browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Ressonância no Vale das Pirâmides (Europa) na Bósnia Herzegóvina

Posted by on 10/10/2018

Pesquisas arqueológicas e geofísicas sobre pirâmides monumentais existentes em todo o mundo informaram um ponto de virada significativo em nossa compreensão coletiva da grande antiguidade da civilização humana que erigiram estes monumentos neste planeta. Entre as muitas descobertas recentes de pirâmides enterradas em várias regiões do mundo, alguns países europeus densamente povoados produziram uma série de surpresas espetaculares. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

As Pirâmides de Visoko e os Textos Megacerâmicos de Ravne. Ressonância no Vale das Pirâmides na Bósnia Herzegóvina. 

Fonte: http://www.human-resonance.org/visoko.html

por Alex Putney para Human-Resonance.org

Complexos inteiros de monumentos paleolíticos antigos foram descobertos pelo reconhecimento de suas características altamente geométricas. Um trio de pirâmides de arenito sintético de baixo ângulo foi identificado em Montevecchia, Itália, no sopé dos Alpes, enquanto um complexo maior de seis estruturas monumentais de pedra com túneis interligados foi descoberto pelo Dr. S. Osmanagic no Vale Visoko da Bósnia Herzegóvina em 2005.   

O reconhecimento internacional dos muitos estudos arqueológicos e geofísicos realizados no Vale das Pirâmides da Bósnia inspirou centenas de milhares de visitantes a percorrer o local, que desde então se tornou o maior projeto de escavação arqueológica do mundo. Após negações iniciais por parte de “autoridades” arqueológicas nos círculos governamentais de “eruditos acadêmicos e egiptológicos”, o Dr. Osmanagic descobriu de forma muito convincente e apresentou um notável complexo de estruturas arquitetônicas artificiais. 

As características geométricas mais notáveis ​​do local sagrado do Vale de Visoko podem ser facilmente apreciadas a partir de levantamentos aéreos do antigo complexo de estruturas de pedra ressonantes, cada uma tendo sido modelada, revestida e com terraços de acordo com um plano de construção claro que acomodou a paisagem natural circundante às pirâmides. Anteriormente chamada de Visocica Hill, agora é reconhecida como a maior pirâmide do mundo, com tamanho chegando a 220m de altura em um ângulo de 45°. O local foi imediatamente reconhecido por Osmanagic para a orientação exata das faces planas da pirâmide orientadas para as direções cardeais. Designada como a Pirâmide do Sol, as descobertas subseqüentes revelaram um grande complexo de monumentos conhecidos atualmente incluindo a Pirâmide da Lua, o Templo da Terra, a Pirâmide do Amor, a Pirâmide do Dragão e o Tumulus de Vratnica. 

Esses enormes edifícios de pedra antiga funcionavam coletivamente entre si e com todos os outros sítios monumentais megalíticos do mundo, precisamente geoposicionados em alinhamento planetário com um padrão de distribuição definido por este autor durante o mesmo período de tempo da descoberta do complexo do Vale do Visoko. A mandala sânscrita representa esse padrão de ressonância global ao qual todos os locais sagrados se conformam, identificado em pesquisas anteriores como a função quadrática [z n + 1 = z n 2 ] correspondente à projeção esférica de ondas estacionárias infra-som transduzidas pelas pedras piezoelétricas da Grande Pirâmide de Gizé, no Egito. 

A pirâmide bósnia do Sol (43,977 N ° 18,176 ° E) esta a 1.199 milhas (1.929,191 km) da grande pirâmide em Gizé, que compreende 4,82% ou cerca de 1 / 21 de de circunferência média da Terra de 24.892 milhas. Este intervalo de distância sagrada também corresponde a 1 / 4 da 19,1% da constante de Fibonacci da distância a partir da grande pirâmide para os templos de Angkor Wat (19,1 / 4 = 4,775) no Cambodja. Esta relação geoespacial permite a ressonância acústica entre estes monumentos gigantescos, concebidos para transduzir o infra-som planetário a 33 frequências discretas bem abaixo do alcance audível da percepção humana. Gravações em Infrassom foram obtidas pelo professor P. Debertolis (limite> 10 Hz), apresentando maior intensidade nas frequências ultra baixas. Essas frequências imperceptíveis ocorrem em uma estrutura ligeiramente flutuante em intervalos harmônicos de 5,6 Hz acima e abaixo de 7,83 Hz.

