browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Suméria – Anunnaki: Enuma Elish – A Epopeia Babilônica da Criação

Posted by on 09/08/2019

O Enuma Elish (também conhecido como As Sete Tábuas da Criação ) é o mito da criação da Mesopotâmia cujo título é derivado das linhas de abertura da peça, “When on High”. Todas as tábuas contendo o “mito”, encontradas em Ashur , Kish, a biblioteca de Assurbanipal em  Nínive{668-627 a.C,  foi o último dos grandes reis da Assíria. Seu nome significa “o deus Ashur é criador de um herdeiro”}  Sultantepe e outros locais escavados que datam de c. 1.100 a.C., mas seus  colofones indicam que são cópias de uma versão muito mais antiga do “mito”.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Enuma Elish – A Epopéia da Criação Babilônica (origem do Gênesis) – Texto Completo

Fonte: https://www.ancient.eu/

por Joshua J. Mark  – publicado em 04 maio de 2018

As palavras dentro de { } são inserções do tradutor.

Como Marduk , o defensor dos jovens deuses em sua guerra contra Tiamat, é de origem babilônica, acredita-se que os (“deuses”) sumérios Enki/ Ea ou Enlil tenham desempenhado o papel principal na versão original da história. A cópia encontrada em Ashur tem o deus Ashur no papel principal como era o costume das cidades  da  MesopotâmiaO deus de cada cidade sempre era considerado o melhor e mais poderoso. Marduk, o deus da  Babilônia, apenas figuras tão proeminentes quanto ele na história, porque a maioria das cópias encontradas é de escribas babilônicos. Mesmo assim, Enki-Ea ainda desempenha um papel importante na versão babilônica do Enuma Elish, sendo o CRIADOR dos seres humanos {Adão e Eva}.

SUMÁRIO DA HISTÓRIA

A história, uma das mais antigas, se não a mais antiga história escrita do mundo, diz respeito ao nascimento dos deuses e à criação do universo e dos seres humanos. No começo, havia apenas água indiferenciada rodopiando no caos. Desse turbilhão, as águas se dividiram em água doce e fresca, conhecida como deus Apsu, e água salgada e amarga, a deusa Tiamat. Uma vez diferenciada, a união dessas duas entidades deu origem aos deuses mais jovens.

“A HISTÓRIA, UMA DAS MAIS ANTIGAS, SE NÃO A MAIS ANTIGA DO MUNDO, DIZ RESPEITO AO NASCIMENTO DOS DEUSES E À CRIAÇÃO DO UNIVERSO E DOS SERES HUMANOS.”

Esses jovens deuses, no entanto, eram extremamente barulhentos, incomodando o sono de Apsu à noite e distraindo-o de seu trabalho durante o dia. Sob o conselho de seu vizir, Mummu, Apsu decide matar os deuses mais jovens. Tiamat, ouvindo sobre seu plano, avisa seu filho mais velho, Enki (às vezes chamado como Ea) e ele põe Apsu para dormir e o mata. Dos restos de Apsu, Enki cria sua casa.

Tiamat, outrora a defensora dos deuses mais jovens, agora está furiosa por terem matado seu companheiro. Ela consulta com o deus, Quingu {lua da Terra}, que a aconselha a fazer guerra aos deuses mais jovens. Tiamat recompensa Quingu com as Tábuas do Destino, que legitimam o governo de um deus e controlam o destino, e ele as usa orgulhosamente como um peitoral. Com Quingu como seu campeão, Tiamat invoca as forças do caos e cria onze monstros horríveis para destruir seus filhos.

Enki/Ea, e os demais deuses mais jovens lutam contra Tiamat inutilmente até que, dentre eles, surge o campeão Marduk {planeta Maldek}, que jura derrotar Tiamat. Marduk derrota Quingu {lua da Terra} e mata Tiamat atirando nela com uma flecha que a divide em dois; dos seus olhos fluem as águas dos rios Tigre e Eufrates. Fora do cadáver de Tiamat, Marduk cria os céus e a terra, ele nomeia deuses para vários deveres e une as onze criaturas de Tiamat a seus pés como troféus (a muita adulação dos outros deuses) antes de colocar suas imagens em seu novo lar. Ele também pega as Tablets of Destiny (Tábuas do Destino), de Quingu, legitimando seu reinado.

Depois que os deuses terminaram de elogiá-lo por sua grande vitória e pela arte de sua criação, Marduk consulta o deus Enki/Ea (o deus da sabedoria) e decide criar seres humanos a partir dos restos de qualquer um dos deuses que instigue Tiamat à guerra. Quingu é acusado como culpado e morto e, de seu sangue, Enki/Ea cria um Lullu, o primeiro homem, para ser um ajudante {escravo} para os deuses em sua eterna tarefa de manter a ordem e manter o caos à distância.

Como o poema expressa, “Enki/Ea criou a humanidade, para quem ele impôs o “serviço aos deuses”, e libertou os deuses {de trabalharem}” (Tab. VI.33-34). Em seguida, Marduk “organizou o mundo dos mortos” e distribuiu os deuses para suas estações designadas (Tab. VI.43-46). O poema termina no Tablete VII com longos elogios dedicados à Marduk por suas realizações.

COMENTÁRIO

O Enuma Elish seria mais tarde a inspiração para os escribas hebreus que criaram o texto agora conhecido como o livro bíblico do Gênesis {durante sua estada como cativos após a destruição de Jerusalém e do primeiro templo em 586 a.C. por Nabucodonosor II, rei da Babilônia}. Antes do século XIX, a Bíblia era considerada o livro mais antigo do mundo e suas narrativas eram consideradas completamente originais. Em meados do século XIX, no entanto, museus europeus, bem como instituições acadêmicas e religiosas, patrocinaram escavações arqueológicas na Mesopotâmia para encontrar evidências físicas de corroboração histórica das histórias da Bíblia. Essas escavações encontraram o oposto, no entanto, pois, uma vez traduzido como escrita cuneiforme, entendia-se que várias narrativas bíblicas na realidade tiveram sua origem mesopotâmica {nos escritos antigos da Babilônia}.

Histórias famosas como a Queda do Homem e o Dilúvio foram originalmente concebidas e escritas na Suméria , traduzidas e modificadas posteriormente na Babilônia, e retrabalhadas pelos assírios antes de serem usadas pelos escribas hebreus para as versões {dos livros do Velho Testamento} que aparecem na Bíblia. Embora o paradigma básico das narrativas bíblicas e as histórias da Mesopotâmia se alinhem de perto, ainda existem diferenças significativas, como observado pelo estudioso Stephen Bertman:

Tanto o livro do Gênesis quanto o Enuma Elsih são textos religiosos que detalham e celebram as origens culturais: Gênesis descreve a origem e a fundação do povo hebreu sob a direção do “Senhor”; Enuma Elish narra a origem e a fundação da Babilônia sob a liderança do “deus” {senhor”} Marduk. Contida em cada trabalho esta uma história de como o cosmos e o homem foram criados. Cada trabalho começa descrevendo o caos aquoso e a escuridão primitiva que uma vez preencheu o universo. Então a Luz é criada para substituir a escuridão. Depois, os céus são feitos e neles corpos celestes são colocados.  Finalmente, o homem é criado. Apesar dessas semelhanças, os dois relatos são mais diferentes do que semelhantes. (312)

Ao revisar a história da criação mesopotâmica para seus próprios fins, os escribas hebreus endureceram a narrativa e o foco, mas mantiveram o conceito da divindade todo-poderosa que traz ordem do caos. Marduk, no Enuma Elish, estabelece a ordem reconhecível do mundo – assim como deus faz no conto de Gênesis – e espera-se que os seres humanos reconheçam este grande dom e honrem a divindade através do serviço. Na Mesopotâmia, na verdade, pensava-se que os humanos eram cooperadores com os deuses para manter o dom da criação e manter as forças do caos à distância.

O ENUMA ELISH NA BABILÔNIA

Marduk ganhou proeminência na Babilônia durante o reinado de Hamurabi (1.792-1.750 aC) e substituiu a popular deusa Inana na adoração {pelo reino}. Durante o reinado de Hamurabi, de fato, várias divindades femininas anteriormente populares foram substituídas por deuses masculinos. O Enuma Elish, elogiando Marduk como o mais poderoso de todos os deuses, tornou-se cada vez mais popular à medida que o próprio deus se destacava e sua cidade de Babilônia crescia em poder. O erudito Jeremy Black escreve:

A ascensão do culto de Marduk está intimamente ligada à ascensão política da Babilônia de  cidade-estado  à capital de um  império. Desde o   período kassita, Marduk tornou-se cada vez mais importante até que foi possível ao autor do épico babilônico da criação sustentar que Marduk não era apenas rei de todos os deuses, mas que muitos deles não passavam de aspectos de sua persona. (128)

O Enuma Elish foi lido e recitado amplamente por toda a Mesopotâmia, mas foi especialmente importante no Festival de Ano Novo na Babilônia. Durante este festival, a estátua de Marduk seria tirada do templo e, em meio aos foliões, desfilava pelas ruas da cidade, saindo pelos portões, para ‘férias’ em uma pequena casa construída para esse fim. O Enuma Elish, especialmente, pensa-se, o louvor do Tablete VII, seria cantado ou declamado durante esta procissão.

