Paul Schmutz Schaller para o Saker Blog

Os adendos entre [ ] são de autoria do tradutor.

O ano de 2019: o Ocidente perdeu a supremacia no Oriente Médio

O país tomou os problemas impostos como uma motivação para melhorar a governança econômica e diminuir a dependência da venda de hidrocarbonetos. Enquanto em junho, digamos, havia um risco mais ou menos real de uma guerra agressiva contra o Irã, agora, esse tratamento desapareceu em segundo plano. O relatório do Secretário-Geral da ONU Guterres, de 10 de dezembro, dizendo que a ONU, após uma investigação na Arábia Saudita, não pode verificar o que os EUA e a Arábia Saudita afirmam que o Irã estava por trás dos ataques à Aramco em setembro, é uma vitória diplomática para o Irã. 

Quanto ao comércio iraniano, um funcionário disse recentemente que, durante os últimos 9 meses, China, Iraque, Emirados Árabes Unidos, Rússia, Afeganistão e Turquia foram os principais destinos das exportações iranianas, enquanto Turquia, Emirados Árabes Unidos e Alemanha são o maior comércio iraniano em termos de fornecimento de mercadorias para importações.

A Síria fez mais importantes progressos na luta contra o [pseudo]terrorismo, em particular na província de Idlib. Além disso, o governo e o exército foram capazes de utilizar a retirada parcial do exército de ocupação dos EUA no nordeste do país. A reconstrução na Síria avança, as empresas russas e chinesas desempenharão assim um papel importante. Centenas de milhares de refugiados voltaram. Em resumo, como o Presidente Assad disse na entrevista ao site italiano Rai News 24: „[…] a situação esta muito, muito melhor […] e acho que o futuro da Síria é promissor; nós vamos sair desta guerra mais forte”.

Na absurda guerra da Arábia Saudita contra o Iêmen, a situação estratégica mudou completamente. A Arábia Saudita perdeu a iniciativa e diferentes países árabes e africanos pararam o apoio ao exército saudita. O movimento dos houthis em Ansarallah fez ataques importantes, em particular contra as instalações da Aramco, e o movimento agora mantém fortes relações oficiais com o Irã.

O Ocidente e [sempre] Israel ainda estão tentando explorar a crise econômica e política no Líbano [Síria] e no Iraque. No entanto, as forças patrióticas desses países conseguiram manter uma visão positiva da situação e evitar cair nas armadilhas que se lhes ofereceram.

Não há razão para pensar que o desenvolvimento positivo no Oriente Médio mudará nos próximos meses. Pelo contrário. Pode-se esperar que a luta no Afeganistão contra o terrorismo e a ocupação dos EUA faça progressos importantes. Além disso, a influência na região da China e da Rússia aumentará ainda mais [para desespero dos sionistas de Israel]. No entanto, a situação geral permanecerá [muito] tensa. Isso se deve, é claro, ao fato de haver um país como Israel nessa região que é totalmente hostil contra os países vizinhos e tiraniza a população nativa.[sem considerar o acalentado plano de expansão territorial de Israel, bem como a agora confusa situação do impasse político no pais judeu, tendo convocado sua 3ª eleição para poder definir um novo governo]

A Ásia como um todo já se livrou amplamente o jugo da hegemonia ocidental. Na América do Sul, os fatos em desenvolvimentos em 2019 mostram – apesar do golpe na Bolívia – um movimento por mais independência que muito provavelmente continuará. [A rebelião popular contra a agenda liberal dos globalistas foi a mais contundente e sintomática na região] Eu diria que essa tendência também crescerá na África, em particular na África Ocidental e Central, devido à luta contra o terrorismo e à influência benéfica e cada vez maior da China e da Rússia na região.

2020: A luta entre o imperialismo internacional norte americano e a hegemonia ocidental chegará a uma decisão

O outsider Trump venceu em 2016, com base em seu programa de “America first”. Desde então, tornou-se cada vez mais claro que esse programa é de fato um programa do imperialismo nacional americano. Trump não está interessado em uma perspectiva “ocidental”. Um exemplo típico são as sanções dos EUA contra vários países, mesmo contra aliados tradicionais. Esta é uma mudança crucial. 

Desde o final da Segunda Guerra Mundial, os EUA foram construídos como uma potência líder mundial. Durante a Guerra Fria, isso se transformou na hegemonia coletiva ocidental – incluindo países como Canadá, Japão, Austrália e da OTAN – com os EUA como líder incontestável. O surgimento de um imperialismo nacional americano é um desafio inesperado para todos os outros países ocidentais. No entanto, é uma evolução lógica da situação na medida que o establishment .

