browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Relatório Secreto mostra como nazistas planejaram criar um 4º Reich através da União Europeia

Posted by on 22/05/2018

O documento, também conhecido como “Red House Report,” , é um relato detalhado de uma reunião secreta no Hotel Maison Rouge em Estrasburgo, em 10 de agosto de 1944. Ali, altos oficiais nazistas solicitaram a um grupo de elite de industriais alemães que planejasse o pós-guerra da Alemanha. A recuperação, e preparar-se para o retorno dos nazistas ao poder e trabalhar para criar um “novo e forte império (IV Reich) alemão”. Em outras palavras: o Quarto Reich.

Tradução, edição e imagensThoth3126@protonmail.ch

Relatório secreto que mostra como os nazistas planejaram a existência de um Quarto Reich … através da criação da União Europeia

Fonte: http://www.dailymail.co.uk/

O papel é envelhecido e frágil, as letras datilografadas desaparecendo lentamente. Mas o relatório da Inteligência Militar dos EUA EW-Pa 128 é tão frio agora quanto no dia em que foi escrito em novembro de 1944.

O relatório “Red House Report,”  de três páginas, bem digitado, marcado como “Secreto”, copiado para funcionários britânicos e enviado por tubo de ar para Cordell Hull, o Secretário de Estado dos EUA, detalhou como os industriais alemães deveriam trabalhar com o Partido Nazista para reconstruir a economia alemã enviando dinheiro através da Suíça.

O chefe dos S.S. Heinrich Himmler com Max Faust, engenheiro da empresa I.G. Farben

Eles criariam uma rede de empresas de frente secretas controladas no exterior. Eles esperariam até que as condições estivessem de acordo com sua agenda. E então eles assumiriam o controle da Alemanha novamente.

Os industriais incluíam representantes da Volkswagen, Krupp e Messerschmitt. Funcionários da Marinha e do Ministério dos Armamentos também estiveram no encontro e, com uma visão incrível, decidiram juntos que o Quarto Reich nazista alemão, ao contrário do seu antecessor, seria um império econômico, industrial, financeiro e não militar, mas não seria apenas alemão.

O relatório “Red House Report,” que foi desenterrado dos arquivos de inteligência dos EUA, foi a inspiração para o meu livro The Budapest Protocol.

O livro conta a história que se inicia em 1944 à medida que o Exército Vermelho avança na Berlim assediada, depois salta até os dias de hoje, durante a campanha eleitoral para a eleição do primeiro presidente da União Europeia. A superação da União Européia é revelada como uma frente para uma conspiração e agenda sinistra, um plano enraizado nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial.



Mas quando pesquisei e escrevi o romance, percebi que alguns dos relatórios da “Red House Report,” tornaram-se realidade. A Alemanha nazista exportou enormes quantidades de capital através de países neutros. As empresas alemãs criaram uma rede de empresas líderes no exterior. A economia alemã logo se recuperou depois de 1945.

O Terceiro Reich foi derrotado militarmente, mas os poderosos banqueiros, industriais e funcionários públicos da era nazista, renasceram como “democratas”, logo prosperaram na nova Alemanha Ocidental. Lá eles trabalharam para uma nova causa: a integração econômica e política européia sob o controle nazista. É possível que o Quarto Reich que os industriais nazistas planejaram tenha, em parte, pelo menos, já acontecido?

O relatório da “Red House Report,” foi escrito por um espião francês que estava na reunião em Estrasburgo em 1944 – e que pinta uma imagem extraordinária.

Os industriais reunidos no Maison Rouge Hotel esperaram com expectativa até quando o SS Obergruppenfuhrer Dr Scheid começou a reunião. Scheid manteve uma das mais altas patentes na S.S., equivalente a de Tenente-General. Ele apareceu como uma figura imponente em seu uniforme cinzento-verde sob medida e gola alta, com tiras prateadas. Os guardas foram afixados fora e a sala foi vasculhada na procura de microfones espiões.

Houve uma grande inspiração de ar quando ele começou a falar. A indústria alemã deve perceber que a guerra não pode ser conquistada, ele declarou. Mas “deve tomar medidas para se preparar para uma campanha comercial pós-guerra”. Essa conversa derrotista era traição – seria o suficiente para um mortal comum ganhar uma visita às prisões da Gestapo, seguido de uma viagem de ida para um campo de concentração.

