browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Trump decreta “teste de Alerta de Emergência Nacional” sobre meios de comunicação

Posted by on 08/08/2019

Um novo relatório do Serviço de Inteligência Estrangeira ( SVR ) com tensa redação circulando hoje no  Kremlin examina o aviso do presidente Donald Trump em 6 de agosto de que ele está Observando o Google muito de perto!.  Ao descobrir a fraude que os gigantes de mídia social e meios de comunicação efetuaram contra o público  americano quando, durante a eleição presidencial de 2016, eles suprimiram histórias negativas sobre a candidata dos Democratas Hillary Clinton enquanto impulsionavam histórias negativas sobre ele. Trump, através de duas agências federais, a FEMA e a FCC apronta o sistema nacional com um “Alerta de Emergência Nacional” para CONTROLE TOTAL dos meios de comunicação dos EUA pelo seu governo.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Trump apronta o sistema nacional de “Alerta de Emergência” para controle total dos meios de comunicação dos EUA

Fonte:  http://whatdoesitmean.com/index2946.htm

Por: Sorcha Faal

O relatório afirma que a observação mais importante sobre o aviso de Trump foi que ele foi garantido por dois eventos extraordinários – o primeiro ocorrido no dia anterior, em 5 de agosto, quando a Comissão Federal de Comunicações (FCC) divulgou um comunicado enigmático dizendo que as agências “FEMA e a FCC lembram o público sobre o próximo alerta de teste nacional em TVs e rádios  – e o segundo aviso em 6 de agosto, da Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA), seguida pelo Tweeting  “Amanhã, quarta. 07/08 às 2:20 pm EDT realizaremos um teste do Sistema de Alerta de Emergência Nacional em coordenação com a FCC”.

O que é de grande importância aqui é que a FCC e a FEMA nunca antes na história dos EUA combinaram um teste de sistema de Alerta de Emergência Nacional dessa magnitude – de modo algum deram qualquer aviso prévio de que isso ocorreria – e acontece em um momento em que os Estados Unidos estão, cada vez mais, se desintegrando ao ponto de estar agora à beira de uma guerra civil – mas é uma ação emergencial nacional que se espera seja uma preparação para Trump invocar uma lei federal pouco conhecida dos EUA que se aplica direta e especificamente tanto à FCC quanto à FEMA, intitulada Código Legal dos EUA nº 47, parágrafo 606, sobre os Poderes de guerra do presidente dos EUA.

Na seção 606 (c) permite que Trump assuma o controle de todo o establishment de mídia do país: “Após a proclamação do presidente de que existe guerra ou ameaça de guerra, ou estado de perigo público ou desastre ou outra emergência nacional, ou para preservar a neutralidade dos Estados Unidos”.

De acordo com este relatório, o direito do povo americano de poder ter acesso irrestrito a um setor de mídia noticioso não polarizado, justo, equilibrado e honesto foi considerado tão vital pelos “Pais Fundadores” dos Estados Unidos, que se tornou a primeira nação na História para consagrar este princípio na Constituição de seus documentos chamado A Declaração de Direitosque em sua Primeira Emenda afirma: “O Congresso não fará nenhuma lei a respeito do estabelecimento de religião, ou proibindo o seu livre exercício; ou abreviando a liberdade de expressão ou da imprensa; ou o direito do povo de se reunir pacificamente e de pedir ao governo uma reparação de queixas”.

Em 28 de junho de 1804, o fundador americano, um dos redatores da Declaração da Independência do país, e o terceiro presidente dos Estados Unidos, Thomas Jefferson, escreveu uma carta ao juiz John Tyler, que é mais conhecido por ser o pai do 10º presidente dos Estados Unidos, John Tyler – em que Jefferson escreveu: “Portanto, nosso primeiro objetivo deveria ser deixar aberto todas as possibilidades da verdade. O mais eficaz até agora encontrado, é a liberdade da imprensa. Pois é a primeira voz a ser calada por aqueles que temem a investigação de suas ações”.

Com as palavras de um dos fundadores do país, Thomas Jefferson, ecoando de que uma imprensa livre fosse “calada alguma vez por aqueles que temem a investigação de suas ações ” através do tempo até nossos dias, este relatório afirma que, em 2016, causaram um efeito total e catastrófico sobre o presidente Trump – que no mesmo dia em que ele ganhou, como um verdadeiro e legítimo outsider político, a mais impressionante e chocante vitória eleitoral na história americana, viu quase todo o establishment de mídia e comunicação dos Estados Unidos abertamente atacando-o por causa do receio dos grandes veículos de comunicação do país de serem investigados por sua cumplicidade em tentar derrotá-lo, quando apoiaram a candidata democrata Hillary Clinton e quando não conseguindo elegê-la, quando então Trump os viu conspirando para derrubá-lo.

O mais impressionante de se notar o que realmente constitui a chamada “imprensa livre” nos Estados Unidos hoje, foi recentemente revelado pelo advogado constitucional americano e personalidade popular de rádio e televisão Mark Levin – que, em seu livro mais chocante intitulado “Unfreedom Of The Press”, documentou e nomeou exaustivamente centenas de importantes jornalistas e executivos de mídia que, ao longo dos últimos 30 anos, saíram de seu meio e foram trabalhar para os regimes esquerdistas do Partido Democrata  dos (satanistas) presidentes Bill Clinton e Barack Obama.