As forças hegemônicas [o establishment] ocidentais tradicionais nunca aceitaram a eleição de Trump em 2016. Elas são muito fortes dentro do Partido Democrata dos EUA e no parlamento dos EUA em geral, mas também na Europa Ocidental. Com o impeachment e a eleição dos EUA em 2020, a luta entre as duas tendências chegará a uma decisão. É de se esperar que essa luta seja muito difícil. O único resultado lógico será uma vitória de Trump; no entanto, ainda é preciso ver se será uma vitória clara ou não. Em outras palavras, as forças hegemônicas ocidentais serão obrigadas a aceitá-lo desta vez? Penso que estas questões serão muito cruciais e decisivas em 2020.

Também para a Europa Ocidental, a influência dessa luta será imensa. Em relação a esse assunto, o Reino Unido é o região mais avançada da Europa Ocidental. Após uma luta de três anos e meio, a população deu um mandato claro ao governo Johnson para executar o Brexit [algo até a pouco impensável para as elites que querem exatamente o oposto, a “união total” dos países sob o tacão de um governo global]. É provável que agora, onde essa questão central seja resolvida, o desenvolvimento no Reino Unido seja bastante dinâmico. A formação de um imperialismo nacional avançará rapidamente. A França também está bastante bem preparada para uma vitória do imperialismo nacional americano; com o período de Charles de Gaulle na década de 1960, ela tem um modelo histórico.

Por outro lado, acredito que a Alemanha é o país menos preparado para o que esta surgindo. A Alemanha é muito anti-Trump. Em 2016, pesquisas na Alemanha indicaram que até 90% votariam em Hillary Clinton e apenas 4% em Donald Trump. As pesquisas nos últimos anos confirmaram claramente essa rejeição de Trump na população alemã. Além disso, o chanceler alemã Merkel tem sido amplamente vista como um reduto da hegemonia ocidental tradicional e contra o imperialismo nacional americano. 

No entanto, a situação também está mudando na potência alemã. Merkel perdeu sua autoridade e agora está bastante isolada. Cresce a consciência de que Trump não representa um parêntese na história, mas uma mudança fundamental [e radical do status quo do pós guerra mundial]. O impeachment de Trump não é considerado tão positivo quanto se poderia esperar. Além disso, a indústria alemã gostaria de ter melhores relações com a Rússia.

O que poucos conhecem e sabem é que a Cidade (The City – “The Crown”) Estado de Londres é o centro de poder financeiro do mundo e a milha quadrada mais valiosa da Terra – contém o Banco da Inglaterra controlado pelos judeus khazares Rothschild, o Lloyd’s de Londres, a Bolsa de Valores de Londres, todos os bancos britânicos, filiais de 385 bancos estrangeiros e 70 bancos dos EUA. A Cidade Estado (a City) de Londres abriga o jornal Fleet Street e monopólios de publicação (BBC/Reuters), também sede da World Wide English Masonry e o cartel mundial conhecido como The Crown …Com a saída do Reino Unido da UE todo este “ESQUEMA” termina, para PREJUÍZO dos globalistas  FONTE

Ainda existe outro problema. Embora o imperialismo nacional tenha uma longa tradição no Reino Unido e na França e provavelmente seja aceito sem muita resistência, na Alemanha, o imperialismo nacional não é popular, por razões históricas. Portanto, pode-se prever que a Alemanha terá um grande debate sobre sua identidade política; mesmo uma crise profunda é possível. Isso certamente é complicado pelo fato de Merkel precisar ser substituída e de que não há – na verdade – nenhum sucessor convincente. No entanto, estou bastante confiante de que a Alemanha poderá encontrar uma maneira de desempenhar um papel bastante positivo no mundo futuro.

Portanto, podemos antecipar que a hegemonia ocidental, [da elite, globalistas, illuminati, khazares, et caterva, que busca a implantação de um governo estilo NWO-Nova Ordem Mundial]  será substituída por imperialismos nacionais. Certamente, eles continuarão sendo um grande problema para o mundo, mesmo que a hegemonia ocidental clássica buscada pelas elites sofra uma derrota importante. Mas as contradições de outros países ocidentais com os EUA se expandirão fortemente. Isso dá ao mundo restante perspectivas muito melhores.

Do meu ponto de vista, 2019 foi um ano muito positivo e estou convencido de que o mesmo acontecerá em 2020.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br