Mas Scheid recebeu uma licença especial para falar a verdade – o futuro do Reich estava em jogo. Ele ordenou aos industriais que “façam contatos e alianças com empresas estrangeiras, mas isso deve ser feito individual e secretamente e sem atrair qualquer suspeição”. Os industriais alemães deveriam tomar emprestado somas substanciais de países estrangeiros após a guerra.

Eles foram especialmente incentivados para explorar as finanças dessas empresas alemãs que já haviam sido usadas como frentes para a penetração econômica do Reich nazista no exterior, disse Scheid, citando os parceiros americanos da gigante de aço da Alemanha, o conglomerado Krupp, bem como a Zeiss, a Leica e a companhia de transporte marítimo da Hamburg-America Line.

Mas, na medida que a maioria dos industriais alemães deixavam a reunião, um punhado foi convidado para outro encontro menor, presidido pelo Dr. Bosse do Ministério do Armamento.  Havia segredos para ser compartilhado com a elite da elite nazista alemã.

Bosse explicou como, embora o Partido Nazista tenha informado os industriais de que a guerra estava perdida, a resistência contra os Aliados continuaria até garantir a unidade alemã. Ele então apresentou a estratégia secreta de três estágios para a implantação do quarto Reich.

Na primeira fase, os industriais deveriam “se preparar para financiar o Partido nazista, que seria forçado a entrar no subsolo como resistência”, usando o termo maquis usado pela resistência francesa.

Revelações extraordinárias: o Red House Report de 07 de novembro de 1944, detalhando os “planos dos industriais alemães para se envolverem em atividades subterrâneas” para criar um QUARTO REICH

A segunda fase veria o governo atribuir grandes somas a industriais alemães para estabelecer uma “base segura de pós-guerra em países estrangeiros”, enquanto “as reservas financeiras existentes devem ser colocadas à disposição do partido para que um forte império alemão possa ser criado após a derrota na guerra’.

Na terceira fase, as empresas alemãs criariam uma rede de agentes “dormentes” no exterior através de grandes empresas de ponta que deveriam ser cobertura para pesquisa e inteligência militar, até que os nazistas retornassem ao poder. “A existência destes agentes infiltrados deve ser conhecida apenas por poucas pessoas em cada indústria e pelos chefes do Partido Nazista”, anunciou Bosse.

“Cada escritório terá um agente de ligação com o Partido Nazista. Assim que o partido se tornar forte o suficiente para restabelecer seu controle sobre a Alemanha, os industriais serão pagos pelos seus esforços e cooperação por meio de concessões de ações e encomendas de produtos de suas empresas.

Os fundos exportados deveriam ser canalizados através de dois bancos em Zurique, ou através de agências na Suíça que compraram imóveis na Suíça para preocupações alemãs, por uma comissão de cinco por cento. Os nazistas tinham enviado enormes fundos secretamente para países neutros há anos.



Os bancos suíços, em particular o Banco Nacional Suíço, aceitaram o ouro e outros metais preciosos saqueados dos tesouros de todos os países ocupados pelos nazistas. Eles aceitaram ativos e títulos de propriedade tirados de empresários judeus na Alemanha e nos países ocupados, e forneceram o montante de moeda estrangeira que os nazistas precisavam para comprar materiais de guerra vitais. A colaboração econômica suíça com os nazistas foi monitorada de perto pela inteligência aliada.

O autor do relatório  “Red House Report,” observa: “Anteriormente, as exportações de capital dos industriais alemães para países neutros deveriam ser realizadas de forma subrepticiamente e por influência especial.

“Agora, o Partido Nazista está atrás dos industriais e exorta-os a se salvar, obtendo fundos fora da Alemanha e, ao mesmo tempo, avançarem na implantação dos planos do partido para suas operações do pós-guerra”. A ordem para exportar capital estrangeiro era tecnicamente ilegal na Alemanha nazista, mas no verão de 1944 a lei já não importava mais.

Mais de dois meses após o desembarque do dia D (em 6 de junho de 1944) na Normandia, os nazistas estavam sendo espremidos pelos aliados pelo oeste e pelo sul e pelos soviéticos no leste. Hitler foi gravemente ferido em uma tentativa de assassinato. A liderança nazista estava nervosa, frustrada e brigando entre si.

