browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Sanatório Geral: repórter do ‘CNN News’ afirma que “não é possível” atribuir gênero no nascimento

Posted by on 01/04/2021

Em um artigo relatando a decisão de Kristi Noem de vetar o projeto de lei “Equidade nos esportes femininos”, o  repórter de notícias de última hora da CNN Devan Cole afirmou ontem  que não há como determinar a “identidade de gênero” de uma criança no nascimento“Não é possível saber a identidade de gênero de uma pessoa no nascimento, e não há critérios consensuais para determinar o sexo no nascimento” , afirmou Cole, em uma declaração mais adequada para um artigo de opinião de um lunático confuso do que para um artigo de um repórter de notícias de última hora.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Sanatório Geral: repórter do ‘CNN News’ afirma que “não é possível” atribuir gênero no nascimento

Fonte:  National Review

Na verdade, como a maioria de nós está disposta a reconhecer, em toda a história da humanidade e de nossa civilização todos nós confiamos em uma maneira muito simples de saber reconhecer o sexo de um ser humano desde o nascimento.

O conceito de “atribuição” de sexo no nascimento, longe de ser baseado em qualquer “critério de consenso”, é uma invenção progressiva projetada para inculcar os novos pais a acreditarem que o sexo e o gênero biológicos de uma criança são às vezes, ou mesmo frequentemente, desalinhados com a realidade física, e que seria prejudicial para eles simplesmente aceitar a realidade de sua biologia ao nascer.

Cole tem mais a oferecer nesse sentido, criticando duas ordens que Noem assinou em um esforço para exigir que atletas biologicamente masculinos e biologicamente femininos competem contra outros de seu próprio sexo:

Embora  as duas ordens executivas  assinadas por Noem não mencionem explicitamente atletas transgêneros, eles fazem referência aos supostos danos da participação de “homens” no atletismo feminino – um eco da alegação transfóbica, citada em outras iniciativas legislativas semelhantes, de que mulheres transgêneros não são mulheres. As ordens também fazem referência a “sexo biológico”, um termo  contestado que se refere ao sexo listado nas certidões de nascimento originais dos alunos.

Para Cole, a frase ativista “transfóbico” é uma questão de simples fato, adequada para ser usada por um [pseudo] escritor de notícias de peso, mas a frase “sexo biológico” é aparentemente contestável.

Claro, ao contrário do que Cole e seus editores da CNN gostariam que engolíssemos no atacado, o sexo biológico é uma realidade científica definida, observável – independentemente do que alguém possa acreditar sobre a melhor forma de lidar com a questão política dos atletas que se identificam com o sexo oposto.

Fingir que nós, como sociedade, somos incapazes de saber se uma criança é homem ou mulher ao nascer é loucura, é insanidade mental e uma enorme distorção da realidade. Mais do que isso, é uma loucura a serviço do projeto de esquerda redefinir sexo e gênero como sendo inteiramente uma criação mental/psicológica de cada indivíduo, totalmente desvinculado de qualquer realidade biológica ou metafísica.

Em um artigo publicado no Wall Street Journal  esta manhã,  Margaret Harper McCarthy aborda exatamente o que há de tão problemático nesse esforço, especialmente conforme codificado na Lei de Igualdade, que os democratas estão tentando aprovar no Congresso:

O que está em jogo na chamada Lei da Igualdade, atualmente no Senado, não são os esportes femininos nem o uso dos banheiros femininos, pelo menos não em última instância. Em jogo está a liberdade dos seres humanos racionais de usar um vocabulário comum ao falar sobre o que todos podem perceber como realidade…

A Lei da Igualdade não se refere a mistérios invisíveis como a Santíssima Trindade, por exemplo. Isso é uma questão de crença e fé no sentido estrito, embora não seja irracional ou privado. Em vez disso, a Lei da Igualdade diz respeito a coisas que todos podem ver e compreender. Os bebês não precisam ser instruídos para saber que são as mães que os amamentam e que os pais não podem fazê-lo. A diferença sexual é óbvia para qualquer pessoa com olhos para ver.

McCarthy está certo. O debate sobre a Lei da Igualdade – ou sobre o projeto de lei de Dakota do Sul que Noem vetou – não é, em última análise, um debate sobre banheiros ou times esportivos.

É um debate sobre se nós, como sociedade, como civilização, concordamos com o programa de fingir que o sexo de homens e mulheres são intercambiáveis, que as realidades do sexo biológico e da natureza humana podem ser apagadas se fingirmos com bastante força .

Nós sabemos de que lado está a CNN.


“Então o “Senhor” fez chover enxofre e fogo, do Senhor desde os céus, sobre Sodoma e Gomorra; E destruiu aquelas cidades e toda aquela campina, e todos os moradores daquelas cidades, e o que nascia da terra. E a mulher de Ló olhou para trás e ficou convertida numa estátua de sal. E Abraão levantou-se aquela mesma manhã, de madrugada, e foi para aquele lugar onde estivera diante da face do Senhor; E olhou para Sodoma e Gomorra e para toda a terra da campina; e viu, que a fumaça da terra subia, como a de uma fornalha”. – Gênesis 19:24-28


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br.

3 Responses to Sanatório Geral: repórter do ‘CNN News’ afirma que “não é possível” atribuir gênero no nascimento

  1. joan

    esse site tem umas notícias tão boas, só que não entendo esse tipo lixo de matéria recheada de preconceito e homofobia, sendo até pior que a lavagem cerebral que é feita na humanidade, e isso tudo como se fosse algo da Luz. a consciência ta precisando expandir aí meus amados!

    • Keanu Reeves

      Pelo visto não entende o mal dessas políticas, por trás do discurso lindo inclusivo está as mais sujas intenções. O objetivo desa política é causar o caos, dividir e conquistar, criar gêneros infinitos [gerando o caos] e a destruição da liberdade. Quer ser gay seja, só não venha querer mais direitos do que já tem, ainda continua sendo um ser humano.

      • joan

        concordo até a parte de querer ter mais direitos, pq nem direitos iguais temos ainda, até pq deveria ser direitos humanos e não direitos lgbt e etc, mas já que não funciona assim né…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.