browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Siemens implicada no rastreamento de trabalhadores escravos no espaço

Posted by on 13/06/2017

Siemens-and-Tracking-Galactic-Slave-Trade (1)Um passado imoral segue a corporação multinacional da Alemanha, a gigante Siemens, fundada em 12 de outubro de 1847, em Berlin, ainda na antiga Prússia, atualmente a maior empresa de engenharia da Europa, sendo as áreas de Indústria, Energia, Saúde e Infraestrutura & Cidades as suas principais divisões que representam as principais atividades da empresa que ajudou os nazistas usando trabalho escravo para construir armas avançadas durante a Segunda Guerra Mundial.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A gigante Siemens implicada no rastreamento de trabalho forçado de escravos nos programas secretos espaciais

Fonte: http://exopolitics.org/

O colapso do Terceiro Reich de Hitler pôs fim a um capítulo sombrio no passado da gigante Siemens – de acordo com os historiadores convencionais. Não parece ser assim, de acordo com as alegações de dois denunciantes e insiders cujos testemunhos levaram a uma conclusão perturbadora. A Siemens esteve envolvida em construir secretamente bilhões de pequenos chips RFID para rastrear o movimento de humanos seqüestrados usados como trabalho forçado em colônias espaciais secretas e em um comércio de escravos cósmicos.

bases-lua-marte-ssp

O papel da Siemens em ajudar a Alemanha nazista a construir armas avançadas para a Segunda Guerra Mundial é bem conhecido, mas menos conhecido é a medida em que participou do uso do trabalho escravo. Em 24 de setembro de 1998, a Siemens decidiu começar a compensar as vítimas de suas ex-práticas de trabalho escravo, conforme o seguinte Relatório da Associated Press que descreve: 

“A Siemens anunciou planos na quarta-feira por um fundo de US $ 12 milhões para compensar os antigos escravos obrigados a trabalhar pela empresa pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial …. Quase um ano atrás, em suas comemorações do 150º aniversário, a empresa havia insistido em não poder fazer mais por seus ex-trabalhadores escravos do que expressar “arrependimentos profundos”. A Siemens, com sede em Munique, disse que seu fundo é adicional aos US $ 4,3 milhões pagos Para a Conferência de Reclamações Judias em 1961 e para prestar ajuda humanitária às vítimas. A Siemens estima que entre 10 mil e 20 mil trabalhadores escravos trabalharam em suas fábricas de guerra”.

O papel da Siemens em reconhecer a utilização da mão-de-obra escrava no tempo de guerra e os esforços para compensar as vítimas foi louvável. No entanto, o reconhecimento ocorreu quarenta anos após os acontecimentos em questão e leva a perguntas preocupantes sobre se a empresa então foi sincera ou simplesmente desejava evitar ações judiciais em uma ação judicial em curso nos Estados Unidos:

A ameaça de ações judiciais aumentou a pressão sobre as empresas alemãs para pagarem reivindicações diretas aos milhares de presos dos campos de concentração, principalmente judeus, obrigados a trabalharem em regime escravo em suas fábricas para atender ao esforço de guerra da Alemanha Nazista. Advogados que representam ex escravos criticaram a Siemens, como fizeram pela Volkswagen, pela criação de um fundo para evitar pagamentos maiores que um processo poderia exigir. A Siemens está buscando “a alternativa mais barata”, disse o advogado de Munique, Michael Witti, que, com um colega, apresentou o processo dos EUA.

Os leitores podem ser perdoados por acreditar que a compensação de ex-trabalhadores escravos é uma questão associada a um capítulo terrível em nossa história recente. No entanto, há testemunho do denunciante e insider de que tais práticas continuam e a Siemens ainda está envolvida em trabalho escravo.