Durante os anos de guerra, as tropas da temida Waffen S.S. (Schutzstaffel) construíram um gigantesco império econômico, baseado em pilhagem e assassinato, e eles planejaram mantê-lo assim. Um encontro como aquele na Maison Rouge precisaria da proteção das tropas especiais da S.S., de acordo com o Dr. Adam Tooze, da Universidade de Cambridge, autor de Wages of Destruction: The Making And Breaking of the Nazi Economy.

Ele diz: “Em 1944, qualquer discussão do planejamento pós-guerra foi banida. Era extremamente perigoso fazer isso em público. Mas a Waffen S.S. estava pensando e agindo secretamente no longo prazo. Se você está tentando estabelecer uma coalizão viável após a guerra, o único lugar seguro para fazê-lo está sob os auspícios do aparato terrorista”. Líderes S.S. astutos como Otto Ohlendorf já estavam pensando muito à frente.

Como comandante do Einsatzgruppe D, (Força Tarefa) das tropas S.S. que operava na Frente Oriental entre 1941 e 1942, Ohlendorf foi responsável pelo simples assassinato de cerca de 90 mil homens, mulheres e crianças.

Um advogado e economista altamente educado e inteligente, Ohlendorf, mostrou grande preocupação pelo bem-estar psicológico dos pistoleiros de seu grupo exterminador: ordenou que vários deles disparassem simultaneamente contra suas vítimas, de modo a evitar qualquer sentimento de responsabilidade pessoal.

No inverno de 1943 foi transferido para o Ministério da Economia. O ostensivo trabalho de Ohlendorf estava focado no comércio de exportação, mas sua verdadeira prioridade era preservar o enorme império econômico pan-europeu das S.S. nazista após a derrota da Alemanha.

Ohlendorf, que mais tarde foi enforcado em Nuremberg, se interessou particularmente pelo trabalho de um economista alemão chamado Ludwig Erhard. Erhard escreveu um longo manuscrito sobre a transição para uma economia pós-guerra após a derrota da Alemanha. Isso era perigoso, especialmente porque seu nome havia sido mencionado em conexão com grupos de resistência.

Mas Ohlendorf, que também era chefe do SD, o serviço de segurança nacional nazista, protegeu Erhard quando concordou com suas opiniões sobre a estabilização da economia alemã pós-guerra. O próprio Ohlendorf foi protegido por Heinrich Himmler, o chefe das S.S. Ohlendorf e Erhard temiam uma hiper-inflação, como a que havia destruído a economia alemã nos anos vinte. Tal catástrofe tornaria o império econômico das S.S. quase inútil.

Os dois homens concordaram que a prioridade da pós-guerra era a rápida estabilização monetária através de uma unidade monetária estável, mas perceberam que isso deveria ser aplicado por um poderoso poder de ocupação, pois nenhum estado alemão pós-guerra teria legitimidade suficiente para introduzir uma moeda que teria algum valor.

Essa unidade monetária se tornaria o Deutschmark (marco alemão), que foi introduzido em 1948. Foi um sucesso surpreendente e iniciou a rápida recuperação da economia alemã. Com uma moeda estável, a Alemanha seria mais uma vez um parceiro comercial atraente para os demais países. Os conglomerados industriais alemães poderiam rapidamente reconstruir seus impérios econômicos por toda a Europa e demais continentes.



A guerra tinha sido extraordinariamente lucrativa para a economia alemã. Em 1948 – apesar de seis anos de conflito, do pesado bombardeio aliado e pagamentos de reparações pós-guerra – o estoque de capital e de equipamentos bem como de instalações e edifícios era maior do que em 1936, graças principalmente ao boom da indústria de armamentos e das novas tecnologias criadas pelos cientistas nazistas da Alemanha.

Erhard refletiu sobre como a indústria alemã poderia expandir seu alcance através do continente europeu destruído. A resposta foi através do supranacionalismo – a entrega voluntária da soberania nacional dos países a um novo organismo internacional que deveria ser criado para governar toda a Europa.

A Alemanha e a França foram os impulsionadores da European Coal and Steel Community (ECSC) – Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, o acordo precursor da União Européia. A ECSC foi a primeira organização supranacional, criada em abril de 1951 por seis estados europeus. Criou um mercado comum de carvão e aço que regulou o comércio e produção do aço. Isso constituiu um precedente vital para a erosão constante da soberania nacional dos países, um processo que continua acentuadamente nos dias de hoje.