Esse limiar especial de frequência de 7,8 Hz corresponde aos padrões de ondas cerebrais alfa mensuráveis ​​pelo EEG e associados ao relaxamento, à cura, à visualização consciente e ao limiar dos estados oníricos. A ressonância infra-sônica fundamental da rede de pirâmides mundial está atualmente ancorada a 1,45 Hz, na faixa do batimento cardíaco humano no comprimento de onda de 233m, ao qual o comprimento da base da Grande Pirâmide foi calibrado. Um sistema de bomba de cavitação de água, agora inoperável, uma vez levou a Grande Pirâmide a ressoar em 1,45 Hz.

Os incêndios terrestres induzidos por infra-raios devastaram a cidade de Peschici , na península de Gargano, na Itália, em julho de 2007 (circulada acima), tendo sido espontaneamente incendiados por ondas estacionárias focalizadas pela Grande Pirâmide:

“A coisa que surpreendeu, foi reconhecer que … as chamas pareciam jorrar da própria terra. Sem aviso, enquanto caminhava, você podia ver a fumaça e imediatamente depois disso, chamas surgindo do chão. E isso, surgindo do nada. Eles conseguiram consertar a situação correndo de um lado para outro durante horas, com baldes de água à mão, a fim de apagar os misteriosos incêndios que pareciam emergir do solo”.

Peschici, Itália (41.95 ° N 16.01 ° E) esta a 1.182 milhas (1.901,838 Km) da Grande Pirâmide em Gizé, compreendendo 4,74% da distância da circunferência média da Terra. Observações de freqüência ultrabaixa podem ser facilmente feitas para verificar essa conclusão, mas as autoridades científicas encarregadas de investigar esses incêndios piezoelétricos não foram capazes de resolver a causa, totalmente alheias a perigos imperceptíveis que ameaçam muitas comunidades em circunstâncias similares na Itália, especialmente na Sicília e em centenas de outros locais em todo o mundo.

Outro conjunto de padrões claros na distribuição local dos vários monumentos megalíticos do Vale da Pirâmide da Bósnia também confirma a sua calibração para armazenamento eficiente de energia acústica na faixa de freqüência ultra baixa do batimento cardíaco humano. O comprimento de 440m da pirâmide solar e seus 220m de altura conferem ao monumento uma freqüência fundamental de ressonância de 1,5 Hz, combinando a frequência de batimentos cardíacos em repouso para a indução de arrastamento tri-talâmico e da consciência telepática coletiva.

As distâncias entre os locais de construção selecionados para esses monumentos psicoacústicos estão em conformidade com múltiplos inteiros desse comprimento de onda crucial de 220m. Por exemplo, o Túmulo de Vratnica esta a 3.960m diretamente a nordeste da Pirâmide do Sol (acima), uma distância que é 18 vezes a altura da Pirâmide do Sol (220 x 18 = 3.960). Por sua vez, o ápice da pirâmide solar é de 2.200m do ápice da pirâmide do dragão (abaixo), ou 10 vezes o comprimento de onda ressonante escolhido (220 x 10 = 2.200).

Continuando este padrão de dispersão de comprimentos de onda de batimentos cardíacos distintos, o ápice da Pirâmide do Amor foi construído a 440m do ápice da Pirâmide do Sol, ou duas vezes o comprimento de onda escolhido de 220m. O ápice da Pirâmide do Amor está a 1.320m do ápice do Templo da Terra, uma distância que compreende 6 vezes o comprimento de onda escolhido (220 x 6 = 1.320). Além disso, os eixos centrais de todas as três estruturas monumentais, dedicadas ao Sol, ao Amor e à Terra, estão em conformidade com um alinhamento linear perfeito. Um plano geométrico subjacente para todo o complexo foi primorosamente definido.

