browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Surgem doctos que comprovam recuperação de espaçonaves extraterrestres pelos EUA

Posted by on 17/06/2019

A transcrição de uma conversa entre um vice-almirante da Marinha dos EUA e um importante cientista discutindo uma tentativa fracassada do militar de obter acesso a um programa altamente sigiloso envolvendo uma espaçonave extraterrestre acidentada foi recentemente divulgada online. A conversa ocorreu em 16 de outubro de 2002 e envolveu o diretor aposentado da Agência de Inteligência de Defesa (DIA), o vice-almirante Thomas Wilson, falando com o cientista Dr. Eric W. Davis, um acadêmico trabalhando na viabilidade de sistemas de propulsão exóticos {eufemismo para extraterrestre} com a EarthTech International { fundada por Harold E. Puthoff } empresa de tecnologia avançada estabelecida em Austin, Texas.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Documento bombástico confirma que o almirante da Marinha teve acesso negado ao programa de recuperação de UFOs/OVNIs acidentados e sua engenharia reversa

Fonte:  https://www.exopolitics.org/

No documento de 15 páginas que inclui a transcrição, notas resumidas e uma carta que a acompanha, Davis descreve o que o almirante Wilson lhe contou sobre um “briefing” de 10 de abril de 1997 onde ele (Wilson) recebeu informações do ex-astronauta da Apollo Dr. Edgar Mitchell e Dr. Steven. Greer (fundador do Disclosure Project) sobre um programa de OVNIs classificado sobre o qual eles tinham informação de código. Na época, Wilson era um contra-almirante (classe elevada), Diretor Adjunto da Agência de Inteligência da Defesa (DIA); e Vice-Diretor de Inteligência (VJ2), para o Estado-Maior Conjunto, cargo que ocupou de novembro de 1994 a setembro de 1997.

Quando Wilson perguntou sobre a existência do programa a partir de um órgão regulador criado para Programas de Acesso Especial, ele descobriu que envolvia um esforço corporativo de Pesquisa e Desenvolvimento envolvendo uma nave extraterrestre recuperada, mas o acesso lhe foi negado por três funcionários corporativos que trabalhavam para um grande empreiteiro {do Complexo Industrial Militar} aeroespacial dos EUA.

Queda de UFO em Roswell, no Novo México, caso mais rumoroso de resgate de um UFO acidentado e corpos de extraterrestres

O briefing de 1997 foi discutido publicamente pela primeira vez por Greer e sua associada Shari Adamiak apenas um mês depois de ter ocorrido e foi corroborado por Mitchell mais de uma década depois. Em uma entrevista em maio de 1997 com Art Bell, do programa de rádio AM Coast to Coast,  Greer disse:

O Joint Chiefs of staff que eu informei enquanto estava em Washington há um mês atrás … Depois que ele olhou tudo isso e ouviu a testemunha, ele se virou para nós e disse: ‘Bem, eu não tenho dúvidas de que isso é verdade, mas eu estou horrorizado que eu não sabia disso … Por causa da sua posição. è muito, muito sênior … Eu não posso dizer quem era, mas uma posição muito, muito sênior … E então eles começam a se entender bem: ‘Quem diabos sabe sobre isso, o que está acontecendo aqui?’ E então eles se assustaram [ed].

Anos mais tarde, Greer divulgou um documento do National Reconnaissance Office { NRO – O Escritório Nacional de Reconhecimento é uma agência de inteligência estadunidense que projeta, constrói e opera os satélites espiões do governo dos Estados Unidos, e fornece informações por satélite para várias agências do governo}, contendo palavras de código e locais que desencadearam a tentativa fracassada de Wilson de obter acesso ao programa secreto de OVNIs. Em um workshop, Greer explicou o conteúdo do documento da NRO e o que aconteceu quando o almirante Wilson o investigou:

“É o documento do National Reconnaissance Office. … ..A razão é importante não tanto pelo seu conteúdo…… .. Tome nota da lista de distribuição, por favor. … .. …… .Blue Fire ’, que é um codinome, 1991, Commander’s Net, Royal Op’s, Cosmic Op… então, autorização cósmica… você já ouviu falar disso? Não é um mito. É real. Maj Op, MAJI … É o MAJIC Op. Ele passa por um monte deles … Nellis Division{Área-51}, todos esses números de código e você tem algumas coisas realmente interessantes. … Este documento secreto foi para o almirante [almirante Tom Wilson] antes de nossa reunião, e ele realmente reconheceu uma dessas entidades e fez uma investigação, e ela estava sendo administrada por um empreiteiro de defesa. … .. E o empreiteiro… um desses empreiteiros corporativos {os grandes conglomerados aeroespaciais e de fabricação de armas, chamado de Complexo Industrial Militar}… quando ele os chamou, ele disse para eles: “Eu sou o almirante Tom Wilson… na época ele era o chefe da Inteligência do Estado-Maior Conjunto… Eu quero ler este projeto. ”Adivinha o que aconteceu? Eles disseram: “Senhor, você não precisa saber disso“. Ele é o cara {o almirante Tom Wilson} que deveria dar as informações secretas para o Estado-Maior Conjunto do governo dos Estados Unidos. Foi-lhe dito: ‘Você não precisa saber disso‘ … e o almirante Wilson disse: ‘Porra, se eu não posso saber, quem pode?’ Eles disseram: ‘Senhor, não podemos discutir mais isso com o senhor’, e eles desligaram e bloquearam sua linha. Isso tudo aconteceu antes da reunião de stand-up que eu fiz para ele com Edgar Mitchell … 6º astronauta a andar na lua … eu, meu conselheiro militar, e algumas outras pessoas nos encontramos com o almirante Tom Wilson no que chamamos de “stand-up” ‘briefing. Eu estava fazendo a apresentação. Era para ser de 45 minutos.



Em 2007, Mitchell começou a confirmar publicamente que o briefing havia realmente ocorrido, corroborando o que Greer havia revelado uma década antes.

Uma cronologia detalhada de artigos e entrevistas referentes ao briefing de Wilson de 1997 é fornecida pelo pesquisador croata de OVNIs Giuliano Marinkovic .

A transcrição da conversa de 2002 entre Wilson e Davis foi discutida pela primeira vez em entrevistas de rádio dos pesquisadores UFO Grant Cameron e Richard Dolan em dezembro de 2018. Cameron disse que recebeu o documento de 15 páginas, que ele compartilhou com Michael W. Hall. Juiz do Tribunal Superior. Hall deu várias entrevistas em março de 2019, discutindo as origens e autenticidade do documento.

Cameron, Dolan e Hall acreditam que o documento é autêntico, e sua consistência com o que Greer e Mitchell haviam revelado anteriormente aponta para isso. Entrei em contato com o Dr. Eric Davis para comentar a autenticidade do documento e ele respondeu dizendo: “Não tenho comentários sobre isso.” Se o documento era uma farsa, não vejo motivo para que o Dr. Davis não o tivesse dito.

Tudo isso me leva a concluir que o documento é uma autêntica transcrição do que o Dr. Davis e o Almirante Wilson discutiram em 2002 sobre a reunião de abril de 1997 e a investigação subsequente de Wilson. A transcrição foi lançada recentemente on-line e está disponível para visualização pública .



A transcrição, as notas sumárias e a carta anexa fornecem apoio documental convincente de que o briefing de 1997 ocorreu, exatamente como Greer e Mitchell relataram até duas décadas antes. É importante ressaltar que as notas confirmam uma das maiores alegações de Greer, segundo a qual ele estava regularmente informando altos funcionários da administração Clinton sobre o encobrimento dos OVNIs – algo que muitos pesquisadores ufológicos haviam anteriormente descartado ou ridicularizado.

A transcrição fornece uma visão fascinante de como um almirante da Marinha dos EUA que era Vice-Diretor de Inteligência (VJ2), teve negado o acesso por funcionários privados de grandes corporações a um programa classificado de OVNIs, que ele acreditava firmemente ser seu campo de responsabilidade.

O briefing e a investigação mal sucedida não afetaram negativamente a carreira de Wilson. Dois anos depois, em maio de 1999, Wilson foi promovido a vice-almirante e se tornou o 13º Director da Agência de Inteligência de Defesa (DIA), uma posição em que ele serviu até Julho de 2002. Três meses depois de sua aposentadoria, Wilson se encontrou com Davis para discutir a reunião de 1997 e suas conseqüências. Na transcrição, aprendemos sobre a perspectiva de Wilson sobre o que aconteceu.

Presumivelmente, a gravação e transcrição da conversa de Wilson e Davis foram destinadas a uma pequena audiência na EarthTech International , fundada pelo Dr. Hal Puthoff, que estudava sistemas de propulsão exóticos {um eufemismo para EXTRATERRESTRE}, e liberava estudos de viabilidade deles para cientistas e periódicos interessados.

Em 2009, Davis e EarthTech incluíram alguns desses estudos de viabilidade de propulsão exótica como Documentos de Referência de Inteligência de Defesa, dois dos quais vazaram pela primeira vez on-line em dezembro de 2017 por Corey Goode, que disse que uma fonte confidencial do DIA deu a eles.

Na transcrição, Davis (EWD) descreve como Wilson (TW) começou confirmando que a reunião de abril de 1997 ocorreu e envolveu Greer, Mitchell e o Comandante da Reserva Naval dos EUA, Willard H. Miller, que era o principal assessor militar de Greer.



Miller desempenhou um papel fundamental nos vários “briefings sobre OVNIs” que Greer deu a altos funcionários e políticos durante o governo Clinton:

TW: Confirmado Greer / Miller / Mitchell deu palestra na sala de conferências do Pentágono. O almirante Mike Crawford, o general Pat Hughes (seu chefe Hughes) estavam presentes (outros também.) Data de abril “97. (Ed Mitchell disse 4/9/947.) Depois que o grupo se separou, Miller / Wilson conversou (em particular) 2 horas sobre OVNIs, MJ-12, Roswell, UFOs acidentados / corpos alienígenas, etc. TW intrigado – sabia sobre inteligência nos EUA  / intel UFO perto de encontros – e encontros com govs estrangeiros. Registros vistos. Disse Miller. [ Transcrição / Resumo p. 1 ]

Wilson estava aqui reconhecendo que o diretor de serviço da Agência de Inteligência da Defesa (DIA), o tenente-general Pat Hughes, também participava da reunião. Depois que a reunião terminou, Miller e Wilson continuaram a discutir questões que haviam sido levantadas:

TW: Sim, Miller fez a pergunta sobre a cabala MJ-12 / UFO – UFO acidentado. Confirmado ele chamou Miller ca. final de junho de 97 e disse que ele / Miller estava certo – existe tal organização. [ Transcrição / Resumo p. 1 ]

Wilson estava aqui reconhecendo que depois de ser informado sobre a existência do programa de OVNIs classificados por Greer e Mitchell em abril de 1997, ele investigou a existência do programa, e descobriu que MJ-12 {referência ao Projeto Majestic-12} era real e que de fato havia uma cabala de segredo sobre OVNIs em execução e operações envolvendo resgate de UFOs/OVNIs acidentados. Isso explica por que o almirante Wilson mais tarde não conseguiu obter acesso ao programa UFO, como explicado mais tarde nas notas sumárias de Davis.

Em seguida, Miller contou a Greer e Mitchell sobre o que Wilson havia revelado a ele em junho de 1997, depois que ele [Wilson] não teve acesso ao programa classificado que Greer e Mitchell haviam lhe contado antes, em abril. O almirante Wilson [TW] ficou furioso porque Miller havia dito a Greer e Mitchel sobre o fracasso de Wilson em acessá-lo, como a transcrição de [EWD] de Davis deixa claro:

TW: Muito furioso – muito irritado com Miller (expressão facial tensa, voz irritada)

  • Confiança pessoal e profissional violada – especialmente entre colegas de inteligência / oficiais da Marinha
  • Há camaradagem da marinha entre os oficiais – fraternidade
  • Isso foi Violado e a confidencialidade

EWD: como?

TW: Miller disse a Greer sua conversa

  • Quem sabe para quem mais ele e Greer contaram.  (Nota do EWD – Miller disse a Ed Mitchell que me disse apenas em 1999)

O significado de tudo isso é que o almirante Wilson não queria que os detalhes do que ele aprendeu durante sua investigação do programa secreto que Greer e Mitchell haviam trazido à sua atenção pela primeira vez se tornassem públicos. Ao dizer a Greer, o comandante Miller, na opinião de Wilson, quebrou a confiança compartilhada entre os oficiais da inteligência naval para manter as informações confidenciais. É por isso que ele estava com tanta raiva.



No entanto, se não fosse Miller assumindo o risco que tinha, Greer e o mundo provavelmente não teriam sabido a verdade sobre o que aconteceu, e como os conglomerados aeroespaciais haviam deixado de lado Wilson e a inteligência naval norte-americana em detrimento de um programa de engenharia reversa de uma espaçonave extraterrestre acidentada.

Na segunda parte, vou rever o que o almirante Wilson disse ao dr. Davis sobre o programa secreto de recuperação de UFOs/OVNIs acidentados e o seu significado. A verdade sobre UFOs e extraterrestres parece, cada vez mais, estar vindo à tona em um movimento impossível de se refrear novamente!

© Michael E. Salla, Ph.D.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL):   “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. 

“Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Saiba MUITO mais, informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

 

 

One Response to Surgem doctos que comprovam recuperação de espaçonaves extraterrestres pelos EUA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.