browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Sobreviveremos à nossa “estupidez” coletiva?

Posted by on 11/06/2020

Cheguei à conclusão de que coletivamente os norte americanos são mental e emocionalmente estúpidos. Em qualquer dia, há inúmeras evidências de que esse é o caso. Apenas algumas seleções das notícias dos últimos dois dias devem ser suficientes para estabelecer esse ponto de vista. Em vez de reformar o treinamento policial como uma resposta racional à morte de George Floyd por uma técnica agressiva de contenção policial, o conselho da cidade de Minneapolis votou a favor do absurdo da “dissolução da polícia de Minneapolis”. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Poderemos sobreviver à nossa estupidez coletiva?

Fonte: https://www.paulcraigroberts.org/2020/06/09/can-we-survive-our-collective-stupidity/  –  Por Paul Craig Roberts

A conselheira municipal Lisa Bender respondeu à pergunta de uma cidadã que queria saber o que ela deveria fazer se ela enfrentasse uma ameaça em sua casa e não houvesse polícia para ligar:“Sim, eu ouvi isso em voz alta e clara de muitos de meus vizinhos. E eu sei – e eu também, que essa pergunta vem de um lugar de privilégio”.

Em outras palavras, a preocupação do cidadão de Minneapolis não é legítima e apenas reflete sua suposição “privilegiada” de que ele tem direito à proteção da polícia na medida em que paga IMPOSTOS para tanto. A preocupação válida é proteger os negros da violência da polícia dissolvendo a própria polícia.

Kristina Roth, da Anistia Internacional, escreveu para mim em um evento de arrecadação de fundos que “a polícia deve parar de matar negros”. E as pessoas brancas, Kristina?  As vidas das pessoas brancas também importam. A polícia mata até mais pessoas brancas todos os anos do que negros. Kristina não deveria estar exigindo que “a polícia deve parar de matar pessoas [de qualquer cor]?” Por que Kristina  culpa o racismo em vez do treinamento policial? Kristina precisa ler e refletir sobre isso.

O principal editor do Philadelphia Inquirer teve que renunciar por causa da manchete do artigo de um repórter do seu jornal. O artigo era muito compreensivo com os manifestantes negros, mas não via algum direito de os negros destruírem edifícios históricos na Filadélfia por causa do que aconteceu com George Floyd em Minneapolis. O editor foi eliminado pela manchete do artigo: “Edifícios também importam“. 

Isso enfureceu os idiotas “acordados” e, apesar de seu pedido de desculpas, o editor foi removido. Talvez pelo seu “privilégio de ser branco”. Os editores brancos de jornais nem conseguem mais exercer a liberdade de expressão na escolha das manchetes de seus jornais.

Raiva nas ruas. Prédios importam também, e o editor foi demitido por expressar sua opinião …

Nem mesmo os editores do New York Times, que se amedrontam aos pés dos negros e dos que se acham justos, podem sobreviver ao exercício da liberdade de imprensaO editor de opinião e seu vice tiveram que renunciar por publicar o pedido do senador Tom Cotton de mobilizar as forças armadas para proteger pessoas e propriedades da destruição pelos manifestantes, incendiários e saqueadores. Estou confiante de que o NY Times publicou o artigo do Sen. Cotton com a intenção de condenar Cotton por não ser mais simpático aos saqueadores negros. Mas as criaturas acordadas e a editora do NY Times AGSulzberger removeram os editores por causa da “dor que infligiram”. 

Dor infligida a quem?  A dor infligida aos proprietários de empresas, prédios, residências, lojas saqueadas e carros destruídos pelos manifestantes que usam a violência para expressar sua desaprovação à violência? Não. Como Lisa Bender colocou, essas preocupações não importam, pois vêm “de um lugar de privilégio”. Somente a dor daqueles privilegiados com tumultos e saques deve ser tolerada.

Quando crianças, costumávamos dizer, “paus e pedras podem quebrar meus ossos, mas as palavras nunca me machucam”.  Hoje, para os fracos acordados, a palavra errada é como uma arma nuclear. Eles caem em lágrimas e recriminações. Os funcionários do NY Times alegaram que, ao publicar o artigo do senador Cotton, o editor de opinião havia colocado suas vidas em perigo ao não validar saques, incêndios e tumultos como um exercício válido de “liberdade de expressão”. De alguma forma, não ocorreu a Sulzberger que os manifestantes não deviam ser tão inocentes se os funcionários do NY Times estiverem com medo por suas vidas por causa de algumas palavras de um senador dos EUA.

A escritora britânica JK Rowling [a criadora da série de livros Harry Potter] está em apuros novamente por causa dos malucos e psicopatas transgêneros que rejeitam a palavra “mulher” como [pasmem] transfóbica. Rowling fez uma exceção ao termo ao usar a sentença “pessoas que menstruam” e causou “dor inimaginável” ao observar que costumava haver uma palavra para “pessoas que menstruam” – ou seja, as mulheres.  

Um professor de criminologia da Universidade da Carolina do Norte foi denunciado pela administração da universidade por “comentários vis e indesculpáveis”, como “Não desligue as universidades; encerre cursos não essenciais, como estudos sobre mulheres ”.