{Nota de Thoth sobre o número 220: A espécie humana é diploide (2n = 46; n = 23) e possui 23 pares de cromossomos, sendo que 22 pares de cromossomos autossômicos e um par de cromossomos sexuais. Os autossômicos são aqueles que determinam as características comuns à espécie e são identificados por números, como por exemplo, cromossomos 18. Os cromossomos sexuais ou alossômicos são aqueles responsáveis pela determinação do sexo (Homem ou mulher) do indivíduo e são identificados pelas letras X e Y, onde XX são mulheres e XY homens. O numero base 220 encontrado em diferentes áreas do complexo piramidal da Bósnia, em Visoko, é 22 x 10.}

O ápice da pirâmide do dragão situa-se precisamente a 2.200m do ápice da pirâmide da lua. Construído exatamente ao longo deste alinhamento está o Templo da Terra a uma distância de 880m da Pirâmide do Dragão (220 x 4 = 880) e a 1.320m da Pirâmide da Lua (220 x 6 = 1.320). Esses alinhamentos e relações proporcionais repetidos aplicam-se a todas as principais estruturas do vale.

Dois tumuli de baixo ângulo recentemente descobertos perto da aldeia de Ginje formam uma extensão do sudeste do complexo piramidal do vale. A distância da Pirâmide do Dragão até o primeiro Ginje Tumulus é de 1.760m, ou 8 vezes o comprimento de onda escolhido (220 x 8 = 1760). Continuando ao longo do mesmo eixo, o segundo Ginje Tumulus está localizado a 440m do primeiro e a 2.200m da Pirâmide do Dragão (acima).

Esses padrões notavelmente consistentes subjacentes à distribuição das pirâmides bósnias não eram imutáveis ​​na beleza da simetria matemática, mas serviam a uma função muito mais prática, envolvendo a onda ULF (Frequência Ultra Sônica) com foco na sincronização da consciência humana. No topo da Pirâmide do Sol da Bósnia, esse campo de energia focalizado foi medido por várias equipes de pesquisa como um raio de energia de 4,5 m de largura, emanando um forte sinal de 28 kHz do ápice da pirâmide. A transdução do infra-som intensifica a ionização dentro das hastes, melhorando as condições bioelétricas para a regeneração celular humana. Especialistas em geopolímeros identificaram os vários blocos da pirâmide da Bósnia como um tipo avançado de concreto antigo (foto abaixo), semelhante ao concreto romano e aos calcários sintéticos encontrados na Grande Pirâmide de Gizé. 

A grande maioria dos blocos de revestimento de forma irregular e lajes de betão artificial de múltiplas camadas replicam eficazmente a formação vulcânica natural do conglomerado de brecha, compreendendo o leito de rocha abaixo do Vale das Pirâmides da Bósnia.

Os muitos quilômetros de pedras de rio arredondadas e camadas de argila que cobrem o vale foram escavados de um sistema complexo de túneis abaixo das pirâmides, que devem ligar cada uma das cinco pirâmides montanhosas refreadas umas às outras, como é o caso de muitos desses complexos.

Durante a construção dos muitos templos monumentais, milhares de toneladas de pedras de rio arredondadas foram escavadas para criar os túneis e transportadas acima do solo para uso como material de enchimento piezelétrico nas centenas de milhares de toneladas de placas de breccia de alta qualidade que envolvem as montanhas. Camadas de areia fina abaixo do fundo do vale contribuíram com cristais de quartzo piezoelétricos que foram misturados com vários reagentes e despejados como arenitos sintéticos finos para formar extensos terraços de várias camadas. 

Várias plataformas longas cobertas de cimento foram escavadas nas quatro pirâmides, bem como na estrutura da pirâmide de barro cônica chamada Tumulus of Vratnica (abaixo). Análises realizadas nestas pedras em 2009 pela Universidade de Zenica, Bósnia-Herzegovina determinaram que os blocos maciços são de origem sintética, sendo compostos de cascalho, argila mal cozida e carbonato de dolomita / calcita que é misturado com água para formar o componente químico ativo hidrato de cal. 

A dureza extrema destes cimentos de alta qualidade foi medida entre 100-140 Mpa, exibindo quase o dobro da força das misturas de cimento industrial produzidas hoje. Essas descobertas são paralelas à pesquisa anterior do Dr. J. Davidovits sobre os geopolímeros de pedra artificial da Grande Pirâmide de Gizé, que apresentam polarização magnética de Norte/Sul fixada durante o processo de assentamento de cada pedra in situ.

Como a pasta de cimento foi completamente misturada, ocorrem reações químicas entre a cal cáustica e a água que gera calor, conduzindo o processo de evaporação e o rápido ajuste. Depois de ser despejado em um molde grosso e úmido forrado com argila da forma desejada e deixado seco até a dureza, mudanças particulares de cor aparecem devido à absorção de água e ferro. Ao longo da interface do molde de cimento, uma faixa plana foi tingida de marrom-alaranjado por ferro que migrou para a pasta líquida com água que foi absorvida das argilas ricas em ferro usadas para selar as superfícies internas dos moldes reforçados (acima).

Extensas escavações e documentação fotográfica das placas de concreto produzidas artificialmente de todos os tamanhos, de alguns quilos a várias toneladas, produziram amostras de material orgânico que podem ser prontamente datadas pelas medições convencionais do RC-14. Um cronograma aproximado para a construção da Pirâmide do Sol foi estabelecido por testes iniciais de radiocarbono de amostras orgânicas embutidas no concreto durante sua deposição pelos antigos construtores de pirâmides da Atlântida. Profundamente dentro da escavação de Trench 4A na Pirâmide do Sol, a face inferior de um grande bloco de pedra preservou uma folha parcialmente fossilizada que rendeu uma idade aproximada de 24.800 anos (± 200 anos).

Esta determinação da idade Paleolítica surpreendentemente distante confirmou as conclusões do Dr. Osmanagic com base na profundidade significativa do solo que se acumulou no topo dessas estruturas ao longo dos milênios desde sua desocupação. Escavadeiras que trabalham sob os esforços de pesquisa coletiva removeram pequenas seções das plataformas de cimento para revelar as técnicas de construção antigas. Cada camada de cimento foi separada por uma fina camada de argila, estendendo-se até 3m de profundidade (acima).

A estrutura de camadas alternadas de placas de cimento e argila forma um material composto que imita a estrutura do osso, que é reforçada por camadas de plaquetas duras de hidroxiapatita dentro de uma matriz de colágeno flexível. Além da plasticidade e adesão contribuídas pelas camadas de argila, sua capacidade de absorver e reter água também aumenta as propriedades piezelétricas dos monumentos maciços.

Tais resultados claros e consistentes do teste dos cimentos das pirâmides da Bósnia, e sua consistência com análises sendo conduzidas em estruturas piramidais e megalíticas em todo o mundo indicam que todas as grandes civilizações do passado humano possuíam um conhecimento extremamente avançado de química geopolimérica para a otimização da indução piezelétrica de ressonâncias planetárias.

Descobertas simultâneas de uma multiplicidade de esferas cilíndricas perfeitas de pedra gigantes localizadas em rios e florestas em toda a região que circunda o Vale das Pirâmides na Bósnia têm paralelo a descobertas muito semelhantes nas proximidades de sítios de pirâmides na Península de Yucatán e Guatemala (América Central e México), sugerindo uma conexão tecnológica direta entre pirâmide estruturas e as esferas de pedra. Além disso, os estudos de geopolímeros mencionados acima serão eventualmente aplicados para esclarecer a origem das esferas de pedra, que provavelmente foram moldadas em moldes esféricos por esses mesmos antigos especialistas em geopolímeros da Atlântida.

Outro paralelo entre o Vale da Bósnia da Pirâmide e os complexos da pirâmide mesoamericana é a presença de sistemas de túneis subterrâneos abaixo das monumentais estruturas. Cada sítio da pirâmide antiga bem escavado no mundo tem sido associado a passagens subterrâneas que funcionam como extensões das câmaras de cura construídas dentro das pirâmides. Usado para muito mais do que seu controle de acesso a partes específicas dos locais, esses túneis eram conhecidos por suas influências curativas relacionadas à bioeletrificação do corpo humano e à purificação de fontes de água subterrâneas sagradas.

As escavações em andamento abaixo do Vale das Pirâmides, na Bósnia, localizaram, limparam e reforçaram dezenas de quilômetros de uma complexa rede de túneis que parece ter sido construída como um labirinto. Agora conhecido como o Ravne, a entrada do túnel está localizado a apenas dois quilômetros da Pirâmide do Sol, e se estende em um labirinto sinuoso que leva na direção geral da pirâmide (acima).

Vários anos de escavação e limpeza de detritos de rochas soltas que encheram o labirinto de Ravne revelaram muitas surpresas, incluindo água pura e potável, a aparência comum de orbes de plasma em fotografias instantâneas e o primeiro dilema sobre quando e por que o sistema de túneis foi totalmente preenchido durante uma fase de ocupação secundária. A origem antiga dos artefatos enterrados nos túneis pelo trabalho de reabastecimento foi determinada a partir de um fragmento de madeira encharcado recuperado de uma das paredes do túnel.

Análises conduzidas pela professora Ana Pazdur no Laboratório Gliwice Radiocarbon retornaram uma data para os fragmentos de madeira escurecidos estimados em 34.800 anos (± 1500). Testes adicionais sobre os materiais foram conduzidos por A. Lawler no Leibnitz-Laboratory for Radiometric Dating and Stable Isotope Research na Christian-Albrechts University em Kiel, Alemanha, fornecendo uma estimativa de idade de 30.600 anos (+ 540 / -510). Dado que a precisão destas técnicas de datação por radiocarbono é limitada pela grande antiguidade das amostras de madeira Ravne, os resultados obtidos por dois laboratórios diferentes são consistentes entre si, fornecendo datas aproximadas para a construção dos túneis.

Os fragmentos de madeira testados foram fotografados antes da remoção da camada compactada de material de enchimento que foi removido de uma área de 10m de um dos vários blocos grandes e arredondados que se encontravam no chão da passagem original. Embora inicialmente assumidos como sendo mudstones naturais, estes itens enigmáticos foram posteriormente identificados como placas de megaceramicas que foram esculpidas pelos antigos construtores do labirinto Ravne (acima). Em forma de almofadas ondulantes gigantes, suas formas suaves refletem qualidades ergonômicas consistentes com uma função prática como plataformas semicondutoras piezelétricas para práticas de cura bioelétrica de GI.

Análises de amostras das plataformas lisas de cerâmica conduzidas no Instituto Rudjer Boskovic de Física Atômica em Zagreb, Croácia, determinaram que a composição cerâmica fina era de origem humana. A mesma química cáustica que induz o termoendurecível em cimentos geopoliméricos foi provavelmente adaptada para solidificar as plataformas de megaceramicas, algumas das quais pesam 8 toneladas, mas não apresentam nenhuma descoloração tipicamente causada por processos de queima de forno. As plataformas maciças ressoam perpetuamente em freqüências entre 28-33 kHz, transduzindo concentrações de íons negativos medidas em várias posições dentro do sistema do túnel Ravne pelo Dr. Osmanagic e B. Bric usando um contador de íons de ar convencional:

“Na entrada do túnel Ravne, a concentração foi registrada em 400 íons negativos por centímetro cúbico de ar. A 40 metros de distância do túnel, a concentração foi registrada em 3.000 íons negativos por centímetro cúbico de ar. A 220 metros de distância do túnel, a concentração foi registrada em 18.000 íons negativos por centímetro cúbico de ar”.

Muitas das formas megacerâmicas são inscritas com glifos Paleo-Sânscritos que sofreram danos e são ilegíveis, mas algumas passagens-chave do texto podem ser claramente observadas e traduzidas de acordo com a decodificação de Schildmann. Essas poucas seções legíveis do roteiro marcando as megacerâmicas fornecem fortes evidências de sua função bioelétrica avançada dentro dos túneis e das câmaras de pirâmide.