{Akitu – O Festival do Ano Novo na Babilônia: O Festival do Ano Novo na Babilônia herdou seu nome, Akitu, de um festival agrário sumério do III milênio a.C., o Akiti, celebrado na época da colheita e da semeadura da cevada.  Dois festivais do ano novo eram celebrados na cidade de Babilônia: um durante o primeiro mês do ano, Nisannu (março-abril), na primavera, e o outro durante o sétimo mês do ano, o Tashritu (setembro-outubro), no outono. São dois momentos importantes no calendário agrícola da Mesopotâmia: em Nisannu começavam as colheitas e em Tashritu os campos eram arados e semeados.  A duração do festival variava de cidade para cidade, obedecendo particularidades cultuais e sociais. A festa celebrada no mês de Nisannu é a melhor preservada em escritos recuperados da época helenística. Vamos ver como ela acontecia na cidade de Babilônia.}


O TEXTO DO ENUMA ELISH

A tradução a seguir vem das Histórias de Criação da Mesopotâmia por W.G. Lambert e é usada sob licença Creative Commons no site da Etana:

Enuma Elish (A Epopéia da Criação Babilônica)

Tablete I

01 Quando os céus acima não existiam,
02 E a terra abaixo {ainda} não tinha surgido –
03 Havia Apsû, o primeiro em ordem, seu progenitor,
04 E a demiurga Tiamat, que deu à luz a todos eles;
05 Tinham misturado as suas águas
06 Antes que os prados na terra se unissem e se encontrasse o leito,
07 Quando não havia se criado nenhum dos deuses
08 Não existiam, quando não se decretavam destinos,
09 Os deuses foram criados dentro deles:
10 Lahmu {Marte} e Lahamu {Vênus} foram formados e surgiram.
11 Enquanto cresciam e aumentavam a sua estatura
12 Anšar {Anshar/Saturno} e Kišar {Kishar/Júpiter}, que os distinguiam, {também} foram criados.
13 Eles prolongaram os seus dias, multiplicaram os seus anos. .
14 Anu {neste ponto seria Urano}, seu filho, poderia rivalizar com seus pais.
15 Anu, o filho, igualou Anšar {Saturno},
16 E Anu  gerou Nudimmud {Netuno}, seu igual.
17 Nudimmud foi o campeão entre seus pais:
18 Profundamente criterioso, sábio, de força robusta;
19 Muito mais forte do que o progenitor de seu pai, Anšar
20 Ele não tinha rival entre os deuses, seus irmãos.
21 Os irmãos divinos se uniram,
22 Seu clamor soou alto, jogando Tiamat em tumulto.
23 Eles abalaram os nervos de Tiamat,
24 E por sua dança eles espalharam o alarme em Anduruna.
25 Apsû não diminuiu seu clamor,
26 E Tiamat ficou em silêncio quando confrontada com eles.
27 A conduta deles era desagradável para ela,
28 Embora o comportamento deles não fosse bom, ela queria poupá-los.
29 Então Apsû, o gerador dos grandes deuses,
30 Chamou Mummu {Mercúrio}, seu vizir, e dirigiu-se a ele:
31 “Vizir Mummu, que satisfaz meu prazer,
32 Venha, vamos para Tiamat!”
33 Eles foram e sentaram-se, de frente para o tapete de Tiamat,
34 como eles conferiram sobre os deuses, seus filhos.
35 Apsû abriu a boca
36 E dirigiu-se a Tiamat
37 “O comportamento dos deuses tornou-se desagradável para mim
38 E não posso descansar no dia nem dormir à noite.
39 Vou destruir e quebrar o seu modo de vida
40 Que o silêncio possa reinar para podermos dormir “.
41 Quando Tiamat ouviu isso
42 Ela se enfureceu e clamou ao seu esposo,
43 Ela chorou em aflição, furiosa dentro de si mesma,
44 Ela sofreu com o mal (tramado),
45 “Como podemos destruir o {aos deuses} que damos à luz?
46 Embora o seu comportamento cause angústia, vamos apertar a disciplina graciosamente”.
47 Mummu falou com o advogado de Apsû—
48 (A partir de) um vizir rebelde era o conselho de seu Mummu—
49 “Destrua, meu pai, aquele modo de vida sem lei,
50 Para que você possa descansar de dia e dormir à noite!”
51 Apsû ficou satisfeito com ele, com o rosto radiante
52 Porque ele havia tramado o mal contra os deuses, seus filhos.
53 Mummu colocou os braços em volta do pescoço de Apsû
54 Ele se sentou de joelhos beijando-o.
55 O que eles planejaram em seu ajuntamento
56 foi relatado aos deuses, os seus filhos.
57 Os deuses ouviram e ficaram frenéticos.
58 Eles foram dominados pelo silêncio e sentaram-se em silêncio.
59 Enki-Ea, que se destaca em conhecimento, o habilidoso e instruído,
60 Enki-Ea, que sabe tudo, percebeu seus truques.
61 Ele projetou e fez tudo ser abrangente,
62 Ele executou habilmente como {deus} supremo – seu puro encantamento.
63 Ele recitou e colocou nas águas,
64 Ele derramou o sono sobre ele enquanto ele estava dormindo profundamente.
65 Ele colocou Apsû para dormir enquanto ele derramava sono,
66 E Mummu, o conselheiro, ficou sem fôlego com agitação.
67 Ele partiu (de Apsû) tendões, arrancou sua coroa,
68 Levou sua aura e colocou em si mesmo.
69 Ele aprisionou Apsû e o matou;
70 Mummu ele confinou e segurou asperamente.
71 Ele estabeleceu sua morada em Apsû,
72 e agarrou Mummu {Mercúrio}, mantendo o seu nariz amarrado em sua mão.
73 Depois que Enki-Ea havia amarrado e matado seus inimigos,
74 alcançou a vitória sobre seus inimigos,
75 Ele descansou em silêncio em sua câmara,
76 Ele a chamou de Apsû, cujos santuários ele designou.
77 Então ele fundou seus aposentos dentro dela,
78 E Enki-Ea e Damkina, sua esposa, sentaram-se em esplendor.
79 Na câmara dos destinos, a sala dos arquétipos,
80 O mais sábio dos sábios, o sábio dos deuses, Bel {Baal, Lúcifer, Marduk/o El-deus do planeta MALDEK}} foi concebido.
81 Em Apsû nasceu Marduk {Bel, Baal, Lúcifer/o El-deus do planeta MALDEK},
82 Em Apsû puro nasceu.
83 Enki-Ea seu pai o gerou,
84 Damkina sua mãe deu à luz.
85 Ele chupou os seios das deusas,
86 Uma enfermeira o criou e o encheu de terror.
87 Sua figura estava bem desenvolvida, o olhar de seus olhos era deslumbrante,
88 Seu crescimento era viril, ele era poderoso desde o começo.
89 Anu, o genitor de seu pai, o viu,
90 exultou e sorriu; Seu coração se encheu de alegria.
91 Anu tornou-o perfeito: sua divindade era notável,
92 E ele se tornou muito sublime, superando-os em seus atributos.
93 Seus membros eram incompreensivelmente maravilhosos,
94 Incapazes de ser agarrado à mente, difícil até mesmo de olhar.
95 Quatro eram os olhos dele, quatro as orelhas dele,
96 Chamas emanavam dele quando movia os lábios.
97 Suas quatro orelhas cresceram grandes,
93 E seus olhos igualmente absorveram tudo.
99 Sua figura era elevada e superior em comparação com os deuses,
100 seus membros foram superando, sua natureza era superior.
101 ‘ Mari- utu, Mari-utu,
102 O Filho, o deus-sol, o deus-sol dos deuses.’
103 Ele estava vestido com a aura dos dez deuses, tão exaltada era sua força,
104 Os cinquenta temores foram carregados sobre ele.
105 Anu formou e deu à luz aos quatro ventos,
106 Ele entregou-lhes: “Meu filho, deixe-os rodopiar!”
107 Ele formou poeira e colocou um furacão para dirigi-lo,
108 Ele fez uma onda para trazer consternação em Tiamat.
109 Tiamat foi confundida; dia e noite ela estava frenética.
110 Os deuses não descansaram, eles. . . . . . .
111 Em suas mentes tramaram o mal,
112 e dirigiram-se à mãe Tiamat,
113 “Quando Apsû, seu esposo, foi morto,
114 Você não foi ao seu lado, mas sentou-se em silêncio.
115 Os quatro ventos terríveis foram modelados
116 Para jogar você em confusão, e não podemos dormir”.
117 Você não pensou em Apsû, seu esposo,
118 nem em Mummu, que é um prisioneiro. Agora você se senta sozinha.
119 De agora em diante você estará em frenética consternação!
120 E quanto a nós, que não podemos descansar, não nos amais!
121 Considere nosso fardo, nossos olhos estão vazios.
122 Quebre o jugo imóvel para que possamos dormir.
123 Faça a batalha, vingue-os!
124 [. . ]. . . . reduza ao nada!
125 Tiamat ouviu, o discurso agradou-lhe,
126 (Ela disse,) “Vamos fazer demônios, [como você] aconselhou.”
127 Os deuses se reuniram dentro dela.
128 Eles conceberam o mal contra os deuses, seus geradores.
129 eles. . . . . e tomou o lado de Tiamat,
130 ferozmente tramando, sem descanso, noite e dia,
131 desejoso para a batalha, furioso, tempestuoso,
132 Eles montaram uma tropa para causar conflito.
133 Mãe Hubur, que faz tudo,
134 forneceu armas irresistíveis, e deu à luz gigantes serpentes.
135 Eles tinham dentes afiados, eles eram impiedosos….
136 Com veneno em vez de sangue encheu seus corpos.
137 Ela vestiu os monstros temerosos com pavor,
138 Ela os carregou com uma aura e os fez divinos
139 (Ela disse,) “Deixe seu espectador fracamente morrer,
140 eles possam constantemente pular para frente e nunca se aposentar.”
141 Ela criou a Hidra, o Dragão, o Herói Peludo
142 O Grande Demônio, o Cão Selvagem e o Homem-Escorpião,
143 Demônios ferozes, o Homem-peixe e o Homem-Touro,
144 Portadores de armas impiedosas, destemidos diante da batalha.
145 Seus mandamentos foram tremendos, para não resistir.
146 Ao todo ela fez onze desse tipo.
147 Entre os deuses, seus filhos, a quem ela constituiu seu anfitrião,
148 Ela exaltou Kingu {a Lua da Terra} e ampliou-o entre eles.
149 A liderança do exército, a direção do exército,
150 O porte de armas, a campanha, a mobilização do conflito,
151 O chefe executivo de poder da batalha, o comando supremo,
152 Ela confiou a ele e colocou-o em um trono,
153 “Eu lancei o feitiço para você e exaltado é você no exército dos deuses,
154 Eu entreguei a você o governo de todos os deuses.
155 Você é realmente exaltado, meu esposo, você é renomado,
156 Deixe seus comandos prevalecerem sobre todos os Anunnaki“.
157 Ela deu a ele a Tábua dos Destinos e prendeu-a ao seu peito,
158 (Dizendo)” Seu pedido não pode ser mudado ; deixe a palavra de sua boca ser firme “
159 Depois Qingu foi elevado e tinha adquirido o poder da nave de Anu,
160 Ele decretou os destinos para os deuses, seus filhos:
161 “Que o decreto de suas bocas subjugue o deus do fogo,
162 Que o seu veneno, pela sua acumulação, abaixe a agressão”.

Tablete II

1 Tiamat reuniu sua criação
2 E organizou a batalha contra os deuses, seus descendentes.
3 Daí em diante Ti-mat tramava o mal por causa de Apsû
4 Tornou-se conhecido por Enki-Ea que ela havia organizado o conflito.
5 Ele ouviu este assunto,
6 Enki-Ea caiu em silêncio em seu quarto e sentou-se imóvel.
7 Depois que ele refletiu e sua raiva diminuiu,
8 dirigiu seus passos para Anšar, seu pai.
9 Ele entrou na presença do pai do seu progenitor, Anšar,
10 e relatou-lhe toda a conspiração de Tiamat.
11 “Meu pai, Tiamat nossa mãe concebeu um ódio por nós,
12 Ela estabeleceu um exército em sua fúria selvagem.
13 Todos os deuses se voltaram para ela,
14 Mesmo aqueles que você (pl.) Gerou também tomam seu lado
15 Eles. . . . . e tomaram o lado de Tiamat,
16 Ferozmente tramando, incansável noite e dia,
17 sedentos para a batalha, furiosos, tempestuosos,
18 Eles montaram um exército para trazer conflito.
19 Mãe Hubur, que forma tudo,
20 Forneceu armas irresistíveis e deu origem a serpentes gigantes.
21 Eles tinham dentes afiados, eram impiedosos.
22 Com veneno em vez de sangue, ela encheu seus corpos.
23 Ela vestiu os terríveis monstros com Temor,
24 Ela os carregou com uma aura e os fez divinos.
25 (Ela disse:) “Deixe o espectador debilmente morrer,
26 possam eles constantemente pular para frente e nunca descansar”.
27 Ela criou a Hidra, o Dragão, o Herói Peludo,
28 O Grande Demônio, o Cão Selvagem e o Homem Escorpião,
29 Demônios ferozes, o Homem-Peixe e o Homem-Touro,
30 Portadores de armas impiedosas, destemidos em face da batalha.
31 Seus mandamentos foram tremendos, para não serem resistidos.
32 Ao todo ela fez onze desse tipo.
33 Entre os deuses, seus filhos, a quem ela constituiu seu anfitrião,
34 Ela exaltou Qingu e ampliou-o entre eles.
35 A liderança do exército, a direção do exército,
36 O porte de armas, a campanha, a mobilização do conflito,
37 O chefe executivo do comando supremo da batalha,
38 Ela confiou a ele e colocou-o em um trono.
39 “Lancei o feitiço para ti e te exaltei no exército dos deuses,
40 te entreguei o governo de todos os deuses.
41 Tu és exaltado, meu esposo, tu és renomado,
42 Que os teus mandamentos prevaleçam sobre todos os Anunnaki“.
43 Deu-lhe o tablete dos destinos e prendeu-o ao peito,
44 (dizendo) “Não se pode mudar a tua ordem, deixe que decreto da tua boca seja firme”.
45 Depois de Qingu foi elevado e adquiriu o poder da nave de Anu.
46 Ele decretou os destinos para os deuses. seus filhos:
47 “Que os decretos de vossas bocas subjugue o deus do fogo,
48 Que seu veneno, por sua acumulação, derrube a agressão.”
49 Anšar ouviu; o assunto era profundamente perturbador.
50 Ele gritou “ai!” e mordeu o lábio.
51 Seu coração estava furioso, sua mente não podia ser acalmada.
52 Sobre Enki-Ea seu filho seu grito estava vacilando.
53 “Meu filho, você que provocou a guerra,
54 Assumir a responsabilidade de tudo o que você fez sozinho!
55 Você partiu e matou Apsû,
56 E quanto a Tiamat , que você fez furioso, onde ela é igual?”
57 O coletor de conselho, o príncipe instruído,
58 O criador da sabedoria, o deus Nudimmud {Netuno}
59 Com palavras calmantes e idéias apaziguadoras
60 Respondeu gentilmente a seu pai Anšar
61 “Meu pai, mente profunda, que decreta o destino,
62 Quem tem o poder de trazer à existência e destruir,                                                                                                                63 Anšar, mente profunda, que decretou o destino,
64 Quem tem o poder de criar e destruir,
65 Eu quero dizer algo para você, acalme-se por mim por um momento
66 E considere que eu realizei uma ação útil.
67 Antes de eu matar Apsû
68 Quem poderia ter visto a situação atual?
69 Antes que eu acabasse rapidamente com ele,
70 Quais eram as circunstâncias para eu destruí-lo? “
71 Ouviu Anšar, as palavras o agradaram.
72 Seu coração relaxou para falar com Enki-Ea
73″ Meu filho, suas ações são adequadas para um deus,
74 Você é capaz de um golpe feroz e inigualável. . [. . . ]
75 Enki-Ea, suas ações são adequadas para um deus,
76 Você é capaz de um golpe feroz e inigualável. . [. . . ]
77 Vá antes de Tiamat e acalme seu ataque,
78. . [. . . ]. . . sua fúria com [seu] encantamento “.
79 Ele ouviu o discurso de Anšar, seu pai,
80 Ele tomou a estrada para encontra-la, prosseguiu na rota para ela.
81 Ele foi, ele percebeu os truques de Tiamat,
82 [Ele parou], calou e voltou-se
83 [Ele] entrou na presença do augusto Anšar
84 Penitentemente falando com ele,
85 “[Meu pai], os feitos de Tiamat são demais para mim.
86 Eu percebi seu planejamento, e [meu] encantamento não era igual (ao dela).
87 Sua força é poderosa, ela é cheia de medo,
88 Ela é completamente muito forte, ninguém pode ir contra ela.
89 Seu grito muito alto não diminuiu,
90 [Eu fiquei com medo] do seu choro e voltei.
91 [Meu pai], não perca a esperança, envie uma segunda pessoa contra ela.
92 Embora a força de uma mulher seja muito grande, ela não é igual a de um homem.
93 Desmantele suas coortes, quebre os seus planos
94 Antes que ela coloca suas mãos em nós. “
95 Anšar gritou em intensa fúria,
96 Endereçando Anu seu filho,
97″ Honrado filho, herói, guerreiro,
98 Cuja força é poderosa, cujo ataque É irresistível
99 Apressa-te a ficar diante de Tiamat,
100 Apaziguar sua raiva que seu coração pode relaxar
101 Se ela não ouvir suas palavras,
102 Endereço para suas palavras de petição que ela pode ser apaziguada”.
103 Ele ouviu o discurso de Anšar seu pai,
104 Ele tomou a estrada para encontra-la, prosseguiu na rota para ela.
105 Anu foi, ele percebeu os truques de Tiamat,
106 Ele parou, calou-se e voltou.
107 Ele entrou na presença de Anšar, o pai que o gerou,
108 dirigindo-se penitentemente a ele.
109 “Meu pai, as ações de Tiamat {também} são demais para mim.
110 Eu percebi o seu planejamento, mas meu [encantamento] não era [igual] (a ela).
111 Sua força é poderosa, ela é [completa] de temer,
112 Ela é completamente muito forte, ninguém [pode ir contra ela]
113 Seu barulho muito alto não diminui,
114 fiquei com medo do seu grito e voltei.
115 Meu pai, não perca a esperança, envie outra pessoa contra ela.
116 Embora a força de uma mulher seja muito grande, não é igual a de um homem.
117 Desmonte suas coortes, interrompa seus planos,
118 Antes que ela coloque as mãos em nós. “
119 Anšar ficou em silêncio, olhando para o chão,
120 Ele acenou para Enki-Ea, balançando a cabeça.
121 Os Igigi e todos os Anunnaki tinham montado ,
122 sentaram-se em silêncio de boca fechada.
123 Nenhum deus iria enfrentar.. [..]
124 seria ir contra Tiamat…. [..]
125 no entanto, o senhor Ansar, o pai dos grandes deuses,
126 ficou zangado em seu coração, e não convocou ninguém
127 Um poderoso filho, o vingador de seu pai,
128 Aquele que se apressa a guerrear, o guerreiro Marduk
129 Enki-Ea convocou (ele) a sua câmara privada
130 Para explicar-lhe seus planos.
131 “Marduk, dê conselho, ouça seu pai.
132 Você é meu filho, que me dá prazer,
133 Vá reverentemente antes de Anšar,
134 Fale, tome sua posição, apazigue-o com seu olhar.”
135 Bel {outro nome de Marduk} se regozijou com as palavras de seu pai,
136 Ele se aproximou e ficou na presença de Anšar.
137 Anšar o viu, seu coração se encheu de satisfação,
138 Ele beijou seus lábios e removeu seu medo.
139 “Meu [pai] não te cales, mas fala,
140 eu irei e cumprirei os vossos desejos!
141 [Anšar,] não te cales, mas fala:
142 Eu irei e cumprirei os teus desejos!
143 Que homem fez o seu esquema de batalha contra ti?
144 E Tiamat, que é mulher, te atacará com armas?
145 [“Meu pai], progenitor, regozije-se e seja feliz,
146 Logo você pisará no pescoço de Tiamat!
147 [Anšar], gerador, regozije-se e seja feliz,
148 Logo você pisará no pescoço de Tiamat!
149 [“Vai,] meu filho, conhecedor de todo o conhecimento,
150 Apazigua Tiamat com seu feitiço puro.
151 Dirija a carruagem da tempestade sem demora,
152 E com um [. . ] que não pode ser repelida, vire-a de volta “.
153 Bel {Marduk} regozijou-se com as palavras de seu pai,
154 Com o coração feliz dirigiu-se ao seu pai,
155 “Senhor dos deuses, Destino dos grandes deuses,
156 Se eu me tornasse seu vingador,
157 Se eu derrotasse Tiamat e preservasse você,
158 convocar uma assembleia e proclamar para mim um destino exaltado.
159 Sente-se, todos vocês, em Upšukkinakku com alegria,
160 e deixe-me, com a minha palavra, destinos decreto em vez de você.
161 tudo o que eu instigar não deve ser alterado,
162 Nem meu comando pode ser anulado ou alterado”.

Tablete III

1 Anšar abriu a boca
2 E dirigiu-se a Gaga {Plutão}, seu vizir,
3 “Vizir Gaga, que satisfaz meu prazer,
4 Vou mandar você para Lahmu {Marte} e Lahamu {Vênus}.
5 Você é habilidoso em investigar, aprendeu no discurso.
6 Fazei com que os deuses, meus pais, sejam trazidos à minha presença,
7 Que todos os deuses sejam trazidos,
8 Que eles confiram como se sentam à mesa,
9 Comem grãos, bebam cerveja,
10 Decretem o destino para Marduk {Maldek}. o vingador
11 Vai embora, Gaga, que fique diante deles,
12 e repita a todos o que eu vos digo:
13 “Ansar, o seu filho, me, enviou
14 E estou para explicar seus planos.
15 a 52 = II, 11 * -48 (* em vez de ‘Meu pai’, coloque ”Assim”, os tabletes 15 a 52 estão faltando)
53 Eu mandei Anu, mas ele não pôde encará-la.
54 Nudimmud se assustou e se retirou.
55 Marduk, o sábio dos deuses, seu filho, avançou,
56 Ele decidiu encontrar Tiamat.
57 Ele falou comigo e disse:
58 a 64 = II, 156 * -162 (* começam com aspas: “Se”)
65 Rapidamente, agora, decrete o seu destino para ele sem demora,
66 Para que ele possa ir e enfrentar seu inimigo poderoso “.
67 Kaká foi. Ele dirigiu seus passos
68 Para Lahmu e Lahamu, os deuses seus pais.
69 Ele se prostrou, ele beijou o chão diante deles,
70 Ele se levantou, dizendo para eles que ele estava de pé,
71-124 = II, {os tabletes 71 a 124 estão faltando}
125 Quando Lahmu e Lahamu ouviram, eles gritaram em voz alta.
126 Todos os igigi gemeram em aflição,
127 “O que deu errado que ela tomou essa decisão sobre nós?
128 Nós não sabíamos o que Tiamat estava fazendo .”
129 Todos os grandes deuses que decretam os destinos
130 Reunidos, quando iam,
131 entraram na presença de Ansar e encheu-se de [alegria],
132 beijaram-se uns aos outros como eles. [..] na montagem.
133 eles conferiram enquanto eles se sentavam à mesa,
134 Eles comiam grãos, eles bebiam cerveja
135 Eles puxavam o licor doce através de suas palhas,
136 Enquanto bebiam cerveja e se sentiam bem,
137 Eles se tornaram completamente despreocupados, seu humor era alegre,
138 E eles decretaram o destino para Marduk, ser o seu vingador.

Tablete IV

1 Eles criaram um dia em homenagem para ele {Marduk}
2 E ele tomou seu lugar diante de seus pais para receber o reinado.
3 (Eles disseram,) “Você é o mais honrado entre os grandes deuses,
4 Seu destino é inigualável, seu comando é como o de Anu.
5 Marduk, você é o mais honrado entre os grandes deuses,
6 Seu destino é inigualável, seu comando é como o de Anu.
7 Doravante seu pedido não será anulado,
8 Ele está em seu poder para exaltar e humilhar.
9 seu enunciado é certo, o seu comando não pode ser contrariado,
10 Nenhum dos deuses vai transgredir a linha que você desenhar.
11 Santuários para todos os deuses precisam de provisão,
12 Para que você seja estabelecido onde estão seus santuários.
13 Você é Marduk, o nosso vingador,
14 Nós lhe demos a realeza sobre a soma de todo o universo.
15 Toma o teu lugar na assembléia, exalta a tua palavra,
16 Que as tuas armas não percam o alvo , mas que matem os teus inimigos.
17 Bel {Marduk}, poupe aquele que confia em ti,
18 mas destrói o deus que impõe a sua mente sobre o mal.
19 Determinaram uma constelação no meio
20 e se dirigiram a Marduk, seu filho,
21 “O teu destino, Bel, é superior ao de todos os deuses,
22 Comanda e produz aniquilação e recriação.
23 Deixe a constelação desaparecer em sua expressão,
24 Com um segundo comando deixe a constelação reaparecer.
25 Ele deu a ordem e a constelação desapareceu.
26 Com um segundo comando, a constelação voltou a existir.
27 Quando os deuses, seus pais, viram (o efeito de) sua elocução,
28 Eles se alegraram e deram os parabéns: “Marduk {Bel, Baal, Lúcifer, o El do planeta Maldek} é o rei!”
29 Acrescentaram-lhe uma maça, um trono e uma vara,
30 deram-lhe uma arma irresistível que esmaga o inimigo:
31 (Eles disseram:) “Vai, corta a garganta de Tiamat,
32 E deixa que os ventos levem seu sangue para dar a notícia”.
33 Os deuses, seus pais, decretaram o destino de Marduk {Bel}
34 e colocaram-no na estrada, o caminho da prosperidade e do sucesso.
35 Ele formou um arco e fez disso sua arma,
36 Ele colocou uma flecha no lugar, colocou a corda do arco.
37 Ele pegou sua clava e segurou-a em sua mão direita,
38 Seu arco e aljava ele pendurou ao seu lado.
39 Ele colocou relâmpago diante dele,
40 E encheu seu corpo com línguas de fogo.
41 Ele fez uma rede para enredar as entranhas de Tiamat,
42 E estacionou os quatro ventos que nenhuma parte dela escapou.
43 O Vento Sul, o Vento Norte, o Vento Leste, o Vento Oeste,
44 Ele colocou ao lado de sua rede, ventos dados por seu pai, Anu.
45 Ele formou o Vento Maligno, a Tempestade de Pó, a Tempestade,
46 O Vento de Quatro Dores, o Vento Sete vezes, o Vento que se Espalha no Caos, o. . . . .Vento.
47 Ele enviou os sete ventos que ele havia formado,
48 E eles se posicionaram atrás dele para assediar as entranhas de Tiamat.
49 Levou o Dilúvio de Tormenta, sua grande arma,
50 cavalgou a temível carruagem da tempestade irresistível.
51 Quatro corcéis que ele uniu a ele e os atrelou a carruagem,
52 O Destruidor, O Sem Misericórdia, O Atropelador, A Frota.
53 Os seus lábios estavam entreabertos, os seus dentes tinham veneno,
54 Eles eram estranhos ao cansaço, treinados para varrer tudo pela sua frente.
55 À sua direita ele colocava uma batalha violenta e conflitos,
56 À esquerda, conflito que oprimia uma força de batalha unida.
57 Ele estava vestido com uma túnica, uma terrível cota de malha,
58 E na cabeça ele usava uma aura de terror.
59 Marduk {Bel} prosseguiu e partiu em seu caminho,
60 Ele colocou o rosto na direção da furiosa Tiamat.
61 Em seus lábios ele segurou um feitiço,
62 Ele agarrou uma planta para conter o veneno em sua mão,
63 Então eles rodearam ao redor dele, os deuses se amontoaram ao redor dele,
64 Os deuses, seus pais, se amontoaram ao redor dele, os deuses o rodearam .
65 Marduk {Bel, Baal, Lúcifer} aproximou-se, examinando a boca de Tiamat,
66 Ele observou os truques de Qingu, seu esposo.
67 Quando ele olhou, ele perdeu a coragem,
68 Sua determinação foi e ele vacilou.
69 Seus ajudantes divinos, que estavam marchando ao seu lado,
70 Viram o guerreiro, o principal, e sua visão se tornou sombria.
71 Tiamat lançou seu feitiço sem virar o pescoço,
72 Em seus lábios ela manteve a inverdade e mentiras,
73 “[.]
74…………………..  Em sua [.]. Eles se reuniram por você”.
75 Marduk {Bel} [levantou] a inundação de tempestades, sua grande arma,
76 E com essas palavras jogou-a na furiosa Tiamat,
77 “Por que você é agressivo e arrogante,
78 E se esforça para provocar a batalha?
79 A geração {de deuses} mais jovem gritou, ultrajando os anciãos,
80 Mas você, sua mãe, tem pena do desprezo.
81 Qingu você nomeou para ser seu cônjuge,
82 E você o nomeou indevidamente para o posto da nave de Anu.
83 Contra Anšar, rei do deuses te perturbaram,
84 E contra os deuses meus pais o teu problema está estabelecido.
85 Implante as tuas tropas, cinge as tuas armas,
86 Tu e eu tomaremos a nossa posição e combateremos”.
87 Quando Tiamat ouviu isto
88 Ela enlouqueceu e perdeu a razão.
89 Tiamat gritou alto e ferozmente,
90 seus membros inferiores tremiam embaixo dela.
91 Ela recitava um encantamento, continuava recitando seu feitiço,
92 Enquanto os deuses (de batalha) afiavam suas armas de guerra,
93 Tiamat e Marduk, o sábio dos deuses, se reuniram,
94 Juntando-se à contenda, aproximando-se para a batalha,
95 Marduk {Bel} abriu a rede e a envolveu;
96 Ele soltou o vento maligno, a retaguarda, em seu rosto.
97 Tiamat abriu a boca para engoli-lo,
98 Ela deixou o vento maligno entrar para que ela não pudesse fechar os lábios.
99 Os ventos ferozes pesaram abaixo de sua barriga,
100 Ela para dentro foi distendida e ela abriu a boca larga.
101 Ele deixou voar uma flecha e perfurou sua barriga,
102 Ele rasgou suas entranhas e cortou-a para dentro,
103 Ele a amarrou e extinguiu sua vida,
104 Ele jogou seu corpo para baixo e ficou sobre ele.
105 Depois que ele matou Tiamat, a líder,
106 Sua assembléia dispersou, seu exército espalhou.
107 Seus ajudantes divinos, que estavam ao lado dela,
108 No tremor e medo bateram em retirada.
109 . . . para salvar suas vidas,
110 Mas eles estavam completamente cercados, incapazes de escapar.
111 Marduk {Bel} os amarrou e quebrou suas armas,
112 E eles se prenderam, sentados em uma armadilha,
113 Escondidos nos cantos, cheios de tristeza,
114 Suportando sua punição, mantidos em uma prisão.
115 As onze criaturas que estavam carregadas de medo,
116 A multidão de demônios que passou como noivos em sua mão direita,
117 Ele colocou cordas sobre eles e amarrou seus braços,
118 Juntamente com a sua guerra ele os atropelou debaixo dele.
119 Agora Kingu, que tinha subido ao poder entre eles,
120 Ele ligou e contou com os Deuses Mortos.
121 Ele tomou dele a Tábua dos Destinos, que não era propriamente sua,
122 selou-a com um selo e prendeu-a ao seu próprio peito.
123 Depois que o guerreiro Marduk amarrou e matou seus inimigos,
124 Had. . . . o inimigo arrogante. . . ,
125 Se a vitória estabelecida para Ansar sobre todos os seus inimigos,
126 tinham cumprido o desejo de Nudimmud,
127 Ele reforçou seu domínio sobre os Deuses Vinculadas,
128 e voltou a Tiamat, a quem ele tinha ligado.
129 Marduk {Bel}colocou os pés nas partes inferiores do tapete Tia-mat
130 E com sua clava impiedosa esmagou seu crânio.
131 Ele cortou suas artérias
132 E deixou que o vento norte suportasse (seu sangue) para dar a notícia.
133 Seus pais viram e ficaram contentes e exultantes;
134 Eles trouxeram presentes e oferendas para ele.
135 Descansou, examinando o cadáver,
136 Para dividir a massa informe por um esquema inteligente.
137 Ele dividiu-a em dois como um peixe seco:
138 Metade dela se levantou e se esticou como o céu.
139 Ele esticou a pele e designou um relógio
140 com a instrução de não permitir que suas águas escapassem.
141 Ele cruzou os céus, examinou as partes celestes,
142 E os ajustou para combinar com o Apsû, a morada de Nudimmud.
143 Marduk {Bel} mediu a forma do Apsû
144 E montou Ešarra, uma réplica de Ešgalla.
145 Em Ešgalla, Ešarra que ele construiu, e os céus,
146 Ele estabeleceu Anu, Enlil e Enki-Ea em seus santuários.