A administração da UNC diz que “estamos analisando com muito cuidado e assertividade e nossas opções em termos de como proceder”.  A administração hipócrita disse: “Uma linguagem odiosa e ofensiva, destinada a degradar os outros, é contrária aos nossos valores universitários e ao nosso compromisso com um ambiente de respeito e dignidade. Sua aparência em qualquer plataforma, incluindo as plataformas pessoais de qualquer pessoa afiliada à UNCW, é absolutamente repreensível. ” Que absurdo!  

Todos os dias, no campus da UNC, os professores de estudos negros ensinam aos alunos que os brancos são racistas e escravocratas, e os professores de estudos femininos demonizam os homens como misóginos e estupradores. Os hipócritas que compõem as administrações universitárias nunca fazem nada a respeito dessa “linguagem repreensível, odiosa e ofensiva” destinada às pessoas brancas e aos homens.

Um capitão aposentado da Marinha dos EUA teve que renunciar ao conselho da Associação de Antigos Alunos da Academia Naval dos EUA depois que uma conversa particular com sua esposa foi acidentalmente transmitida no Facebook. O capitão usou a palavra e disse que os homens brancos “não podem dizer nada”. Sua esposa reclamou de chineses que “roubam toda a nossa propriedade intelectual”.  

O casal está mortificado e profundamente arrependido por ter falado em termos depreciativos “sobre o próximo”, um arrependimento que os manifestantes negros e os ladrões de propriedade intelectual não retribuem.  A associação Alunmi disse que esses comentários privados “não são consistentes com a nossa missão de liderança”.  O casal se comprometeu a “usar essa experiência como uma oportunidade de crescer, ouvir, aprender e refletir. . . e ser pessoas melhores”-

O raspar de Sulzberger no NY Times, o raspar no Philadelphia Inquirer, o raspar pelo conselho da cidade de Minneapolis e por policiais submissos apenas encorajará a violência negra que décadas de ensinamentos a odiar brancos desencadearam. Como já disse tantas vezes, uma sociedade diversificada e multicultural não pode ser construída com base no ódio.   Se hoje os negros tivessem um líder real como Martin Luther King Jr., esse líder estaria protestando contra a violência policial contra pessoas, independentemente da sua raça e cor da peleTal protesto seria um ato unificador, e não divisivoPessoas como eu poderiam novamente ver esperança para a moribunda sociedade norte americana.    

Talvez as mulheres também pudessem encontrar uma líder, e homens e mulheres pudessem voltar a ter relacionamentos amorosos e solidários. Quando li que as feministas criaram homens que preferem “bonecas sexuais” de plástico a uma mulher de carne e osso com emoções e um cérebro, coloquei o movimento “#Me / Too” na categoria de armas biológicas. 

O bodybuilder que está se casando com uma boneca sexual pode estar em uma campanha de relações públicas para aumentar seus seguidores, mas seu “casamento” com um pedaço de plástico só é credível porque as relações entre homens e mulheres foram tão prejudicadas pelas feministas que ele prefere uma boneca sexual a uma mulher real. De acordo com os defensores da bestialidade, algumas mulheres já preferem seu cachorro a um homem.

A civilização ocidental está entrando em colapso porque as alegações das fontes menos confiáveis ​​têm mais peso que os fatos. As emoções deslocaram os fatos como base para a compreensão. Emoção rotineiramente grita fatos.   Tornou-se comum nas universidades que autoridades distintas sejam bloqueadas porque os fatos são inaceitáveis ​​para os estudantes ignorantes acordados, apoiados por uma lista de policiais de pensamento administrativo. 

As universidades abandonaram sua missão de buscar a verdade. Eles se tornaram ministérios de propaganda que expelem os ácidos que corroem as fundações da civilização. Na civilização ocidental de hoje, a melhor maneira de se destruir é defender a verdade. Estou cansado disso, pois o apoio à defesa da verdade está diminuindo [e a imbecilidade generalizada esta crescendo exponencialmente junto com a violência].

Há uma lição para os neoconservadores mais quentes na fraqueza extraordinária que agora é o núcleo da Civilização Ocidental, uma civilização que é um conceito desacreditado em todas as universidades americanas e está sendo condenada novamente pelo Projeto 1619 do NY Times. É hilário que os neoconservadores proclamem um povo tão dividido quanto os EUA, com a maioria da população branca na defensiva, como “um povo excepcional e indispensável”. 

As forças armadas dos EUA são uma miscelânea de homens, mulheres, lésbicas, homossexuais, [LGBTQ+, transgêneros], uma mistura racial, e todos esses elementos foram instruídos pela Política de Identidade de Gênero a odiar e desconfiar uns dos outros. Exércitos desprovidos da homogeneidade que dá unidade de propósito são inúteis em qualquer conflito. 

Somente um tolo colocaria militares norte americanos ou qualquer exército europeu contra os militares da Rússia e da China. Qual será o nosso destino se o bombardeio agressivo que os neoconservadores e companheiros de viagem como a deputada {Wyo] Liz Cheney pressionando desde Washington resultar em uma ação militar conjunta russo / chinesa contra a ameaça que o Ocidente está determinado a se mostrar a ambos os países da Ásia? 

A esperança para a humanidade é que os russos e chineses permaneçam pacientes enquanto o Ocidente [EUA-OTAN] continua seu colapso sob o peso de seu próprio ódio, ignorância, polarização, afogando-se em sua própria dissolução, corrupção, permissividade e promiscuidade.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores.  Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis“.  –  Apocalipse 13:11-18


Leitura adicional:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.