browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Suíça ajudou a neutralizar crise EUA x Irã: [O circo ainda não foi queimado]

Posted by on 11/01/2020

Mesmo quando Trump twittou [aparentemente] com raiva em 4 de janeiro, dois dias após a morte do principal líder militar do Irã, Qassem Soleimani, ameaçando 52 alvos, incluindo patrimônio cultural iraniano, por uma possível retaliação se os EUA sofressem perdas com um contragolpe iraniano pesado, alertando que “aqueles [52] alvos e o próprio Irã serão atingidos com muita rapidez e contundência”, o presidente dos EUA estava ocupado, secretamente usando um canal de comunicação oculto e criptografado com o Irã para trazer o mundo de volta da beira de uma guerra.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Canal Diplomático da Suíça ajudou a neutralizar a crise EUA-Irã

Fonte: https://www.wsj.com/

Adendo entre [ ] são de autoria do tradutor.

Poucas horas após o ataque norte-americano que matou o major-general iraniano Qassem Soleimani, o governo Trump enviou uma mensagem urgente pelo canal secreto de retorno a Teerã: Não exagerem. A mensagem de fax criptografada foi enviada através da Embaixada da Suíça no Irã, um dos poucos meios de comunicação direta e confidencial ainda existente entre os dois lados, disseram autoridades americanas ao WSJ. 

Então, em tentativas frenéticas de diminuir a escalada do conflito, mesmo quando os líderes americanos e iranianos estavam provocando sentimentos patrióticos e fervor nacionalista, [com cada lado chamando pelas armas] a Casa Branca e os líderes iranianos trocaram mensagens nos dias que se seguiram, que as “autoridades” de ambos os países descreveram como muito mais comedidas do que a retórica ardente demonstrada publicamente pelos políticos.

Funcionou: uma semana depois, e após um ataque de mísseis iraniano retaliatório [e ridículo], embora altamente teatral, a duas bases militares que hospedavam tropas americanas que propositadamente não causaram baixas, Washington e Teerã se afastaram do limiar das hostilidades abertas (por enquanto).

“Não nos comunicamos muito [direto] com os iranianos, mas quando o fazemos, os suíços têm desempenhado um papel crítico para transmitir mensagens e evitar erros de cálculo”, disse uma autoridade sênior dos EUA.

Enquanto um porta-voz da missão do Irã nas Nações Unidas se recusou a comentar sobre as trocas, ele disse que “agradecemos [os suíços] por todos os esforços que eles fazem para fornecer um canal eficiente para trocar cartas quando e se necessário“. Outra autoridade iraniana disse que o canal secreto fornece uma ponte de boas-vindas, quando todos os outros meios foram queimados: “No deserto, até uma gota de água é importante”.

Em retrospecto, não seria surpresa que os suíços perpetuamente neutros fossem o último recurso para impedir uma guerra em potencial. Como se observa, da embaixada suíça, uma mansão da era do xá Reza Pahlavi com vista para Teerã, o papel da Suíça como intermediário diplomático se estendeu por quatro décadas turbulentas e sete presidências [EUA], desde a crise dos reféns sob Jimmy Carter até o acordo nuclear de Barack H. Obama. Mas raramente era testado assim.

Aqui está como tudo aconteceu:

O primeiro fax americano foi enviado imediatamente depois que Washington confirmou a morte de Soleimani, a figura mais importante da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, disseram as autoridades americanas. Chegou em uma máquina de fax criptografada especial em uma sala selada da missão suíça – o método mais duradouro e secreto desde a Revolução Islâmica de 1979 – para a Casa Branca trocar mensagens com a alta liderança do Irã, especialmente quando as duas nações estão simultaneamente desfilando na mídia pública em sua propaganda belicosa para ganhar pontos políticos sobre a audiência [de zumbis de ambos os países].

O equipamento opera em uma rede segura do governo suíço que liga a sua embaixada de Teerã ao Ministério das Relações Exteriores em Berna e sua embaixada em Washington, afirmam diplomatas suíços. Somente os funcionários mais graduados têm os cartões-chave necessários para usar o equipamento.

Na manhã de sexta-feira, poucas horas após a morte de Soleimani, o embaixador suíço Markus Leitner, diplomata de 53 anos, entregou a mensagem americana em mão ao ministro do Exterior do Irã, Javad Zarif. Previsivelmente, Zarif respondeu à missiva dos EUA com raiva, de acordo com uma fonte: “[O Secretário de Estado dos EUA Mike] Pompeo é um valentão”, disse ele, de acordo com um funcionário dos EUA informado sobre a resposta de Zarif. “Os EUA são a causa de todos os problemas “.

O embaixador suíço no Irã, Markus Leitner, aqui com o presidente iraniano Hassan Rouhani em 2017, ajudou a transportar mensagens entre os EUA e o Irã. Foto: Embaixada da Suíça.

Os EUA podem de fato ser a causa de todos os problemas, mas também possuem todas as armas e, apesar da retórica pomposa, o Irã sabia muito bem que não podia esperar escalar de maneira tet-to-tat [olho por olho, dente por dente] sem arriscar praticamente tudo. Por isso, o Irã rapidamente aproveitou a mediação de Leitner.

O embaixador suíço – que visita regularmente Washington para sessões a portas fechadas com o Pentágono, o Departamento de Estado e as autoridades de inteligência ansiosas para explorar seu conhecimento sobre a política opaca e fluida do Irã – passou os próximos dias após o assassinato de Soleimani indo e voltando em um tom discreto mas com a missão diplomática de alto escalão projetada para deixar cada lado falar aberta mas secretamente. Foi um contraste vívido com as críticas públicas do presidente Trump e Zarif no Twitter [trombeteadas pela mídia MSM].