Um exemplo sobrevivente dos textos glifo megacerâmicos foi fotografado durante a sua descoberta a partir de uma camada de solo arenoso, fornecendo assim evidências da antiguidade genuína das inscrições. Tal como acontece com muitos desses textos de pedra antigos, a inscrição especifica a função do objeto em si, neste caso, lendo: adhi kara kar-as raua-como kar-como – “Entregando a ação de funcionamento, para trabalhos trovejantes” (inscrição na pedra acima) . Essa frase identifica diretamente as megacerâmicas como concentrando íons negativos, ainda mensuráveis ​​em nossos dias como transdutores piezelétricos altamente eficazes do infra-som nos extensos sistemas de túneis.

Além do alto conteúdo de quartzo de pedras de rio que compõem o conglomerado do leito rochoso do vale, os transdutores megacerâmicos contribuem significativamente para a notável ressonância acústica do sistema Ravne, que tem sido investigada no contexto de ressonâncias vocais humanas por pesquisadores em 2012. Gravações de alta qualidade de antigos cantos interpretados por Denise Myriam Cannas demonstram as extraordinárias condições acústicas que informam o propósito primordial por trás de todo o complexo piramidal monumental neste local ressonante, onde camadas de pedras cristalinas formam rocha espessa.

Todo material usado por esses antigos construtores da cultura Atlante foi selecionado a partir de depósitos naturais ou cuidadosamente fabricados por suas características ressonantes que beneficiariam a cura do corpo humano. De fato, todas as ferramentas práticas e todas as obras de arte foram projetadas como dispositivos ressonantes de cura elétrica “sem fio” que podem ter servido funções secundárias, cada uma baseada em sua forma particular.

A lavra de campos cultivados em torno da Pirâmide do Sol da Bósnia descobriu artefatos sintéticos de arenito que repetem as mesmas frases enigmáticas incorporadas no design e na composição pictográfica dos artefatos Paleo-sânscritos do arquivo das cavernas de Illinois e da coleção Caria, na Itália. Um bloco de pedra calcária retangular descobre uma coluna vertical repetida de glifos que lêem: kar-como kar-como kar-como kar-como kar-como upama – significando “Trabalhos, trabalhos … do mais alto” (acima).O padrão geométrico específico de linhas projetadas em baixo relevo neste bloco de arenito sintético também está embutido em uma estátua de pedra calcária Atlante de Caria, Itália, de uma mulher segurando uma planta, identificando a influência benéfica da ressonância de infravermelho planetária focada nesses locais específicos pela Grande Pirâmide.

Uma pirâmide de terracota modelo também foi descoberta em 2008 por estudantes da Universidade Christian-Albrechts de Kiel, na Alemanha, escavando em Donje Mostre no Vale das Pirâmides. Parcialmente fragmentado, o artefato na forma de uma pirâmide com quatro lados inscrita era datado por radiocarbono no período neolítico, com aproximadamente 6.500 anos de idade. Cada face da pirâmide apresenta um padrão repetitivo de glifos paleo-sânscritos claramente inscritos que escaparam ao reconhecimento de arqueólogos e epigrafistas.

As linhas repetitivas dos glifos descrevem a intensidade decrescente da ressonância do infra-som planetário, transduzida pela rede global de pirâmides, lendo: ris kar kar ris ris kar kar – significando “Diminuir obras, diminuir trabalhos, diminuir trabalhos …” (ao lado). Esta frase repetida ecoa os sentimentos arrependidos de muitas culturas descendentes de atlantes que retinham o conhecimento da função da rede da pirâmide e ainda se expressavam em passagens da língua paleo-sânscrita. Essa referência ao estado disfuncional das pirâmides sugere que esses moradores do Vale das Pirâmides do Neolítico foram responsáveis ​​por reabastecer segmentos dos túneis Ravne à medida que reajustam as instalações para uso renovado.

Um amuleto geométrico que descobriu figuras Paleo-Sânscritas também foi recentemente recuperado de campos próximos à Pirâmide do Sol em Visoko. Feito de um compósito de cimento cerâmico, o pequeno amuleto exibe um conjunto de três glifos: nau ya-as upama * – “Naves espaciais que lutam pelo mais alto” (oposto). Semelhante em tamanho a amuletos usados ​​em colares descobertos em vários outros locais de ocupação Paleo-sânscrita, este marcador votivo preferia ser carregado na mão, bolso ou bolsa e possivelmente usado como selo para carimbar o texto do glifo em argila úmida (para ser lido da direita para a esquerda).

A consideração ergonômica da forma escultórica vista nas plataformas megaceramicas também é testemunhada no design de pequenos símbolos pessoais feitos pelas culturas Atlantes em todas as partes do mundo. Itens que cabem na palma da mão ou sob os pés sempre foram moldados para acariciar a forma humana, e transduzir a poderosa ressonância infra-sônica que já foi focada na Pirâmide do Sol pela condução de três frequências das pirâmides de Gizé na íntegra em operação na maioria dos extensos terraços e calçadas de cimento do complexo piramidal na Bósnia não eram planos, mas tinham sido moldados individualmente com superfícies levemente onduladas que se ajustavam aos contornos do pé para maior contato com as solas nuas para eletrificação do corpo.

Esculturas piezoelétricas de mão aumentam os efeitos de campo ao redor do corpo humano, agindo como uma extensão da cura induzida pelas pedras da pirâmide. Um pequeno artefato de arenito de Visoko exibe um padrão suave de cordilheiras regulares que se ajustam muito confortavelmente nas garras de qualquer das mãos, mostrando três sulcos paralelos parecidos com o glifo Paleo-Sânscrito para ‘ trovejar ‘: raua (acima). Desenhos artísticos atlantes incluem geralmente ligaduras de glifo embutidas que descrevem a função ou o significado do item.

O motivo do glifo raua cria uma aparência mais sutil no design simples de uma escultura de arenito em tamanho natural de um pé humano que foi escavada abaixo de uma profundidade de 1 metro no Túmulo de Vratnica (abaixo). Linhas que delineiam os cinco dedos do pé se estendem ao longo de toda a extensão da pedra laranja, três das quais se destacam claramente juntas e podem talvez representar o glifo “trovejante”. Essa interpretação reflete a íntima associação do contato descalço com as pedras da pirâmide para a indução bioelétrica pelo trovão da ressonância do infra-som planetário.

O significado de tais referências artísticas sutis certamente está aberto à interpretação, mas esses padrões culturais óbvios e repetidos se expressam na escolha de materiais piezoelétricos ressonantes (com a energia do planeta) e no estreito alinhamento com métodos de cura védicos antigos e estilos de vida prescritos “sagrados” que foram rigorosamente respeitados pelas comunidades nativas. em muitas partes do mundo. A sabedoria natural dos caminhos antigos soa fiel aos aspectos mais profundos da consciência humana que estão ressurgindo com nossa atual unificação dos diversos campos da investigação científica.

A poderosa consciência circular de nossos antepassados ​​Paleo-Sânscritos estava firmemente ancorada por sua consciência de raiz dos ciclos de reencarnação que governam a migração espiritual humana através do tempo de acordo com os ritmos do cosmos e do karma de cada um. Nosso crescente interesse e consciência da tecnologia altamente avançada dessas pirâmides gigantescas que ficaram dormentes bem debaixo de nossos narizes por milhares de anos sem despertar a memória atlante dos eventos catastróficos que forçaram uma civilização outrora poderosa ao esquecimento total.

O complexo sistema de calendário atlante foi cuidadosamente mantido pelos Anciões Maias da região de Yucatán, projetado para rastrear as interações cíclicas dos planetas e seu domínio sobre a consciência humana através da concessão da cura bioelétrica natural. Nosso desfrute intuitivo dos campos eletromagnéticos de quedas d’água, picos de montanhas e cavernas está intimamente ligado à nossa fascinação e desfrute do ambiente eletromagnético de pirâmides monumentais.

Investigações experimentais contínuas sobre o efeito benéfico do contato físico direto com as plataformas do labirinto Ravne e as pirâmides da Bósnia inspirarão a cura do qi experimentos e estudos adicionais do potencial piezoelétrico do corpo humano que fundamenta o despertar da função primária da energia da Kundalini de nossos monumentos antigos em relação com nossos corpos físicos.


Matrix (o SISTEMA de CONTROLE)

“A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. 

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …” 


Saiba mais:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.