browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Voluntário britânico diz que foi ‘Forçado’ a se juntar à Frente de Combate na Ucrânia

Posted by on 19/05/2022

O voluntário britânico, sem nenhuma experiência de combate, disse à RT que se voluntariou para ajudar civis na guerra da Ucrânia, mas que foi forçado a ir para a frente de combate por oficiais ucranianos. Andrew, de Plymouth, diz que viajou para a Ucrânia para tratar civis feridos, mas dentro de semanas, ele se viu bombardeado, baleado e capturado pelas forças russas.  Recuperando-se em um hospital russo, ele disse à RT que ele e seus colegas voluntários [todos mortos] foram “manipulados” para “cumprir um dever” que juraram evitar.

Voluntário britânico diz que foi ‘Forçado’ para se juntar à Frente de Combate na Ucrânia

Fonte: Rússia Today

Andrew, um ex militar britânico sem experiência de combate, de 35 anos que trabalhava como operador de andaime na Grã-Bretanha, estava ligado a uma unidade da Legião Internacional da Ucrânia perto de Nikolayev quando ficou sob uma devastadora barragem de artilharia russa. As tropas russas dispararam contra sua posição, Andrew foi atingido no braço, estilhaçando seus ossos com uma bala e se rendeu.

“Eu não estava lá para lutar, então me rendi” , disse ele à RT. Quanto aos companheiros de equipe que lutaram, “eles foram todos mortos” , explicou.

Andrew disse que nunca teve a intenção de participar ou mesmo se aproximar de um combate.  Observando reportagens da mídia sobre o conflito na Ucrânia em março, ainda na Inglaterra, ele disse que teve a impressão de que “a Ucrânia estava pedindo ajuda às pessoas” e entrou em contato com a embaixada ucraniana.

Andrew, voluntário britânico, ferido e capturado pelos russos

Deixando seus filhos para trás, ele voou do Reino Unido para a Polônia e seguiu para atravessar a fronteira ucraniana. Depois de um breve período “ajudando refugiados” lá, ele disse que foi abordado por um homem chamado ‘Jacob’ da Legião Internacional, que lhe disse que sua experiência médica básica – adquirida com os militares britânicos – poderia ser usada ainda mais dentro da Ucrânia .

“Estou triste” , disse ele à RT. “Eu sinto que mentiram para mim, massivamente. Não apenas pela Legião Estrangeira, mas sinto que me mentiram no Reino Unido através da mídia ocidental.” Andrew disse que as notícias de “pessoas chegando ajudando, indo para a Ucrânia, ajudando a Ucrânia”,  fizeram a viagem parecer uma perspectiva fácil [este caso é um claríssimo exemplo das consequências de se acreditar na MÁQUINA DE PROPAGANDA da mídia PRE$$TITUTE$ do Hospício ocidental].

Uma vez dentro da Ucrânia, Andrew se lembra de ter viajado para um prédio em Lviv, onde ele e um grupo de estrangeiros foram mantidos dentro de casa por vários dias, supostamente para sua própria segurança. Embora tenha servido no exército britânico, Andrew disse que não tinha experiência em combate e que voluntários como ele eram mantidos separados dos veteranos que vieram à Ucrânia para lutar.

De lá, o grupo foi levado de ônibus para Yavoriv – onde um centro de treinamento para recrutas estrangeiros havia sido destruído por um míssil russo – e depois para Kiev, onde um manipulador ucraniano lhes disse que a situação seria semelhante à de Lviv: “Vocês serão trancados, você não pode sair do prédio, você tem que ficar, você será alimentado, a água será fornecida para você, espere até novas instruções.’”

A primeira interação de Andrew com civis ucranianos ocorreu no início de abril na cidade de Bucha, onde ele disse que cozinhava e distribuía comida. Embora tenha chegado a Bucha depois que as tropas russas partiram, ele disse que não viu os sinais dos crimes de guerra que o governo ucraniano e a esmagadora mídia ocidental mais tarde atribuiu aos russos de lá.

“Eu mesmo não vi nenhum cadáver, não vi nada, parecia intocado” , lembrou ele, acrescentando que permaneceu na periferia da cidade. “Tudo parecia normal. Não havia nenhum sinal de luta.”

Depois de apenas um dia em Bucha, outra viagem de ônibus levou Andrew e seus companheiros a Nikolaev, que ele disse estar “mais perto da frente de combate do que eu imaginava”.  Mesmo depois de ter sido transferido para uma unidade de combate de seis outros estrangeiros fora da cidade, Andrew disse que as coisas pareciam tranquilas. No entanto, no dia seguinte, ele foi enviado para o front, e a sua posição foi atacada pesadamente pelos militares russos.

“Levei um tiro no braço, que quebrou meus ossos” , disse ele à RT. Enquanto as tropas russas avançavam, Andrew ficou deitado no chão com a mão boa acima da cabeça, até que um soldado russo o arrastou para uma trincheira e lhe administrou os primeiros socorros. “Tenho muita sorte de ter sobrevivido” , lembrou. “O soldado russo que me deu os primeiros socorros salvou minha vida. A bala cortou minha artéria e eu estava sangrando.”

Bandeira nazista de Hakenkreuz acenada por uma equipe de combatentes do neonazista Batalhão Azov da Ucrânia derrotados pelos russos que se rendeu em Mariupol (Fonte da imagem: Twitter)

O captor de Andrew ofereceu-lhe um cigarro antes de ele ser removido de volta pelas linhas russas para cirurgia e interrogatório. Atualmente ele esta aguardando por mais duas rodadas de cirurgia em seu braço num hospital sob a autoridade da República Popular de Donbass (DPR), ele disse à RT que havia muitos voluntários como ele que acabaram “numa situação em que você não quer estar”.

LEIA MAIS: Ucrânia está ganhando a batalha na Mídia Social, mas no mundo real Kiev está perdendo a luta pelo Donbass

“Todos pareciam pessoas normais que queriam ajudar os ucranianos civis”, disse ele sobre seus colegas voluntários, um grupo que incluía membros britânicos, canadenses, americanos, alemães e dinamarqueses. No entanto, ele disse que muitos se sentiam “da mesma maneira que eu”, no sentido de que se sentiam “manipulados” para ajudar os soldados ucranianos em combates em vez dos civis.

Desde sua captura, Andrew disse à RT que estava sendo tratado “muito bem” no hospital. “Todo mundo está sendo muito amigável. Estou recebendo atendimento médico todos os dias, sendo alimentado três vezes ao dia, recebo água, chá, café, tudo o que preciso”, explicou. 

Ele disse que as autoridades da DPR estão atualmente tentando devolvê-lo ao Reino Unido, mas precisam da cooperação do Ministério do Interior britânico e da embaixada ucraniana em Londres para organizar a transferência. Nem Londres nem Kiev estão cooperando com os pedidos de informações do DPR, disse ele à RT.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.