Mas antes que o mercado comum europeu pudesse ser configurado, os industriais nazistas tiveram de ser indultados e os banqueiros e funcionários nazistas reintegrados. Em 1957, John J. McCloy, o Alto Comissário Americano para a Alemanha, emitiu uma anistia para os industriais condenados por crimes de guerra.

Os dois mais poderosos industriais nazistas, Alfried Krupp, da Krupp Industries e Friedrich Flick, cujo grupo Flick eventualmente possuía uma participação de 40% na Daimler-Benz (Mercedes Benz), foram libertados da prisão depois de ter cumprido apenas três anos de suas penas. Krupp e Flick tinham sido figuras centrais na economia nazista durante a era Hitler. Suas empresas usavam trabalhadores escravos como gado, para trabalharem até a exaustão, até serem mortos.

A empresa Krupp logo e novamente se tornou uma das principais empresas industriais europeias.

O Flick Group também construiu rapidamente um novo império empresarial pan-europeu.  Friedrich Flick permaneceu impenitente em relação ao seu histórico de guerra e se recusou a pagar um único Deutschmark em compensação até sua morte em julho de 1972 aos 90 anos, quando ele deixou uma fortuna de mais de US$ 1 bilhão, o equivalente então a £$ 400 milhões de libras naquele momento.

“Para muitas figuras industriais líderes do regime nazista, a Europa tornou-se uma cobertura para perseguir os interesses nacionais alemães de implantar o IV Reich (Império nazista) após a derrota de Hitler”, diz o historiador Dr. Michael Koch-Duschinsky, conselheiro dos antigos escravos judeus.

“A recuperação e continuidade da economia da Alemanha e das economias da Europa pós-guerra foi muito impressionante. Algumas das principais figuras da economia nazista tornaram-se líderes construtores da nova União EuropeiaNumerosos nomes de famílias tradicionais exploraram trabalhadores escravos e forçados, incluindo gigantes como a BMW, Siemens e a Volkswagen, que produziram munições e peças para o foguete V1 de Wernher Von Braun, o primeiro míssil criado pelo homem.

O trabalho escravo era parte integrante e fundamental da máquina de guerra nazista. Muitos campos de concentração foram anexados a fábricas situadas ao lado, onde funcionários das empresas trabalhavam de mãos dadas com os oficiais da S.S. supervisionando os campos de concentração.

Como Krupp e Flick, Hermann Abs, o banqueiro mais poderoso da Alemanha pós-guerra, prosperou no Terceiro Reich. Dapper, elegante e diplomático, e Abs se juntaram ao conselho do Deutsche Bank, o maior banco da Alemanha, em 1937. À medida que o império nazista se expandia, o Deutsche Bank entusiasticamente arianizava bancos austríacos e tchecoeslovacos pertencentes a judeus.



Em 1942, Abs controlava 40 cargos diretores, um quarto dos quais em países ocupados pelos nazistas. Muitas dessas empresas arianizadas usaram trabalho escravo e, em 1943, a riqueza do Deutsche Bank havia quadruplicado.

Hermann Abs também se sentou no conselho de administração da gigante IG Farben, como representante do Deutsche Bank. IG Farben era uma das empresas mais poderosas da Alemanha nazista, formada por uma união da BASF, Bayer, Hoechst e suas subsidiárias na década de 20.

Foi tão profundamente entrelaçado com os S.S. e os nazistas que dirigiu seu próprio campo de trabalho escravo em Auschwitz, conhecido como Auschwitz III, onde dezenas de milhares de judeus e outros prisioneiros morreram produzindo borracha artificial.

Quando eles não podiam trabalhar mais, ou foram verbraucht (usados) no termo arrepiante dos nazistas, eles eram transferidos para Birkenau. Lá eram eliminados por gases venenosos usando Zyklon B, cuja patente era propriedade da própria IG Farben.

Mas, como todos os bons empresários nazistas alemães, os chefes de IG Farben protegiam suas apostas.

Durante a guerra, a empresa havia financiado a pesquisa de Ludwig Erhard. Após a guerra, 24 executivos da IG Farben foram acusados ​​de crimes de guerra por Auschwitz III – mas apenas doze dos 24 foram declarados culpados e condenados a prisões que variavam de um ano e meio a oito anos. A IG Farben escapou da acusação de assassinato em massa.

Hermann Abs foi uma das figuras mais importantes na reconstrução pós-guerra da Alemanha. Foi em grande parte graças a ele que, assim como o “Red House Report,” exortou, um “forte império alemão” foi realmente reconstruído, que constituiu a base da União Européia de hoje.

Abs foi encarregado de alocar recursos do Marshall Aid – fundos de reconstrução – para a indústria alemã. Em 1948 ele estava efetivamente gerenciando a recuperação econômica total da Alemanha.  Crucialmente, Hermann Abs também foi membro da Liga Européia de Cooperação Econômica, um grupo de pressão intelectual de elite criado em 1946. A liga foi dedicada ao estabelecimento de um mercado comum europeu, o precursor da União Européia.

Seus membros incluíram industriais e financiadores e desenvolveu políticas hoje conhecidas: a integração monetária e sistemas comuns de transporte, energia e bem-estar entre os países que viriam a constituir a União Europeia. Quando Konrad Adenauer, o primeiro chanceler da Alemanha Ocidental, assumiu o poder em 1949, Hermann Abs era o seu mais importante assessor financeiro.

Por trás das cenas,  Hermann Abs estava trabalhando duro para que o Deutsche Bank pudesse se reconstituir após a descentralização. Em 1957 ele conseguiu e ele retornou ao seu antigo empregador. Nesse mesmo ano, os seis países membros da European Coal and Steel Community (ECSC) assinaram o Tratado de Roma, que criou a Comunidade Econômica Européia. O tratado liberalizou ainda mais o comércio e estabeleceu instituições supranacionais cada vez mais poderosas, incluindo o Parlamento Europeu e a Comissão Européia.

Como Hermann Abs, Ludwig Erhard floresceu na Alemanha pós-guerra. Adenauer fez Erhard o primeiro ministro da economia pós-guerra da Alemanha. Em 1963, Erhard sucedeu a Adenauer como chanceler por três anos. Mas o milagre econômico alemão – tão vital para a ideia de uma nova Europa – foi construído em cima de assassinatos em massa. O número de trabalhadores escravos e forçados que morreram enquanto empregados por empresas alemãs na era nazista foi de cerca de  2.700.000.

Alguns pagamentos de compensação esporádicos foram feitos, mas a indústria alemã concordou com um acordo global conclusivo apenas em 2000, com um fundo de compensação de £$ 3 bilhões. Não houve admissão de responsabilidade legal e a compensação individual foi insignificante.

Um trabalhador escravo receberia $ 15.000 marcos alemãs (cerca de £$ 5.000), um trabalhador forçado $ 5.000 (cerca de £$ 1.600). Qualquer requerente que aceitou o acordo teve que comprometer-se a não iniciar qualquer outra ação legal. Para colocar esta soma de dinheiro em perspectiva, em 2001 a Volkswagen sozinha obteve lucro de £$ 1,8 bilhão.



No  mês seguinte, 27 Estados membros da União Européia votaram nas maiores eleições transnacionais da história. A Europa agora goza de paz e estabilidade. A Alemanha é uma democracia, mais uma vez abrigando uma comunidade judaica substancial. O Holocausto esta confinado à memória nacional.

Mas o “Red House Report,” é uma ponte de um presente ensolarado para um passado muito negro e sombrio. Joseph Goebbels, chefe de propaganda de Hitler, disse uma vez: “Daqui há 50 anos, ninguém pensará mais em estados-nação”.

Por enquanto, o Estado-nação perdura. Mas estas três páginas datilografadas do “Red House Report,”são um lembrete de que o impulso de hoje para um estado federal pan europeu está inexoravelmente enredado com os planos dos nazistas alemães da S.S. e dos industriais alemães para um quarto Reich – um imperium de domínio econômico, financeiro e político e não mais militar.

• O “The Budapest Protocol“, o suspense de Adam LeBor, inspirado no relatório “Red House Report,”, é publicado pela Reportage Press.


Sobre os criadores e controladores do sistema, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

5 Responses to Relatório Secreto mostra como nazistas planejaram criar um 4º Reich através da União Europeia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.