browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Tensão aumenta: Grupo de ataque dos EUA, liderado pelo porta-aviões USS Harry S. Truman, se dirige ao Mediterrâneo.

Posted by on 10/04/2018

O jornal norte-americano, Stars and Stripes, revelou nesta terça-feira que um grupo de ataque naval dos EUA, liderado pelo porta-aviões USS Harry S. Truman, está se dirigindo para o mar Mediterrâneo, para atuar na costa da Europa e do Oriente Médio. “O grupo de ataque Harry Truman partirá nesta quarta-feira da base militar naval de Norfolk, Virgínia, para o Oriente Médio e Europa”, informa a publicação.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Grupo de ataque dos EUA, liderado pelo porta-aviões USS Harry S. Truman, se dirige ao Mediterrâneo. Especialista adverte: se os EUA se atreverem a usar a força na Síria, o ataque será massivo

Fonte: https://br.sputniknews.com/

Segundo o jornal, o grupo capitaneado pelo porta aviões USS Harry S. Truman com cerca de 90 aeronaves será composto também pelo cruzador de mísseis teleguiados USS Normandy, pelos destróieres USS Arleigh Burke, USS Bulkeley, USS Forrest Sherman e USS Farragut. Mais tarde o grupo receberá reforços dos destróiers USS Jason Dunham e USS Sullivans. Os navios de guerra transportarão um total de cerca de 6,5 mil militares.

O porta-aviões USS Harry S. Truman, se dirige ao Mediterrâneo.

A fragata alemã F221 Hessen também deve se unir ao grupo. Os objetivos e eventuais alvos militares ainda não foram anunciados pelos EUA. A partida do grupo naval de ataque acontece depois de uma série de declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre eventuais medidas de retaliação ao suposto ataque químico na cidade síria de Douma. Washington e seus aliados já parecem ter um culpado — Bashar Assad. Mesmo antes do fim das investigações do incidente.

Especialista adverte: se EUA se atreverem a usar a força na Síria, o ataque será massivo

Se o presidente dos EUA, Donald Trump, se atrever a usar a força na Síria em resposta ao “ataque químico” na cidade de Douma, na Síria, Washington será obrigado a realizar uma operação de maior envergadura que a de há um ano, disse o especialista do Nicholas Heras em seu artigo na edição da Foreign Policy.

Segundo o analista, os ataques de mísseis dos EUA do ano passado contra a base aérea de Shayrat não atingiram o objetivo colocado: os aviões do exército sírio continuaram a voar a partir do aeródromo algumas horas depois do ataque. Além disso, para Heras, os “depósitos de armas químicas” de Damasco não foram destruídos e as forças governamentais continuaram a usá-las.

“Para causar danos suficientes a Bashar Assad e lançar o sinal que Trump quer, os EUA deveriam atacar mais alvos para minar as capacidades militares do exército sírio”, afirmou Heras. Segundo o especialista, os EUA podem atacar as instalações militares tanto no leste como no oeste do país.

Anteriormente, a edição do Washington Examiner, com referência a uma fonte no Pentágono, informou que na segunda-feira (9) o destróier norte-americano USS Donald Cook zarpou do porto em Chipre e rumou ao litoral da Síria. O navio é armado com 60 mísseis de cruzeiro Tomahawk.

Em janeiro de 2016, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ, na sigla em inglês) declarou a liquidação total do arsenal de armas químicas na Síria. Damasco afirmou reiteradamente que não possui armas químicas.

O destróier norte-americano USS Donald Cook zarpou do porto em Chipre e rumou ao litoral da Síria

Em 26 de fevereiro, o Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia declarou que os terroristas estavam preparando provocações com o uso das substâncias tóxicas em Ghouta Oriental a fim de acusar Damasco do uso de armas químicas. Os militares russos avisaram que os EUA iriam usar essa provocação como pretexto para realizar um ataque contra a Síria.

Estados Unidos encarregaram israelenses de atacar Síria, afirma analista militar

O último ataque de Israel contra a base aérea síria era necessário não apenas para distrair a atenção das vitórias do exército sírio em Ghouta Oriental, mas também para submeter à prova o sistema da defesa antiaérea da Síria, opina Muhammed Mulhem, general de brigada e analista militar sírio.

Segundo ele, este ataque foi coordenado com o comando militar americano. Para além disso, os estadunidenses não realizaram eles próprios este ataque porque não queriam uma confrontação direta com a Rússia, por isso os EUA delegaram esta tarefa à Força Aérea israelense.

Na noite para segunda-feira, aviões israelenses atacaram uma base aérea síria a partir do território libanês, de acordo com Ministério da Defesa russo. De acordo com a mídia síria, o ataque resultou em vítimas e feridos. Três mísseis atingiram o alvo, outros cinco foram abatidos.

“O ataque contra base T-4 foi realizado para elevar o moral dos terroristas (mercenários à soldo do Ocidente – EUA-OTAN-ISRAEL), para que estes continuem sua tarefa de destruir a Síria. Hoje em dia eles fazem tudo para adiar a derrota completa dos terroristas e distrair a atenção da derrota dos EUA em Ghouta Oriental. As declarações dos EUA que eles não realizarão ataques contra a Síria tem que ser entendido como eles não quererem uma confrontação direita com a Rússia”, destacou.

Para o analista, Israel cumpriu a tarefa de realização deste ato de agressão em vez dos EUA. A Rússia disse que a resposta à agressão por parte dos americanos será dura, por isso Israel virou o executante, frisou Muhammed Mulhem, acrescentando que sem coordenação com os EUA este ataque não seria possível.

É importante referir que o sistema de defesa antiaérea sírio demostrou sua capacidade e prontidão para repelir o ataque, continuou o general de brigada em conversa com a Sputnik Árabe. Para além disso, os aviões de Israel não se arriscariam a atravessar a fronteira da Síria porque seriam abatidos.

“Estamos vendo que o exército sírio continua sua ofensiva contra as posições dos terroristas. Claro que, de uma maneira ou outra, está decorrendo uma luta contra os americanos que apoiam os militantes”, disse. No que diz respeito à retirada das tropas americanas da Síria, Muhammed Mulhem destacou que essa decisão não depende apenas do presidente Trump, existem vários centros de análise e especialistas que examinam as consequências de diferentes decisões.

“Esperamos que nos próximos seis meses os americanos deixem a Síria. Hoje em dia Washington tenta puxar os europeus para o conflito sírio para depois poder atribuir a derrota a eles. Conseguiremos a saída dos ocupantes da Síria através das negociações em Astana e Genebra ou usando a força das armas”, resumiu Muhammed Mulhem.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. 


Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

15 Responses to Tensão aumenta: Grupo de ataque dos EUA, liderado pelo porta-aviões USS Harry S. Truman, se dirige ao Mediterrâneo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.