browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Vitória histórica de Trump: ‘A Conspiração’ das elites globais foi ‘Revelada’

Posted by on 07/03/2021

Pelos lábios de Joe Biden, o ““Estado – Deep State – Profundo” americano e, mais amplamente, a “elite” globalista mundial de oligarcas chamou Donald Trump de “o pior presidente da história dos Estados Unidos”. Bem, os funcionários e marionetes dos globalistas, é claro, sabem melhor quem é o pior para eles e sua agenda. Essa avaliação deles diz muito por si só, mas é especialmente notável por realmente reconhecer a escala histórica da personalidade e das realizações do presidente Trump ao “trombetear a existência do Deep State e seu pântano. Eles agora não são mais invisíveis”.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Vitória histórica do presidente Trump: a conspiração das elites globais de oligarcas e marionetes e o próprio Deep State foi revelada [Muitos ainda não perceberam NADA]

Fonte:  EurasiaDaily

Sentenças entre [  ]  são do tradutor.

Sergey Ivanov , ex-chefe de gabinete de Vladimir Putin, atualmente no Conselho de Segurança da Federação Russa, escreveu avaliando a “escala histórica da personalidade e realizações do presidente Donald Trump” em um artigo para o Eurasia Daily.

Leia também: Davos, THE GREAT RESET e The Plot To Cancel Trump

Da esquerda para a direita: Dmitry Medvedev, Vladimir Putin e Sergey Ivanov

Da esquerda para a direita: Dmitry Medvedev, Vladimir Putin e Sergey Ivanov

Você só precisa estar ao lado do mundo e colocar corretamente os sinais – “por contradição” – para ver que Donald Trump, talvez o melhor presidente da história dos Estados Unidos, é o “George Washington moderno”. Se o primeiro presidente da América lutou para lançar as bases da nação e do estado [americano], o início da liberdade americana, então Trump lutou e está lutando para preservar o legado dos pais fundadores [de sua nação], para defender a liberdade; por finalmente não se tornar o último Presidente dos Estados Unidos verdadeiramente eleito pelo povo. 

Ele, como Washington, é da mesma carne de seu povo, 100 por cento norte americano, um clássico self-made man, uma personificação viva do sonho americano. Trump é um empresário de sucesso, um homem de ação e um homem de palavra, ele construiu a América durante toda a sua vida e se tornou seu verdadeiro líder nacional.

Não só o americano, mas também a história mundial dos últimos séculos dificilmente conhece outros exemplos em que um político, aliás sem ter uma “máquina partidária” à sua disposição, conseguiu se tornar chefe de estado e receber tão fenomenal apoio das pessoas. É significativo que, mesmo em meio à intimidação da pandemia (que os globalistas do “Estado – Deep State – Profundo” também usaram para interromper a promissora campanha eleitoral triunfante de Trump e impedir a consolidação da nação americana em torno de seu líder), muitos milhares de pessoas se reuniram para se encontrar com o presidente. O quê, alguns dos “líderes mundiais” ao longo do último meio século podem se gabar de pelo menos algo semelhante?

A escala da personalidade e dos atos do presidente Trump também é enfatizada pelo fato de que não apenas o “Estado – Deep State – Profundo” dos Estados Unidos, mas toda a “humanidade progressista” levantou-se em armas contra ele. Todo o “internacional”, desde os comunistas (desde paranormais de esquerda-extremistas até respeitáveis ​​camaradas chineses) e terminando com o Papa Francisco, travou uma guerra não declarada para destruir o líder americano por todos os quatro anos de seu mandato. 

Não poderia ter sido de outra forma, porque os Estados Unidos são um país-líder da civilização moderna [ocidental] e, sem controle sobre ele, os globalistas não podem construir com sucesso sua própria “Nova Ordem Mundial”. Em 2016, eles subestimaram Trump e a vontade do povo americano de liberdade e tiveram que colocar sua “construção” em espera.  Em 2020, com a ajuda de engano atrevido [roubo escancarado] nas eleições presidenciais, os globalistas do “Estado – Deep State – Profundo” corrigiram seu erro e, usurpando de forma demonstrativa o direito de escolher do povo americano, mostraram “quem é que manda”.

E hoje, junto com Joe [o marionete senil e pedófilo] Biden, eles celebram não só BLM, Antifa e seus “curadores” como Soros e Pelosi , não só Merkel e Macron mas também os demais regimes “antidemocráticos” em todo o mundo, desde a China e Coréia do Norte à Venezuela e Cuba. Nos próprios Estados Unidos, muito antes do golpe da “eleição”, quase imediatamente após Trump chegar à Casa Branca, os funcionários do ““Estado – Deep State – Profundo” de ambos os partidos – não apenas políticos e “figuras públicas”, mas também funcionários públicos, forneceram informações sem precedentes e oposição a todos os seus esforços, fizeram de tudo para suprimir o impulso da América pela Liberdade. 

E o presidente Trump, como um verdadeiro herói americano, um homem de proporções épicas, aceitou a luta e enfrentou praticamente sozinho o “monstro global” que devorava [e devora mais ainda] o estado americano. E ele venceu neste confronto, neste, talvez, o último “western” da história americana.  Lutando contra os “bandidos” do “Estado – Deep State – Profundo” , ele arrancou a máscara deles e de seus controladores. A máscara pela “Liberdade.

Tendo demolido, Trump não só apresentou à “cidade e ao mundo” a prova factual da existência do “Estado – Deep State – Profundo”, tornando explícita a simbiose de socialistas, liberais, “cristãos” e outros “democratas” de todos os matizes, juntamente com seus “antagonistas” verdes anarco, mas também globalistas forçados revelam seus verdadeiros objetivos. E agora todos podem estar convencidos de que a construção do Paraíso na Terra não está de forma alguma incluída nesses objetivos. Em vez disso, pode-se ver que os “arquitetos” da “Nova Ordem Mundial” estão empurrando a “humanidade” na direção oposta ao Paraíso. Afinal, o que foi feito contra o presidente Trump e contra a América não é apenas surpreendente, mas claramente cheira a algum tipo de infernalidade.  E a questão não é só que os “Sagrados Princípios da Democracia” foram violados de forma ostensiva, como uma ficção, uma isca para os ingênuos, uma concha vazia atirada “ao primeiro desobediente”.

Mesmo que “descartemos as emoções”, outra coisa não pode deixar de nos surpreender: por que, para quê, destruir um país próspero? O que Trump fez de errado? No menor tempo possível [ele obteve] – sucesso fenomenal na economia, milhões de novos empregos, rápido crescimento da renda, a porcentagem de trabalhadores ricos entre hispânicos e afro-americanos cresceu significativamente, o número de abortos caiu significativamente e a imigração ilegal foi limitado. Sucessos fenomenais e tangíveis (centenas de bilhões de dólares) na arena internacional. Nenhuma guerra, ao contrário, é a consolidação da paz no Oriente Médio, o início da retirada das tropas do Afeganistão e do Iraque. E contra este pano de fundo – o sibilar incessante da [serpente do] mal [gritava]: “o pior presidente”, histeria constante de “demshiza”[?] e “democratas” de todas as “cores do arco-íris”, da velha bruxa prostituta italiana aos bem alimentados palhaços artistas [de Hollywood] e atletas- idiotas.


E NÃO SE ESQUEÇAM de que Joe Biden está tão senil que admitiu, diante das câmeras, em uma falha bizarra em seu discurso [talvez pela sua senilidade galopante] que os democratas produziriam “a mais ampla organização de fraude eleitoral da história da política americana”. Você pode vê-lo admitindo isso aqui, ESTA GRAVADO:

We’re in a situation where we have put together, I think, the most extensive and exclusive voter fraud organization in the history of american politics. [Estamos em uma situação em que montamos, creio eu, a organização de fraude eleitoral mais ampla e exclusiva da história da política americana.]


A comparação desses fatos leva naturalmente à pergunta: por que o presidente Trump não agradou ao “Estado – Deep State – Profundo”? O fato de ele não ser um representante das “minorias”? Ser apenas um homem branco de sucesso. Hoje, para o líder de um país “democrático”, isso é, claro, um “menos”, mas também não há nenhum crime específico nisso. Ou precisamente garantindo um rápido crescimento econômico dos EUA, fortalecendo as instituições do Estado, protegendo os direitos e liberdades constitucionais dos cidadãos, a família tradicional, a moralidade e a religião? Mas parece que o “Estado – Deep State – Profundo” deveria estar interessado no poder e na prosperidade dos Estados Unidos. Seus funcionários não podem cortar com as próprias mãos o galho em que se sentam, destruir deliberadamente o país em que se constitui a classe dominante.

A história, entretanto, conhece incidentes semelhantes. E você não precisa ir longe para obter exemplos, basta lembrar o reformador democrata M.S.Gorbachev e suas “equipes” para a “reestruturação” da URSS. Mas a questão, é claro, não é sobre exemplos. Como se costuma dizer, um exemplo não é uma prova, é uma questão de fatos, que, como sabem, são “teimosos”.  Aqui está um dos mais típicos. Desde pelo menos meados do século 19, liberais, socialistas e outros “amigos do povo” têm pregado que “a economia é fundamental”, “desempenha um papel de liderança na vida da sociedade”, etc. Esta “verdade” tornou-se um mantra não só para “cientistas -economistas”, mas também para todo o público “esclarecido” E o que vimos no caso de Trump? Descobriu-se que a “elite mundial”, que em palavras prega “economia”, de fato está muito mais preocupada com a ideologia e, em particular, com a proteção dos direitos das pessoas LGBT+ [LGBTQ+x-/gj∋3hβ5yk∇lcx∑8vsrβ 3eit1Ωpu ψ7p4o … vai faltar letras e números para “os novos gêneros que vão sendo criados] e a liberdade de promover a homossexualidade. Este fato tornou-se aparente quando, ao longo de todos os quatro anos da presidência de Trump, os ataques dos “democratas” a ele continuaram, apesar de todas as suas realizações notáveis,

Mas o que significa promover a homossexualidade? Esta não é apenas uma “destruição  abstrata da família tradicional”. Na verdade, esta é a propaganda da ausência de filhos. Ou seja, empurrando a raça humana para a extinção gradual, para a autodestruição. A questão é: o quê, os funcionários do “Estado – Deep State – Profundo” não entendem isso? Ou exatamente porque o presidente Trump atrapalhou essa propaganda, eles o descreveram como “o pior presidente da história dos Estados Unidos”? E por que eles inspiraram e pagaram pelo movimento BLM, pogroms e profanações de igrejas, terror moral contra as forças da lei e da ordem? Para fortalecer o estado americano? Talvez outras prioridades da “elite mundial”: feminismo, “luta contra o racismo”, “economia verde”, aliadas à promoção da homossexualidade, contribuam para o crescimento do bem-estar do americano e de outros povos?

Todas essas questões puramente retóricas nada mais são do que uma indicação de fatos que se tornaram literalmente ultrajantes durante a luta “pré-eleitoral” (e “pós-eleitoral”) dos “democratas” com o presidente Trump. Sua simples generalização leva à conclusão de que outra consequência historicamente significativa da vitória de Trump na colisão com o “Estado – Deep State – Profundo” – a vanguarda americana da “elite mundial” é que “o [que era] segredo [agora] se tornou claro” [para os NÃO CEGOS] – a “teoria da conspiração” recebeu uma confirmação clara e deixou de ser uma “teoria” para se tornar um conhecimento objetivo. Passou com sucesso no teste experimental e agora não é mais uma “hipótese”, mas um fato observável. Os interessados ​​podem chamar uma “conspiração” de “conspiração” ou, ainda mais politicamente correto, “um acordo não público das elites, concluído para atingir objetivos difíceis de formular publicamente”.

Se os globalistas serão capazes de construir sua “Nova Ordem Mundial” e colocar um fim à História , se o Presidente Trump vier a ser seu último herói, o futuro mostrará. Mas ainda hoje, graças à sua vitória histórica, todos que “têm olhos” podem ver para onde a “elite mundial” está levando [os ignorantes e cegos] e a quem está servindo. Veja e lute pelo seu futuro.

Sergey Ivanov

Lynn Corum é uma tradutora de russo [para o inglês] que estuda desenvolvimentos na imprensa russa que afetam os interesses nacionais dos Estados Unidos. Ela tem pesquisado e escrito sobre os planos declarados de Putin desde 2009 e é uma especialista mundial no Projeto Rússia, a ideologia estatal publicada do Kremlin. – Подробнее: https://eadaily.com/ru/news

Trombeta: trumpetTRUMPclarion


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br.

3 Responses to Vitória histórica de Trump: ‘A Conspiração’ das elites globais foi ‘Revelada’