browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Vacinas mRNA da Pfizer-BioNTech e Moderna podem causar doenças crônicas há longo prazo

Posted by on 25/02/2021

VacinasmRNA da Pfizer-BioNTech e Moderna podem causar doenças crônicas há longo prazo: Em uma nova pesquisa publicada na Microbiology & Infectious Diseases, o imunologista J. Bart Classen alerta que a tecnologia de mRNA usada nas vacinas Pfizer-BioNTech e Moderna COVID pode criar “novos mecanismos potenciais” de eventos adversos que podem levar anos para vir à tona.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O imunologista J. Bart Classen alerta que Vacinas mRNA da Pfizer-BioNTech e Moderna podem causar doenças crônicas há longo prazo

Fonte: Children’s Health Defense Team

Em 1999, o principal funcionário da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, Dr. Peter Patriarca, afirmou que os avanços modernos na tecnologia de vacinas estavam rapidamente “ultrapassando a capacidade dos pesquisadores de prever possíveis eventos adversos relacionados à vacina”. Patriarca ponderou que isso poderia levar a “uma situação de resultados de vacinas inevitáveis e imprevisíveis”.

Em um novo artigo de pesquisa publicado na Microbiology & Infectious Diseases, o veterano  imunologista J. Bart Classen expressa preocupações semelhantes e escreve que “as vacinas COVID baseadas em RNA têm o potencial de causar mais doenças do que a epidemia de COVID-19”.

Durante décadas, Classen publicou artigos que exploram como a vacinação pode dar origem a condições crônicas como diabetes tipo 1 e tipo 2 – não imediatamente, mas três ou quatro anos depois da vacinação.

Neste último artigo, Classen adverte que a tecnologia da vacina baseada em RNA pode criar “novos mecanismos potenciais” de eventos adversos da vacina que podem levar anos para vir à tona.

O estudo de Classen estabelece o potencial das vacinas de RNA mensageiro (mRNA) desenvolvidas pela Pfizer e Moderna para ativar proteínas humanas para assumir “configurações patológicas” – configurações associadas a doenças neurológicas degenerativas crônicas.

Embora seu interesse específico seja em doenças de príons (condições associadas a versões mal dobradas de proteínas normais), Classen também descreve um punhado de outros mecanismos pelos quais vacinas baseadas em RNA podem dar origem a “vários outros eventos adversos fatais em potencial”.

Garantir que os pacientes entendam claramente os riscos – incluindo riscos conhecidos, bem como riscos potenciais desconhecidos – é um componente importante do processo de  consentimento informado . Isso é ainda mais verdadeiro quando a intervenção é experimental e carece de dados de segurança de longo prazo, como é o caso das vacinas mRNA Pfizer e Moderna contra COVID-19. O FDA autorizou as duas vacinas para uso de emergência generalizado com base em apenas dois meses de dados de ensaios clínicos .

Infelizmente, não é incomum a comunicação dos riscos dos pesquisadores ser superficial . Em outubro, pesquisadores da Universidade de Nova York e Tulane relataram que as informações comunicadas aos participantes dos ensaios clínicos de coronavírus sobre um problema preocupante conhecido como priming patogênico foram “suficientemente obscurecidas” para tornar “improvável” a “compreensão adequada do paciente” dos riscos a que estaria exposto.

Seria interessante saber o que “esses pesquisadores” diriam sobre a conclusão contundente de Classen de que “aprovar uma vacina, utilizando uma nova tecnologia de RNA sem testes extensivos é extremamente perigoso”.

Aqueles que contemplam tomar as injeções de mRNA COVID da Pfizer-BioNTech e Moderna  podem ignorar os riscos potenciais por sua própria conta e risco.


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informações adicionais:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

4 Responses to Vacinas mRNA da Pfizer-BioNTech e Moderna podem causar doenças crônicas há longo prazo

  1. Leonio

    Perigoso isso! Melhor arriscar pegar covid e morre que vacinar ter chance de viver e morrer depois por isso!

    • Anonymous

      Na verdade a preocupação desses doidos é que eles acham que a vacina “altera o DNA” (altera como? Tu vai ter um DNA de golfinho?!) e que ela tem um chip que vai permitir que os Illuminati te rastreiem e entreguem os dados para uma raça de lagartos que vieram do espaço. É esse o tipo de loucura que o cara desse site acredita.

      • Rod Bagnara

        e vc tah fazendo o que aqui? vai cuidar da tua turma, jacareh!!!!

        • Anonymous

          Eu venho pra rir da maluquice de vocês. Toma cuidado com os reptilianos hein! E não esqueça do guarda-chuva pra se proteger dos chemtrails. Mas lembre-se: George Soros controla tudo e mandou o Bill Gates te espionar. Maluco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.