William Pawelec era um especialista em operações informáticas e programação com a USAF, que iniciou sua própria empresa de segurança eletrônica e trabalhou para grandes conglomerados empreiteiros da indústria de defesa (desenvolvimento de armas e munições) de alto perfil dos EUA, como a SAIC e a EG & G. Ele recebeu autorizações de segurança de alto nível e teve acesso a muitos projetos classificados como top secret.

secret-space-program-UFOs

Antes de 2001, Pawelec decidiu revelar o que sabia sobre projetos (Black Ops) de orçamento negro (nT: recursos não são fiscalizados pelo congresso dos EUA e são oriundos do TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS, levada a efeito e controlado globalmente pela CIA) profundos que ele acreditava estar escondendo a existência e o desenvolvimento de tecnologias avançadas do público dos EUA. Ele deu uma entrevista ao Dr. Steven Greer com instruções rigorosas de que só poderia ser publicada após a sua morte. Ele morreu em 22 de maio de 2007 e o vídeo foi publicado postumamente em 14 de dezembro de 2010.

Entre as suas muitas revelações estão as informações sobre o desenvolvimento dos primeiros chips de rastreamento RFID eletrônicos que foram desenvolvidos já em 1979, de acordo com Pawelec. Ele explicou a história do seu desenvolvimento e o papel que sua empresa com sede em Denver desempenhou na criação de reuniões com agências governamentais, que estavam interessados em usar os chips para fins de segurança.

Em sua entrevista em vídeo com Greer, Pawelec disse :

“Na época do meu serviço no setor de segurança, muitos de nós tínhamos muitas preocupações quanto ao rastreamento e localização de pessoas que eram sequestradas. Em particular, o que estava acontecendo na Europa no momento em que tínhamos oficiais da OTAN e até mesmo o primeiro-ministro da Itália, sendo seqüestrados … Essas pessoas foram drenadas [de informações] ou foram brutalizadas ou ambas as ocorrências … Um dos objetivos da indústria era desenvolver tecnologia que nos permitisse rastrear essas pessoas ou localizá-las rapidamente em seus cativeiros”.

Ele disse que os chips de rastreamento, que eram muito pequenos e com forma de pílula, tinham múltiplas funções:

“Agora, este dispositivo em forma de pílula em particular, muito minuto, tinha muita flexibilidade em suas capacidades. Era basicamente quase um transponder. Você poderia enviar uma frequência para isso e responderia com seu número único que não poderia ser alterado uma vez que o chip foi feito. No entanto, havia muitos recursos que poderiam ser adicionados a este chip, como o monitoramento da temperatura, pressão sanguínea, batimento cardíaco e formas de onda sendo emitidas para fora do cérebro”.

Pawelec disse que, pouco depois de demonstrar um chip de niobate de lítio ainda mais sofisticado em 1984, que poderia ser rastreado a uma distância de 120 quilômetros desde o espaço, ele descobriu que uma pequena empresa do Vale do Silício (Califórnia) havia sido criada para fabricar bilhões deles. Ele aprendeu que “depois de terem feito bilhões e bilhões desses pequenos microchips”, a fábrica fechou um ano depois, e todas as informações sobre as CHIPs simplesmente desapareceram.

Pawelec disse que a pequena empresa responsável por fazer bilhões desses pequenos CHIPs “era uma divisão de uma grande empresa europeia de eletrônicos que detinha a planta. A gigante da Alemanha, a Siemens “. Pawelec passou a descrever como seu colega, Bob, o ex-chefe de segurança do Departamento de Estado dos EUA, foi assassinado em Nairobi porque ele estava muito perto de descobrir sobre as pessoas que adquiriram o controle sobre os CHIPs de rastreamento e construíram bilhões deles para um propósito “desconhecido”.

De acordo com Pawelec, as pessoas por trás do assassinato de Bob se infiltraram no complexo industrial militar dos EUA no seu nível mais alto e poderiam intimidar e silenciar qualquer um. O testemunho de Pawelec sugere que a corporação Siemens adquiriu os direitos e o controle sobre a tecnologia de rastreamento via CHIPs, construiu bilhões deles em menos de um ano usando uma subsidiária dos EUA em segredo, para e em seguida, providenciar para fechar a fábrica local com todas as informações sobre os chips de rastreamento sendo mantidas em sigilo.

Muito importante, o conglomerado Siemens foi associada a uma poderosa força incorporada no complexo industrial militar dos EUA, que tentava esconder o verdadeiro propósito de utilização dos CHIPs. Esta força oculta possuía o poder de “remover” alguém que chegasse muito perto de descobrir a verdade, mesmo sendo o chefe de segurança em uma embaixada dos EUA.

