browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Rússia tem “provas irrefutáveis” de que Inglaterra encenou o ataque químico na Síria

Posted by on 16/04/2018

Enquanto a acusação sobre o suposto ataque químico em Douma na Síria se confirmou do que se esperava que fosse ter como consequência o ataque aéreo dos EUA, Reino Unido e a França contra a Síria, na manhã de sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse que Moscou tinha “provas irrefutáveis” de que o (Falso) ataque químico – que supostamente matou mais de 40 pessoas com uso de armas químicas em 7 de abril no antigo posto rebelde de Douma – foi encenado com a ajuda de um serviço secreto estrangeiro.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

“Temos provas irrefutáveis ​​de que este foi outro evento encenado (Ataque de Falsa Bandeira), e que os serviços secretos de uma determinada nação que está agora à frente de uma campanha russofóbica estiveram envolvidos neste evento encenado“, disse ele durante uma coletiva de imprensa, segundo a AFP

Fonte:  https://www.zerohedge.com/

A especulação que dizia que “determinado estado” era o Reino Unido foi confirmada pouco depois, quando o Ministério da Defesa da Rússia alegou que a Grã-Bretanha estava envolvida no suspeito ataque químico. De acordo com o porta-voz do Ministério da Defesa, o general Igor Konashenkov, o Kremlin tem evidências de que a Grã-Bretanha estava por trás do ataque.

Citado pela Reuters, ele disse: “Temos … evidências que comprovam que a Grã-Bretanha esteve diretamente envolvida na organização dessa provocação”. Como RT acrescenta aindao Ministério da Defesa da Rússia apresentou o que diz ser “prova de que o ataque de armas químicas na Síria foi encenado “.

Também acusou o governo britânico de pressionar os perpetradores a acelerar a “provocação”. Durante um briefing na sexta-feira, o ministério mostrou entrevistas com duas pessoas que, segundo ele, são profissionais médicos que trabalham no único hospital que opera em Douma. cidade perto da capital síria, Damasco.

Durante um briefing na sexta-feira, o ministério mostrou entrevistas com duas pessoas, que dizem, são profissionais médicos que trabalham no único hospital que opera em Douma, uma cidade perto da capital da Síria, Damasco.

Nas entrevistas divulgadas à mídia, os dois homens relataram como as imagens foram filmadas de pessoas que se molhavam com água e tratavam crianças, o que foi alegado para mostrar o resultado do ataque de armas químicas em 7 de abril . Os pacientes mostrados no vídeo sofreram envenenamento por fumaça e a água foi derramada sobre eles por seus parentes, depois de uma falsa alegação de que armas químicas foram usadas, disse o ministério.

“Por favor, observe. Essas pessoas não escondem seus nomes. Estas não são algumas reivindicações sem rosto nas mídias sociais por ativistas anônimos. Eles participaram livremente da gravação, ”disse Konashenkov.

“O Ministério da Defesa da Rússia também tem evidências de que a Grã-Bretanha teve um envolvimento direto na organização dessa provocação na região leste de Ghouta”, acrescentou o general, referindo-se à vizinhança da qual Douma faz parte. “Nós sabemos com certeza que entre 3 de abril e 6 de abril os chamados Capacetes Brancos foram seriamente pressionados de Londres para acelerar a provocação que eles estavam preparando.”

Segundo Konashenkov, o grupo, que era uma fonte primária de fotos e imagens do suposto ataque químico, foi informado de um ataque de artilharia em grande escala contra Damasco, planejado pelo grupo islâmico Exército do Islã, que controlava Douma na época. Os capacetes brancos foram ordenados a organizar a provocação depois de ataques de retaliação pelas forças do governo sírio, que o bombardeio certamente levaria, disse ele.

O Reino Unido rejeitou as acusações, com a embaixadora britânica da ONU, Karen Pierce, chamando-as de “grotescas”, “uma mentira descarada” e “a pior notícia falsa que já vimos na máquina de propaganda russa”.

Uma das entrevistas publicadas pelo ministério mostrou um homem que disse que seu nome era Halil Ajij e quem disse que ele era um estudante de medicina que trabalhava no único hospital operacional da Douma. Foi assim que ele descreveu a origem da filmagem:

“Em 8 de abril, uma bomba atingiu um prédio. Os andares superiores foram danificados e houve um incêndio nos andares inferiores. Vítimas desse bombardeio nos foram trazidas. Pessoas dos andares superiores tinham envenenamento por fumaça. Nós os tratamos, com base em sua sufocação “.

Ajij disse que um homem desconhecido  veio ter com ele e disse que houve um ataque químico e o pânico se seguiu. 

“Parentes das vítimas começaram a beber muita água. Outras pessoas, que não pareciam ter treinamento médico, começaram a administrar remédios contra a asma em crianças. Não vimos nenhum paciente com sintomas de envenenamento por armas químicas ”, disse ele.

As primeiras fotos que mostravam o resultado do suposto ataque químico no dia 7 de abril foram publicadas on-line no mesmo dia e mostravam os corpos de muitas pessoas, incluindo crianças, algumas com espuma ao redor de suas bocas e narizes. Imagens do hospital foram liberadas no domingo, com as fontes por trás alegando que foram filmadas no sábado.

