browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

‘Visão Remota’ confirma os Nazistas aliados a Extraterrestres e Reptilianos na Antártica

Posted by on 23/04/2021

O Farsight Institute acaba de divulgar os resultados de várias sessões de visão remota enfocando a história verdadeira da Antártica em termos da existência de uma colônia alemã nazista separatista estabelecida lá com a ajuda de duas raças de extraterrestres durante e depois da Segunda Guerra Mundial. As sessões de visão remota foram conduzidas usando um protocolo científico [o mesmo usado pela CIA] rigoroso desenvolvido pelo Dr. Courtney Brown, e os resultados foram, francamente, muito impressionantes, mas não surpreendentes, pois confirmam os relatos de inúmeros insiders denunciantes sobre os nazistas e extraterrestres na Antártica publicados aqui em nosso blog.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Nazistas e Reptilianos na Antártica – Descobrindo a Verdade por meio da Visão Remota. As sessões de visão remota foram conduzidas usando um protocolo científico rigoroso desenvolvido pelo Dr. Courtney Brown, e os resultados foram, francamente, muito impressionantes.

Fonte:  Exopolitics Org

A consistência dos resultados com o que insiders, denunciantes e informantes revelaram anteriormente, e os detalhes adicionais que eles fornecem sobre os eventos que ocorreram na Antártica, há mais de 75 anos que levaram à expedição do Almirante Byrd [na Operação Highjump] de agosto de 1946 a fevereiro de 1947, tornam os dados de visualização remota muito útil para alcançar uma compreensão mais precisa de nossa [real e verdadeira] história.

O Dr. Brown forneceu dois alvos para cinco visualizadores remotos que não receberam nenhum detalhe sobre os mesmos, de modo que não puderam antecipar seus próprios preconceitos e opiniões a respeito. Aqui está como ele explica o protocolo científico usado para todas as sessões de visualização remota. Condições cegas para todos os dados de visão remota:

Toda a Visão Remota para este projeto (como com todos os projetos conduzidos no The Farsight Institute) foi conduzida em condições totalmente cegas. Os telespectadores remotos não foram informados sobre o projeto ou alvos específicos enquanto conduziam suas sessões de visualização remota. Eles foram apenas instruídos de que existe um alvo e que eles devem visualizá-lo remotamente.

Nas sessões de Visão Remota da Antártica, havia dois alvos nos quais os cinco visores remotos se concentrariam.

Alvo 1. A base nazista subterrânea mais avançada na Antártica, lá construída por volta do final da Segunda Guerra Mundial.

Alvo 2. A batalha [secreta] mais significativa entre as forças nazistas na Antártica e as forças dos EUA, comandada pelo Almirante Byrd depois do final da Segunda Guerra Mundial em 1946.

É importante enfatizar que os cinco visualizadores remotos foram instruídos a focar suas mentes  respectivamente no Alvo 1 e no Alvo 2, sem serem informados sobre nenhum dos dois.

Também deve ser apontado que não é incomum fazer com que visualizadores remotos se concentrem em eventos históricos em locais remotos. Documentos da CIA obtidos por meio da Lei de Liberdade de Informação confirmam que a CIA contratou visualizadores remotos para obter inteligência sobre eventos em Marte já há um milhão de anos. Claramente, aqueles dentro da comunidade de inteligência apreciam a importância da visualização remota de dados para entender melhor os eventos que ocorreram há décadas, séculos e até milênios no passado.

Na série de vídeos em duas partes que acaba de ser lançada, o Dr. Brown fornece suas observações introdutórias a cada alvo e o que os cinco visualizadores remotos descobriram. No final de cada segmento de cinco apresentações, ele dá seu próprio resumo e análise sobre cada alvo. O trailer a seguir apresenta a série de vídeos em duas partes que se estende por quatro horas e relata o que foi descoberto.

Na Parte 1 , os cinco visualizadores remotos apresentaram seus dados sobre o que haviam testemunhado. Todos eles descreveram ter visto grandes estruturas artificiais em uma região montanhosa fria e remota coberta de neve. Espaçonaves em forma de disco foram avistados nas proximidades, e vários observadores remotos os testemunharam aterrissando ou entrando em uma grande instalação subterrânea que era acessada por uma entrada aberta numa montanha.

Uma das instalações subterrâneas também era uma grande residência urbana, ofuscada por áreas industriais ainda maiores nas proximidades, todas conectadas por algum tipo de sistema de transporte. Todos os cinco visores remotos descritos viram humanos e extraterrestres interagir no local em várias situações e aqueles indivíduos-chave em posições de comando. A atitude dos humanos era uma mistura de medo, raiva e arrogância. Os extraterrestres tinham uma atitude de superioridade, domínio e tédio em trabalhar com humanos.

Nenhum dos visores remotos mencionou explicitamente a Antártica ou os nazistas. No entanto, as descrições que deram da localização e das pessoas envolvidas no Alvo 1 eram claramente indicativas de ambos. Embora houvesse algumas variações nos relatórios da área, estruturas, humanos e extraterrestres que cada um dos observadores remotos testemunhou, coletivamente, eles forneceram detalhes impressionantes no Alvo 1: “A existência de uma base subterrânea nazista dissidente mais avançada na Antártica, por volta do final da Segunda Guerra Mundial . ”

O Dr. Brown forneceu sua análise e resumo do que os cinco visualizadores remotos observaram em relação ao Alvo 1:

“O que descobrimos é que havia uma enorme presença nazista na Antártica no final da Segunda Guerra Mundial. Além disso, eles tiveram ajuda, ajuda extraterrestre e, de fato, uma ajuda extraterrestre muito surpreendente. Claramente, os nazistas não poderiam ter estabelecido uma presença militar poderosa na Antártica sem ajuda externa, o ambiente era muito inóspito. Então, eles conseguiram ajuda, mas no final descobrimos que eles, os nazistas, receberam ajuda de dois grupos extraterrestres muito diferentes“.

Um dos grupos extraterrestres ajudando os nazistas era reptiliano, enquanto o outro grupo era um grupo de aparência humana trabalhando com os nazistas e reptilianos.

Os dados de visualização remota se alinham de perto com o que o insider dos programas espaciais secretos, o engenheiro aeroespacial William Tompkins disse que ele, e membros de uma equipe secreta de espionagem naval estacionada na Estação Aérea Naval de San Diego durante a Segunda Guerra Mundial, foi informado por quase 30 espiões da marinha infiltrados nas principais corporações aeroespaciais na Alemanha nazista. 

Os espiões [eram 29 ao todo] revelaram que os extraterrestres reptilianos ajudaram o regime de Hitler a estabelecer uma base na Antártica durante a guerra e guiaram os alemães a locais precisos onde eles poderiam estabelecer uma grande base – a inexpugnável Shangri-la referida pelo  almirante Donitz, da qual os alemães poderiam um dia se recuperar de sua iminente derrota militar na Europa:

“A frota de submarinos alemã se orgulha de ter construído para o Führer, em outra parte do mundo, uma Shangri-La em terra, uma fortaleza inexpugnável”.

O testemunho de Tompkins é apoiado por vários insiders e documentos históricos que discuto em detalhes no livro Antarctica’s Hidden History: Corporate Foundations of Secret Space Programs  (2018). Portanto, os dados de visualização remota são uma fonte adicional de evidência que apoia as alegações de que os nazistas estabeleceram uma colônia separatista na Antártica, que continuou as operações nazistas bem depois da Segunda Guerra Mundial.

Os cinco visores remotos seguiram para o Alvo 2, novamente sem serem informados sobre o que estavam procurando. Desta vez, os cinco testemunharam grandes batalhas aéreas numa remota região montanhosa em um terreno frio e nevado. Um lado da batalha possuía discos voadores vindos tanto do espaço sideral quanto de locais submarinos que eram pilotados por uma mistura de humanos e extraterrestres, enquanto o outro lado compreendia aeronaves convencionais pilotadas exclusivamente por seres humanos, uma série de navios navais e forças terrestres.

O lado liderado por humanos foi descrito como militar em orientação e comportamento, e possuía aeronaves, navios e tropas terrestres. Antes da batalha, o líder do lado humano estava confiante e determinado a cumprir sua missão de encontrar e destruir as instalações subterrâneas do outro lado – a secreta base subterrânea alemã na Antártica.


