browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Uma Vida em Atlântida, memórias da Alma

Posted by on 06/10/2019

UMA  VIDA EM ATLÂNTIDA

Eu gravei algumas das memórias e acontecimentos da minha vida passada em Atlântida, com a ajuda dos meus guias espirituais: Nuvem Branca e Águia Branca. Eu vejo um espaçoso quarto em um edifício abobadado.

O piso é ladrilhado de arenito. Um grande cristal está dentro de uma cúpula sobre um pedestal preto que domina a sala. É utilizado para dinamizar e energizar a cidade. “Nessa minha vida atlante, eu tinha muito conhecimento e fui criada para ser uma ‘Guardiã do Cristal”, uma sacerdotisa, se você gosta (é a explicação mais próxima que resume a minha posição)”.

Tradução, edição e imagensThoth3126@protonmail.ch

Lembranças e memórias da alma, por Ingrid Bennett, com a graça e ajuda de seus guias em espírito, Nuvem Branca e Águia Branca.

Fonte: http://www.greatdreams.com/channeling.htm

“Na minha vida atlante, eu tinha muito conhecimento e fui criada para ser uma ‘Guardiã do Cristal”, uma sacerdotisa, se você gosta (é a explicação mais próxima que resume a minha posição)”. Meu trabalho nesta cúpula é proteger e trabalhar com o cristal. Eu sou muito forte em espírito – eu sei e isso é uma parte importante do trabalho que faço. Os outros guardadores ‘também são mulheres, exceto um homem, que é muito espiritual e sábio. Ele também é nosso protetor. Meu cabelo é longo e loiro. É entrelaçado com tranças de ouro, bem como era nos templos gregos. É empilhado e fluindo pelas minhas costas em cachos. Eu tenho meu cabelo feito pela artista de cabelos, como elas são chamadas.

Faz parte da nossa rotina diária ter o cabelo feito. Parte da nossa filosofia é “O corpo é um templo para a alma”, temos de respeitá-lo. Isto significa que higiene e limpeza são da maior prioridade. Eu uso um vestido longo, branco, transparente  e cruzado na frente, e amarrado na cintura com um cinto de ouro. Os homens usam tanto vestimentas longas ou curtas, alguns tops e outros não – é tudo do mesmo material branco transparente.

É como se fosse o nosso uniforme, mas, neste momento, ele não é classificado como tal, mas temos sim um sentimento de realização ao usar estas roupas. Uma medida de nossa maturidade e espiritualidade. Existem outras cores usadas do mesmo material transparente, mas são as cores usadas por pessoas que necessitam de cura. Esta em grande medida, relacionado com o chakra especial, que esta fora de equilíbrio, e a cor que é necessária para este efeito de cura. Não tenho marido. Em geral, nós não temos casamentos neste momento, enquanto somos sacerdotisas. Se você quiser se comprometer com certa pessoa, uma cerimônia de união é realizada pelo casal. Não havia nenhuma vinculação jurídica ou de execução sobre este acordo.

atlãntida-gravadanarocha

A união existia em uma base puramente espiritual. A atividade sexual era muito ativa, e que nos mantinham em forma e saudáveis. Eu escolhi um parceiro com quem eu me relacionaria, pelo seu amor, espiritualidade e magnetismo. O sexo era uma parte importante da vida neste momento. Era tão importante como comer ou dormir. Isso fazia parte de “ser completo”, e que não declinava com o avanço da idade física e vivíamos para mais de 200 anos de idade. Outros indivíduos (naquele momento final de Atlântida) tiveram relações sexuais com animais, seres parte humana – parte animal, como um corpo de cavalo com cabeça de um homem, e um pênis muito grande. Foram nesses dias que poderiam fazer experiências com coisas do tipo transplante com sucesso e houve muitos que fizeram isso para fins sexuais.

Tinha havido em tempos anteriores uma união em equilíbrio com os animais e a natureza, mas muitos tinham esquecido isto, e sua “prioridade” naquele momento era o mero prazer sexual. Aqueles espiritualmente conscientes sabiam que isso iria causar um desequilíbrio na nossa sociedade, e havia um medo de que já não seria possível um retorno à normalidade, mas pouco se fez sobre isso. Isto foi em grande parte por causa da forte convicção de que temos liberdade de escolha (o Livre Arbítrio), e um indivíduo não poderia interferir com a escolha dos outros em relação ao seu próprio crescimento espiritual. Aquelas pessoas que escolhiam os animais para práticas sexuais, desta maneira, estavam fora do equilíbrio espiritual e foram considerados totalmente imaturos.

Ilustração de Lloyd K. Townsend de como seria Atlântida

Eu gostava de compartilhar meus pensamentos na meditação, com os meus amigos, e com os golfinhos. Eu me encontrava com os golfinhos para me aconselhar. Eles moravam em um lugar bonito, especialmente construído com grandes canais para conectá-los ao mar. Estes canais estendidos em uma área de um grande lago em que se podia nadar e brincar durante o dia. Eles retornariam para o mar à noite. Os golfinhos entravam e saiam de acordo com sua própria vontade. Havia passagens gigantescas levando você para a água da área do lago. Pilares foram colocados em cada lado dessas passagens.

Este era um símbolo de que esse era um lugar muito especial. Os golfinhos eram nossos confidentes e conselheiros. Eles eram muito inteligentes, e uma fonte de equilíbrio em nossa sociedade.

Havia apenas um pequeno número de pessoas que procuravam ouvir a grande sabedoria dos golfinhos. Eu gostava de nadar com eles, estar com eles, jogar com eles, e ouvir os seus conselhos. Eles falavam comigo telepaticamente. Sua energia me revitalizava e me fortalecia. Eu podia viajar pelo pensamento. Por exemplo, se eu queria estar em um local à milhas de distância, Eu fechava os olhos e me concentrava nesse local. Ocorria um ligeiro zumbido, e apenas abriria os olhos e estaria lá. Meu lugar preferido era estar com os Unicórnios. 

Eles pastavam em áreas como cavalos. Sim, Atlântida tinha unicórnios! Como os Golfinhos, nós nos comunicávamos telepaticamente. No entanto, suas mentes eram muito simples em comparação com a mente humana. Gostaríamos de trocar idéias como: “Eu gostaria de uma carona”. “O unicórnio poderia responder” sim “, e gostaríamos de montar imediatamente, com os cabelos voando ao vento. Eram animais incrivelmente calmos, serenos e dignos.

Nunca magoavam ninguém, nunca emitiam um mau pensamento ou sentimento negativo, mesmo quando desafiados. Disseram-me pelo espírito, que quando o mundo retornar a um estado de equilíbrio e harmonia, e os homens puderem amar e aceitar outra parte da vida sem julgamentos, que os Unicórnios retornarão. Havia grandes campos de flores e ervas no bairro Nordeste de Atlântida.  Estes campos tinham aromas sutis que eu gostava de sentar e meditar em meio ao perfume, o cheiro era muito delicado. Flores foram amplamente utilizadas e plantadas. Por exemplo, canteiros de flores azuis e brancas eram plantadas juntas. Era não só visualmente atraente, mas essencial para o efeito vibracional. Estes campos eram atendidos por pessoas altamente treinadas e experientes no trato com a natureza.

Os herbalistas cuidavam das flores e ervas desde a germinação da semente, a colheita e da extração das essências. Pouquíssimos que realizavam este trabalho tinham baixas posições no ranking em nosso ambiente de trabalho. Não importa quão mundano um emprego pode ter sido, cada pessoa era considerada vital para a nossa sociedade. Respeito e valorização da capacidade do outro era uma parte natural da nossa integração.

Fruteiros, os que plantavam vegetais e legumes, também moravam no bairro Nordeste. Muitos eram botânicos, nutricionistas e outros especialistas em alimentos. Eles abasteciam de alimentos a totalidade de nossa civilização. A maior parte dos homens foi designada para o trabalho físico, como jardins e construção. Este trabalho mantinha-nos em boas condições físicas. Havia poucos homens com capacidade espiritual, mas de novo, uma vez mais, dependia de trabalharem o seu próprio crescimento espiritual.

Considerava-se mais benéfico para os homens fazer trabalhos físicos, uma vez que forneciam um balanço para o lado emocional. A raiva e a frustração eram mais bem dirigidas de uma forma construtiva. Também os corpos dos homens eram projetados para o trabalho físico, e sua genética provava isso. Como sempre, havia exceções a esta regra, ou seja: às vezes surgia um macho feminino e/ou uma fêmea masculina, então finalmente eram “Os Sábios” que iriam dirigir a essas pessoas para as melhores áreas em que teriam excelência em seu desempenho.

atlantida-02

Era essencial que todas as pessoas cumprissem o seu caminho espiritual e as funções a que se propuseram a realizar. Toda a vida na Atlântida tinha uma integração invisível com harmonia entre todos os reinos – plantas, minerais, animais e vegetais.  Todos tinham um papel a desempenhar, e todos sabiam que sua contribuição era essencial para o funcionamento global da nossa civilização. Não havia nenhum sistema monetário onde existisse dinheiro em Atlântida, apenas sistema de comércio.

Nós não levávamos bolsas ou chaves ou qualquer coisa dessa natureza. Havia pouca cobiça ou ciúme, só o poder da mente tinha preponderância. Não é à toa que tantas pessoas acham difícil trabalhar neste mundo atual, do século XXI. O impulso em nosso mundo de hoje é para somente termos mais bens materiais, para ter uma agradável casa, um carro maior, um emprego que pague mais. É triste. A importância de ser financeiramente abundante se tornou mais importante do que a satisfação de nosso próprio trabalho, e a valorização de outra habilidade como o desenvolvimento espiritual que ficou em último plano.

Tínhamos aeronaves não diferentes dos discos voadores. Elas decolavam e pousavam em movimento circular, em conjugação com as correntes de ar geradas pelas energias do campo magnético. Estes veículos eram geralmente utilizados para viagens mais longas. Para as viagens mais curtas, uma forma de scooter que poderia levar duas pessoas era utilizada. Eles tinham um motor tipo hovercraft e também trabalhavam com campos de energia magnética, como as aeronaves que voavam no espaço. As mercadorias e todos os produtos, como alimentos, utensílios domésticos, ou quaisquer objetos grandes eram transportadas da mesma forma por grandes veículos conhecidos como “Sub-Bers”.

Atlântida foi uma enorme civilização, usávamos as naves de comunicação que traziam as notícias de todas as áreas. Muitas destas informações eram recebidas telepaticamente por seres específicos chamados de “Os Sábios”Eles tinham poderes especiais de recepção, eram telepatas naturais, não muito diferente de uma estação de recepção e transmissão de rádio via satélite. Eles eram muito precisos, e seu trabalho era simplesmente sentarem-se e receberem as informações recebidas de outros quadrantes. O grande cristal com quem trabalhei, também era utilizado com este propósito nas comunicações.

A CURA

Não havia nenhuma doença grave nesta civilização. O método de cura utilizado abrangeu muito dos métodos de cura que usamos hoje separadamente. Cristais, cromoterapia, música, aromas e ervas eram combinados para terem efeito de um método de cura completo. O centro de cura era um lugar com muitos quartos. Assim que você entrasse pela porta, uma cor seria registrada na parede. Você teria que se dirigir para uma sala especial para a cura seletiva. Nessa primeira sala, os assistentes altamente treinados com amplo conhecimento em muitas áreas de cura iriam pegar as vibrações em seu corpo.

Eles, então, traduziam as informações encontradas para a sala de cura. Nesta sala, você iria deitar-se sobre uma laje de granito, enquanto outros assistentes iriam arranjar as fórmulas adequadas a serem utilizados para a sua cura. A sala então era preenchida com música de cura, e os cristais adequados seriam colocados acima de você. Um aroma de incenso suavemente impregnava o ambiente da sala e a cor viria por último. Você, então, pediria para meditar, permitindo que a energia de cura de todos os elementos pudesse fazer efeito.

Eram importantes que todos os sentidos fossem curados – os seus olhos com a cor, o olfato com o aroma de ervas, seus ouvidos com a música suave e bonita, e por último, a boca com água pura (você tinha que beber uma longa taça de água quando você voltava de seu estado meditativo). A energia era muito forte. Parecia como um raio se movendo para cima e para baixo em seu corpo. Todos os sentidos eram preenchidos e acelerados. As técnicas de cura sempre integravam os campos magnéticos e etéreos, bem como os reinos físicos e mentais.

AS CRIANÇAS

Para os bebês no útero eram dados sons, músicas e ensinamentos espirituais de nosso tempo. Esta foi à formação de base para esperar os pais, que eram ajudados e guiados pelos Sábios durante toda a gravidez. A partir do momento do nascimento, os bebês eram alimentados e amados por seus pais em seus lares. Eles eram levados para maternidades especiais durante as horas de luz para ouvir música, as vibrações das cores e histórias de pensamentos positivos e filosóficos.

Todas as áreas possuíam centros de nutrição para crianças, que lhes ensinavam como se tornar seres espirituais. Para abrir suas mentes e permitir que os seus corpos trabalhassem juntos como um só. Os Sábios desempenharam um importante papel nesta fase de desenvolvimento da criança, e sua ocupação era considerada uma das mais altas posições na sociedade atlante. Este estágio era geralmente designado quando você atingia a idade de 60 a 120 anos, dependendo do seu crescimento espiritual. Isso era algo para ser desejado.

Esquema do que seria Poseidonis a capital da civilização de Atlântida antes de seu afundamento final em torno de 10.986 a.C.

 O APRENDIZADO

A partir dos 3 anos de idade, as crianças eram ensinadas em todas as áreas da aprendizagem. A aprendizagem era ensinada em grandes edifícios. Não havia sinais externos que demonstrassem isto, as escolas eram conhecidas por um arco-íris colorido que estava na frente do prédio. Esse era efetivamente o ‘sinal’ para dizer Centro de Estudos. Nós gostávamos principalmente de assistir aulas com o método áudio-visual. Isto era feito deitado ou sentado em posição confortável de modo que a coluna não era colocada sob qualquer pressão.

Outro método envolvia a mediação sempre que os olhos fossem cobertos com uma máscara de olhos com cores que eram projetadas. Este método visual de ensino foi muito eficaz quando em estado meditativo. Fitas gravadas também eram reproduzidas através de fones de ouvido proporcionando aprendizado subliminar. Com um corpo e mente relaxada, o conhecimento era passado diretamente para a parte receptiva do cérebro, onde era mais bem absorvido. Este foi um dos métodos mais eficazes de aprendizagem, uma vez que eliminava todas as distrações externas. Os Sábios vigiavam e avaliavam os progressos e, em particular orientavam as crianças de modo que seus talentos particulares aflorassem. Isto assegurava que todos tivessem uma oportunidade igual de desenvolverem o seu potencial plenamente.

Os pensamentos positivos e as vibrações eram partes importantes desse aprendizado. Isto permitia a alma à atingir seu potencial mais elevado. Quanto maior a vibração do corpo e da mente, seria maior a vibração da alma. Quanto mais a sua mente interior é positiva, mais ela irá refletir sua mente exterior ou ser consciente. Quando os dois estão em sintonia – Isso gera um mundo positivo. Aqueles que não mantiveram isso têm caído na ganância e na disputa pelo poder. O poder de controlar as mentes dos outros foi uma forma bárbara (praticado em nossa civilização atual) de controlar a vida em Atlântida – o que era proibido. Em nossos livros de história, era-nos dito que éramos inseguros.

atlantida-piramide

As qualidades de nossos antepassados bárbaros ainda afetavam geneticamente a nossa sociedade, naquele momento, ou seja, alguns ainda escolhendo experiências com animais. No entanto havia as leis espirituais que proibiam interferir na vida do outro. Apesar do fato de que sabíamos dos perigos que esta atitude gerava para a nossa sociedade, não poderíamos interferir ou impor qualquer punição, porque era responsabilidade de cada indivíduo (e AINDA É) fazer suas escolhas para o progresso de sua própria alma. Em nossa sociedade, havia o propósito do inseguro de se tornar seguro. Essa filosofia era boa, e era a única em seu tempo – era a nossa proteção.

As últimas horas do último dia na época da minha vida, o mundo da Atlântida tal como o conhecia, foi o final de uma era. Alguns de nós sabíamos disso, mas a maioria optou por ignorá-lo, ou não estavam interessados. Os elementos físicos tornaram-se fora de equilíbrio. A tecnologia era muito avançada. Por exemplo, o ar era purificado e a temperatura regulada por nós. A tecnologia tinha começado a ficar tão avançada, que havíamos iniciado a mudar os elementos naturais do ar e da água. Isso foi o que eventualmente causou a erupção de Atlântida. Os quatro elementos – ar, água, fogo e terra são os fundamentos mais básicos e estáveis do nosso planeta.

Uma tentativa de combinar ou alterar ARTIFICIAL E TECNOLOGICAMENTE qualquer um desses elementos é contra a Lei Divina. Aqueles nos domínios científicos que viveram e trabalharam no bairro ocidental da Atlântida, sucumbiram ao seu eu inferior, e consideravam que “controlar” os elementos lhes daria muito poder e glória. Isto nós sabemos agora, foi a nossa queda final. Eles consideravam-se acima do homem, e tentaram brincar de Deus, tentando controlar os elementos básicos da terra. As profecias do “último dia” foram amplamente veiculadas. No entanto a sua causa, só era conhecida pelo Sábios, e aqueles de nós que se dedicavam nos caminhos de evolução espiritual restrito. O fim da nossa civilização foi causado por muito poucos! Foi dito na profecia que “a terra se levantaria e reuniria o seu povo”.

A nova terra ressuscitaria, para começar novamente a grande luta. Poucas pessoas iriam sobreviver, e elas serão espalhadas nesta nova Terra para contar os contos de Atlântida, para que possamos aprender de novo… aprender com os erros.” Os golfinhos tinham-nos dito que o “último dia” estava se aproximando e nós sabíamos que esse tempo estava chegando mais perto, já que eles não tinham mais sido vistos por pelo menos nas duas últimas semanas. Disseram-nos que eles estavam indo para um lugar seguro, e eles iriam cuidar dos cristais, até o momento certo para eles fossem encontrados novamente.

Eles nos disseram que poderíamos viajar com segurança para o Ocidente. Muitas pessoas saíram em busca dessas novas terras. Alguns foram para o Egito, outros saíram em barcos meses antes do “último dia” e com segurança chegaram em terras novas e relativamente desconhecidas. Essas terras não eram parte de nossa civilização, e, portanto, não estavam sob nossa proteção.

Muitas pessoas estavam angustiadas por terem deixado o nosso ambiente positivo e seguro. Os exploradores de Atlântida haviam sido muito poucos por causa disto. No entanto, os poucos que tinham viajado para terras “estranhas”, haviam retornado em segurança. Isso nos deu pelo menos algum conhecimento seguro da vida e dos países que existiam além da Atlântida (n.t. A principal civilização concorrente de Atlântida era Bharata (também o nome de um irmão de Rama), hoje a ÍNDIA).

Optei por ficar para me certificar de que o cristal de energia permaneceria intacto até o fim. Este foi o cristal que impulsionou e ajudou no desenvolvimento das cidades. Ele foi protegido por uma bolha transparente de material desconhecido nas últimas semanas. Talvez um dia ele também irá ser recuperado e usado novamente para um bom propósito. Quando ele for descoberto irá provar a existência da antiga civilização atlante, e lançar luz sobre muitos outros mistérios que assombra a humanidade atual durante muitos séculos.

Ruínas ciclópicas e grandes pirâmides de cristal, encontradas nos últimos anos no Mar do Caribe (região das Bermudas), atestam que uma grande civilização existiu em um remoto passado da história da Terra naquele local. FONTE

Lembro-me do dia mais longo, o último dia, a última hora… A terra dobrada, houve vários e enormes terremotos, erupções vulcânicas, incêndios. Houve uma enorme mudança nas placas tectônicas da Terra (astrônomos podem verificar isso com um alinhamento planetário especial que aconteceu naquele tempo – em torno de 10.986 a.C.). Como a terra cedeu, a atitude das pessoas na Cúpula de Cristal foi de aceitação. Estávamos calmos.

O deslocamento do edifício parecia mover-se para cima e para baixo. Foi derrubado e destruído. Eu fui puxada para cima na borda de uma cratera por um homem, e ajudamo-nos um ao outro. Eu esperava que minha morte fosse rápida. Os céus acima ficaram completamente negros e nublados e eu podia ver a terra e o fogo dos vulcões em erupção jorrando para a atmosfera. A fumaça encheu a cúpula, sufocando nós dois.

Eu apaguei, e a próxima coisa que eu sabia era que eu estava flutuando em felicidade, até a Luz, pois havia abandonado o meu corpo físico. Eu olhei para baixo para ver o afundamento do terreno. A água do oceano cobrindo tudo e consumindo tudo no seu caminho. Algumas pessoas corriam sem direção, apenas para serem tragadas pela água ou caírem em buracos de fogo que se abriam na superfície do terreno.

O som dos gritos ainda está comigo. O borbulhar da terra em fogo e da água era como um pote gigante de água fervente, a terra sendo engolida pelo mar como um animal faminto devorando a presa. Agora é o tempo para entender e aprender com os erros desta civilização atlante do passado. Para ter o conhecimento que temos aprendido e aplicá-lo para o nosso futuro. Em nosso tempo atual, estamos caminhando para o mesmo fim, muito semelhante a destes dias novamente em nossa civilização do século XXI.

Imensas pirâmides de cristal foram descobertas submersas na área do Triângulo das BermudasA descoberta é sensacional, e foi discutida em uma conferência na Flórida, e mesmo relatada nos jornais locais da Flórida

O que aprendemos com os erros do passado? Teremos ido longe demais em nossa loucura atual? O que devemos fazer para colocar o mundo de volta em equilíbrio? Temos de encontrar nosso verdadeiro EU em nosso interior, (Eu Superior, interno) e estar em nosso equilíbrio interior e exterior. Para se tornar mais espiritual, e elevar a vibração de nossa alma.

Isso deve ser aprendido, se queremos nos comunicar com outras civilizações no nosso Universo e além. A necessidade de controlar e julgar os outros deixarão de ser importantes, e nós nos tornaremos verdadeiramente iguais com todos os outros seres. Quando chegarmos a esse entendimento, vamos viver no amor e na paz. Quando tivermos harmonia dentro de nós, é que viveremos em harmonia com todos os outros.

Que a luz do Grande Espírito brilhe dentro de você, e esse amor eterno seja sua força vital  Ingrid Bennett


{Excerto do post: Atlântida: Um Habitante de Dois Planetas (16) – A Viagem a Suern (atual Índia)

“Qualquer viagem de vailx era menos monótona que nos mais rápidos transatlânticos de hoje (final do século XIX, quando foi escrito o livro). A variedade das paisagens, a amplidão da vista que variava segundo a altitude que escolhíamos, o frio exterior esquecido pelos passageiros bem acomodados no salão aquecido por meios provindos de , e arejados com ar de densidade apropriada pelas mesmas forças do Lado-Noite (a polaridade FEMININA, principio da fusão), tudo isso tendia a evitar o tédio. O deslocamento rápido mudava as coisas da superfície com tanta celeridade que se alguém olhasse para trás só veria uma paisagem se dissolvendo. As correntes do Lado-Noite também permitiam a mesma velocidade da rotação diurna da Terra, ou seja, supondo que estivéssemos a uma altitude de dez milhas, na hora do meridiano, poderíamos permanecer indefinidamente parados, enquanto a Terra girava lá embaixo a mais ou menos dezessete milhas (27, 35 km) por minuto”.

“Os controles podiam ser revertidos e nosso vailx podia se deslocar daquela posição no meridiano em relação à superfície embaixo com a mesma assustadora velocidade, assustadora para quem não estivesse acostumado a ela, como é o caso de meu leitor; um dia, como espero, o vailx será redescoberto. Aliás, esse dia não tardará muito a chegar. Embora tivéssemos esses recursos contra o tédio, não nos faltavam outros meios mais usuais de diversão. Tínhamos nosso naim (espécie de videofone), em cujos espelhos e vibradores nossos amigos, por mais distantes que estivessem, podiam aparecer com sua imagem de tamanho natural e volume normal de voz. O salão do grande vailx de passageiros tinha uma biblioteca, instrumentos musicais e plantas em vasos entre as quais aves parecidas com o moderno canário doméstico voejavam”. 

“Mais ou menos na décima hora foi reportado que voávamos sobre Necropan (Egito) e, diante dessa informação, surpreendente porque a velocidade que eu havia determinado deveria nos fazer chegar umas seis horas mais tarde naquele país, perguntei ao piloto a razão de ter voado a uma velocidade maior, contrariando minhas ordens. Não me foi dada uma resposta convincente e por isso repreendi severamente o piloto, ordenando que aterrissasse, a fim de que pudéssemos viajar de dia para a Terra Estéril, como pode ser traduzido o nosso termo Sattamund, referente ao deserto do Sahara de hoje. Alguns passageiros nunca tinham visto aquele deserto e, para que tivessem esse privilégio, resolvemos passar a noite numa elevação que nos protegeria das influências maláricas, pois estávamos próximos de onde se encontra hoje a Libéria”. Fim de citação }

Deus é a Verdade e a Luz é Sua sombraPlatão


{n.t. Nos registros de um antiquíssimo Templo budista em Lhasa, no TIBETE, há para ser visto uma antiga inscrição caldeia de cerca de 2.000 anos a.C. (ou mais antiga ainda…) onde se pode ler: 

Quando a estrela Baal caiu sobre o lugar onde agora é só mar e céu, as sete cidades com suas portas de ouro e seus “templos (pirâmides de cristal) transparentes” tremeram e balançaram como as folhas de uma árvore na tempestade. E eis que um dilúvio de fogo e fumaça surgiu a partir dos palácios, a agonia e os gritos da multidão preencheram o ar. Eles procuraram refúgio em seus templos e cidadelas e o sábio Mu, o hierático sacerdote de Ra-Mu, se levantou e lhes disse:

“Será que eu não previ tudo isso”?

E as mulheres e os homens em suas roupas brilhantes e pedras preciosas se lamentavam:

“Mu, salve-nos.”

E Mu respondeu:

Vocês morrerão junto com os seus escravos e suas riquezas materiais e de suas cinzas surgirão novas nações. E se eles também se esquecerem que são superiores, não por causa do que eles usam ou possuem, mas do ( bem e a Luz) que eles colocarem para fora de si mesmos, a mesma sorte  vai cair sobre eles!

As chamas e o fumo sufocaram as palavras de Mu. A Terra das Sete Cidades (Atlântida) e a grande Cidade das Portas Douradas (Poseidia), e seus habitantes foram despedaçados e engolidos para as profundezas do oceano revolto em poucos dias”.}


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

One Response to Uma Vida em Atlântida, memórias da Alma

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.