Logo após Trump twittar em 4 de janeiro que os EUA haviam escolhido 52 alvos iranianos para uma eventual escalada, Zarif respondeu com a mesma hostilidade no dia seguinte: “Um lembrete para aqueles que alucinam sobre emular os crimes de guerra do ISIS, visando [destruir] nossa herança cultural”“Através dos MILÊNIOS da história, os bárbaros vieram e devastaram nossas cidades, destruíram nossos monumentos e queimaram nossas bibliotecas. Onde eles estão agora? Ainda estamos aqui, e em pé.”

No entanto, ao mesmo tempo em que Zarif tentava imitar a arrogância do Twitter de Trump, o ministro das Relações Exteriores iraniano chamou o embaixador suíço para levar uma mensagem aos EUA. Foi mais contido e declarações subsequentes de ambos os lados ajudaram a evitar erros de cálculo, disseram as autoridades.

“Quando as tensões com o Irã eram altas, os suíços tiveram um papel útil e confiável que ambos os lados apreciaram”, disse um alto funcionário do governo Trump. ” O sistema deles é como uma luz que nunca se apaga”Ao contrário do Twitter, isto é, que surgiu como um meio de disseminar indignação premeditada, falsa, para o consumo das massas ignorantes e cujo único objetivo é desviar do que realmente está acontecendo nos bastidores.

Não é a primeira vez que os suíços ajudam a afastar o Oriente Médio da beira das nuvens de cogumelos atômicos: eles servem como mensageiros entre Washington e Teerã desde 1980, após a apreensão da Embaixada Americana – e os 52 reféns – em Teerã. pelos revolucionários iranianos. Diplomatas suíços chamam o papel deles de “um agente de viagens” ou “um carteiro”.

Nos anos após a invasão do Iraque liderada pelos EUA em 2003, os suíços pastorearam mensagens para ajudar a evitar confrontos diretos. Quando o presidente Obama assumiu o cargo, a Suíça sediou as negociações que levaram a um acordo nuclear. Quando Washington suspendeu as sanções, as empresas suíças deram um salto inicial nos rivais. Quando Trump restabeleceu as sanções, ele deu aos suíços um número de telefone para repassar aos iranianos, dizendo: “Eu gostaria que eles me ligassem”.

Até agora, Teerã continuou a falar através dos suíços.

Por que esse método arcaico de comunicação se mostrou tão eficaz em afastar o mundo da beira da crise?

Ex-embaixadores suíços dizem que o canal diplomático é eficaz porque os EUA e o Irã podem confiar que uma mensagem permanecerá confidencial, será entregue rapidamente e alcançará apenas os destinatários pretendidos. As declarações transmitidas pelo canal secreto são sempre precisamente expressas, diplomáticas e livres de emoção, algo que é claramente impossível na plataforma de mídia social favorita de Trump, o twitter, que ele usa exatamente para o propósito oposto: despertar indignação e apelar às emoções básicas de seu grupo principal de apoiadores.

A Suíça, um país sem litoral de nove milhões de habitantes, sem um exército permanente, onde todos possuem uma arma, exerce seu papel de “carteiro” neutro do mundo (e até recentemente, de banqueiro secreto)[ especialmente de dinheiro muito sujo] para alavancar o acesso às grandes potências [e seus palhaços, ops… políticos].

E por falar em banco suíço, o WSJ observa que atualmente os diplomatas suíços estão trabalhando para obter a luz verde de Washington para os bancos suíços financiarem exportações para o Irã que não estão sujeitas a sanções – como alimentos e medicamentos. “Fazemos coisas pela comunidade mundial e isso é bom”, disse um ex-embaixador. “Mas também é bom para nossos interesses.” Claro que é: pelo privilégio de financiar as necessidades humanas mais básicas, esses mesmos bancos suíços podem cobrar taxas de juros exorbitantes em um país [Irã] que há anos tem uma taxa de juros oficial negativa .

O Irã não é o único ponto geopolítico em que a Embaixada Suíça representa os interesses dos EUA ou de outros países após o colapso das relações diplomáticas: os suíços têm agora seis mandatos, incluindo o Irã na Arábia Saudita, a Geórgia na Rússia e a Turquia na Líbia e nos EUA. em Cuba, de acordo com o WSJ. Em abril de 2019, o governo Trump pediu a Berna para representá-lo na Venezuela, mas o governo do “presidente” Nicolás Maduro ainda não aprovou.

E assim, se o mundo tem alguma esperança de evitar uma guerra total entre EUA e Irã, terá que passar por Berna, pelo menos figurativamente. À medida que as tensões entre Washington e Teerã aumentam, o backchannel suíço permanece ativo. Em dezembro, os dois países libertaram prisioneiros ao mesmo tempo em um hangar especial no aeroporto de Zurique – o enviado especial dos EUA para o Irã Brian Hook e o Zarif do Irã sentaram-se em salas separadas, enquanto os suíços dirigiam o intercâmbio cuidadosamente “coreografado”.

“O canal suíço tornou-se extremamente importante por causa do que eles podem fazer no curto prazo para diminuir as tensões”, disse o ex-governador do Novo México Bill Richardson, que trabalhou com os suíços na troca de prisioneiros. “É o único canal viável no momento. . .”

One Response to Suíça ajudou a neutralizar crise EUA x Irã: [O circo ainda não foi queimado]

  1. Ary

    Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus.
    [Mt 5,9]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.