Tablete V

1 Ele criou estações celestiais para os grandes deuses,
2 E estabeleceu constelações, os padrões das estrelas.
3 Ele designou o ano, separou as divisões,
4 e estabeleceu três estrelas para {cada um dos} os doze meses.
5 Depois de ter organizado o ano,
6 Ele estabeleceu a estação celestial de Nibiru para fixar os intervalos das estrelas.
7 Que ninguém deve transgredir ou ser preguiçoso
8 Ele fixou as estações celestiais de Enlil e Enki-Ea com ele.
9 Portões ele abriu em ambos os lados,
10 E colocou os parafusos fortes à esquerda e à direita.
11 Ele colocou as alturas (do céu) na barriga dela (Tiamat),
12 Ele criou Nannar, confiando a ele a noite.
13 Ele o apontou como a jóia da noite para consertar os dias,
14 E mês após mês, sem cessar, ele o elevou com uma coroa,
15 (Dizendo:) “Brilhe sobre a terra no início do mês,
16 Resplandecente com chifres para consertar seis dias
17 No sétimo dia a coroa será metade do tamanho
18 No décimo quinto dia, na metade de cada mês, fique em oposição
19 Quando Šamaš [vê] no horizonte,
20 Diminua nos estágios apropriados e brilhe para trás.
21 no dia 29, aproximar-se do caminho da Samas,
22. [..] do 30º dia, ficar em conjunto e rival Samas.
23 que eu tenho (….]. o sinal, siga sua trilha ,
24 Aproximem-se (…..) Deem juízo.
25 [. . . . ]. Šamaš, constranger [assassinato] e violência,
26. [. . . . . . . . . . . . . . . . . . . ]. mim.
* * * * * *{tabletes 27 a 34 estão faltando}
35 No final [. . .
36 Que haja o dia 29 [. . . “
37 Depois de [ele teve …] os decretos […]
38 A organização da frente e. […
39 Ele fez o dia […]
40 Que o ano seja igualmente […]
41 ano novo […]
42 O ano … [
43] Haja com regularidade […]
44 O raio que se projeta […]
45 Depois que ele teve […
46 Os relógios da noite e do dia […]
47 A espuma que Tiamat [
48] Marduk moldou […
49 Ele reuniu isto e transformou isto em nuvens.
50 O furor dos ventos, as tempestades violentas,
51 A nuvem da neblina – o acúmulo de sua saliva –
52 Ele nomeou para si e os tomou em suas mãos.
53 Ele colocou a cabeça na posição e derramou. . [. . ].
54 Ele abriu o abismo e foi saciado com água.
55 De seus dois olhos (de Tiamat) ele deixou o Eufrates e o Tigre fluírem,
56 Ele bloqueou suas narinas, mas saiu. .
57 Ele amontoou as montanhas distantes em seus seios,
58 Ele cavou poços para canalizar as fontes.
59 Ele torceu o rabo e o enfiou na Durmah (você,
60 […] o Apsû sob seus pés.
61 [Ergueu] a sua virilha — firmou os céus—
62 [(Assim) a metade dela] ele estendeu e firmou como a terra.
63 [Depois] ele terminou seu trabalho dentro de Tiamat,
64 [Ele espalhou] sua rede e deixou sair.
65 Ele pesquisou os céus e a terra. . [. ].
66 [. . ] seus laços. . . . . . .
67 Depois de ter formulado seus regulamentos e composto [seus] decretos,
68 Ele prendeu cordas de guia e colocou-as nas mãos de Enki-Ea.
69 [A Tábua] dos Destinos que Qingu tinha tomado e levado,
70 Ele tomou conta disto como um troféu (?) E apresentou isto a Anu.
71 [O. ]. de batalha, que ele havia amarrado ou tinha colocado em sua cabeça,
72 [. ]. ele trouxe diante de seus pais.
73 [Agora] as onze criaturas às quais Tiamat deu à luz e. . . ,
74 Ele quebrou suas armas e amarrou-as (as criaturas) a seus pés.
75 Ele fez imagens deles e os colocou no [Portão] do Apsû,
76 Para ser um sinal para nunca mais ser esquecido.
77 [Os deuses] o viram e foram jubilantemente felizes,
78 (isto é,) Lahmu, Lahamu e todos os seus pais.
79 Anšar [abraçou-o] e publicou no exterior seu título, “Rei Vitorioso”,
80 Anu, Enlil e Enki-Ea deram presentes a ele.
81 Mãe Damkina, que lhe deu à luz, saudou-o,
82 Com uma túnica festiva limpa, ela fez sua face brilhar
83 Para Usmû, que a mantinha presente para dar a notícia,
84 [Ele confiou] o vizirato do Apsû e o cuidado dos lugares santos.
85 Os Igigi reuniram-se e todos obedeceram a ele,
86 Cada um dos Anunnaki estava beijando seus pés.
87 Todos eles [reuniram] para mostrar sua submissão,
88 [. . . ]. eles se levantaram, eles se curvaram: “Eis o rei!”
89 Seus pais [. . . ]. e se satisfizeram com sua beleza,
90 Marduk/Bel escutou sua expressão, estando cingido com a poeira da batalha.
91 [. . . . . . . . . . . . ]. . . . . . .
92 Unção de seu corpo com. [. . . ] perfume de cedro.
93 Vestiu-se com o manto de senhor,
94 Com uma coroa de terror como aura real.
95 Ele pegou sua clava e segurou-a na mão direita,
96 . . ]. ele agarrou a esquerda.
97 [. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ]
98. . . ]. ele colocou os pés.
99 Ele colocou em cima. [. . .
100 O cetro de prosperidade e sucesso [ele pendurou] ao seu lado.
101 Depois ele teve. . . ] a aura [
102] Ele adornou (?) seu saco, o Apsû, com um medo [. . ]
103 foi resolvido como. [. . .
104 Na sala do trono [. . .
105 Em sua cela [. . .
106 Cada um dos deuses [. . .
107 Lahmu e Lahamu. […..].
108 Abriu suas bocas e [dirigiu-se] aos deuses Igigi,
109 “Anteriormente Marduk era nosso amado filho,
110 Agora ele é seu rei, preste atenção a seu comando “
111 Em seguida, todos falaram juntos,
112 “O nome dele é Lugaldimmerankia, confie nele!”
113 Quando deram a realeza a Marduk,
114 dirigiram-se a ele uma bênção para prosperidade e sucesso,
115 “Daqui em diante você será o guardião de nosso santuário,
116 Tudo o que você mandar, nós faremos!”
117 Marduk abriu a boca para falar
118 E dirigiu-se aos deuses seus pais,
119 “Acima do Apsû, a esmeralda (?) Morada,
120 Oposto Ešarra, que eu construí para você,
121 Debaixo das partes celestes, cujo chão eu firmei,
122 Eu edificarei uma casa para ser minha morada luxuosa
123 Dentro dela eu estabelecerei seu santuário,
124 Eu encontrarei meu quarto e estabelecerei meu reinado.
125 Quando você subir do Apsû para tomar uma decisão
126 Este será seu lugar de descanso diante da assembléia.
127 Quando você descer do céu para tomar uma decisão
128 Este será o seu lugar de descanso antes da assembléia.
129 Eu chamarei seu nome de ‘Babilônia’, ‘As Casas dos Grandes Deuses’,
130 Dentro dela nós realizaremos uma festa: aquela será a festa da noite.
131 [Os deuses], seus pais, [ouviram] este discurso dele,
132. [. . . . . . . . . . . . ]. eles disseram,
133 “Com respeito a tudo o que suas mãos fizeram,
134 Quem tem o seu […]?
135 Com relação à terra que suas mãos fizeram,
136 Quem tem o seu [. . . ]
137 Em Babilônia, como você o nomeou,
138 Coloque nosso [lugar de descanso] para sempre.
139 [. . . . . . . . . ] deixá-los trazer nossas ofertas regulares
140. [. . . . . . . . . . . . . . . . ]. .
141 Quem quer que seja [. . . ] nossas tarefas que nós. [. . .
142 Aí [. . . . . ] sua labuta. [. . .
143 [. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ]
144 Eles se alegraram [. . . . . . . . . . . ]. . [. . .
145 os deuses. [. . . . . . . . . . . . . ]
146 Quem sabe [. . . . . . . . . ]. -los
147 Abriu [sua exibição boca]-lhes luz,
148. . [. . . . . . . . . ] O seu discurso . [. ]
149 Ele fez amplo [. . . . . . . . ]. eles [ . . .
150 e. [. . . . . . . . . . . . ]. . . . .
151 Os deuses se inclinaram, falando com ele,
152 Eles se dirigiram a Lugaldimmerankia, seu senhor,
153 “Anteriormente, senhor, [você era nosso querido] filho,
154 Agora você é nosso rei, […]
155 . [.]. [.]. [.] [.] preservou [nós]
156 […] a aura da clava e do cetro.
157 Que ele conceba planos […] […]
158 [.]. [ . . . . . . que nós . [ . . .”