Vale a pena repetir que a principal função dos pequenos chips, de acordo com Pawelec, era acompanhar as pessoas e até mesmo monitorar seus principais processos fisiológicos mesmo a grandes distâncias. Isso leva à questão, por que a corporação Siemens precisaria de bilhões de chips para monitorar as pessoas em grandes distâncias? Para saber essa resposta, precisamos recorrer ao testemunho de outro denunciante e insider.

Corey Goode afirma ter trabalhado para uma série de programas espaciais secretos durante um período de vinte anos de 1987 a 2007. Ele diz que ele teve acesso a informações num dispositivo que ele chama de “Smart Glass Pads” que revelaram a história real da humanidade, especialmente os eventos em torno e após o final da Segunda Guerra Mundial na Europa e com a “aparente” derrota da Alemanha nazista.

Em poucas palavras, Goode afirma que elementos-chave do regime nazista conseguiram desenvolver um programa espacial secreto durante a segunda guerra com o apoio tecnológico de duas raças extraterrestres. O poder principal , no entanto, não se enquadrava com a S.S. de Hitler, mas com várias sociedades secretas alemãs que usavam conhecimento oculto, contato com aliens e sua vasta riqueza escondida para construir avançadas espaçonaves com sistema de propulsão antigravidade em instalações industriais de locais remotos na Antártica e América do Sul.

Pequena RFID Chip em comparação com o grão de arroz. Imagem carregada em 2009. Fonte: Wikipedia

Pequeno chip RFID em comparação com um grão de arroz. 

As sociedades secretas alemãs já haviam construído bases sobre a Lua e Marte mesmo antes do final da Segunda Guerra Mundial. Posteriormente, juntamente com os restos da divisão de tecnologias avançadas da S.S. nazista, que foi liderada por Hans Kammler, os alemães se infiltraram completamente nas grandes indústrias e corporações do complexo industrial militar dos EUA usando cientistas nazistas da Operação Paperclip que foram transferidos da Alemanha para os EUA.

As grandes corporações norte-americanas foram infiltradas, juntamente com muitas empresas líderes do setor aeroespacial e de engenharia na Europa, Japão e outros lugares. A empresa Siemens, com sua longa história de associação com a Alemanha nazista, foi um canal natural para a infiltração do complexo industrial militar dos EUA por elementos nazistas.

Pawelec tinha aprendido sobre a estranha influência exercida sobre o complexo industrial militar dos EUA pelas elites alemãs quando ele viajou para o Tonopah Test Range Airfield para um projeto classificado como altamente secreto. Após a morte de Pawelec, sua esposa, Mary Joyce Annie DeRiso, compartilhou mais da informação que Pawelec lhe contou sobre o incidente de Tonopah e sobre QUEM estava realmente no controle do exército dos EUA. DeRiso compartilhou sua informação quando foi entrevistada sobre o depoimento de Pawelec no vídeo do Projeto de Divulgação de Greer :

“Seu desencanto começou quando ele foi chamado para dar o que ele pensava que seria um relatório regular do status de um projeto em Tonapah. A reunião foi realizada em uma sala fortemente controlada que foi construída como uma gaiola de Faraday, tornando impossível que as comunicações entrassem ou saíssem da sala selada. Pastas, papéis, pagers e qualquer forma de identificação não foram permitidos naquela reunião … Apenas os generais poderiam ser reconhecidos pelos seus uniformes. A tensão era muito alta e Bill ficou surpreso com o quão nervoso estavam os generais de alto escalão. Ele sabia que algo MUITO GRANDE estava acontecendo. Bill viu um jato privado acompanhado por dois de nossos jatos militares que pousavam na pista. Surpreendentemente, este jato privado rodou todo o caminho até o prédio, onde a reunião foi agendada quando os jatos da escolta partiram. Um homem muito imponente saiu do jato e entrou na sala. Ele era relativamente alto e usava um traje europeu muito caro. Seus sapatos e malas eram igualmente luxuosos e havia um ajudante ou guarda-costas ao seu lado. Seu comportamento era muito aristocrático e ele falava com um CARREGADO sotaque alemão. A sala ficou eletrificada com tensão nervosa, pois cada pessoa deu relatório de seu status e respondeu as perguntas feitas por ele”.

