Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Crise Financeira começou nos EUA, e é intencional

Por algum milagre – na verdade, pela impressão de 5,4 Trilhões de dólares que se revelou numa inflação persistente – os Estados Unidos conseguiram até agora evitar uma grave crise financeira. Esse é o único setor da economia que até agora “o sistema” conseguiu proteger do desastre. Mas perguntamos, Por quanto tempo isso poderá ser evitado? Observando atentamente o ambiente econômico altamente alavancado, parecia bastante provável que isto começaria com uma crise nos imóveis comerciais nas grandes cidades. Nova York, em particular, é o ponto quente e o termômetro.

A Crise Financeira começou nos EUA, e é intencional

Fonte: The Epoch Times – De autoria de Jeffrey Tucker

A historia se desenrola assim :

Depois de um longo boom imobiliário nas grandes cidades, com trabalhadores a deslocarem-se por longas distâncias para trabalharem, e políticas de taxa de juro zero que subsidiaram maciçamente a alavancagem empresarial em imóveis comerciais e uma descontrolada farra de contratações, os súbitos confinamentos da pandemia covid, de há quatro anos mudaram tudo.

De repente, vastas camadas da classe gestora profissional foram forçadas a fazer o seu falso trabalho a partir de suas residências, deixando os escritórios vazios. Isto não só levou a uma escassez repentina de papel higiênico doméstico. Introduziu na América corporativa uma nova forma de gerenciar a força de trabalho. Mesmo depois de todo esse tempo, o hábito do deslocamento diário não voltará a ser como era antes e muitas pessoas ainda estão trabalhando em casa.

Olhando de fora para dentro, pode parecer que a resposta óbvia seria converter enormes arranha-céus de escritórios em apartamentos residenciais, dos quais há uma enorme escassez. Mas isso não é tão fácil. Estes espaços de escritórios estão concebidos para serem o que são e não podem simplesmente tornar-se apartamentos. Na verdade, havia apenas uma escolha: recuperar a força de trabalho em tempo integral ou reduzir a quantidade de espaço alugado de escritórios.

Esses arrendamentos de imóveis comerciais normalmente duram de 5 a 10 anos. Há dois anos, o relógio começou a contar para muitos deles. Muitos começaram a expirar no ano passado e muitos mais este ano. As empresas estão olhando para seus enormes espaços de escritórios meio vazios e percebendo que poderiam reduzir sua área ocupada pela metade ou mais. O horário de trabalho híbrido simplesmente não mais exigia a ocupação de vários andares de escritórios alugados que existiam anteriormente.

Como resultado, muitas empresas estão fazendo cortes em seus espaços alugados, resultando em menos fluxos de receitas para os investidores de hipotecas e, portanto, menos disponíveis para pagar os empréstimos gigantescos sobre grandes propriedades, detidos por grandes empresas financeiras.

Um importante player no mercado da cidade de Nova York é o New York Community Bancorp-NYCB. No ano passado, ele começou a relatar que estava perdendo suas métricas e passando por tempos difíceis. Suas ações começaram a sofrer uma surra. À medida que os relatórios pioravam, a ordem de venda das suas ações aumentava.

De uma máxima de quase US$ 14, a ação do New York Community Bancorp-NYCB começou a despencar, caindo ainda mais abaixo de US$ 2. Foi quando o pânico começou na comunidade bancária. Seu CEO foi demitido e substituído. Depois, vários grandes credores desembolsaram bilhões de dólares num pacote de resgate para consertar as coisas novamente. As ações então se recuperaram ligeiramente.

Notável é a fonte desses fundos: o ex-secretário do Tesouro Steven Mnuchin. Envolvidos estão o Liberty Strategic Capital de Mnuchin, Hudson Bay Capital e Reverence Capital Partners e incluindo o Citadel. O novo CEO é o ex-Controlador da Moeda.

Por outras palavras, este é um resgate do banco NYCB pelo Estado Profundo, numa tentativa de todos para parar o contágio no sistema. É algo muito sério. E embora a ação tenha recebido muitas manchetes, pode ser, numa frase poética, uma nuvem do tamanho da mão de um homem.

“A Moody’s Investors Service e a Fitch Ratings rebaixaram as classificações de crédito do New York Community Bancorp para abaixo do grau de investimento”, escreve o Wall Street Journal.

Todos os resgates do mundo não vão resolver o problema subjacente. A questão imobiliária comercial nas grandes cidades, particularmente em Boston, Nova Iorque e Chicago, não vai desaparecer. Ela vai piorar durante todo o ano, levando a mais fraqueza entre os principais bancos. Isto provocará mais centralização e resgates bancários. O Fed e o Departamento do Tesouro dos EUA estarão observando de perto o processo.

Eles serão capazes de conter o contágio sistêmico? Não é provável, não a longo prazo. A crise financeira está chegando. Eles estão apenas chutando a lata no caminho e ganhando tempo.

RELACIONADO: Grandes bancos dos EUA viram saídas de depósitos de mais de US$ 7 bilhões em meio ao caos da NYCB somente na semana passada

Se nos perguntamos por que é que o Fed continua a promover cortes nas taxas – apesar da realidade de que a inflação não está nem perto de ser controlada por qualquer indicador histórico – esta é a razão. É um meio pelo qual o Fed garante aos mercados que está pronto para ligar a impressora de dólares [novamente] a qualquer momento. Eles não permitirão que o sistema se desfaça.

O que isso significa para você? Bem, para começar, significa que a inflação não vai desaparecer, não por muito tempo. Pode ficar muito pior a partir do próximo ano e do seguinte. Poderíamos estar caminhando para uma repetição da década de 1970, com três ondas inflacionárias distintas. Poderíamos ter passado pelo primeiro e esperar apenas o dois e o três.

Investidores sofisticados descobriram isso, e é por isso que o preço do Ouro e do Bitcoin atingiram novos máximos. É o único verdadeiro porto seguro em tal ambiente. Não importa quem seja eleito presidente, isto será um enorme problema para o próximo mandato, pois é sistêmico e vem sendo produzido discretamente há bastante tempo. Pode emergir como a questão central. Quando isso acontecer, lembrem-se das raízes do problema, que remontam não só aos confinamentos pela Covid-19, mas à resposta à crise de hipotecas imobiliárias de 2008 e ainda antes, com a flexibilização do crédito após 2001.

Até agora, foi um século de finanças inflacionárias. Como isso poderia não terminar em crise financeira? A única questão é qual caminho será necessário para se desenvolver. Só agora estamos vendo o começo disso tudo, com o provável fim do NYCB, o primeiro dominó a cair . . .


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *