOS

Os raios cósmicos são ruins e estão piorando. Essa é a conclusão de um novo artigo publicado no jornal de pesquisa da Space Weather. Os autores, liderados pelo Prof. Nathan Schwadron da Universidade de New Hampshire, mostram que a radiação do espaço profundo é perigosa e esta se intensificando mais rapidamente do que o previsto anteriormente.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Raios Cósmicos aumentam de intensidade e aceleram mudanças planetárias e na humanidade

Fonte: http://spaceweather.com/ 

A história começa quatro anos atrás, quando o Professor Schwadron e colegas primeiro soaram o alarme sobre o aumento dos raios cósmicos. Analisando dados do telescópio de raio cósmico para o instrumento de efeitos de radiação (CRaTER-Cosmic Ray Telescope for the Effects of Radiation) a bordo do Lunar Reconnaissance Orbiter da NASA (LRO), eles descobriram que os raios cósmicos no sistema Terra-Lua atingiram níveis nunca antes vistos na Era Espacial.

 O ambiente de radiação estava piorando muito, eles apontaram, e era um perigo potencial para os astronautas, limitando o tempo que poderiam viajar com segurança pelo espaço. Esta figura a seguir de seu artigo original de 2014 mostra o número de dias que um astronauta masculino de 30 anos que voasse em uma nave espacial com 10 g / cm² de blindagem de alumínio poderia ficar antes de atingir os limites de radiação estabelecidos pela NASA:

Na década de 1990, um astronauta poderia gastar 1000 dias ficando exposto à radiação cósmica no espaço interplanetário. Em 2014 … o prazo caiu para apenas 700 dias. “Essa é uma grande mudança”, diz Schwadron.

Os raios cósmicos galácticos vêm de fora do sistema solar. Eles são uma mistura de fótons de alta energia e partículas subatômicas aceleradas para a Terra por explosões de estrelas supernovas e outros eventos violentos no cosmos (raios emitidos pelo Grande Sol Central da Galáxia, por exemplo). 

Nossa primeira linha de defesa é o nosso próprio sol: o campo magnético do sol e o vento solar se combinam para criar um “escudo” poroso que diminui o efeito dos raios cósmicos que  entram no nosso sistema solar. A ação de proteção do sol é mais forte durante o Solar Máximo e mais fraca durante o período de Solar Minimum dos ciclos de onze anos de atividade solar – daí o ritmo de 11 anos da parcela de duração da missão acima.

O problema é que, como observam os autores em seu novo artigo, o escudo está enfraquecendo: “Ao longo da última década, o vento solar exibiu baixas densidades e forças de campo magnéticas, representando estados anômalos que nunca antes foram observados durante a Era Espacial. Ao mesmo tempo que o resultado desta atividade solar notavelmente fraca ocorre, também observamos os fluxos mais altos de raios cósmicos”, em uma combinação de fatores potencialmente mais perigosa.

Em 2014, Schwadron e outros estudiosos usaram um modelo líder de atividade solar para prever como os raios cósmicos ruins se tornariam durante o próximo período de atividade de Mínimo Solar, agora com início previsto para o período de 2019-2020. “Nosso trabalho anterior sugeriu um aumento de ~ 20% das taxas de dose  para o próximo período de onze anos de um mínimo solar”, diz Schwadron. 

“De fato, agora vemos que as taxas de doses reais de raios cósmicos observadas pelo CRaTER nos últimos 4 anos superam as previsões em ~ 10%, mostrando que o ambiente de radiação está piorando ainda mais rapidamente do que esperávamos”. Neste gráfico à seguir, os pontos de dados verdes brilhantes mostram o recente excesso:

Os dados que Schwadron et al analisaram vêm do CRaTER a bordo do Lunar Reconnaissance Orbiter da NASA (LRO) em órbita ao redor da Lua, que está exposta a qualquer radiação cósmica que o sol permite passar. Aqui na Terra, temos duas linhas adicionais de defesa: o campo magnético  e a atmosfera do nosso planeta. Ambos atenuam os efeitos dos raios cósmicos.

Mas mesmo na Terra o aumento está sendo sentido. A Spaceweather.com e os estudantes do Earth to Sky Calculus lançaram balões meteorológicos espaciais até a estratosfera quase semanais desde 2015. Os sensores a bordo desses balões mostram um aumento de 13% na radiação (raios-X e raios gama) que penetram a atmosfera do planeta e atingem o solo:

Raios-X e raios-gama detectados por esses balões são “raios cósmicos secundários”, produzidos pelo choque de raios cósmicos primários na atmosfera superior da Terra. Eles rastreiam a radiação percorrendo para a superfície do nosso planeta. A gama de energia dos sensores, 10 keV a 20 MeV, é semelhante à das máquinas médicas de raios-X e aos scanners de segurança dos aeroportos.

Como isso nos afeta? Os raios cósmicos penetram nos aviões em voos das companhias aéreas comerciais em viagens em alta altitude, em dosagens que afeta os passageiros e as tripulações de vôo, tanto que os pilotos de aeronaves são classificados pela Comissão Internacional de Proteção Radiológica como trabalhadores de ocupação exposta à alta radiação cósmica.

 Algumas pesquisas mostram que os raios cósmicos podem gerar nuvens e provocar relâmpagos, alterando o clima. Além disso, existem estudos ( # 1 , # 2 , # 3 , # 4 ) que ligam os raios cósmicos com arritmias cardíacas na população em geral. Os raios cósmicos se intensificarão ainda mais nos próximos anos, à medida que o sol mergulha em direção ao que pode ser o período de Mínimo Solar mais profundo em mais de um século. Fique atento às nossas atualizações.


 “Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o TEMPO DA GRANDE COLHEITA se aproxima RAPIDAMENTE ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes.

Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. Saiba mais AQUI 


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

One Response to Raios Cósmicos aumentam de intensidade e aceleram mudanças planetárias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.