washington-ufo-sobrevoo-nazistaQuando todos falaram, o civil alemão agradeceu pelo seu bom trabalho e simplesmente deixou o local. Ele nunca foi apresentado e nem foi identificado de qualquer maneira. Acredita-se que ele fosse o Barão Jesco von Puttkamer, um dos alemães que veio para os Estados Unidos com o cientista nazista chefe do centro de pesquisa Peenemünde Army Research Center (German: Heeresversuchsanstalt Peenemünde, HVP) Wernher Magnus Maximilian Freiherr von Braun. O que aconteceu naquele dia convenceu Bill de que os Estados Unidos, e provavelmente o mundo inteiro, estavam sendo controlados pelos europeus … mas exatamente quem “eram” esses europeus era a grande questão (nT: eram e ainda SÃO nazistas alemães).

Isso levou William (Bill) Pawelec e seus amigos em uma missão para descobrir o que realmente estava acontecendo. Depois disso, ele freqüentemente citou seu amigo Jim Marrs que dizia com frequência: “Os nazistas podem ter perdido as batalhas, mas ganharam a guerra”. Com base na entrevista de deRiso, Pawelec acreditava que os restos do regime nazista haviam sobrevivido à Segunda Guerra Mundial e que as elites alemãs agora estavam no controle da Europa Ocidental e dos Estados Unidos.

O testemunho da viúva de Pawelec é significativo, uma vez que revela a conclusão final de seu marido sobre quem estava realmente no controle do complexo industrial militar dos EUA, que foi o mesmo que Corey Goode revelou mais tarde. Isso finalmente nos leva à questão, qual a finalidade da empresa Siemens para construir bilhões de chips para rastrear humanos em longas distâncias?

Em uma entrevista por e-mail, Goode descreveu o desenvolvimento de um comércio de escravos galáctico que envolvia controle por extraterrestres e elites nacionais secretamente no controle de governos e militares da Terra. Isso foi alcançado através de uma rede de corporações, que ele descreveu como o Conglomerado Corporativo Interplanetário (Interplanetary Corporate Conglomerate – ICC):

O Governo – Oculto –  Secreto da Terra e seus sindicatos das trevas descobriram que uma grande quantidade de seres humanos estavam sendo retirados (abduzidos, sequestrados) do planeta por várias raças de ETs de qualquer maneira, então eles decidiram encontrar um modo de lucrar com isso também e ter controle sobre quais pessoas estavam sendo tomadas. Em acordos prévios, foram feitas promessas de receber em troca tecnologias e espécimes biológicos para permitir que os grupos de diferentes alienígenas abduzissem mais seres humanos, mas os EXTRATERRESTRES raramente CUMPREM as suas promessas e ACORDOS. Uma vez que eles desenvolveram a infra-estrutura avançada (ICC) em nosso Sistema Solar, juntamente com tecnologias avançadas (que alguns dos milhares de grupos de diferentes tipos e raças de ETs que viajam através do nosso sistema solar estavam agora interessados em obter) e agora tinha a capacidade de impedir a entrada de convidados indesejados no espaço aéreo da Terra, a Cabala / ICC decidiu usar o tráfico de seres humanos como um dos seus recursos no comércio interestelar com os ETS”.

bases-nazista lua-marte

A revelação de Goode fornece uma resposta sobre por que a empresa Siemens criou bilhões de chips rastreáveis com identificadores únicos. Esses microprocessadores provavelmente foram usadas para monitorar um comércio de escravos galácticos e o uso de trabalho forçado em colônias secretas em Marte, na Lua e em outros lugares em nosso sistema solar.

Em 1998, a empresa Siemens confessou o seu envolvimento na prática nazista de usar mão-de-obra escrava e concordou em compensar aqueles obrigados a trabalhar como escravos na empresa. A Siemens estimou que o número deveria estar entre 10.000 a 20.000 vítimas. Se os testemunhos de Pawelec e Goode forem precisos, o número de vítimas de uma prática contínua de trabalho forçado secreto e o simples tráfico de escravos no espaço, podem ter números muito maiores.