Richard Evelyn Byrd (25/10/1888 – 11/03/1957) Vice Almirante da Marinha dos EUA foi um aviador, pioneiro e explorador polar, que sobrevoou o Polo Norte em 9 de maio de 1926, e dirigiu numerosas expedições à  Antártida, sobretudo um voo sobre o Polo Sul em 29 de novembro de 1929. Foram cinco suas expedições ao continente austral/Antártida, entre a primeira de 1929 e a última em 1956. 

Entre 1946 e 1947, levou adiante uma grande operação militar dos EUA, na Antártida, chamada High Jump, durante a qual descobriu e cartografou 1.390.000 km2 de território antártico. Em 1955 realizou a expedição  Deep Freeze também na Antártida, tendo voado pela última vez sobre o polo austral em 1956.


Os resultados são consistentes com o que se sabe sobre a Força-Tarefa 68 do almirante Richard Evelyn Byrd, que compreendia 13 navios, 33 aeronaves e 4700 militares dos EUA na Operação Highjump, e as ordens secretas que ele havia recebido para encontrar e subjugar quaisquer bases nazistas dos alemães na Antártica. Dadas as memórias da abrangente derrota militar da Alemanha nazista, é compreensível que o almirante Byrd e sua expedição tivessem tanta confiança em suas chances de sucesso.

Os observadores remotos descreveram a excitação e alegria dos extraterrestres cujas naves eram tecnologicamente muitíssimo superiores, em contraste com as aeronaves dos pilotos humanos (da Marinha dos EUA) que eram corajosos, mas rapidamente se desanimaram conforme a batalha avançava. Os observadores remotos descreveram as espaçonaves extraterrestres como possuindo armas LASER que desintegravam as aeronaves norte americanas e as forças terrestres avançando em direção à base alemã subterrânea na Antártica.

Os visores remotos descreveram um caso muito unilateral, onde os discos voadores brincaram e destruíram todas as aeronaves convencionais da Marinha dos EUA. Um dos observadores remotos, Aziz Brown (filho do Dr. Brown), comparou a batalha com o que foi retratado em um episódio da popular série de ficção científica, Stargate SG-1, onde naves extraterrestres invasoras foram recebidas por espaçonaves dos EUA pilotados por humanos Lutadores da força. Em contraste com a batalha genuína retratada no Stargate SG-1, Aziz Brown relatou a batalha que testemunhou em associação com o Target 2 como um massacre.

Os telespectadores remotos descreveram as consequências da batalha e as atitudes dos respectivos líderes. O comandante de um dos discos voadores extraterrestres estava em um humor muito comemorativo, enquanto o líder humano do lado perdedor estava arrasado. Vários dos observadores remotos descreveram o principal comandante da espaçonave extraterrestre como um Reptiliano muito alto e poderoso que ficou em êxtase com o resultado da batalha.

Há uma foto histórica que mostra um avião da Marinha dos EUA abatido que caiu durante a Operação Highjump. Embora a Marinha tenha afirmado que a nave abatida foi um acidente isolado, de acordo com os observadores remotos, a região da batalha na Antártica ficou coberta com esses destroços das aeronaves destruídas e das forças terrestres abatidas.

Destroços e sobreviventes do “acidente de um avião PBM Mariner, da expedição Highjump em 11 de janeiro de 1947

O Dr. Brown novamente forneceu sua análise dos dados no final da Parte 2 da série de vídeos.

Você já viu aqui em nosso blog todos os nossos dados sobre os nazistas na Antártica e seus aliados extraterrestres. Para ser honesto, não é muito surpreendente ver que os nazistas tinham o apoio de extraterrestres reptilianos.

O Dr. Brown passou a explicar a dinâmica do relacionamento em evolução entre os reptilianos, os nazistas e os militares dos EUA como resultado da Operação Highjump:

Os Reptilianos não tinham interesse de longo prazo nos nazistas, eles eram um meio para se chegar a um fim [o controle dos EUA pós guerra]…. Você vê, ajudando os nazistas com sua base na Antártica, eles ganharam duas coisas. Primeiro, eles ganharam uma pequena, mas confiável força militar escrava que eles poderiam enviar para onde quisessem, mesmo fora do planeta no futuro. Mas, em segundo lugar, e esta é uma parte realmente importante, eles podiam assustar a liderança militar e política norte americana [o que fizeram com sucesso]. Veja, ficou claro no final da batalha da Antártica que os nazistas poderiam usar suas novas [e secretas] espaçonaves e armas para desafiar todas as forças armadas dos EUA [que havia sido o pais grande vencedor da guerra]. Na verdade, os militares dos Estados Unidos seriam impotentes contra essa vantagem tecnológica dos nazistas.

Por que então os nazistas não fizeram isso de verdade e abertamente? Por que eles realmente não invadiram o território continental dos Estados Unidos e expulsaram os militares americanos da água, por assim dizer? Bem, é simples, seus aliados Reptilianos não permitiram [pois a própria existência dos reptilianos seria evidenciada, o que eles evitam, assim como os Greys, a todo custo]. Os reptilianos não queriam que os nazistas controlassem nada. Eles só queriam que a liderança política e militar dos EUA ficasse tão assustada que concordasse com absolutamente qualquer coisa a fim de obter um pouco dessa tecnologia avançada.

A análise de Brown é consistente com relatos internos de insiders e denunciantes que os nazistas e seus aliados extraterrestres permitiram que a maioria dos navios da Operação Highjump escapasse da destruição infligida às aeronaves e às forças terrestres. Os navios e o pessoal sobrevivente poderiam retornar aos Estados Unidos e alertar os líderes da segurança nacional sobre o novo inimigo instalado na Antártica.

De fato, o almirante Byrd revelou um pouco da verdade quando parou no Chile em março de 1947 e deu uma entrevista na qual se referiu a baixas significativas e a existência de UM NOVO INIMIGO que os Estados Unidos teriam de enfrentar.

O almirante Byrd declarou hoje que era imperativo que os Estados Unidos iniciassem medidas de defesa imediatas contra regiões hostis.

Fac símile da matéria publicada em jornal chileno com as declarações do Almirante Byrd, em 05 de março de 1947

O almirante afirmou ainda que não queria assustar ninguém indevidamente, mas era uma dura realidade que, no caso de uma nova guerra, o continente dos Estados Unidos seria atacado por objetos voadores que poderiam voar do polo norte ao polo sul a velocidades incríveis.

O almirante Byrd repetiu os pontos de vista acima, resultantes de seu conhecimento pessoal acumulado tanto no polo norte quanto no polo sul, antes de uma entrevista coletiva realizada para o International News Service . ”

Isso me leva ao segundo grupo de extraterrestres ajudando os nazistas que participaram da batalha aérea e terrestre na Antártica testemunhada pelos cinco observadores remotos. O Dr. Brown disse:

“O que é mais surpreendente é que alguns de nossos dados sugerem que algum apoio aos nazistas veio de um grupo de extraterrestres [de aparência humana] que conhecemos como Pleiadianos. Agora entenda que temos uma visão muito mais ampla dos Pleiadianos no momento atual. Eles não eram todos da mesma opinião durante aquele período de tempo.  Além disso, os Pleiadianos agora parecem estar completamente chateados com tudo o que alguns de sua espécie fizeram com os nazistas naquela época. Em geral, descobrimos que os Pleiadianos contemporâneos são [pseudo] boas pessoas que desejam o melhor para a humanidade, para toda a humanidade”.

Os comentários do Dr. Brown aqui são intrigantes, pois nenhum dos observadores remotos mencionou os pleiadianos ajudando os nazistas. Todos os observadores remotos mencionados eram extraterrestres de aparência humana ajudando os alemães (nazistas) nas estruturas subterrâneas e na batalha subsequente nas remotas regiões montanhosas geladas e nevadas na Antártica.

Maria Orsitsch – Marija Oršić – Maria Orsitsch, também conhecida como Maria Orsic, foi uma médium famosa que mais tarde se tornou líder e “guia espiritual” para os membros da Sociedade Vril. Ela nasceu em 31 de outubro de 1895 em Zagreb. Seu pai era croata e sua mãe era alemã de Viena.

De acordo com a literatura disponível, os extraterrestres de aparência humana ajudando os alemães os descreveram como vindos do sistema estelar [do sol moribundo] Aldebaran na Constelação de Touro, não do Aglomerado Estelar das Plêiades [M-45]. Isso ficou claro nas comunicações psíquicas de Maria Orsic, uma médium de contatos Extraterrestres da Sociedade Vril nazista que estabeleceu os contatos iniciais com os extraterrestres de Aldebaran que deram o pontapé inicial no desenvolvimento das avançadas e secretas espaçonaves nazistas [Haunebu I, II e III, Vril, Dostra, RFZ-7] que acabariam sendo incorporadas aos programas de armas secretas da Alemanha nazista e levadas secretamente para a Base subterrânea Nazista conjunta com aliens na Antártica.

O Dr. Brown está simplesmente errado em sua afirmação de que um grupo pleiadiano desonesto ajudou os nazistas? Possivelmente, mas vale a pena apontar que, de acordo com Elena Danaan, que afirma ser uma contatada Pleiadiana, há de fato um grupo desonesto de Pleiadianos que estão trabalhando com Reptilianos. Ela os descreve como vindos de Alcyone, um dos sistemas solares que compõem o Aglomerado Estelar das Plêiades, e também afirma que eles vêm ajudando a Cabala / Estado [Deep State] Profundo e seus servidores das trevas:

Eles se autodenominaram “Taal Shiar”… e nomearam seu planeta “Taalihara” orbitando ao redor da estrela Alcyone [sol central das Plêiades]…. Eles tentaram construir seu próprio pequeno império a partir daí, acho que foi quase impossível em relação à ameaça avassaladora dos impérios rivais da Constelação de Orion e Ciakahrr [Draco Reptiliano de Órion]. Em oposição aos seus irmãos Taygetans [o principal grupo Pleiadiano], eles não se juntaram à GFW [Federação Galáctica de Mundos] e, em vez disso, aliaram-se a… grupos malévolos. Eles estão envolvidos nos delitos da Cabala na Terra e em uma desgraça dolorosa para as raças do Homem. Eles também deram um mundo no sistema Alcyone para o controle de uma presença reptiliana. [ Um presente das estrelas , p. 250]

Aglomerado Estelar das Plêiades [Messier-45]

As informações fornecidas pela equipe de observadores remotos que trabalham com o Dr. Brown fornecem informações valiosas sobre os eventos históricos que ocorreram na Antártica por volta do final da Segunda Guerra Mundial, há cerca de 75 anos atrás, o estabelecimento de um programa espacial alemão secreto em uma enorme base subterrânea conjunta com aliens na gelada Antártica e a assistência aos nazistas dissidentes por grupos extraterrestres de aparência humana e reptiliana.

Os dados de visualização remota fornecidos pelo Dr. Brown e sua equipe de visualizadores remotos bem treinados seguindo um protocolo científico rigoroso fornecem um meio altamente valioso de coleta de informações sobre tópicos esotéricos e eventos históricos importantes envolvendo vida extraterrestre e a nossa história aqui na Terra.

Os dados fornecem respostas para muitas perguntas importantes, ao mesmo tempo que levantam outras questões controversas a serem exploradas. Mais criticamente, a visualização remota de dados nos ajuda a contornar a supressão [controle, manipulação, desinformação, feita pela mídia mainstream PRE$$TITUTES] generalizada de informações sobre a verdadeira história das interações extraterrestres humanas implementadas pelas forças de segurança nacional em todos os principais países. Por essas razões, o Dr. Brown e sua equipe de visualização remota merecem nossos agradecimentos e apoio.

© Michael E. Salla, Ph.D. Copyright Notice 

[Nota: Vídeos com visualização remota de nazistas e reptilianos na Antártica estão   disponíveis no Farsight Institute ]


“Conhece-te a ti mesmo e conheceras todo o universo e os deuses, porque se o que tu procuras não encontrares primeiro dentro de ti mesmo, tu não encontrarás em lugar nenhum”  –  Frase escrita no pórtico do Templo do Oráculo de Delphos, na antiga Grécia.

“Aquele que controla os outros pode ser poderoso, mas aquele que DOMINA A SI MESMO é mais poderoso ainda.”  –  Lao Tsé (Filósofo chinês, fundador do Taoísmo, escreveu o “Tao Te Ching” 600 a.C.-531 a.C.)


Leitura adicional:

Permitida a reprodução desde mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.