browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Trump ‘se rendeu’ e/ou armou uma genial armadilha contra o Deep State?

Posted by on 14/02/2021

A primeira reação que varreu muitas pessoas no último dia em que Trump subiu os degraus do Força Aérea Um foi de amarga decepção e ardente frustração. Não poucos pensaram, e ainda não poucos pensam assim, que o presidente dos EUA de alguma forma desistiu. Outros, ainda, chegaram a pensar que Trump nada mais era do que um homem do próprio establishment desde o início colocado ali pelos mestres de marionetes para evitar qualquer tipo de real mudança.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Trump ‘se rendeu’ e armou uma engenhosa armadilha contra o Deep State ?

por Cesare Sacchetti – Fonte: La Cruna dell’Ago

Basicamente, no atual momento existem três hipóteses principais:

  • a primeira já mencionada descreve Trump como um chamado porteiro , termo anglo-saxão com o qual se define uma falsa oposição construída pelo próprio sistema de controle, como na Itália eram os M5S antes e a Liga de Salvini então;
  • a segunda é que Trump se rendeu e de alguma forma negociou uma espécie de rendição secreta com as elites [Deep State] globalistas que implacavelmente o perseguiram antes mesmo de seu mandato começar em janeiro de 2017;
  • a terceira é aquela que acredita que Trump planejou uma armadilha ainda mais sofisticada e letal do que se poderia imaginar aos integrantes do Deep State de Washington.

Em primeiro lugar, é necessário nos deter por um momento na primeira hipótese. Aqueles que apoiam essa opção basicamente acreditam que Trump foi um homem do sistema desde o início.

Se você observar o que aconteceu nos últimos quatro anos, essa hipótese pode ser facilmente descartada. Na verdade, nunca houve uma guerra de perseguição política na história dos Estados Unidos como a que o poder oculto do Deep State de Washington declarou a Donald Trump.

A guerra já havia começado antes mesmo de Trump colocar os pés na Casa Branca, em 20 de janeiro de 2017, quando o então presidente Obama autorizou a espionagem ilegal do então candidato republicano em 2016 na tentativa de associá-lo falsamente a um conluio com a Rússia.

A farsa do escândalo fabricado do Russiagate, mais tarde conhecida pelo nome mais apropriado de Obamagate ou Spygate, foi de fato a maior operação de sabotagem política já realizada pelo aparato de poder subversivo do Deep State de Washington contra um candidato presidencial.

Foi uma operação que também teria contado com o envolvimento da Itália, sob os governos Renzi e Gentiloni, que teria disponibilizado seu aparato de inteligência para aproximar falsamente Trump da Rússia. A guerra do establishment contra Trump não parou por aí. Por quatro longos anos, o Deep State tentou derrubar sua presidência de todas as maneiras possíveis.

Nancy Pelosi, a [senil] presidente democrata da Câmara dos Representantes, deu origem a uma acusação – que foi então arruinada pelo Senado – completamente infundada e muito além do perímetro da Constituição americana.

Em seguida, pelo menos dois ataques foram realizados contra a vida do presidente Trump, quando primeiro um atirador misterioso atirou na equipe do helicóptero que escoltava o comandante-em-chefe, e depois um drone que inexplicavelmente conseguiu chegar tão perto do avião presidencial que por pouco não houve uma colisão.

A guerra continuou. Em novembro, ocorreu a maior fraude eleitoral da história da América e do mundo. Em 6 de janeiro, o Congresso, em vez de se recusar a certificar uma eleição ilegal, colocou seu estigma ao participar do golpe contra o presidente em exercício.

O chamado porteiro” nunca recebe tal tratamento. A falsa oposição é ajudada pelo sistema a entrar na cena política. Não há guerra contra ele, nem tentativa de eliminá-lo de todas as formas, política e fisicamente.

Bem não. A hipótese do falso movimento anti-sistema também deve ser eliminada à luz das políticas feitas por Trump com base na doutrina do “America First” que separava os Estados Unidos do globalismo do Deep State.

Trump traiu ou deu um golpe de mestre contra o globalismo do Deep State?

Restam duas opções. A segunda, que vê Trump no papel de um traidor que desistiu de sua batalha contra a Nova Ordem Mundial, e que de alguma forma certamente parece mais coerente do que a primeira, mesmo que esta segunda hipótese também apresente inconsistências substanciais.

Se Trump realmente abandonou o jogo e assinou uma rendição ao Deep State, por que ele desclassificou documentos mortais antes de deixar seu mandato e que deslegitimam completamente seu oponente Biden, descrito como um marionete do Deep State e um fantoche da China e outros lobbies estrangeiros?

Sobretudo por que o presidente declarou estado de emergência em alguns estados devido às calamidades atmosféricas ocorridas meses antes e depois ordena, conforme confirmado por várias fontes próximas aos militares, a militarização total de Washington DC?

E, finalmente, se Trump é realmente um traidor que se rendeu ao globalismo e não é mais capaz de prejudica-los, porque o sistema político está incrivelmente tentando processá-lo, através de um segundo impeachment, numa tentativa desesperada de cassar seus direitos políticos depois que ele já se aposentou oficialmente, indo para sua residência na Flórida, aproveitando sua aposentadoria?

Antes de analisar esse cenário, no entanto, é necessário considerar o chamado kraken, o monstro mitológico mencionado várias vezes pela advogada Powell nos últimos meses.

Essa metáfora foi usada várias vezes extensivamente por homens que são muito próximos do presidente, incluindo a própria Powell e o advogado Lin Wood, para descrever a apresentação de provas sobre a fraude eleitoral, tão relevante e decisiva que terminou de uma vez por todas.

Todos, inclusive esse escritor, esperavam alguma reviravolta sensacional que levaria ao fim definitivo da fraude eleitoral em andamento. De certa forma, o kraken foi libertado, mas nenhum tribunal dos EUA quis revê-lo. Da mesma forma, a ingerência estrangeira, especialmente da China e da Itália , nas eleições americanas foi e ainda é um kraken devastador, capaz de desmascarar definitivamente a fraude eleitoral.

Essa opção, entretanto, conforme relatado anteriormente, foi desarmada pela comunidade de inteligência americana, que não apresentou um relatório claro e inequívoco sobre as manipulações de governos estrangeiros nas eleições dos EUA. Uma vez que essa solução foi descartada, parecia haver apenas dois outros caminhos restantes: a ativação da lei contra as insurreições e a execução da lei marcial.

Ambas as soluções envolviam a transferência do poder para os militares e o estabelecimento de um governo militar que teria poder interino até que o plano subversivo para derrubar o verdadeiro vencedor das eleições, o presidente Donald Trump, fosse frustrado.

Agora, porém, imagine o que significaria a declaração oficial de Trump sobre essas decisões.

A mídia pre$$titute controlada pelo establishment nas mãos de grandes grupos financeiros e industriais teria definido Trump como um líder golpista e teria encorajado abertamente sua remoção ou até mesmo a sua eliminação física.

O Partido Democrata muito provavelmente teria decretado a secessão dos estados de Nova York e da Califórnia, e a agitação nas ruas teria sido irreprimível.

A América teria mergulhado em uma espiral de violência e caos devastador, a ponto de desencadear uma segunda e devastadora guerra civil potencialmente ainda mais devastadora do que a travada na época de Lincoln, outro presidente que se opôs fortemente à família Rothschild, que já queria o controle total dos Estados Unidos desde o final do século XIX.

Se você olhar para a infiltração da Maçonaria e dos poderes globalistas do Deep State em cada instituição americana, este caminho parecia ser o único viável. Na verdade, o conflito armado parecia ser a única maneira de erradicar de alguma forma a subversão que esta profundamente inserida em todos os níveis da administração dos Estados Unidos.

Mas Trump e seus aliados [que são muitos, especialmente na área militar] pode ter surgido com uma estratégia ainda mais sutil, refinada e eficaz. Fazendo o que precisava ser feito sem nenhum anúncio oficial, usando uma técnica amplamente utilizada pelos próprios inimigos dos interesses dos EUA.

Na verdade, uma das estratégias preferidas da Nova Ordem Mundial é colocar sob os olhos do público desavisado qual é o objetivo final dessa conspiração [a fabricação de consenso], que é um governo mundial totalitário, estilo NWO-Nova Ordem Mundial.

Para preparar e doutrinar a opinião pública neste cenário, as elites globalistas têm financiado uma quantidade infinita de fóruns, seminários, livros, filmes, revistas e jornais para apresentar o governo mundial como a única solução para o futuro do mundo e da humanidade, sendo a mais visível destas iniciativas o WEF-Fórum Econômico Mundial e sua agenda do Great Reset – Grande Reinicialização.

Em outras palavras, o globalismo nas últimas décadas praticamente colocou à vista de todos o que pretendia fazer. As massas ou não perceberam ou não levaram a sério o que o sistema esta anunciando, provavelmente porque todos pensam que o que acontecerá não irá afetá-los diretamente de alguma forma, mas às gerações que virão muito mais tarde.

Trump deu poder aos militares à vista de todos, sem anúncios oficiais

Trump, portanto, poderia ter paradoxalmente usado a estratégia do globalismo do Deep State contra o próprio globalismo. Ele entregou o poder aos militares à vista de todos, tendo Washington sendo cercada pela Guarda Nacional com cerca de 35 mil soldados antes de partir, mas o sistema não pode lhe dizer nada porque oficialmente isso não aconteceu, e Trump agora mora na Flórida em sua mansão em Mar-a-Lago .

É uma obra-prima da estratégia de xadrez que pode parecer difícil de acreditar no início, mas não é percebida quando você leva em consideração alguns outros elementos importantes que serão vistos mais tarde.

Para melhor compreender os planos em que se trava esta batalha, é útil relembrar uma metáfora citada no livro de Daniel Estulin, “O Grupo Bilderberg” [um dos principais braços na implantação da agenda globalista, Deep State, NWO], em que o autor descreveu como existem essencialmente dois mundos.

Num mundo, o da “superfície”, vive mentalmente controlada quase toda a população mundial que só considera a falsa realidade mostrada e fabricada pela mídia mainstream [pre$$titute], mídia social das gigantes Big Tech do vale do Silício, produções de Hollywood, et caterva, como a única realidade.

Profundamente, existe um outro mundo que é o underground, os subterrâneos do poder onde agentes como os dos serviços secretos de vários governos fiéis à agenda globalista se chocam com outros poderes de governos que se opõem e se opuseram a essa agenda.

É exatamente a mesma metáfora do filme “Matrix” que mostra precisamente como a dinâmica do mundo subterrâneo influencia e governa inevitavelmente a realidade do mundo da superfície. O segundo existe para preservar a existência do primeiro. As massas devem, portanto, continuar a não saber sobre o que realmente esta acontecendo.

Trump e o aparato militar que o apoia estão perfeitamente cientes dessa dinâmica e estão lutando a batalha em dois níveis. O golpe de mestre foi aplicar a Arte da Guerra, toda baseada no engano, como ensina Sun Tzu.

Em outras palavras, era necessário dar corda ao establishment e desempenhar publicamente o papel de oprimido, para expor e enganar o próprio sistema subterrâneo do Deep State e fazer Trump aparecer como alguém que desistiu antes de entrar no Força Aérea Um, quando estava efetivamente entregando o poder aos militares exatamente como era necessário ele fazer.

Na superfície, uma ilusão estava sendo mostrada, enquanto nas profundezas um golpe devastador, possivelmente letal, no sistema de controle subterrâneo do Deep State foi desferido. Provas potenciais de uma efetiva ativação da lei contra as insurreições já podem ser encontradas  nos  documentos do Congresso .

Se você nem acredita nesses documentos, olhe para a crescente militarização de Washington DC que, em vez de parar, continua.

Alguns senadores republicanos se perguntaram por que essa decisão, de manter os militares cercando Washington DC, é legítima perguntar por que Joe Biden, se ele é realmente o comandante-chefe, não ordena a retirada desses soldados cuja presença não faz sentido se Biden realmente é, afinal, o Presidente.

Da mesma forma, se Biden tem controle total sobre os militares, por que o Pentágono se recusa a mostrar a ele documentos confidenciais sobre missões militares americanas em andamento? O mesmo Pentágono voltou ontem de forma incrível para não aplicar as disposições de seu suposto comandante-em-chefe com relação à administração de vacinas a terroristas em Guantánamo.

[O Pentágono suspendeu o plano de Biden de aplicar vacinas aos terroristas de Guantánamo. É a primeira vez que o Pentágono não obedece ao presidente dos EUA. Esta é a primeira vez porque Biden provavelmente não é o verdadeiro comandante-chefe.]

Existem também outras anomalias em torno desta chamada “administração Biden”. Foi verificado a partir de imagens e vídeos autênticos que a Casa Branca permaneceu no escuro nas últimas dez noites O prédio mais seguro do mundo, que de acordo com protocolos mínimos de segurança não pode ficar sem luz, está envolto em trevas, mesmo durante o dia.

[Pela terceira noite consecutiva, a Casa Branca, o lugar mais seguro da Terra, está às escuras.  Esta foto foi tirada por volta da meia-noite. O prédio parece vazio e inoperante. Neste ponto, podemos ter sérias dúvidas de que Joe Biden esteja realmente lá.]

Tudo isso é sem precedentes e ninguém deu uma explicação oficial para isso. No entanto, as anomalias não acabaram só nisso. Quando várias pessoas ligaram para a Casa Branca para obter informações durante o horário de expediente, uma voz gravada respondeu que o prédio estava fechado . Em outras ocasiões, alguém respondeu e, em vez disso, disse que não havia pessoal disponível para revisar as práticas administrativas normais.

O escritório do Presidente dos Estados Unidos, portanto, parece não estar funcionando. Até o momento, Joe Biden ainda não apareceu na sala de imprensa oficial da Casa Branca e a secretária de imprensa Jen Psaki não tem ideia de onde o presidente está ou quando aparecerá para responder às perguntas dos repórteres.

Neste ponto, questiona-se se Biden é realmente o presidente dos Estados Unidos ou apenas um fantoche desempenhando um papel pelo simples fato de que ele não pode agir de outra forma, dada a enorme quantidade de evidências de corrupção que Trump tem contra ele e sua família. rodadas de pedofilia e de ele ser um fantoche nas mãos da China comunista.

Quanto mais os dias passam, mais essa segunda hipótese parece tomar corpo. Em outras palavras, o chamado “governo Biden” nada mais seria do que uma grande farsa, uma demolição controlada do Deep State que duraria pouco tempo antes de poder oficialmente entregar a presidência dos Estados Unidos a Trump.

Se este cenário fosse confirmado, uma estratégia ainda mais letal teria sido implementada do que aquelas concebidas por Sun Tzu. Trump e seus aliados estariam usando seus próprios inimigos para atingir seu objetivo final.


E NÃO SE ESQUEÇAM de que Joe Biden está tão senil que admitiu, diante das câmeras, em uma falha bizarra em seu discurso [talvez pela sua senilidade galopante] que os democratas produziriam “a mais ampla organização de fraude eleitoral da história da política americana”. Você pode vê-lo admitindo isso aqui, ESTA GRAVADO:

We’re in a situation where we have put together, I think, the most extensive and exclusive voter fraud organization in the history of american politics. [Estamos em uma situação em que montamos, creio eu, a organização de fraude eleitoral mais ampla e exclusiva da história da política americana.]


Voltar a presidência dos Estados Unidos, derrotando os seus inimigos do Deep State, há muito tempo infiltrados por todos os níveis de governo do pais, sem disparar um único tiro ou mesmo desencadear uma guerra civil que teria arrastado a América para o caos e a violência total com incontáveis mortes.

Ele cercou seus oponentes em Washington DC colocando cercas ao redor deles, guardadas pelos militares dia e noite. Na prática, Trump teria de alguma forma se trancado no chamado estado profundo.

Seus oponentes parecem ter entendido isso perfeitamente e mostram sinais claros de pânico. Pam Keith, uma ex-candidata democrata e fanática globalista, pediu abertamente que o presidente fosse preso porque em sua residência em Mar-a-Lago existe de fato um governo paralelo capaz de realmente controlar a América.

E este é realmente o caso, porque Trump já estabeleceu um governo paralelo de pleno direito na Flórida, criando o gabinete do ex-presidente. Concluída a operação militar e com a conseqüente queda da administração fantoche de Biden, que seria oficialmente declarada ilegítima, praticamente não há mais obstáculos para Trump retornar à presidência.

O fenômeno GameStop faz parte da operação de demolição controlada do sistema

Se você tiver alguma dúvida sobre este cenário, considere também este outro elemento. Se Biden é de fato presidente e não há mais nada que possa detê-lo, porque assim que começou seu governo, um ataque sem precedentes a um dos pilares dos lobbies globalistas e do poder de Washington, a saber, as finanças de Wall Street.

O caso da GameStop dificilmente parece ser apenas o resultado de alguns pequenos investidores que se reúnem no Reddit e decidem desferir um tremendo golpe nos oligarcas das finanças de Nova York, sem que alguém lhes dê informações privilegiadas sobre como e quando atacar.

O massacre de Wall Street parece ser uma operação destinada a levar à falência o financiamento especulativo que sempre financiou a política de Washington. O ataque aos fundos de hedge de Nova York é também um ataque ao bolso da China comunista, que investiu bilhões de dólares nessas empresas nos últimos anos.

Mas ninguém pode culpar oficialmente Trump por tudo isso porque o ex-(?) Presidente está quieto na Flórida.

O golpe de gênio dessa estratégia, se ela de fato estiver em andamento, portanto, é levar o sistema ao fracasso ficando de fora e usando uma administração inimiga não reconhecida pelos militares para atingir este objetivo. Literalmente dando cordas para que eles mesmos se enforquem.

Depois de concluída a demolição do aparato subversivo de Washington DC, pode-se voltar ao poder oficialmente. Tudo isso sem nenhum ruído. Sem nem mesmo disparar um único tiro, sem provocar nenhuma morte. O que parecia ser uma tremenda derrota pode vir a ser a maior vitória de todos os tempos. O que parecia ser o triunfo do Deep State  pode vir a ser o seu grande e maior fracasso, a sua derrocada final.


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]

Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br.

6 Responses to Trump ‘se rendeu’ e/ou armou uma genial armadilha contra o Deep State?

  1. Cazé

    Brilhante artigo!

  2. Keanu Reeves

    Acho que não adianta, Trump perdeu mesmo… Estamos ferrados!

  3. Dante

    É, também acho difícil acreditar que o Trump ainda consiga dar volta por cima.
    Mas, eu também acredito que o atual lápis dessa mundo já está quase no fim também, então não vai fazer muita diferença, creio eu.

  4. Sergio Ilias Skaf

    Esqueçam: operação STORM, QFS, QANON, NESARA/GESARA, etc.

    • Dante

      É, tem esse lado também as forças das trevas receberam duros golpes nesses últimos tempo. O que me deixa apreensivo é o fato que muitas fontes dizem que 2021 pra frente vai ser bem pior do que foi 2020, que parece ter isso apenas um ano de “testes” para os planos desse elite maligna!

Deixe uma resposta para Sergio Ilias Skaf Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.