Tablete VI

1 Quando Marduk ouviu o discurso dos deuses
2 Ele concebeu o desejo de realizar coisas inteligentes.
3 Ele abriu a boca dirigindo-se a Enki-Ea,
4 Enki-Ea fala do que ele tinha ponderado em seu coração,
5 “Eu vou reunir sangue para formar osso,
6 eu vou trazer à luz um Lullû, cujo nome será ”homem”.
7 Eu irei criar um Lullû — {um trabalhador humano}
8 “Sobre quem a labuta dos deuses será colocada para que nós possamos descansar”.
9 Eu habilmente alterarei {geneticamente} a organização dos deuses:
10 Embora eles sejam honrados como um, eles serão divididos em dois {gêneros}”.
11 Enki-Ea respondeu, quando a palavra foi dirigida para ele,
12 Expressando seus comentários sobre o descanso dos deuses,
13 “Deixe um deles ser entregue.
14 Que ele pereça para que as pessoas sejam criadas.
15 Que os grandes deuses montem
16 E deixe o culpado ser dada até que eles possam ser confirmadas”
17 Marduk reuniu os grandes deuses,
18 Usando direção graciosa ele deu a sua ordem,
19 Enquanto falava os deuses ouviam-no:
20 O rei dirigiu um discurso aos Anunnaki,
21 “Seu antigo juramento era verdade,
22 (Agora também) me diga a solene verdade:
23 Quem é aquele que instigou a guerra,
24 Quem fez Tiamat lutar, e colocou a batalha em movimento ?
25 Aquele que instigou a guerra seja abandonado
26 para que eu possa impor-lhe o castigo; mas você senta e descansa.
27 Os igigi, os grandes deuses, responderam-lhe:
28 Isto é, Lugaldimmerankia, o conselheiro dos deuses, o senhor,
29 “Qingu é aquele que instigou a guerra,
30 que fez Tiamat se rebelar e colocar a batalha em movimento.”
31 Eles o amarraram, segurando-o diante de Enki-Ea,
32 Eles infligiram a penalidade sobre ele e cortaram seus vasos sanguíneos.
33 De seu sangue ele (Ea-Enki) criou a humanidade,
34 Sobre a quem ele impôs o trabalho que era dos deuses, e {assim} libertou os deuses{do trabalho}.
35 Depois que o sábio Enki-Ea criou a humanidade
36 E os deuses impuseram seu trabalho sobre eles –
37 Essa tarefa está além da compreensão
38 Pois Nudimmud executou a criação com a habilidade de Marduk—
39 O rei Marduk dividiu os deuses,
40 Todos os Anunnaki nos grupos superior e inferior.
41 Ele designou 300 deuses nos céus para guardar os decretos de Anu
42 E os designou como um guarda.
43 Em seguida, ele providenciou a organização do mundo dos mortos.
44 No céu e no submundo, ele estacionou 600 deuses.
45 Depois de ter arranjado todos os decretos,
46 E distribuíra rendas entre os Anunnaki do céu e os Anunnaki do mundo dos mortos,
47 Os Anunnaki abriram suas bocas
48 E se dirigiram ao seu senhor Marduk,
49 “Agora, senhor, vendo que você estabeleceu nossa liberdade
50 {o que} Podemos fazer por ti?
51 Façamos um santuário de grande renome:
52 Seu quarto será nosso lugar de descanso onde podemos repousar.
53 Vamos erigir um santuário para abrigar um pedestal
54 Onde podemos repousar quando terminarmos (a obra). ”
55 Quando Marduk ouviu isso,
56 Ele sorriu tão intensamente quanto a luz do dia,
57“Construa Babilônia, como a tarefa que vocês tem buscado.
58 Que os tijolos sejam moldados e se levante o santuário! “
59 Os anunnaki empunharam a picareta.
60 Por um ano eles fizeram os tijolos necessários.
61 Quando o segundo ano chegou,
62 Eles levantaram o pico de Esagil, uma réplica do templo. Aps.
63 Eles construíram a torre do templo elevado do Aps
64 E para Anu, Enlil e Enki eles estabeleceram a sua … como uma habitação.
65 Ele sentou-se em esplendor diante deles,
66 Suportando seus chifres, que estavam nivelados com a base de Ešarra.
67 Depois de terem completado o trabalho em Esagil
68, todos os Anunnaki construíram seus próprios santuários.
69 os 300 Igigi do céu e 600 dos Apsû, todos eles, tinham se reunido.
70 Assentou os deuses, seus pais, no banquete
71 No santo santuário que edificaram para a sua habitação,
72 (Dizendo:) “Esta é a Babilônia, a vossa habitação fixa,
73 tenha o prazer aqui! Sente-se em alegria!
74 Os grandes deuses sentaram-se,
75 canecas de cerveja foram colocadas e eles sentaram-se no banquete.
76 Depois de terem se divertido dentro dacidade
77 Eles realizaram um serviço no Esagil maravilhoso.                                                                                                                  78 Os regulamentos e todas as regras foram confirmados
79 Todos os deuses dividiram as estações do céu e do inferno.
80 O colégio dos cinquenta grandes deuses tomou seus lugares,
81 Os sete deuses dos destinos foram designados para dar decisões.
82 Bel{Marduk} recebeu sua arma, o arco, e colocou-a diante deles:
83 Seus pais divinos viram a rede que ele havia feito.
84 Seus pais viram como foi habilmente trabalhada a estrutura do arco
85 Como eles elogiaram o que ele tinha feito.
86 Anu levantou-a na assembléia divina,
87 Ele beijou o arco, dizendo: “É minha filha!”
88 Assim ele chamou os nomes do arco:
89 “Longa Vara” foi o primeiro; o segundo foi: “Que acerte a marca”.
90 Com o terceiro nome, “Arco das Estrelas”, ele fez isso para brilhar no céu,
91 Ele fixou sua posição celeste junto com seus irmãos divinos.
92 Depois de Anu decretar o destino do arco,
93 Ele estabeleceu um trono real, um elevado, mesmo para um deus,
94 Anu colocou lá na assembléia dos deuses.
95 Os grandes deuses reunidos,
96 Eles exaltaram o destino de Marduk e obedeceram.
97 Eles invocaram uma maldição sobre si mesmos
98 E fizeram um juramento com água e óleo, e puseram as mãos deles / delas às gargantas deles / delas.
99 Eles lhe concederam o direito de exercer a realeza {e governar} sobre os deuses,
100 Eles o confirmaram como senhor dos deuses do céu e do inferno.
101 Anšar deu a ele seu nome exaltado, Asalluh
102 “À menção de seu nome, vamos mostrar submissão!
103 Quando ele fala, deixar os deuses acatar sua vontade,
104 Deixe seu comando ser superior em regiões superiores e inferiores.
105 Que o filho, nosso vingador, seja exaltado,
106 Deixe seu senhorio ser superior e ele mesmo ser sem rival.
107 Que ele pastoreie os negros (os “lulus”), suas criaturas,
108 Deixe-os contar sobre seu caráter para os dias futuros sem esquecê-lo.
109 Que ele estabeleça ofertas generosas de alimentos para seus pais,
110 Que ele providencie sua manutenção e seja guardião de seus santuários,
111 Que ele queime incenso para alegrar seus santuários.
112 Que ele faça na terra o mesmo que fez no céu:
113 Que ele nomeie os negros para adorá-lo.
114 Os seres humanos sujeitos devem tomar nota e invocar seus deuses,
115 Desde que ele ordena que eles devem prestar atenção a suas deusas,
116 Que ofertas de comida sejam trazidas [para] (?) Seus deuses e deusas,
117 Que eles (?) Não sejam esquecidos, Que eles se lembrem de seus deuses
118 . . . seus . . podem eles. . seus santuários.
119 Embora os cabeças-pretas veneram alguém, algum outro deus,
120 Ele é o deus de cada um de nós!
121 Venha, vamos chamar os cinquenta nomes
122 Daquele cujo caráter é resplandecente, cuja realização é a mesma.
123 (1) MARDUK é como ele foi nomeado por seu pai Anu desde o seu nascimento,{aqui começa a citação dos cincoenta nomes de Marduk}
124 Quem fornece pastagens e rega, fazendo os estábulos florescerem.
125 Quem amarrou o arrogante com sua arma, a tempestade,
126 E salvou os deuses, seus pais, da aflição.
127 Ele é o filho, o deus-sol dos deuses, ele é deslumbrante,
128 Que eles sempre andem em sua luz brilhante.
129 Sobre os povos que ele criou, os seres vivos,
130 Ele impôs o serviço dos deuses para que eles descansassem.
131 Criação e aniquilação, perdão e exigência da penalidade
132 Ocorre ao seu comando, portanto, deixe-os fixar seus olhos nele.
133 (2) Marukka: ele é o deus que os criou
134 Quem colocou os Anunnaki à vontade, os Igigi em repouso.
135 (3) Marutukku: ele é o apoio da terra, da cidade e de seus povos;
136 De agora em diante, os povos o escutem sempre.
137 (4) Meršakušu: feroz, mas deliberado, zangado, mas inclinado,
138 Sua mente é ampla, seu coração é todo-abrangente.
139 (5) Lugaldimmerankia é o nome pelo qual todos nós o chamamos,
140 cujo comando temos exaltado acima do dos deuses seus pais.
141 Ele é o senhor de todos os deuses do céu e do mundo dos mortos,
142 O rei em cujas injunções os deuses nas regiões superior e inferior estremecem.
143 (6) Narilugaldimmerankia é o nome que lhe demos, o mentor de todo deus,
144 Que estabeleceu nossas moradas no céu e no inferno no tempo de angústia,
145 Quem distribuiu as estações celestes entre os Igigi e os Anunnaki,
146 Deixe os deuses tremerem em seu nome e tremer em seus assentos.
147 (7) Asalluh (i é o nome pelo qual seu pai Anu o chamou),
148 Ele é a luz dos deuses, um poderoso herói,
149 Quem, como o próprio nome diz, é um anjo protetor de Deus e da terra,
150 Quem por um terrível combate salvou a nossa morada em tempos de angústia
151 (8) Asalluh (i-Namtilla) eles o chamavam em segundo lugar, o deus vivificante,
152 Quem, de acordo com a forma (de) seu (nome), restaurou todos os deuses arruinados,
153 O senhor, que trouxe à vida os deuses mortos por seu puro encantamento,
154 Louvemos-lo como o destruidor dos inimigos desonestos.
155 (9) Asalluh (i-Namru), como seu terceiro nome é chamado,
156 O deus puro, que purifica nosso caráter. “
157 Anšar, Lahmu e Lahamu (cada) o chamavam por três de seus nomes,
158 Então eles se dirigiram aos deuses, seus filhos,
159 “Cada um de nós o chamou por três de seus nomes,                                                                                                            160 Agora vocês chamam seus nomes, como nós. ”                                                                                                                      161 Os deuses regozijaram-se quando ouviram seu discurso,
162 Em Upšuukkinaki eles realizaram uma conferência,
163″Do filho guerreiro, nosso vingador,
164 Do prover, exaltemos o nome”.
165 Eles se sentaram em sua assembléia, convocando os destinos,
166 E com todos os ritos devidos eles chamaram seu nome:

Tablete VII

1 (10) Asarre, o doador de terra arável que estabeleceu a terra de arado,
2 O plantador de cevada e linho, que fez a vida vegetal crescer.
3 (11) Asaralim, que é reverenciado na câmara do conselho, cujo conselho é excelente,
4 Os deuses atendem e apreendem o medo dele.
5 (12) Asaralimnunna, o nobre, a luz do pai, o seu gerador,
6 Quem dirige os decretos de Anu, Enlil e Enki-Ea, este é Ninšiku.
7 Ele é o seu provedor, que designa os seus rendimentos,
8 cujo turbante multiplica a abundância para a terra.
9 (13) Tutu é aquele que realiza sua renovação,
10 Que ele purifique seus santuários para que possam repousar.
11 Que ele crie um encantamento para que os deuses possam descansar.
12 Embora se levantem em fúria, retirem-se.
13 De fato, ele é exaltado na assembléia dos deuses, seus [pais],
14 Ninguém entre os deuses pode [ser igual] a ele.
15 (14) Tutu-Ziukkinna, a vida de [seu] anfitrião,
16 Quem estabeleceu os céus puros para os deuses,
17 Quem encarregou de seus cursos, que designou [suas estações],
16 Que ele não seja esquecido entre os mortais , mas [deixe-os lembrar] seus atos.
19 (15) Tutu-Ziku eles o chamavam em terceiro lugar, o estabilizador da purificação,
20 O deus da brisa agradável, senhor do sucesso e obediência,
21 Quem produz generosidade e riqueza, quem estabelece abundância,
22 Quem transforma toda a escassez que temos em abundância,
23 De quem é a brisa agradável que farejamos no tempo da angústia terrível,
24 ordenem aos homens que seus louvores sejam constantemente proferidos, que ofereçam culto a ele.
25 Como (16) Tutu-Agaku, em quarto lugar, deixe os seres humanos exaltá-lo,
26 Senhor do puro encantamento, que trouxe os mortos de volta à vida,
27 que mostrou misericórdia sobre os Deuses Encadernados,
28 Quem tirou o jugo imposto sobre os deuses, seus inimigos,
29 E para poupá-los {os deuses} criaram a humanidade.
30 O misericordioso, em cujo poder é para restaurar a vida,
31 Que suas palavras sejam certas e não esquecidas
32 Da boca dos cabeças negras{humanos}, suas criaturas.
33 Como (17) Tutu-Tuku, em quinto lugar, deixe sua boca expressar seu puro encantamento,
34 que extirpou todos os ímpios por seu puro encantamento.
35 Šazu, que conhecia o coração dos deuses, que via as rédeas,
36 que não permitiram que um perverso lhe escapasse,
37 o qual estabeleceu a assembléia dos deuses, que exultaram os seus corações,
38 os que subjugaram os deuses. Desobediente, ele é a proteção abrangente dos deuses.
39 Ele fez a verdade prosperar, arrancou o discurso perverso,
40 separou a falsidade da verdade.
41 Como (19) Šazu-Zisi, em segundo lugar, deixá-los continuamente elogiá-lo, o subjugador de agressores,
42 Que expulsou a consternação dos corpos dos deuses, seus pais.
43 (20) Šazu-Suh (aro, em terceiro lugar, que extirpou todos os inimigos com suas armas,
44 Quem confundiu seus planos e os transformou em vento.
45 Ele exterminou todos os ímpios que vinham contra ele;
46 Os deuses gritam aclamações na assembléia.
47 (21) Šazu-Suh (gurim, em quarto lugar, que estabeleceu o sucesso para os deuses, seus pais,
48 Que extirpam inimigos e destruíram sua descendência,
49 Que espalharam suas realizações, não deixando parte deles,
50 Que seu nome seja falado e proclamado na Terra
51 Como (22) Šazu-Zah (borda, em quinto lugar, deixe gerações futuras discuti-lo,
52 O destruidor de todo rebelde, de todos os desobedientes,
53 Que trouxe todos os deuses fugitivos para dentro dos santuários,
54 Deixe isto nome do seu ser estabelecido.
55 Como (23) Sazu-Zah (gurim, em sexto lugar, deixe-os completamente e em todos os lugares adorá-lo,
56, que destruiu todos os inimigos na batalha.
57 (24) Enbilulu é ele, o Senhor que os abastece abundantemente,
58 Seu grande escolhido, um que oferece oferendas de cereal.
59 Que mantém as pastagens e rega em bom estado e as estabeleceu para a terra,
60 que abriram cursos de água e distribuíram água abundante.
61 (25) Enbilulu-Epadun, senhor de terra comum e …, vamos eles o chamam em segundo lugar,
62 supervisor de canal do céu e do submundo, que define o sulco, que estabelece terras aráveis ​​limpas em campo aberto,
63 que direciona a vala de irrigação e canal, e marca o sulco.
64 Como Enbilulu-Gugal, supervisor do canal dos cursos de água dos deuses, que eles o louvem em terceiro lugar,
65 Senhor da abundância, profusão e grandes armazéns (de cereais),
66 Quem fornece abundância, que enriquece as habitações humanas,
67 Quem dá trigo e faz o cereal nascer.
68 (27) Enbilulu-H (egal, que acumula abundância para os povos …
69 Que faz chover ampla riquezas sobre a terra e fornece abundante vegetação.
70 (28) Sirsir, que amontoou uma montanha no topo de Tiamat,
71 Quem saqueou o cadáver de Tiamat com [suas] armas,
72 O guardião da terra, seu pastor de confiança,
73 Cujo cabelo é uma cultura crescente, cujo turbante é um sulco,
74 Que continuava atravessando o largo Mar em sua fúria,
75 E continuava atravessando o local de sua batalha como se fosse uma ponte.
76 (29) Sirsir-Malah (eles o nomearam em segundo lugar – assim seja –
77 Tiamat era seu barco, ele era seu marinheiro.
78 (30) Gil, que já amontoou montes de cevada, montes enormes,
79 O criador de grãos e rebanhos, que dá semente para a terra.
80 (31) Gilima, que firmou o vínculo dos deuses, que criou estabilidade,
81 Uma armadilha que os subjugou, que ainda estendeu favores
82 (32) Agilima, a sublime, que arrebata a coroa, que se encarrega da neve,
83 Quem criou a terra sobre a água e firmou a altura do céu.
84 (33) Zulum, que designa prados para os deuses e divide o que ele criou,
85 Quem dá renda e oferendas de comida, quem administra santuários.
86 (34) Mummu, criador do céu, submundo dos mortos, quem protege os refugiados,
87 O deus que purifica o céu e o submundo, em segundo lugar Zulummu,
88 Em relação a cuja força nenhum outro entre os deuses pode ser igual a ele.
89 (35) Gišnumunab, criador de todos os povos, que fez as regiões do mundo,
90 Quem destruiu os deuses de Tiamat, e fez povos de parte deles.
91 (36) Lugalabdubur, o rei que espalhou as obras de Tiamat, que arrancou suas armas,
92 cuja fundação está segura no “Fore and Aft”.
93 (37) Pagalguenna, principal de todos os senhores, cuja força é exaltada,
94 Quem é o maior entre os deuses, seus irmãos, o mais nobre de todos eles.
95 (38) Lugaldurmah (rei do vínculo dos deuses, senhor de Durmah (u),
96) Quem é o maior na morada real, infinitamente mais elevado que os outros deuses.
97 (39) Aranunna, conselheiro de Enki-Ea, criador dos deuses, seus pais,
98 a quem nenhum deus pode ser igual em relação a sua caminhada senhorial.
99 (40) Dumuduku, que renova por si mesmo sua morada pura em Duku,
100 Dumuduku, sem os quais Lugalduku não toma uma decisão.
101 ( 41) Lugalšuanna, o rei cuja força é exaltada entre os deuses,
102 O senhor, a força de Anu, aquele que é supremo, escolhido de Anšar.
103 (42) Irugga, que saqueou todos eles no mar,
104 Quem compreende toda a sabedoria, é compreensivo em compreensão.
105 (43) Irqingu, que saqueou Qingu. . . batalha,
106 Quem dirige todos os decretos e estabelece o senhorio.
107 (44) Kinma, o diretor de todos os deuses, que dá conselho,
108 Em cujo nome os deuses se inclinam em reverência como antes de um furacão.
109 (45) Dingir-Esiskur – deixe-o tomar seu assento elevado na Casa das Bençãos,
110 Deixe os deuses trazer seus presentes antes dele
111 Até que ele receba suas ofertas.
112 Ninguém, senão ele, realiza coisas inteligentes
113 As quatro (regiões) dos cabeças negras {seres humanos} são sua criação,
114 Além dele, nenhum deus sabe a medida de seus dias.
115 (46) Girru, que faz as armas duras (?),
116 Quem realizou coisas inteligentes na batalha com Tiamat,
117 Abrangente em sabedoria, hábil em entendimento,
118 Uma mente profunda, que todos os deuses juntos não entendem.
119 Seja (47) Addu o seu nome, cubra toda a extensão do céu,
120 troveja com a sua voz agradável sobre a terra,
121 Que o estrondo enche (?) As nuvens E dê sustento aos povos abaixo.
122 (48) Aša-ru, que, como seu nome diz, reuniu os Destinos Divinos
123 Ele é de fato o diretor de todos os povos.
124 Como (49) Ne-beru deixá-lo segurar o lugar de passagem do céu e do submundo,
125 Eles não devem cruzar acima ou abaixo, mas devem esperar por ele.
126 Ne-beru é sua estrela, que ele fez brilhar no céu,
127 Deixe-o tomar sua posição na escadaria celestial para que eles possam olhar para ele.
128 Sim, aquele que constantemente cruza o Mar sem repousar,
129 Seja Ne-beru o seu nome, que compreenda o seu coração,
130 Que ele fixe os caminhos das estrelas do céu,
131 Que ele pastoreie todos os deuses como ovelhas,
132 ele ligou Tiamat e colocou sua vida em perigo mortal,
133 para gerações ainda não nascidas, para dias futuros distantes.
134 Que ele continue sem controle, que ele persista na eternidade.
135 Desde que criou os céus e modelou a terra,
136 Enlil, o pai, chamou-o pelo seu próprio nome, (50) ‘Senhor das Terras’.
137 Enki-Ea ouviu os nomes que todos os igigus chamavam.
138 E seu espírito se tornou radiante.
139 “Ora! Aquele cujo nome foi exaltado por seus pais
140 Que ele, como eu, seja chamado (51) ‘Enki-Ea’
141 Que ele controle a soma de todos os meus ritos,
142 Que ele administre todos os meus decretos”.
143 Com a palavra “Cinquenta”, os grandes deuses
144 Chamavam seus cinquenta nomes e atribuíam-lhe uma posição de destaque.
145 Eles devem ser lembrados; uma figura de proa deve expô-los,
146 Os sábios e instruídos devem conferir sobre eles,
147 Um pai deve repeti-los e ensiná-los {os nomes dos deuses} a seu filho,
148 Deve-se explicá-los ao pastor e ao pastores.
149 Se alguém não é negligente para Marduk, o Enlil dos deuses,
150 possa sua terra florescer, e prosperar,
151 (Pois) sua palavra é confiável, sua ordem inalterada,
152 Nenhum deus pode alterar a pronúncia de sua boca.
153 Quando ele olha em fúria, ele não cede,
154 Quando sua ira está em chamas, nenhum deus pode enfrentá-lo.
155 Sua mente é profunda, seu espírito é todo-abrangente,
156 Antes de quem o pecado e a transgressão são procurados.
157 Instrução que uma figura de liderança repetiu diante dele (Marduk):
158 Ele anotou e armazenou para que as gerações vindouras pudessem ouvi-la.
159 [. . ]. Marduk, que criou os deuses igigi,
160 embora eles diminuam. . . deixe-os chamar seu nome.
161 . . a canção de Marduk,
162 Que derrotou Tiamat e tomou a realeza para si…

CONCLUSÃO:

O épico Enuma Elish como uma obra mitológica é atemporal, mas alguns estudiosos argumentam que, em seu dia, isso teria ressoado com uma audiência que entendia a Babilônia como uma cidade rompendo com as tradições do passado para criar um novo e melhor futuro. O estudioso Thorkild Jacobsen, por exemplo, observa:

Babilônia guerreava com o território da antiga Suméria e todas as suas antigas e veneráveis ​​cidades e seus deuses antigos. {Marduk} Começou a guerra de um {deus} novato com sua própria civilização  parental. E que esta era uma questão viva, que [Babilônia] estava profundamente consciente de ser herdeira e continuadora da civilização suméria, é clara pelo fato de que seus reis, especialmente os da segunda metade da dinastia [Sealand], usaram nomes sumérios.  Compreensivelmente, portanto, a Babilônia poderia ter sentido – consciente ou inconscientemente – que sua vitória fosse em certo sentido patricida. (190)

A história, então, pode ser lida não apenas como um grande conto do triunfo da ordem sobre o caos e a luz sobre as trevas, mas como uma parábola do surgimento da Babilônia e da cultura babilônica sobre o antigo modelo sumério de civilização. Além disso, o conto pode ser entendido como uma ilustração do conceito de vida como mudança perpétua.

Os velhos deuses estáticos da história são substituídos pelos deuses mais jovens e mais dinâmicos {sanguinários}, que então introduzem o conceito de mudanças e da mutabilidade no universo através da criação de seres mortais sujeitos à morte {os escravos “lulus” criados por engenharia genética por Enki-Ea, os Adão e Eva de barro}. Essas criaturas são encarregadas de trabalhar para os deuses e a manter sua criação e, embora não sejam eternas {como os deuses}, desempenham um papel integral no trabalho eterno dos deuses.

REVISÃO EDITORIAL: Este artigo foi revisado quanto à precisão, confiabilidade e aderência aos padrões acadêmicos antes da sua publicação.

SOBRE O AUTOR


A MATRIX, O SISTEMA de CONTROLE MENTAL“A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

2 Responses to Suméria – Anunnaki: Enuma Elish – A Epopeia Babilônica da Criação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.