Todas as principais organizações de mídia dos Estados Unidos (a única exceção é a Fox News), todas elas, em 2017, conspiraram para lançar os dois maiores boatos de mídia já perpetrados na história dos Estados Unidos – o “embuste do (pseudo escândalo) Russiagate Hoax e também esses mesmos veículos de comunicação maciçamente criaram um dos maiores exemplos da Fake News da história dos EUA, que foi a mentira de que em um discurso em Charlottesville o presidente Trump teria dito, em agosto de 2017,  que havia pessoas boas do lado dos nazistas / nacionalistas brancos, no que hoje é conhecido como o escândalo The Fine People Hoax.

O objetivo por trás desses boatos e fake news sendo lançados contra o presidente Trump por um establishment de mídia dominado por esquerdistas leais ao Partido Democrata norte-americano agora totalmente controlado, explica o relatório, pretendia destruí-lo pintando-o simultaneamente como um agente estrangeiro oculto da Rússia e um nacionalista racista branco – ambos escândalos sendo duas mentiras desprezíveis facilmente provadas como falsas – mas a mais insidiosamente perigosa é a “The Fine People Hoax”.

Depois que mais dois tiroteios em massa ocorreram nos EUA no último fim de semana passado, este relatório aponta que a chamada “imprensa livre” lançou com toda a força sua “The Fine People Hoax” contra  Trump  para difamá-lo ainda mais como sendo um racista branco. – mas que agiram, no entanto, registrando apenas um desses tiroteios em massa, porque o outro foi cometido por um esquerdista e satanista declarado que apoiou a candidata `eleição presidencial do Partido Democrata, a senadora americana Elizabeth “Pocahontas” Warren – quee não se encaixam em destruir a falsa narrativa de Trump como um branco racista.

Mais importante notar, no entanto, sobre este último ataque da mídia esquerdista ao Presidente Trump “por aqueles que temem a investigação de suas últimas ações“, é que vem ao mesmo tempo a juíza distrital dos EUA, Amy Berman Jackson. abriu caminho para o julgamento do democrata Greg Craig , um ex- assessor da Casa Branca do presidente Barack Obama e ex conselheiro de Bill Clinton – que está ameaçado de passar anos na prisão – e que deve cooperar plenamente com o Procurador Geral dos EUA, William Barr, e com o John Durham, sub-Procurador, ambos investigando as origens do “embuste do escândalo Russiagate

Ainda mais que particularmente esta envolvendo uma lei federal pouco conhecida dos EUA intitulada 50 US Code 3093 – Aprovação Presidencial e Relato de Ações Secretas – que sob sua Seção (f) determina a Proibição de Ações Secretas destinadas a influenciar Processos Políticos dos Estados Unidos (o que foi efetuado pelos Democratas), que afirma claramente que “nenhuma ação secreta pode ser conduzida com a intenção de influenciar os processos políticos, a opinião pública, políticas ou mídia dos Estados Unidos” – mas, como todos agora sabem, que foi uma lei grosseiramente violada quando o regime de Obama e os Democratas inundaram ilegalmente a campanha de Trump com espiões na campanha de Trump.

(Getty Images/Illustration by The Epoch Times)

Para ver a incrível lista completa de espiões usados ​​ilegalmente por Obama-Clinton-democratas contra a campanha de Donald Trump, clique AQUI:  Spygate: The True Story of Collusion .

O mais perigoso para a mídia esquerdista dos Estados Unidos por lançar seu ataque de raiva maciço contra Trump para difama-lo injustamente como racista e impedir que os crimes de fake news da mídia sejam investigados, é que o Partido Democrata socialista, cheio de raiva, agora os assumiu – para de tal forma que esses radicais democratas estão agora ditando ao The New York Times quais manchetes podem ser publicadas – o que, na verdade, é um ataque direto contra a Carta de Direitos da Constituição dos Estados Unidos, que garante ao povo americano uma imparcialidade, livre de manipulação e uma imprensa que deveria ser honesta e imparcial – uma garantia que Trump prometeu defender quando fez seu juramento de posse por juramento diante de Deus que ” fará o melhor que puder, preservará, protegerá e defenderá a Constituição dos Estados Unidos “.

Trump, agora, a partir do momento em que assina o documento para declarar uma Emergência Nacional  para cumprir este juramento,  uma decisão que está inteiramente a seu critério – ele é capaz de definir muitos dos limites legais de sua autoridade – os  poderes de emergência estão disponíveis em 123 disposições legais – um dos mais poderosos dos quais está contido em um regulamento pouco conhecido que remonta à década de 1930, que lhe dá controle legal sobre todas os meios de comunicação e transmissões eletrônicas – através de lei federal 47 dos EUA Código U.S. §606-War Powers Of President – e tudo que Trump tem que fazer é proclamar que toda a mídia agora esquerdista e controlada pelo Partido Democrata  colocou os EUA e seus cidadãos em “um estado de perigo público” que ele sozinho tem autoridade presidencial para combater amparado na Lei.

Em 7 de agosto de 2019 © EU e EUA todos os direitos reservados. A permissão para usar este relatório em sua totalidade é concedida sob a condição de estar vinculadaa sua fonte original em WhatDoesItMean.Com  Conteúdo do Freebase licenciado sob CC-BY e


Image result for puppet gifA Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL):  “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres…

As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. “Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

One Response to Trump decreta “teste de Alerta de Emergência Nacional” sobre meios de comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.