Konashenkov disse que a Rússia espera que monitores internacionais da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW), que devem investigar as circunstâncias do incidente, ajudem a estabelecer a verdade. Ele acrescentou que Ghouta Oriental está atualmente tentando retornar à vida pacífica depois de ser libertado de grupos militantes (mercenários) pelas forças do governo sírio. Ele pediu que outras nações e organizações internacionais forneçam ajuda humanitária, que é muito necessária na área. A Rússia já está fornecendo alimentos, remédios, materiais de construção e outros suprimentos essenciais para o bairro, disse ele.

Moradores do bairro, que antes fugiram da violência, estão voltando para suas casas agora que a área está relativamente segura, disse a autoridade russa. Os últimos relatórios do país dizem que cerca de 63 mil pessoas retornaram, o que representa mais da metade dos moradores deslocados, acrescentou.

O falso ataque com armas químicas aumentou as tensões sobre a Síria, na mesma medida em que Damasco estava prestes a assumir o controle total do leste de Ghouta. Os EUA e seus aliados como o Reino Unido e a França levaram a cabo uma ação militar em resposta ao que eles alegam ser uma atrocidade cometida pelo governo sírio. A Rússia insiste que o incidente foi encenado e disse que se reserva o direito de combater qualquer ataque efetuado à Síria.

A RT também falou sobre as reivindicações russas com Lord Alan West, um oficial aposentado da Marinha Real Britânica. Ele disse que tinha fortes reservas em considerar as acusações contra Damasco, porque não fazia muito sentido militar.

“Parece totalmente ridículo que as forças armadas que estão no processo de ocupar uma área possam ir e fazer algo com armas químicas, o que atrairá maior ira do inimigo contra elas”, disse ele. “Se eu estivesse aconselhando os oponentes do [presidente sírio Bashar] Assad, eu ficaria feliz em matar algumas pessoas lá. Vamos enfrentá-lo, [os insurgentes] que não se importam se matam mulheres e crianças”. “Não estou disposto a aceitar tweets. Precisamos ver uma verdade incontestável sobre o que aconteceu lá e tomar uma decisão com base nisso ”, acrescentou.

Na quarta-feira, a Rússia fez a primeira alegação de que o ataque químico foi encenado por potências ocidentais, neste caso pelos infames “capacetes brancos“, uma ONG financiada pelos Estados Unidos elogiada pela mídia controlada tradicional por seu trabalho humanitário, enquanto há muito tempo é suspeita de realizar menos do que atos humanitários por trás da cortina

Falando com o  Euronews , o embaixador da Rússia na UE, Vladimir Chizov, disse que “especialistas russos visitaram a região, entraram nas ruas, entraram nas casas, conversaram com médicos locais e visitaram o único hospital em funcionamento em Douma, incluindo o seu porão”. as montanhas de cadáveres se acumulam. Não havia um único cadáver e nem mesmo uma única pessoa que fosse tratada após o ataque.”

Descoberto Plano, em janeiro de 2013, com o apoio dos EUA para lançar um FALSO ATAQUE com armas químicas sobre a Síria e jogar a CULPA no regime de Assad

“Mas nós os vimos no vídeo!” responde o   correspondente da EuroNews, Andrei Beketov. ” Simplesmente Não houve ataque químico em Douma,” , responde Chizov. “Nós vimos outro evento encenado. Há pessoal, especificamente treinado – e você pode adivinhar por quem – entre os chamados Capacetes Brancos, que já foram pegos em flagrante com vídeos encenados.”

A Rússia disse anteriormente que enviou especialistas em guerra radiológica, química e biológica – junto com médicos, a fim de inspecionar a cidade de Douma, no leste de Ghouta, onde o pseudo ataque teria ocorrido. 

O Ministério da Defesa da Rússia disse em comunicado que os especialistas “não encontraram vestígios do uso de agentes químicos”, após uma busca nos locais, acrescentando que “todos esses fatos mostram … que nenhuma arma química foi usada na cidade de Douma”. como foi reivindicado pelos Capacetes Brancos”. 

“Todas as acusações trazidas pelos capacetes brancos, bem como suas fotos … alegadamente mostrando as vítimas do ataque químico, não são nada mais do que mais uma notícia falsa e uma tentativa de perturbar o cessar-fogo”, disse o Centro de Reconciliação Russo. 

Vídeo de Testemunha ocular que nega a acusação dos “Capacetes Brancos”:

 

Seja como for, se a Rússia realmente tem “provas irrefutáveis”, é provavelmente apenas uma questão de tempo até que seja tornada pública na tentativa de influenciar a opinião pública, idealmente antes dos ataques aéreos sírios recomeçarem. Se confirmado, seria um grande tapa diante das forças neoconservadoras nas “democracias ocidentais”, se não fosse um choque: depois de todos os Estados Unidos usarem um pretexto fabricado para empreenderem uma guerra ou simplesmente para realizar uma tão necessária distração dos seus assuntos domésticos, de novo no Oriente Médio é uma narrativa dolorosamente familiar.

Enquanto esperamos que Trump anuncie o que acontecerá em seguida, na quinta-feira informamos que o assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, e o secretário da Defesa, James Mattis, estão discutindo sobre a estratégia na Síria, com Mattis preferindo uma abordagem mais cautelosa. e a Grã-Bretanha está elaborando amplos planos de ataques e está disposta a seguir qualquer estratégia militar, embora, como observado, uma leitura de uma conversa telefônica na quinta-feira, do presidente Trump e a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, sugira que a ação militar não só poderia estar a poucos dias, como de fato já aconteceu.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.
Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

10 Responses to Rússia tem “provas irrefutáveis” de que Inglaterra encenou o ataque químico na Síria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.