browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Rússia prepara-se para atacar a Arábia Saudita que teria usado “armas químicas” no Iêmen

Posted by on 17/04/2018

Mais um surpreendente relatório do Conselho de Segurança da Rússia circulando no Kremlin hoje revela que o país  está no processo de preparação para ataques militares contra a Arábia (aliado de ISRAEL contra o IRÃ)  Saudita devido ao seu uso de armas químicas e biológicas no conflito do Iêmen, isto é devido à situação apocalíptica no Iêmen sobre  ficar ainda pior depois que os terroristas de Jaysh al-Islam que deixam a Síria e fugindo para a região do Iêmen, fluindo para lá em massa

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Rússia Prepara-se para atacar a Arábia Saudita depois que temor de ataques de armas químicas ao Iêmen pelos sauditas cresce. Putin ordenou que Bombardeiros Pesados Permaneçam no IRÃ

Por: Sorcha Faal – Fonte:  http://www.whatdoesitmean.com/

No ano passado os terroristas de Jaysh al-Islam usaram armas químicas contra os curdos sírios – com os maiores temores do Estado-Maior que seja um super vírus  descoberto no Iêmen por Médecins Sans Frontières (MSF-Doctors Without Borders), em que seus cientistas agora estão alertando para uma mutação de vírus que se transformou em uma nova bactéria que representa um risco catastrófico para todo o mundo.

Com a primeira ação da Rússia nesse possível ataque contra a Arábia Saudita sendo a ordem para que seus bombardeiros pesados permaneçam ​​no Irã para ficar lá até que novas ordens sejam recebidas enquanto Moscou avalia a situação e constrói uma coalizão com os EUA, Reino Unido e França para iniciar esses ataques.  [Nota: Algumas palavras e / ou frases que aparecem entre aspas neste relatório são aproximações em inglês de palavras / frases em russo que não possuem uma correspondência exata.]

De acordo com este relatório, nas horas que antecederam a reunião de ontem do Conselho de Segurança das Nações Unidas (UNSC), onde a Rússia  apresentou uma resolução condenando o “ataque aéreo” liderado pelos   EUA  contra a Síria por alegações de um ataque químico, o Presidente Putin  apontou para seus colegas ocidentais, de que a lógica que eles estavam usando para justificar seu ataque ilegal na Síria, poderia, por sua vez, agora ser usada pela  Rússia  para lançar ataques contra a Arábia Saudita – em coalizão com o  Ocidente, um novo padrão da ONU para permitir que qualquer país que ataca outro com armas químicas que seja melhor articulado pelo embaixador da França na ONU, François Delattre, que afirmou que o uso de armas químicas não pode ser tolerado e deve ser dissuadido… isso é essencial.

Ao lado da posição da Rússia, de que acusações de uso de armas químicas não comprovadas não conseguiu cumprir com os padrões das Nações Unidas para um país justificar um ataque contra outra nação (Lei da Guerra), este relatório continua, votaram China e Bolívia – com a Etiópia , o Cazaquistão, a Guiné Equatorial e o Peru abstendo-se de votar porque precisavam de mais informações – mas com as nações alinhadas ocidentais dos EUA, o Reino Unido, a França, Holanda, Suécia, Kuwait, a Polônia e a Costa do Marfim votando a favor de rejeitar as razões justificadas  das Nações Unidas para iniciar as suas guerras, criando um novo paradigma legal que permite que qualquer nação ataque outra baseada em nada mais do que o padrão “acreditamos que aconteceu, então é verdade ”.

Rapidamente adotando este novo padrão das Nações Unidas desejado pelo Ocidente “acreditamos que aconteceu, então é verdade” para justificar legalmente uma nação atacando outra, este relatório detalha, foi o Presidente Putin – e quem, durante a reunião do Conselho de Segurança de hoje, apresentou evidências de que a Arábia Saudita tem fornecido aos terroristas da ISIL e da Frente Nusra armas químicas e ingredientes químicos para a construção de tais armas – como o brigadeiro-general das Forças Armadas do Iêmen, general Sharaf Qaleb Luqman, documentou anteriormente o uso extensivo de armas químicas e biológicas por forças lideradas pela Arábia Saudita na província de Ma’rib, no Iêmen.

Ainda mais bárbaro, observa este relatório, o general Sharaf Qaleb Luqman, em outubro do ano passado, revelou que a verdadeira causa do surto de cólera no Iêmen se tornou o pior da história de todo o mundo – e que, de maneira chocante, afirmou :

“Gases venenosos foram espalhados no céu após os ataques aéreos diretos dos caças dos EUA, da Arábia Saudita e de Israel e eles desceram ao solo com a chuva e penetraram e contaminaram nossas águas subterrâneas. Portanto, foi uma guerra biológica na medida em que a Arábia Saudita já usou todos os tipos de armas proibidas contra nós”.

Enquanto o Ocidente está maquiavelicamente retorcendo-se para o argumento é que o ataque na Síria falhou completamente  sobre as suas alegações de uso de armas químicas não comprovadas pelo regime de Assad, que até os terroristas do grupo Jaysh al-Islam (que inventou essa história de “notícias falsas”, a pedido de seus  manipuladores dos serviços secretos britânicos ) estão agora “ Chamando de uma farsa”, continua este relatório, sendo que isto esta sendo completamente ignorado por esses belicistas warmongers ocidentais é o que a Arábia Saudita está fazendo no Iêmen – e cuja descrição e de uma “guerra” pelos liderados pelos EUA. A mídia de propaganda mainstream é tão grosseiramente obscena quanto incorreta, já que a verdadeira proposta é o total extermínio dos milhões de povos xiitas desse país no que já se tornou um dos maiores genocídios da história da humanidade.

Na medida que o genocídio patrocinado pelo Ocidente no Iêmen agora cresceu para profundezas tão malignas e demoníacas que o chefe humanitário da ONU, Mark Lowcock , depois de visitar recentemente a região, chocantemente entoou que “parece com o apocalipse” enquanto advertia que a “menos que a situação mude, nós” vamos ter o pior desastre humanitário do mundo nos últimos 50 anos”, detalha o relatório, o bloqueio total da Arábia Saudita em permitir a entrada de alimentos no Iêmen causou a morte de pelo menos 150.000  (muitas crianças) vítimas só no último ano – mas cujas mortes reais e verificáveis ​​o povo norte americano não esta autorizado a saber, a fim de pesar contra as supostas, mas nunca encontradas, 40 ou mais sírios supostamente mortos vitimados por produtos químicos na semana passada para determinar qual nação, de fato, eles deveriam estar atacando por crimes contra a humanidade.

A forma como a Arábia Saudita tem conseguido manter oculto do povo norte americano e global os crimes genocidas contra a humanidade no Iêmen, explica o relatório, deveu-se à realização de uma das maiores campanhas de relações públicas de engano na história dos EUA, que custou US$ 1,5 bilhão. – e cujos esforços levaram à compra de todo o establishment de mídia de propaganda dos EUA, bem como dos principais políticos dos EUA, liderados por Qorvis MSLGROUP e Booz Allen Hamilton – sendo este último uma consultoria de gestão dos EUA, com ligações estabelecidas há muito tempo com o Estado Profundo – e que, também, esteve envolvido nos programas ilegais de vigilância em massa na internet, o SWIFT e o PRISM revelados por Edward Snowden.

O que não se percebe à primeira vista são os interesses de CONQUISTA DE TERRITÓRIO para a construção do GRANDE ISRAEL, um objetivo muito desejado pelos judeus sionistas khazares, desde a fundação de ISRAEL há quase 70 anos.


“Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás”. –  Apocalipse 2:9

“Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo”.  Apocalipse 3:9


O que colocou as ações genocidas da Arábia Saudita no Iêmen na vanguarda da consideração militar e política russa como uma ameaça vital à segurança nacional para toda a Federação, são os relatórios graves sendo emitidos pelos cientistas dos Médicos Sem Fronteiras sobre o que esta agora acontecendo no Iêmen devido ao uso de armas biológicas e químicas descontrolado da Arábia Saudita – com esses médicos alertando que este conflito está assumindo aspectos da guerra apenas uma vez encontrados nos livros de história, quando o custo real de uma campanha militar não é o dano imediato das armas, mas o impacto de longo prazo e muito maior das doenças que se espalham no caos do conflito armado.


Sobre os Judeus Khazares, saiba mais acessando os links:


Primeiramente o vírus foi observado pelas tropas americanas no Iraque e no Afeganistão, este relatório explica que os americanos  em 2009, perceberam que uma bactéria nunca antes conhecida circulava pelo Oriente Médio que nenhum antibiótico poderia curar – conhecida como uma “superbactéria” – e que devido ao uso de armas biológicas e químicas pela Arábia Saudita no Iêmen, agora se transformou no que está sendo chamado de “Acinetobacter baumannii ” – e cuja virulência mortal é tão temida, que até mesmo os EUA a rotularam como uma “ameaça à sua segurança nacional“..

Para qualquer um acreditar que a situação já apocalíptica no Iêmen, devido aos sauditas serem autorizados por seus apoiantes ocidentais (e apoiado por Israel) para usar armas químicas e biológicas contra esses povos inocentes, não poderia ficar pior, e estariam gravemente equivocados – na medida que os terroristas do grupo Jaysh al-Islam da Síria controlados pelos  britânicos (que atacam principalmente alvos civis através de sequestros e bombardeios, e lançam foguetes contra Israel) estão agora sendo enviados ao Iêmen pela Arábia Saudita – com os sauditas os apoiando é que esses terroristas admitiram livremente que usaram armas químicas em uma área habitada por  curdos na cidade de Aleppo, no norte da Síria em abril de 2016 – e sob a novo padrão da guerra da ONU  recentemente imposto ao mundo pelos norte americanos, e que agora transforma também a Arábia Saudita como um “legítimo alvo para a destruição” pelas forças russas, devido ao uso, também por este país, de armas químicas.

É por isso que os militares russos e o Presidente Putin acabaram de instruir o Estado-Maior da Rússia para iniciar conversações com os EUA, o Reino Unido e a França, a fim de construir uma nova “coalizão” para também atacar essas “armas químicas” na Arábia Saudita o mais rápido possível – e isso, é claro, nenhuma dessas potências  ocidentais poderá objetar, já que decidir qualquer outra coisa as expõe no palco global como simples mentirosos e hipócritas, para não usar outros adjetivos.

Um bom modo de entender o que está verdadeiramente conduzindo o rufar de tambores da marcha para a guerra, mais uma vez, é ouvir o General de 4 estrelas Wesley Clark que alertou os EUA em outubro de 2007.  Vídeo do General Wesley Clark: “Os EUA atacarão 7 países em 5 anos“

Em 15 de abril de 2018 © EU e EUA todos os direitos reservados. A permissão para usar este relatório em sua totalidade é concedida sob a condição de que ele seja vinculado à sua fonte original em WhatDoesItMean.Com  Conteúdo do Freebase licenciado sob CC-BY e GFDL.


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

7 Responses to Rússia prepara-se para atacar a Arábia Saudita que teria usado “armas químicas” no Iêmen

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.