Ao rastrear as vítimas em um comércio ilícito de escravos galácticos, através de pequenos chips RFID, a corporação da Siemens é cúmplice de escravidão. Eventualmente, a Siemens e quaisquer outras corporações envolvidas na exploração do trabalho humano forçado em colônias espaciais secretas ou em um comércio de escravos galácticos acabarão por confessar seu envolvimento, terão que enfrentar a justiça e compensar as vítimas desses vastos crimes não revelados contra a humanidade.

© Michael E. Salla, Ph.D.


contagem-regressiva“CONHECE-TE A TI MESMO E CONHECERÁS TODO O UNIVERSO E OS DEUSES, PORQUE  SE O QUE TU PROCURAS NÃO ENCONTRARES PRIMEIRO DENTRO DE TI MESMO, TU NÃO ACHARÁS EM LUGAR ALGUM”Frase escrita no pórtico do Templo do Oráculo de Delphos, na antiga Grécia.


Mais informações:

  1. http://thoth3126.com.br/operacao-highjump-nazistas-na-antartica/
  2. http://thoth3126.com.br/nazistas-na-antartica-operacao-highjump-final-2/
  3. http://thoth3126.com.br/nazismo-operacao-paperclip/
  4. http://thoth3126.com.br/o-3o-reich-nazista-fatos-desconhecidos/
  5. http://thoth3126.com.br/eventos-incriveis-acontecendo-na-antartica/
  6. http://thoth3126.com.br/nazistas-na-antarticaum-video-russo-a-respeito/
  7. http://thoth3126.com.br/a-sociedade-thule-e-adolf-hitler/
  8. http://thoth3126.com.br/discos-voadores-dos-nazistas-alemaes/
  9. http://thoth3126.com.br/sociedades-secretas/
  10. http://thoth3126.com.br/carta-de-um-politico-da-noruega-sobrefimdostempos/
  11. http://thoth3126.com.br/serpo-zeta-reticuli-o-programa-de-intercambio-post-6/
  12. http://thoth3126.com.br/entrevista-com-um-alienigena-introducao/
  13. http://thoth3126.com.br/antartica-aberturas-e-base-nazista-neuschwabenland/
  14. http://thoth3126.com.br/nazismo-os-arquivos-secretos-da-waffen-ss/
  15. http://thoth3126.com.br/illuminati-1-revelacoes-de-um-membro-no-topo-da-elite/
  16. http://thoth3126.com.br/eua-sabiam-sobre-acordo-nazista-com-extraterrestres-de-draco/
  17. https://thoth3126.com.br/secredos-ocultos-e-proibidos-da-sociedade-secreta-nazista-vril/
  18. https://thoth3126.com.br/os-nazistas-construiram-bases-em-antigas-ruinas-na-lua-e-em-marte/
  19. https://thoth3126.com.br/corey-goode-fala-sobre-maldek-o-super-planeta-que-explodiu/
  20. https://thoth3126.com.br/nazistas-alemaes-explorando-o-sistema-solar-a-partir-de-base-em-marte/
  21. https://thoth3126.com.br/existencia-de-estacoes-espaciais-secretas-serao-reveladas-em-breve/
  22. https://thoth3126.com.br/o-segundo-sol-esta-chegando-profecia-maia/
  23. https://thoth3126.com.br/aliens-reptilianos-nordicos-nazismo-e-a-luta-pelo-controle-da-terra
  24. https://thoth3126.com.br/ruinas-ets-antigas-descobertas-na-antartida-atlantida-e-a-derrota-da-cabala/
  25. https://thoth3126.com.br/ruinas-ets-antigas-descobertas-na-antartida-e-a-derrota-da-cabala-2/
  26. https://thoth3126.com.br/presidente-dos-eua-eisenhower-e-os-alienigenas-no-controle-da-humanidade/
  27. https://thoth3126.com.br/guerras-no-sistema-solar-entre-a-ssp-alliance-e-a-cabalailluminatidracos/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

25 Responses to Siemens implicada no rastreamento de trabalhadores escravos no espaço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *