browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Vacinas podem ser mortais…

Posted by on 06/12/2015

Esquema de vacinação é uma GRANDE FARSA diz documentos secretos do próprio governo britânico.

As autoridades governamentais, ao que parece, coloca em curso um programa para satisfazer os objetivos particulares da indústria (farmacêutica) da vacina, ao ter deliberadamente sonegado dos pais informações relevantes sobre os perigos e a ineficácia das vacinas, a fim de manter uma alta taxa de cumprimento de vacinação (e de faturamento). No processo, eles colocaram incontáveis milhões de crianças em todo o mundo com risco de efeitos secundários graves e até de morte.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Por Ethan Huff – Fonte: http://alignlife.com

(Segredos de Saúde) Se você é um pai, você provavelmente está ciente dos esquemas de imunização de crianças comandado pelo CDC (Center for Deacese Control) Centros para Controle e Prevenção de Doenças. Esta agenda hoje recomenda um número incompreensível de que 29 vacinas devem ser administradas a crianças entre o nascimento e até os seis anos de idade, incluindo vacinas contra a gripe anualmente. A programação do CDC também clama por mais cinco a 16 vacinas, a serem aplicadas nas idades entre sete e 18 anos.

Mas uma reportagem investigativa recente compilado pela Dra. Lucija Tomljenovic (foto), Ph.D., revela mais de 30 anos de documentos governamentais ocultos expondo esses calendários vacinais como uma fraude completa, para não mencionar que essa fraude das vacinas não fornece qualquer proteção real contra doenças.

Embora o papel da Dra. Tomljenovic se concentre principalmente no sistema britânico de saúde e a sua elaborada existência de um sujo encobrimento da verdade no sistema de saúde britânico  sobre o seu próprio programa nacional de vacinação, os princípios das conclusões do estudo ainda se aplicam a programas de vacinação em geral. Estes esquemas são normalmente concebidos com a finalidade de servir a interesses corporativos em detrimento da saúde pública do povo em geral. 

As “autoridades ” governamentais britânicas, ao que parece, coloca em curso um programa para satisfazer os objetivos particulares da indústria (farmacêutica) da vacina, ao ter deliberadamente sonegado dos pais informações relevantes sobre os perigos e a ineficácia das vacinas, a fim de manter uma alta taxa de cumprimento de vacinação (e de faturamento). No processo, eles colocaram incontáveis milhões de crianças em todo o mundo com risco de efeitos secundários graves e até de morte.

Você pode acessar artigos completos da Dr. Tomljenovic através dos links indicados no final mais abaixo.

Encobrir dados de pesquisa negativos para incentivar o cumprimento das metas de vacinação

Através de vários Freedom of Information Act (F.O.I.A. pedidos), a Dra. Tomljenovic foi capaz de obter as transcrições das reuniões privadas que foram realizadas entre a Comissão Mista de Vacinação e Imunização (JCVI), o chamado comitê consultivo de peritos independente que faz recomendações ao governo sobre a política de vacinação, e vários ministros da saúde britânicos ao longo dos anos e dos governos. Depois de se debruçar sobre esta pilha de informação em documentos, que foram velados, tirados da vista do público, a Dra. Tomljenovic fez algumas descobertas muito inquietantes.

“O JCVI (Comissão Mista de Vacinação e Imunização) tem feito esforços contínuos para reter dados críticos dos pais e profissionais de saúde sobre reações adversas graves e contra-indicações para a vacinação, a fim de atingir  taxas de vacinação gerais que foram consideradas necessárias para a ‘imunidade de grupo’ um conceito que … não se baseia em evidências científicas sólidas “, explica a Dra. Tomljenovic na introdução do seu relatório.

“Documentos oficiais obtidos do Departamento Britânico de Saúde (DH) e do JCVI revelam que as autoridades de saúde britânicas têm se envolvido em tal prática para os últimos 30 anos, aparentemente com o único propósito de proteger o programa nacional de vacinação.”

Estas são acusações fortes, mas a informação  reunidas pela Dra. Tomljenovic fala por si mesma. Não só o JCVI rotineiramente ignorou questões de segurança, eles não só sempre pressionaram em relação ao cumprimento do calendário de vacinação, sempre em expansão, mas o grupo também censurava ativamente dados desfavoráveis que lançam uma luz negativa sobre as vacinas, a fim de manter a ilusão de que as vacinas são seguras e eficazes. Além disso, o JCVI mentiu regularmente para o público e autoridades governamentais sobre a segurança das vacinas, a fim de garantir que as pessoas continuem a vacinar seus filhos.

O JCVI tem sido consciente dos perigos da vacina contra MMR (Measles, Mumps, and Rubella-Sarampo, Cachumba e Rubéola), mas encobriu a verdade.

Começando na página três do seu relatório, a Dra. Tomljenovic descreve os detalhes sórdidos de reuniões realizadas já em 1981, onde o JCVI claramente esta envolvido em fraude, encobrimento e mentiras a cerca de vacinas para claramente proteger a indústria farmacêutica de vacinas, e não as crianças contra às doenças. As atas destas reuniões revelam que o JCVI tentou ativamente encobrir efeitos colaterais graves associadas com as vacinas comuns como o sarampo e tosse convulsiva (pertussis), ambos as quais estavam claramente interligados para causar graves danos cerebrais em uma percentagem substancial das crianças que foram vacinadas.

De particular preocupação era como o JCVI tratava os dados desfavoráveis sobre a polêmica vacina tríplice viral contra sarampo, caxumba e rubéola. Há 10 anos antes o Dr. Andrew Wakefield publicou seu estudo sobre MMR em The Lancet , e o JCVI já estava plenamente consciente de que o Instituto Nacional de Padrões Biológicos e Controle (NIBSC) havia identificado uma ligação clara entre MMR e a meningite e encefalite induzida pela vacina. Mas ao invés de liberar esta informação e pedir novas avaliações de segurança da vacina, o JCVI por sua vez censurou essa informação crítica do público, e mentiu descaradamente sobre a segurança da vacina MMR (Tríplice) durante anos.

A extensão das preocupações do JCVI com as implicações da avaliação científica sobre a política de segurança das vacinas  explica por que eles se opuseram a fazer qualquer vigilância a longo prazo para doenças neurológicas graves após a vacinação“, escreve a Dra. Tomljenovic. “Em vez de repensar a política de vacinação, pelo menos até que as preocupações de segurança foram totalmente avaliados, o JCVI escolheu apoiar a política existente com base em evidências incompletas que estava disponível naquele momento.

Em outras palavras, o JCVI estava mais preocupado em proteger a reputação da perigosa vacina MMR (Tríplice), assim como muitas outras vacinas questionáveis, do que em proteger crianças contra ferimentos graves como resultado de serem vacinadas. Quanto à vacina MMR está em causa, esta peça crítica de informações não só reforça a legitimidade das descobertas do Dr. Wakefield de 10 anos depois, que foram ilegitimamente declaradas como fraudulenta pelo sistema corrupto, mas também ilustra o quanto este doloroso golpe na saúde de nossas crianças tem ocorrido.

Ouça entrevista da Dra. Lucija Tomljenovic -inglês- dada em 20 de janeiro de 2013 à LogosRadioNetwork.com

Manipulação de dados de saúde e desviando estudos sobre segurança para empurrar a inoculação de vacina.

Se isso não fosse ruim o suficiente, a Dra. Tomljenovic também trabalhou duro em cima de grandes quantidades de informações sobre hábitos de longa data do JCVI de incentivar as empresas de fabricantes de vacinas para alterarem deliberadamente as suas folhas de dados de pesquisa, a fim de transformar as vacinas perigosas e ineficazes em medicamentos seguro e eficaz, de acordo com as suas recomendações. 

Por exemplo, quando a orientação sobre contra indicações da vacina do JCVI para MMR não coincidiam com as do fabricante da vacina, o JCVI aparentemente instruia o fabricante a alterar suas folhas de dados para evitar “problemas legais”.

Da mesma forma, a política oficial do JCVI ao invés de usar estudos confiáveis se utilizou de estudos incertos para apoiar as suas próprias opiniões sobre as vacinas, em vez de confiar em estudos cientificamente comprovados e independentes para fazer recomendações de política de vacinas. Mais uma vez, a posição do JCVI sobre a segurança e eficácia da vacina tríplice viral é um excelente exemplo disso, como o órgão estatal simplesmente ignorou estudos  legítimos sobre a vacina tríplice em favor dos estudos ordinários apoiados pelos fabricantes das vacinas, como o infame 2005 Cochrane Review, que, tecnicamente, não prova nada sobre a alegada segurança do MMR, porque os 31 estudos que fizeram a avaliação nem sequer atendem aos critérios metodológicos básicos do JCVI.

Ao longo dos anos, o JCVI tem promovido constantemente a vacina MMR como segura, com base em estudos que têm sido provados ser irrelevantes, inconclusivos, ou metodologicamente questionável“, explica a Dra. Tomljenovic, acrescentando que o JCVI rotineiramente escolheu contar com  estudos epidemiológicos falhos que apenas identificam associação ao invés de causalidade, uma imprecisão bastante irônica à luz de como examinar o estabelecimento é tipicamente de estudos que contradizem suas próprias posições.

O seu relatório de abrir os olhos com 45 páginas passa a explicar como os calendários de vacinação foram estabelecidos através da minimização calculada de preocupações com a segurança da vacina e do excesso para inflar os benefícios da mesma, a promoção de novas vacinas perigosas na idade pediátrica das crianças através do engano, o desanimador prosseguimento de estudo sobre segurança das vacinas, e a lavagem cerebral generalizada do público através de manipulação e de truques de prestidigitação científica. Postado em Janeiro 2015.

Para mais informações:

http://www.cdc.gov/vaccines/schedules/

http://www.ecomed.org.uk/wp-content/uploads/2011/09/3-tomljenovic.pdf

http://www.ecomed.org.uk/wp-content/uploads/2011/09/3-tomljenovic.pdf

http://www.ecomed.org.uk/wp-content/uploads/2011/09/3-tomljenovic.pdf

http://childhealthsafety.wordpress.com

http://foodfreedomgroup.com

Publicado com a permissão de Alignlife. Link do artigo original está aqui .

Ethan Huff é um escritor freelance e entusiasta da saúde que ama explorar o vasto mundo de alimentos naturais e de saúde, cavando fundo para chegar à verdade. Ele dirige uma publicação própria on-line de saúde: http://wholesomeherald.blogspot.com

Permitida a reprodução desde que mantido na formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

6 Responses to Vacinas podem ser mortais…

  1. s

    Gente, pelamor! Colocar em xeque a ‘qualidade’ do preparo na fabricação de vacinas é uma coisa, mas criticar o método??!
    Qualquer um sabe que um vírus precisa ser bem atenuado para que possa perfazer uma vacina satisfatória. Mas… se alguém anda manipulando mal nos laboratórios, já é outra situação.
    Uma vacina não induz a doenças. O que ela faz é ‘despertar’ o organismo do vacinado, fazendo-o ‘fabricar’ anticorpos e guardar essa ‘memória de fabricação’. O que pode ocorrer é que o indivíduo, ao ser vacinado, não esteja bem, talvez combatendo alguma doença naquele momento, então a reação à vacina pode ser exacerbada, ou mesmo contrair alguma outra virose em paralelo. É natural. Uma vacina é um ‘ataque’ (controlado) ao organismo, que demandará trabalho do sistema imunológico. Logo, se ele estiver sobrecarregado, o organismo se ressentirá. Porem, ainda assim, há que se pesar o risco-benefício. Quem gostaria de ter sarampo, caxumba ou paralisia infantil?!…
    Espera-se a vacina contra a Aids. Espero que quando ela vier, e que seja logo!, que os ‘doutores’ aí não venham com criticas persecutórias ao modo dos psicóticos.

    • Fausto AMARAL DE BARROS

      Jovem!… “Pelamor”!…
      Você não entendeu mesmo, ou finge inocência?!…
      O objetivo da matéria é alertar/preparar/armar a Humanidade contra aqueles (os execráveis sionistas escravagistas) que usam até de coisas tão nobres como as vacinas para tingir seus sórdidos objetivos, ou seja, esterilizar/diminuir/matar as populações que não lhes interessam. Querem meros 500 milhões de nós — preferencialmente os mais fortes e produtivos.

  2. knight

    São poucas coisas que quero nesta vidinha RIDIKULA que se vive no planeta terra, que é quando chegar minha vez que seja FULMINANTE e rapido como a velocidade da luz, e la eu qro fikar em açougue com akelas medikos capitalistas me cobrando cotonete, bando de medikos viciados em drogas, então é isso que quero, BANG!!! morri.

  3. Vander Port

    Muitas doenças foram eliminadas da face da Terra por causa das vacinas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *