browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Yellowstone: NASA quer impedir uma catástrofe mais perigosa do que choque com asteroides

Posted by on 10/07/2019

Os cientistas da NASA estão elaborando estratégias para evitar a erupção do supervulcão de YELLOWSTONE que poderia ter efeitos devastadores para o clima global e destruir os EUA, escreve o The Independent. Os investigadores acreditam que uma perfuração na base de um dos supervulcões mais perigosos do mundo, localizado no Parque Nacional de Yellowstone, poderia ser a solução para o problema. 

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

NASA pretende prevenir (ou “CRIAR”) uma catástrofe mais perigosa do que choque com asteroides, no planeta, uma violenta erupção do supervulcão YELLOWSTONE

 Fonte: https://br.sputniknews.com/

Jatos de alta pressão bombeariam água para dentro da caldera para arrefecer o vulcão, liberando calor da câmara de magma e evitando que ela exploda.

Yellowstone, maior vulcão do planeta

Não obstante, de acordo com Brian Wilcox, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, perfurar um supervulcão implica numerosos perigos potenciais.

“Perfurar a parte superior da câmara de magma e arrefecer a partir daí seria muito arriscado”, disse o especialista ao BBC.

Essas ações tornariam a cobertura sobre a câmera de magma mais frágil e propensa a fraturas. Desta forma, a liberação de vários gases voláteis nocivos da parte superior da câmera pode ser ativada.

Segundo Wilcox, “a ameaça do supervulcão é substancialmente maior do que a ameaça de asteroides ou cometas”.

Uma erupção de um supervulcão poderia ter tais consequências como a fome mundial e a libertação de grandes quantidades de dióxido de enxofre na atmosfera. De acordo com as estimativas da ONU, as reservas mundiais de alimentos, neste caso, durariam apenas 74 dias.

O maior temor dos cientistas que estudam vulcões é a cinza vulcânica e os gases espalhada pelo vento. De acordo com o pesquisador Larry Mastin, isso deve ser uma preocupação, em primeiro lugar, das pessoas que vivem na área próxima de possíveis erupções.

A caldera do vulcão tem cerca de 90 quilômetros de diâmetro!

Grandes erupções ocorrem em média uma vez a cada 100.000 anos em média. A erupção supervulcânica mais recente teve lugar há mais de 27.000 anos em Taupo, na Nova Zelândia.

De acordo com o Serviço Geológico dos EUA (USGS), não haverá erupções no território de Yellowstone durante séculos. No entanto, Wilcox disse que o supervulcão do Parque explode aproximadamente uma vez a cada 600.000 anos e, segundo o especialista, “já passaram mais de 600.000 anos desde que explodiu plenamente pela última vez”.

O plano da NASA é perfurar cerca de dez quilômetros em Yellowstone e bombear água, que será retirada lentamente. O custo do projeto é de cerca de $ 2,69 bilhões de libras esterlinas. No futuro, uma usina geotérmica poderia ser construída, gerando energia elétrica.


Nota de Thoth: Foi com experimentos deste tipo (“Experimentos Científicos contra a NATUREZA”) que os cientistas de ATLÂNTIDA provocaram uma catástrofe para sua civilização…


contagem-regressiva-azul

“O medo é a emoção predominante das massas que ainda estão presas no turbilhão da negatividade da estrutura de crença da (in)consciência de massa. Medo do futuro, medo da escassez, do governo, das empresas, de outras crenças religiosas, das raças e culturas diferentes, e até mesmo medo da ira divina. Há aversão e medo daqueles que olham, pensam e agem de modo diferente (os que OUVEM e SEGUEM a sua voz interior), e acima de tudo, existe medo de MUDAR e da própria MUDANÇA.” –  Arcanjo Miguel


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.