browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Todos os caminhos levam à China: 17 países árabes se unem à nova Rota da Seda

Posted by on 23/04/2019

O segundo Fórum {China-Arab Forum on Reform and Development} China-Árabe sobre Desenvolvimento Reforma, realizado em Xangai na terça-feira (16 de abril), atraiu mais de cem empresários, políticos e acadêmicos da China e de países árabes, incluindo Egito, Líbano, Djibuti e Omã. A reunião deste ano, apelidada de “Construir o Cinturão e a Estrada, Compartilhar Desenvolvimento e Prosperidade (Build the Belt and Road, Share Development and Prosperity)”, foi dedicada a impulsionar o projeto.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Pequim assinou acordos de cooperação com a Iniciativa Cinturão e Estrada (BRI, na sigla em inglês), com 17 países árabes, informou a agência estatal de notícias Xinhua, citando os resultados de um fórum sino-árabe.

Fonte:  https://www.rt.com/business/456893-arab-states-silk-road/

Os países árabes demonstraram grande interesse na cooperação com Pequim. Além de ingressar na iniciativa Belt and Road, 12 estados árabes estabeleceram parcerias estratégicas, incluindo abrangentes, com a China.


{Iniciativa do Cinturão e Rota (em inglês: Belt and Road Initiative-BRI), também conhecida como Um Cinturão, Uma Rota (em inglês: One Belt One Road) ou Cinturão Econômico da Rota da Seda e a Rota da Seda Marítima do Século 21, é uma estratégia de desenvolvimento adotada pelo governo chinês envolvendo desenvolvimento de infraestrutura e investimentos em países da Europa, Ásia e África. “Cinturão” refere-se às rotas terrestres ou ao Cinturão Econômico da Rota da Seda; enquanto “Rota” refere-se às rotas marítimas, ou à Rota da Seda Marítima do Século 21. Até 2016, a iniciativa era oficialmente conhecida como a iniciativa Um Cinturão, Uma Rota, mas o nome oficial foi alterado porque o governo chinês considerou a ênfase na palavra “um” propensa a erros de interpretação. O governo chinês chama a iniciativa de “uma tentativa de melhorar a conectividade regional e abraçar um futuro mais brilhante”. Observadores, no entanto, vêem isso como um impulso para o domínio chinês nos assuntos globais com uma rede comercial centrada na China.}


“Os representantes árabes disseram que a cooperação da BRI com a China traz imensas oportunidades para os países árabes avançarem na reforma e acelerarem o crescimento de todos os participantes”, disse o porta-voz da chancelaria chinesa, Lu Kang, a jornalistas em entrevista coletiva na quarta-feira.

A cooperação sino-árabe no projeto deve receber outro “forte impulso”, já que muitos líderes de países árabes devem participar do segundo Fórum de Cooperação Internacional, que será realizado em Pequim no final deste mês de abril segundo o diplomata.

A China é o segundo maior parceiro comercial do mundo árabe, com volume de negócios de cerca de US$ 190 bilhões a partir de 2017, segundo o secretário-geral adjunto da Liga Árabe, Khalil Thawadi,citadopelo “Jordan Times”. O funcionário observou que 21 estados árabes assinaram memorandos de entendimento sobre sua participação na iniciativa chinesa da nova Rota da Seda em 2018.

O ambicioso projeto de infraestrutura comercial global da China está se expandindo globalmente. Esta semana, a Suíça mostrou sua intenção de se inscrever para o BRI. Em março, a Itália enfrentou críticas de seus aliados europeus ao se tornar oficialmente a primeira nação dos países chamados de grupo dos G-7 a aderir à ousada iniciativa chinesa.

Pouco depois, Luxemburgo assinou um memorando de entendimento sobre a participação no projeto da China. Os memorandos de entendimento também foram assinados pela Grécia e Portugal em agosto e dezembro do ano passado, respectivamente.


A Matrix, o SISTEMA de CONTROLE MENTAL: “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. 

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.