browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Resistência a Bloqueios Covid de donos de Bares, Restaurantes e Pousadas na Itália

Posted by on 19/01/2021

Movimento ‘La Resistenza’ [Resistência] a bloqueios Covid! Donos de restaurantes,  bares, e pousadas italianos escolhem a desobediência civil e reabrem seus negócios :  Enfrentando novos decretos de fechamento que duram até março, os proprietários de pousadas, bares e restaurantes italianos desafiam abertamente o governo e desrespeitam as regras apenas para evitar a falência de seus negócios, enquanto seus clientes preferem a liberdade em vez do medo e prisão domiciliar, e gritam com a intromissão da polícia: ‘Saiam! vocês trabalham para nós! ‘

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Ascensão de ‘La Resistenza’ a bloqueios Covid! Donos de bares, restaurantes e pousadas italianos escolhem a desobediência civil e reabrem negócios

Fonte:  Rússia Today

A resistência aos bloqueios, lockdowns, distanciamento social e uso de “focinheiras” está aumentando! Quase um ano depois que o governo italiano sinalizou a chegada do vírus assassino Covid-19 às costas europeias, suspendendo voos da China e declarando emergência nacional quando dois casos do vírus foram confirmados em Roma, os bares, cafés e restaurantes do país estão se unindo a uma só voz para rugir, “Basta!”

E se acreditarmos no número de cerca de 50 mil estabelecimentos que hoje estão a bordo da resistência, é um movimento que cresce a cada dia.

FOTO DE ARQUIVO: Um garçom atende clientes em um restaurante na Praça de São Marcos em Veneza, 12 de junho de 2020 © AFP / Andrea Pattaro

Na vanguarda desta insurgência estão aqueles orgulhosos fornecedores de massas e pizzas, os estimados 300.000 proprietários de restaurantes e cafés da Itália. Eles foram duramente atingidos pelo primeiro bloqueio em março passado, quando se esperava que quase um sexto deles afundasse como resultado dos primeiros meses de restrições. Agora, o último decreto do governo está em vigor até 5 de março, pelo menos, e depois disso, quem sabe?

O dreno insustentável que as regulamentações colocaram nas finanças de muitas daquelas trattorias e bares familiares, extremamente populares e infinitamente charmosos, amados por moradores e turistas, e o colapso que inevitavelmente se segue é uma vergonha nacional para a Itália. Mas o governo está tão preocupado com lutas políticas internas e turbulências enquanto oscila à beira da sobrevivência que não está em posição de fornecer qualquer tipo de solução de longo prazo.

Representando três por cento da economia e empregando mais de 1,2 milhão de pessoas antes da pandemia, os primeiros três meses de bloqueio custaram ao setor pelo menos € 25 bilhões (mais de US$ 30 bilhões em prejuízos diretos), de acordo com a Federação Italiana de Exercícios Públicos (FIPE). Em junho passado, previa a perda de 350 mil empregos e o fechamento de 50 mil bares, restaurantes e pizzarias. Nem é preciso dizer que as perspectivas só pioraram nos últimos seis meses.

Embora as regras da Covid tenham diminuído ligeiramente para alguns desde dezembro, todos os restaurantes ainda têm distanciamento social e medidas de menu descartáveis ​​em vigor e devem fechar até as 18h – excluindo o serviço de jantar.

Com a jornada de trabalho cortada drasticamente pela metade e as receitas caindo em conformidade, não é surpreendente que donos de restaurantes sob cerco estejam se organizando em algo que o governo achará difícil de ignorar – uma rebelião generalizada contra as regras em uma campanha de desobediência civil.

Certamente não demorará muito para que os acordes do hino popular anti-facista do século 19, Bella Ciao, sejam ouvidos nas ruas novamente!

À medida que o ímpeto do movimento  #IoApro (estou aberto) aumenta, políticos como o colega de Silvio Berloscuni da Forza Italia, Vittorio Sgarbi, estão entrando na onda, incitando os rebeldes do restaurante com uma diatribe animada contra as regras em que ele exorta os estabelecimentos:  “Abram e não não se preocupem, no final vamos fazer com que comam suas finas

Os ânimos estão exaltados.A mídia social está repleta de vídeos feitos em estabelecimentos que violam as regras, com pessoas comendo, dançando, cantando, celebrando a VIDA e gritando umas com as outras. Embora a Covid-19 tenha custado 82.000 vidas ao país, os clientes preferem desfrutar da liberdade em vez de viver com medo e em prisão domiciliar.

A polícia que apareceu em um restaurante em Roma que estava lotado de clientes que eles tentaram mandar para casa foi abruptamente enviada para fora aos gritos de “Saiam! Pagamos o seu salário com os nossos impostos, vocês trabalham para nós! ”

E os italianos não estão sozinhos em dizer a seus líderes ‘Basta!’ Reunidos nas montanhas nevadas do sul da Polônia, teleféricos para turistas, proprietários de hotéis e restaurantes também estão  desafiando as restrições da Covid-19 de seu governo . Eles dizem que mais um mês de bloqueio significaria o fim para eles.

Com esses focos de resistência começando a aparecer em todos os setores e regiões, as autoridades de saúde pública precisam entender onde estão errando. Para obter ajuda, eles precisam apenas olhar para um estudo que saiu no ano passado de um grupo de acadêmicos italianos sobre o gerenciamento de duração e expectativas durante as restrições de bloqueios da Covid-19.

Eles descobriram que, para manter as pessoas em conformidade, os governos precisavam fornecer datas de término de curto prazo para as medidas de bloqueio que estavam implementando. Se o fim das restrições for muito distante ou indefinido, a probabilidade de adesão do público começa a diminuir.

Para donos de restaurantes italianos em apuros, de Roma a Veneza e Turim, a data de 5 de março que encerrará as atuais imposições é um exagero e eles decidiram que o “preocupado governo” não é mais digno de confiança. 

Em vez de seguir as regras draconianas pelos políticos, eles optaram por abrir as portas dos seus negócios para os clientes e manter seus negócios funcionando e mandaram tudo para o inferno com quaisquer multas que venham receber. A alternativa é seguir as regras até 5 de março, quando seus negócios terão falido.

Infelizmente, só podemos imaginar as cenas de desafio nos restaurantes de Roma esta noite, enquanto um garçom segurando um prato fumegante de Spaghetti alla puttanesca cantarola as linhas finais de Bella Ciao, a canção que se tornou o hino da resistência antifascista dos partidários italianos durante a Segunda Guerra Mundial: ma verrà un giorno che tutte quante, lavoreremo in libertà – chegará o dia em que todos nós trabalharemos em liberdade”. [Este dia está muito  próximo]


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.